Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2019

Maravilhas da Maternidade

Gastas dinheiro a comprar on-line um fato de Halloween que agrade à criança e que dê resposta à festinha que acontece (hoje) na creche. 
O belo do fato chega, a criança adora, fica entusiasmada, quer logo experimentar! Lá a convencemos a esperar dois dias. Ao longo desses dois dias, farta-se de falar do fato, de referir a festa do Halloween... 
Hoje de manhã pego no fato, ele sorri... e mal o sento para o vestir, começa a ser possuído pelo demónio. Chorou, berrou, tentou rasgar o fato, tentou abrir o fecho, recusou tirar fotografias.
"Ah e tal, não vale a pena forçar o menino".
Aqui, ninguém o força. Mas há coisas que têm de ser feitas. Às vezes não quer, mas toma banho. Muitas vezes recusa, mas tem de comer a sopa. Se hoje tem festa de Halloween e gastamos 30 euros no raio do fato (que ele adorou!!), vai de fato e ponto final.
Foi a berrar o caminho todo... E, logo ao fim do dia, aposto que vai berrar por já não o querer tirar. Vá-se lá entender o bruxinho de serviço.

Rir para não chorar!

O nosso alegado fim-de-semana romântico (tão ansiado!) foi tão mau, tão mau, tão mau, que agora, passados dois dias, só me dá para rir.
Ficamos doentes. O marido não estava bem de maneira nenhuma. Não saímos, não passeamos, não jantamos nem almoçamos (vá, comemos um hambúrguer à chegada). O carro, depois de ter saído 48 horas antes da oficina, voltou a emitir avisos de problemas críticos.
Tive crise de choro, que me enervou solenemente, mas ajudou a descomprimir.
Sabem o que vos digo? Mais vale aproveitar um dia qualquer, pegar no marido e dizer "hoje vamos jantar fora, vamos ao cinema, e o miúdo que fique nos avós". Sem planeamento. Sem expectativas. Gato escaldado de água fria tem medo... Fiz tantos planos e saíram todos furados!

Dias felizes

9 anos depois, somamos um filho, um cão e três gatas. Já vamos na quarta casa (apartamento, vá!). Mudamos os dois de emprego e, acredito eu, estamos a entrar na fase mais estável de sempre.
Depois de uma lua-de-mel com o pequeno, mudamos a mobília (quase) toda da sala e ainda continuamos na eterna saga da montagem dos móveis. Andamos cansados e eu ando pouco paciente... Mas nada disso importa, porque este fim-de-semana vamos celebrar o aniversário de namoro a dois. 
Já se passaram 9 anos, mas estou ansiosa como se tivéssemos começado a namorar ontem. A contar os dias para o fim-de-semana!

De coração apertadinho

Hoje, dois meses e um dia depois da partida da nossa gatinha mais jovem (que já tinha 5 anos), o Rafael começou a perguntar pela Princesa.
A caminho da creche, começa a falar da nossa casa e eu digo que os animais estão em casa e que ficam todo o dia à nossa espera. Então, ele diz "Pirata, Evita, Princesa, Bella, Blackie..."... Depois pára e recomeça: "A Princesa? Mamã, a Princesa?".
Nestes dois meses ele referia sempre as quatro gatas, sem questionar.
Tentei dizer que a Princesa tinha ficado doentinha e que tinha ido dormir para sempre... Não quis esmiuçar a questão, mas ele percebeu e começou logo a choramingar e a gritar "não". Voltei a explicar e lá encarou com um "agora só temos três gatinhas".
Como explicar melhor a um menino de 2 anos e quatro meses?

9 anos!

Meu marido. Meu melhor amigo. Meu parceiro de todos os momentos. São já 9 anos a vivermos nesta montanha-russa que é o Amor.

O que dizem os meus olhos

Faz lembrar o célebre almoço em que o meu marido, pessoa altamente original, pediu, COMO SEMPRE, uma francesinha num restaurante de shopping. Eu já sabia que, naquele restaurante, era uma merda. Esbugalhei os olhos e sussurrei "não".
E ele... "Quê?".
"Não".
"Não o quê?"
Claro. Ia mesmo dizer À FRENTE DO EMPREGADO, "não comas que é uma porcaria nojenta".
Ignorei e deixei-o enterrar-se.
Passou a refeição inteira a reclamar e a dizer que ia devolver a refeição. Para a próxima, ponha-se esperto. Se ao fim de tantos anos não me sabe ler os olhos, que vá falar com o Daniel Oliveira e aprenda umas dicas.

Facto

Não há luta mais inglória do que tentar manter os brinquedos da criança arrumados na sala.
Primeiro, arranjamos um mesinha. Depois, colocamos uma arca no quarto dele para arrumarmos os brinquedos menos usados. De seguida, os sogros fizeram um móvel com 'prateleiras'. Agora, compramos uma estante Kallax no IKEA... Mas, apesar dos esforços, a área da sala onde está a "secção infantil" deverá continuar a assemelhar-se a uma feira depois da passagem de um furacão. O furação Rafael.

Puxar um pelo outro

Hoje tivemos mini-crise cá em casa porque o senhor meu Marido (adoro!) não gostou que eu o estivesse a pressionar para fazer uma coisa.
Atenção: A coisa era para o bem dele. Apenas para ele, para o ver mais feliz.
Dizia ele que eu não o devia pressionar, que devia respeitar o 'timing' dele... Mas aleguei eu que também é minha obrigação colocar uma pressão extra. 
Se há coisa que eu admiro nele, é o facto de ser o meu maior apoiante. Nunca duvida de mim. Diz-me sempre que eu consigo, vaticina o meu sucesso. 
Por que motivo não poderia eu "empurrá-lo" na direcção que sei que o faria mais feliz? Às vezes não fazemos as coisas por preguiça, por nos sentirmos acomodados ou por termos medo de mudar... E deveria caber ao nosso companheiro de vida ser a nossa "alavanca".

Vamos aos detalhes!

Depois de seis dias muito felizes em família, estamos de regresso! Vamos então aos detalhes do casamento, muito solicitados pelas estimadas leitoras.
Mantivemos tudo dentro da simplicidade. Fiz questão de ter um casamento divertido, relaxado, com direito a insuflável para as crianças. Felizmente, tivemos um maravilhoso dia de sol e julgo que toda a gente se divertiu bastante.
Os convites, as ementas, a placa de distribuição de mesas e os marcadores tiveram por base este design. Girassóis grandes, as minhas flores predilectas, e um casal de pombinhos com a cria, já que era também o baptizado do Rafael.

As lembranças foram as suculentas mais amorosas de sempre - da Mia Luzia (em Santo Tirso). Trabalha tão bem, com tanta elegância!

Tivemos apenas de criar as 'etiquetas' para as lembranças. Para os miúdos (e graúdos), fizemos saquinhos de doces variados.
Os cones para o arroz. As cestas foram devidamente decoradas pela minha irmã.
A animadora infantil promoveu a pintura deste qua…