Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2016

Tenho mamas grandes e detesto. Ponto.

Porquê? Muitos e variados motivos: - Porque me impedem de usar imensa roupa, visto que as peças me servem no corpo e apertam no peito; - Porque nunca uso decotes. Um decote ligeiro, numa mamalhuda, fica enorme; - Porque sou roliça e o peito grande ainda me faz mais roliça; - Porque nunca uso decote (já disse esta, mas repito); - Porque não posso comprar soutiens nas lojas da moda, a bom preço; - Porque gasto 60 euros num soutien; - Porque gasto 70 euros num soutien de desporto (mas, caraças, as margaridas nem mexem!); - Porque gasto 90 euros num biquíni (deve ser por isso que, ao contrário de todaaaas as mulheres, só uso um biquíni por Verão); - Porque é incómodo para dormir em certas posições; - Porque, mesmo com um bom soutien, chego ao fim do dia com a zona debaixo do peito toda arranhada; - Porque um bom soutien, numa mamalhuda, dura - no máximo - um ano (depois perde qualidade e firmeza); - Porque, nas fotos, só vejo mamas (mamas, só mamas, mais nada!);

Porto de abrigo

Não há nada como saber que temos um porto de abrigo. Aconteça o que acontecer, viva as preocupações que viver, tenha os problemas que tiver, o abraço dele é sempre o meu porto de abrigo.  Deve ser por isso que hoje estou melosa e muito apaixonada. É de estranhar. Daqui a pouco ele pergunta o que é que eu quero comprar...

Instaweek

Quatro queijos. A gulodice da passada quinta-feira à noite. Quem lhe resiste? Princesa, a rainha dos mimos. Leituras em boa companhia. O meu poncho favorito deste Inverno. Pêlo na cama? Nãoooo! Cada dia mais bonito. Dona Evita, a imperatriz. Bolo de chocolate, feito segunda-feira à noite, em jeito de comemoração da vitória do Boavista. Hoje cruzei-me com esta gatinha super bem vestida: parte de baixo de ganga, parte de cima aos quadradinhos. https://www.instagram.com/asminhaspequenascoisas/

Sugestões da S*

Já andava há imenso tempo para investir num álbum fotográfico como deve ser. É daquelas coisas que adoro ver... mas não me apetecia lá muito fazer o investimento. Nos últimos dias andei a recolher as nossas melhores imagens, juntei mais de 200. Nós, a família, o casamento da mana, os nossos passeios, os nossos animais. Foi o momento ideal para fazer um álbum fotofráfico.  Lá andei a procurar e encontrei a DreamBooks . Bom, na verdade, não tive de pesquisar... lembrava-me da marca por causa da publicidade com o Diogo Morgado. Ainda me tentei aventurar a fazer um álbum de raiz, mas acabei por desistir da ideia, admitir que não tenho jeito para ser artista, e utilizar um modelo pré-definido. Escolhi este cor de rosa, que é o modelo Love, e é mesmo amoroso. Esta é a capa do meu álbum.  Já está feito, encomendado. Agora fico à espera dele, para guardar com amor. Nota: Antes que comecem com coisas, isto é uma sugestão. Não é publicidade.  Nota 2: Escolhi o Álbum Di

Ahahah

Um dia os teus amores aparecem no Record , como exemplo da força boavisteira. Hoje foi o dia. :D

Seja como o Simão

Esta semana descobri, lá no Facebook, a página " Seja como o Simão ". Uma adaptação do original "Be like Bill", que já tem sido replicado por todo o mundo. Em Portugal, temos o Simão. O Simão faz-me rir a bom rir... Depois chego a esta, publicada hoje, e até me sinto mal disposta. É isso mesmo, Simão. Antes de virem com a história do "cada caso é um caso", leiam de novo. A imagem fala em "abandonar". É só esse tipo de gente que se critica (nunca os que obviamente não têm outra solução). Eu tenho uma opinião muito vincada sobre os lares de idosos - respeito-os quando fazem um bom trabalho, mas conheço demasiados a fazerem um péssimo trabalho. A família deve estar à nossa beira... e com o dinheiro que gastamos nos lares, podemos gastar a ter alguém a acompanhar o familiar que precisa de apoio. Sou super apologista de centros de dia mas morro de medo de lares de idosos.

Amén!

Todos os dias tenho de agradecer aos santinhos por me derem "dado" um namorado que percebe o meu amor pela minha profissão. Olhem que não é fácil aturar uma doida por trabalho como eu, que abdica de noites, fins-de-semana, feriados e afins, pelo gosto de fazer aquilo que sempre quis fazer. Um dia pode ser que me canse... Mas, por agora, adoro!

Ahhh!

Já não me lembrava da maravilha que é dormir com uma botija de água quente nos pés... Estou maravilhada! Infelizmente, como tenho muito má circulação, ultimamente não consigo dormir de meias (nem que seja 'pezinhos'). Estou sempre de pés gelados e o mais-que-tudo é quem paga... Mas agora redescobri a maravilha que é a minha botija. Não a largo mais.

Leituras

Já tinha saudades de um bom livro. No ano passado andei muito envolvida nas "50 Sombras de Grey" e coisas do género. Adorei ler, atenção. Mas não há nada como um livro que nos prende a cada linha e que nos deixa absolutamente fascinados. Em modo: A Rainha no Palácio das Correntes de Ar , Trilogia Millennium, volume 3.

Quão deprimente?

