Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2020

"'Cause it's all about the money"

É impressionante como a questão "finanças" gera sempre tanta opinião, partilha de informações e (algumas) críticas aqui no blogue. Há pessoas que são mais reservadas no que a este capítulo diz respeito, mas eu sou um livro aberto - como em tudo na minha vida, aliás. Não tenho qualquer problema em queixar-me, porque sou humana, cometo erros, prometo portar-me bem e acabo a comprar qualquer coisa desnecessária.  Mas digo-vos... Estou a levar isto tão a sério, que o homem convidou-me para jantarmos juntos (sem a pulga pequena!) e eu pensei logo "Ora deixa cá ver quanto é que isto me vai custar...". São influências vossas!  Mas, como boa pecadora que sou, aceitei o convite. Na verdade, tinha de fazê-lo. Sabe-se lá quando é que ele volta a sugerir deixar o pirralho em casa (muahahah) .

Facto

Há muita coisa boa na vida, mas o descanso de saber que ontem fiz comida suficiente para "renovar" apenas com um arroz branco e servir também para o jantar de hoje é impagável. Ahhhh, a felicidade que é saber que hoje não vou ter de andar à volta dos tachos!

Assim não dá!

De manhã, o homem diz-me que quer mudar de vida, adoptar um estilo de alimentação mais saudável. À noite, pergunta-me se não trouxe nada doce do supermercado. Não, não trouxe. Conheço perfeitamente o que a casa gasta e mais vale nem comprar! A sorte dele é que, no dia seguinte, recebemos um Toblerone gigante de frutos e nozes - que é assim o chocolate mais delicioso de todos. 

2020, a caminho da poupança!

Desde que entramos no novo ano, jantares e almoços fora? Zero. Este Sábado sou capaz de convidar o senhor meu marido (mais o miúdo!) para um pequeno passeio, porque quem trabalha para aquecer é o esquentador. Acho que merecemos, depois de um mês praticamente inteiro sem uma refeição fora a três.  Gastei foi algum dinheiro com a costureira... Cof cof cof... Isto de ter perdido dez quilos deixou-me as calças todas largas e mandei apertar cinco calças e duas blusas. Ainda tenho mais umas calças para apertar, mas vou deixar chegar a Primavera, por serem de um tecido mais fresco.  Tem sido um mês muito positivo. De facto, gastamos muito dinheiro em supermercado. Vamos às compras todas as semanas e compramos sempre umas pequenas coisinhas que vão fazendo falta a meio da semana... Diria que gasto entre 80 a 100 euros por semana e acreditem que eu não compro bolachas, sumos, doces ou coisas do género. É mesmo dinheiro gasto em carne, peixe (pouco, admito), fruta, legumes, pão, lactic

Se dás amor, recebes amor!

Sinto que a forma como nos colocamos no mundo será (em boa parte) decisiva. Quero muito acreditar que, se formos bons, o mundo será bom para nós. Não sou ingénua e sei que nem sempre isto acontece... Mas acalenta-me a ideia de continuar a sentir que sim. Tudo isto para dizer que as Deemak Twins são minhas leitoras há vários anos. Sempre uma simpatia e muito, muito talentosas. Os artigos são todos feitos à mão, personalizáveis e de qualidade elevada. Brindaram-me com uma caixinha recheada de coisas boas (sim, também tinha chocolates), que incluía uma quadro para o meu pequeno, porta-chaves, marcador de livros, brincos, mini-presépio... Melhor verem! O marcador de livros mais bonito. Os ímanes mais doces. Passou a ser o porta-chaves oficial da minha distinta viatura. Conheçam-nas e valorizem-nas. https://www.etsy.com/shop/DeemakTwins

Abençoada que sou!

