quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Caramba!

Foto de As Minhas Pequenas Coisas.

Tenho um filho mesmo lindo! 

E sorridente. E bem-disposto. E meigo, que dá os melhores lambeijos de sempre. 

É. Era só mesmo isto.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

BBB *


Eu não sou esquisita com a maioria das coisas, mas só costumo usar cremes da The Body Shop ou do Boticário. O resto dos cheiros enjoam-me os as texturas não me satisfazem (perfumes, ui, isso então é um filme).

Até que, depois de tanta fama e tanto alarido, aqui há uns dias comprei um creme do Lidl. Raisparta, que cheira mesmo bem, e está no ponto ideal entre deixar a pele cheirosa-e-hidratada-mas-não-ficar-besuntada-como-um-porquinho. Virei fã!

Foto de As Minhas Pequenas Coisas.

* (bom, bonito e barato!)

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Coisas que fazem falta a esta mulher que foi mãe há quase 9 meses...


Ter tempo e dinheiro (especialmente dinheiro!) para ir renovar o guarda-roupa. Calças, blusas para a Primavera, calçado prático... e soutiens.

Estou nua e crua, como diria a minha avó.

sábado, 17 de fevereiro de 2018

(só para rematar o tema dos restaurantes Vs animais)


Foto de Sónia Silva Sá.

A tolerância é um conceito que se aprende desde pequenino.

A imagem é apenas uma imagem que serve para contrariar tanta coisa ruim que li sobre os animais nos últimos dias. 

Bom fim-de-semana!

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Instaweek (versão mini!)

Os porta-retratos do novo móvel cá de casa - novo cá em casa, mas antigo e especial.

Zé Mamão com 8 meses e meio.

Sócio, estou concentradíssimo! Nada temam, o Pirata assegurou que o Rafinha não se engasgou com a bolacha maria.

Foto de As Minhas Pequenas Coisas.
O Spider Baby deste Carnaval.

BOA SEMANA!

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Animais, cafés, restaurantes e a polémica do costume!


Diz que a partir de Maio os cafés e restaurantes vão poder decidir se aceitam ou não animais dentro dos estabelecimentos. Realço: vão poder decidir. Não são obrigados a nada, ninguém obriga um proprietário a aceitar cães, gatos, iguanas, roedores ou qualquer bicho. Será sempre uma opção do proprietário, como teria obviamente de ser.

Mas, de repente, vejo centenas de comentários de pessoas chocadíssimas com esta possibilidade. Chocadas com o facto de um proprietário poder decidir no seu espaço. Chocadas com a possibilidade de existirem pessoas que efectivamente gostam ou não se importam com animais em cafés e restaurantes. Como se fossem obrigadas a frequentar espaços que aceitem animais. Como se não tivessem opção de escolha. Como se a escolha delas fosse melhor ou superior à escolha dos outros - os que escolhem querer os animais consigo. Há liberdade. Há direito de escolha. Para quê tanto alarido?

Da minha parte, podem crer que pretendo sinalizar os espaços que, na minha cidade, vão permitir a entrada do meu cão. Serão o meu local de eleição. Farei questão e gosto de "agradecer" o facto de verem os animais como seres sensitivos e não como "coisas" que apenas incomodam.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Ser Mãe é...


Ficar "contente" por ver o filhote sair de casa com o pai duas horas antes de eu pegar a trabalhar... É que são duas horas inteirinhas para pôr as séries em dia!

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Ena!


Foi preciso chegar aos 29 anos e três meses de idade para descobrir que até gosto de me ver com camisas - as piores inimigas de uma mulher com peito grande.

Acho que é desta que me torno uma senhora. :P

sábado, 27 de janeiro de 2018

Bebés tecnológicos


Incrível como o filhote ainda nem 8 meses tem, mas já fica todo maluco quando me vê no computador. Adora fazer do teclado uma espécie de piano musical - mas em modo Velocidade Furiosa.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Eu, pecadora em potência, me confesso.


Com esta discussão toda da 'Super Nanny' e das 'Super mothers' desta vida, tenho de admitir:

Não vejo qualquer mal em dar um enxota-moscas a um filho, que é como quem diz "sacudir o pó" ou "palmada ao de leve". Respeito totalmente quem recuse, por princípio, a chamada "palmada pedagógica", mas eu não sou da mesma opinião. 

Levei as minhas pequenas palmadas quando era pequena. Da mãe e da tia. Do meu tio não me lembro de levar. Sempre as percebi, sempre foram "devidamente explicadas", não eram palmadas que caíssem do céu nem eram resultado da frustração do adulto. Eram mais do género "já te avisei dez vezes para não fazeres asneira, pode ser que a sapatada no rabo te faça ouvir melhor". 

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Não acredito (posso estar errada!) em traumas provocados por pequenas palmadas. Acredito mais em traumas em crianças que têm pais ausentes ou que, em tendo os pais presentes, os vêem sempre ausentes por estarem ocupados com outras coisas. Acredito em traumas provocados por faltas de respeito ou por pressões excessivas. Isso sim, para mim, é verdadeiramente grave. Agora uma palmada no rabo ou na mão? Não. Não me parece. 

Agora que sou mãe, continuo a pensar igual e não me vai cair nada ao chão quando tiver de dar uma palmada ao meu menino - embora pretenda fazê-lo apenas em privado, que dar espectáculo em espaços públicos nunca foi o meu forte.