Quão deprimente é fazeres uma tortilha manhosa, apenas com batata + ovo (dahhh) + queijo... E o mais-que-tudo dizer que, em cinco anos, foi o melhor prato que fizeste? Fada do lar... não sei quem seja!

Facto

Indiscutível!

Olha que isto...

Uma pessoa diz: estou a tentar reduzir na carne. Há quem comente: - Não entendo porque o fazes. Respondes que te faz impressão saber que os animais morrem por nós. Aí argumentam: -Os peixes também sofrem. Os peixes sofrem uma agonia ao morrer. Tu dizes que os mamíferos são os animais que mais impressão te fazem impressão comer... Pois respondem: - Então come peru e galinha. Não, não, andamos a tentar cortar mesmo em toda a carne. E aí respondem... - Também comes a carne do peixe. E acrescentam: - Devias informar-te sobre o sofrimento das vacas quando as tornam em máquinas de fazer leite. Oh gente exigente, hein? A boca é minha, a sensibilidade e a opção também são minhas. Se sinto mais pena das vacas, dos porquinhos, são coisas cá minhas. Pode ser hipócrita - admito que sim -, mas ninguém disse o contrário. Se fosse a pensar na dor de todos os animais, não comia era porra nenhuma. Só plantas, fruta e ervas. Se juntarmos a isto um chorrilho de insult

Mudar para melhor

Já vos disse que o mais-que-tudo decidiu deixar de comer carne? Já não toca em carne desde 26 de Dezembro. Eu acompanho-o nesta decisão, mas de forma moderada. Em casa, não como carne. Nem compro o que quer que seja que tenha carne. No entanto, na casa da mãe e afins, como. Estou numa transição. É uma bonita decisão, em prol dos animais (mamíferos e aves...) que tanto amamos... mas tem dificultado as nossas refeições! Eu já não sou grande cozinheira (ele muito menos...), mas fazer só peixe tem-se revelado uma tarefa complexa. Bacalhau, filetes de pescada e atum... é tudo o que sei cozinhar.

Sugestões da S*

Coisas que podiam inventar, pois acredito que seriam um sucesso para casais: lençóis divididos ao meio. De um lado, polares e quentinhos (para mim), do outro lado, frescos e frios (para ele). Ontem pus os lençóis polares na cama e o mais-que-tudo já começou a reclamar... Eu sou aquele tipo de pessoa que adoooora dormir com mantas e cobertores em cima, com aquela sensação reconfortante de peso. Ele esperneia, destrói a cama, dorme destapado... mas durante a noite já se enrosca nas mantas. É o que é.

Bom...

O mais-que-tudo foi ao Estádio do Bessa ver o Boavista. O Boavista levou 5 secos do Porto. Estou aqui, estou a pensar numa maneira de alegrar o homem... Canelones de atum?

Facto

Ao fazer uma "viagem no tempo" ao revisitar as nossas fotos de início de namoro, é fácil concluir... O amor enche-nos. O coração e o corpo.

Confesso

Hoje, debaixo das botas, fui trabalhar com as meias felpudas que uso para dormir. Tão quentinha que estava!  Um dia destes vou de pijama debaixo da roupa... :P

5.000 postas de pescada

Jesus, olhei para as estatísticas e caiu-me a ficha: 4.999 mensagens cá no blogue. O que significa que esta é a número 5.000. Em sete anos. Uau. E pensar que tudo começou quando um certo ex-namorado me resolveu enfeitar a testa e eu fiquei deprimida e comecei a escrever. ;) Namorados há muitos, blogue há só um. Este e mais nenhum! Obrigada, malta.

Facto!

Chorei várias vezes, quando era pequena. E chorei baba e ranho, há uns três meses, quando o filme repetiu na televisão... 

A realidade das coisas

De vez em quando gostava de sentir que não tenho responsabilidades... que não tenho trabalho para fazer, uma renda e contas para pagar, animais para cuidar, uma família para amar. Juro-vos que, se pudesse, tinha iniciado este ano a sair daqui, a dar uma volta sem destino e a aproveitar para pensar em mim e no que eu quero e não quero. Sinto-me cansada. Parece patético, mas sinto-me cansada.

2015... xau xau!

O ano que findou foi relativamente calmo. Surgiu um novo desafio profissional, que agarrei com muita vontade e que tenho adorado fazer. Para ele, as coisas também melhoraram, trabalha no que gosta, faz o que merece fazer,. Podíamos estar melhor, mas também podíamos estar pior. Mas 2015 fica com aquele sabor agridoce. Foi um ano... sei lá... sem concretizações? Não foi um ano que me tenha marcado por nada em concreto. É verdade, nasceu o meu sobrinho, que é o bebé mais bonito, divertido e risonho de sempre. Não é por ser sangue do meu sangue, é mesmo um menino lindo e bem disposto. Sim, existem crianças feias. Sim, existem crianças que tiram a paciência a um santo. O "nosso" é diferente.  Mas tirando esse lindo facto, não aconteceu mais nada. Continuei a ter o meu trabalho, a fazer o que gosto, a estar com quem gosto.  Continuei a ter uma excelente família, mas a ver pouco as minhas amigas portuenses.  Não viajei. Não tive oportunidade de sair da minha cid

2016!

Estrear a blusa para a entrada em 2016. Companheiro de todas as horas. Ontem a família aderiu em força às modas cibernéticas: Duck Face, "V" e língua de fora, tudo junto e fé em Deus! Gulodices variadas e o melhor bolo de chocolate de todos - da mana. Foi assim a entrada em 2016. Reconfortante e cheia de amor.