Tenho sido muito abençoada no que ao trabalho diz respeito. Já tive várias chatices, já tive vários meses de salários em atraso e já recebi imenso tempo o salário "às prestações"... Mas tenho tido uma década de felicidade profissional. Enquanto estudava, entre licenciatura e mestrado, já fui promotora, já apresentei produtos em hotéis, hipermercados e afins. Tive uma experiência de Verão n'"A Loja do Gato Preto" e trabalhei cerca de um ano a part-time numa loja de roupa italiana ( cara pra burro, qualidade quase nula ). Quando terminei o primeiro ano de mestrado, regressei a casa da mãe e à minha cidade. Comecei a mandar currículos e,  nos entretantos,  arranjei um trabalho numa imobiliária. Ui, aquilo não tinha mesma n-a-d-a a ver comigo, mas dei o benefício da dúvida. Valeu pela experiência. Passadas duas semanas dessa aventura no mundo da compra e venda de casas, ligaram-me do local de trabalho onde estive praticamente oito anos. Amei e continuo

Facto

Depois de cerca de meio ano (ou mais!) em que Dom Rafuchas queria sempre dormir com o pai, agora o pequeno voltou a pedir para dormir com a mãe. Há cerca de uma semana que diz "quero dormir contigo" e vamos os dois para o "ninho", fazer miminhos e dar carinhos.  Tirando os dias em que ele vira chato e demora séculos para adormecer... são os momentos mais ternurentos do meu dia. 

E já lá vão 11 anos!

Pois é verdade. Por estes primeiros dias do ano, este distinto blogue celebra os seus 11 anos de existência. Quem diria? Já nada é o que era, já não usufruo da capa protectora do anonimato nem da simpatia de todos os  leitores e comentadores (há alguns que insistem em cá vir, embora detestem o simples facto de eu respirar!). Mas caramba, continuo a adorar isto. Tenho mesmo muita pena do facto de a blogosfera já não ser o espaço simpático e calmo que era há uma década atrás. Lembro-me perfeitamente do surgimento dos principais blogues há cerca de quinze anos, do início da "disputa" entre algumas bloggers, do desaparecimento de algumas bloggers que gostava mesmo-mesmo de ler. Em seu lugar, apareceram os "haters", os blogues de maledicência, os Anónimos. Eu cá continuo no meu canto, apesar de já ter ponderado desistir muitas vezes. Mas depois leio comentários e e-mails que me enviam e penso que, no fundo, sou uma sortuda do caraças. Apesar de algumas quezí

Mãe de um filho só!

Sempre achei que seria muito bonito ter dois ou três filhos. Como irmã de dois irmãos, sei que a melhor prenda que podemos dar a um filho é um irmão. Nunca sequer concebi a ideia de ter só um filho, por achar solitário. No entanto, isso passou-me quando me tornei Mãe. Adoro ser Mãe, mas apercebi-me que a exigência física e emocional é algo que não se consegue evitar. Mesmo sendo uma mãe mega relaxada, todos os dias tenho de pensar em sopas, comidas, roupas e afins. Tenho de estar sempre a pensar no que já fiz, no que estou a fazer e no que ficou por fazer. Pequenas tretas, como ter de comprar o pão Bimbo torradas que o pequeno adora ou ter de preparar o saco da piscina para o dia seguinte. Depois do trabalho, o pai costuma tratar do miúdo, dá-lhe banho, brinca e afins... E eu entro em modo piloto automático a tratar das tarefas do dia. Se há quem tenha muito mais trabalho e tenha mais filhos? Óbvio. São opções. Eu sinto-me cansada. Se fosse só por mim, seria um espectáculo aca

Resoluções de Ano Novo

Não sou daquelas pessoas que fazem reais resoluções de novo ano, com listas e tudo. Limito-me a pedir, com as 12 passas, saúde, amor e trabalho. Mas, este ano, gostava mesmo que a nossa vida se tornasse financeiramente mais fácil. Temos um "problema", que é gostar de fazer muitas coisas em família - passeios, pequenas aventuras, pequenos-almoços. São pequenas coisas, mas que juntas acabam por representar algum esforço financeiro todos os meses.  Eu também não tenho sido a pessoa mais poupada. Não pretendo deixar de me mimar (que quem trabalha para aquecer é o esquentador). Mas tenho de ser mais ponderada, reconheço-o, e continuar um esforço de poupança. Este Outono/Inverno não foi sensato a esse nível, porque perdi peso e quis comprar bastante roupa nova. Sei reconhecê-lo. Sei que me irá acontecer igual quando chegar o Verão.  Mas, resumidamente, esta é a minha maior meta para este ano: poupar no secundário para gastar no essencial. Sendo que por "essencial&