PS de uma burra-velha que já sabe que tudo o que tem a ver com crianças e educação gera polémica: Esta é a minha visão. Vamos discutir sem desrespeitar, sim? :)

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Assumo!


E quando me perguntam "e não sofres por deixares o teu menino com familiares durante o dia?"...?

Aquele meu compasso de espera até responder um tímido "Não...". Dito assim a custo, a medo, com alguma vergonha, como se fosse menos boa mãe por não ser saudosista. Sim, ainda estou a tentar aceitar o meu lado mais "casca grossa". Não é fácil, quando tudo nos diz que mãe que é mãe tem de viver e respirar o filho a toda a hora.

Sofrer, sofro se o vir a chorar com dores ou incómodos. Sofrer, sofro quando ele vira mafarriquinho e não nos deixa dormir. Sofrer, sofro quando ele me adormece nos braços e eu começo a sentir formigueiro nas mãos, mas nem arrisco mexer para não o acordar. Sofrer, sofro quando ele resolve fazer uso dos dois dentes que tem enquanto mama.

Fora isso, está-se bem. Está-se sempre bem. 

Ele é meu e eu sou dele. Ao nosso jeito. Nem melhor, nem pior. Ao nosso jeito.

Mantra para 2018


Escolher bem as lutas que decido travar.

Não vale a pena, mesmo, perder tempo em discussões bacocas. Não vale a pena, mesmo, ficar chateada com coisas que não consigo mudar porque não dependem de mim. Não vale a pena, mesmo, tentar mudar o que não quer ser mudado. Ou gasto energias a discutir e a tentar mudar o imutável ou gasto energias e ser feliz. 

Com um pouco de atraso... Mas está definido o meu mantra para o novo ano.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Insta last days

Produção em massa de puré de fruta e de sopas caseiras.

Visitantes do berço do bebé... (o choque, o horror!)

Sentadinho.

Os brownies da mãe são os melhores do mundo.

Tardes a dois!

Aquele sorriso...

Boa semana!

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Dos cabelos brancos


Há dois dias partilhei uma fotografia com o meu menino e, surpreendentemente, perdi a conta ao número de comentários que recebi por causa dos meus cabelos brancos. 

Oi?

Aparentemente, é sinal de desleixo.

Como é?

Engraçado que não é só aqui. O meu irmão já me disse meia dúzia de vezes "trata de pintar esse cabelo". Geralmente respondo-lhe com um qualquer palavrão, que eu sou uma lady. 

Tenho 29 anos. Geneticamente estou tramada neste campo, pois os meus pais tiveram cabelos brancos muito cedo. A minha irmã começou a pintar o cabelo dela bem cedo, há pelo menos meia dúzia de anos. Eu nunca me importei, de verdade. Tinha um branco aqui, outro ali. Agora já são bastantes! No entanto, não me importa. Não me afecta. Nem me lembro deles. No dia em que me incomodarem, pinto-os sem dó nem piedade (ahahah). Mas isso será no dia em que me incomodarem. 

É assim tão estranho não ir logo a correr tapar as primeiras brancas?

Depois lembrei-me da Dolce Far Niente, mulher linda e que adoro ler. Aqui há uns meses criou um grupo chamado "Mulheres de Prata", no Facebook, que conta com quase 3.000 elementos. Ela resolveu deixar de pintar o seu cabelo e chegou a referir que foi muito criticada por isso.

Calma, calma. Eu não pretendo fazer igual. Não consigo ter essa forma de pensar. Mas lembro-me de achar "olha que coisa ridícula, a sério que alguém a incomodava por não pintar o cabelo?".

Pois é. É mesmo a sério. Não julguei que fosse possível, mas há mesmo quem se incomode com os cabelos brancos alheios

Esta internet está cada vez mais divertida. 

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Isto do amor...

Foto de Sónia Silva Sá.

Acreditem que não tinha este "ninho" de cabelos brancos no início do ano passado. Também não tinha um sorriso tão feliz.

O melhor de mim já tem 7 meses e meio. Come tudo, gosta de tudo. Dorme bem, apenas resolve assumir o "capeta" uma ou duas noites por semana. É um menino meigo, um bebé tranquilo, uma criança claramente feliz.

Nas feições, sai ao pai. No sorriso fácil... oh... Nesse sai claramente à mãe. 


domingo, 14 de janeiro de 2018

Super Nanny


Estive a ver o primeiro episódio da "Super Nanny", na Sic. Ia com as expectactivas muito baixas, admito. Achei que ia ser tudo uma grande fantochada, o que não deixou de ser verdade, mas acabei por gostar minimamente, o que é estranho.

Fiquei com uma certa urticária ao ver o programa. Todos nós sabemos que a teoria é muito bonita, mas que a prática é lixada. Todos nós sabemos, praticamente de cor, como devem ser feitas as coisas com as crianças - mas raramente o fazemos de acordo com as teorias. Temos emoções, gostamos de ver os filhos felizes, não gostamos de os ver chorar e muito menos gostamos de birras.

Serviu para meter na cabeça, mais uma vez, que pelo menos tenho de tentar fazer tudo bem. Tentar. Provavelmente vou falhar, claro. Provavelmente vou errar. Provavelmente vou aturar birras, choros, manhas... Mas ao menos tenho de tentar. Faz-me uma impressão danada ver crianças assim, com um feitio "tirano". De quem é a culpa da tirania, isso já são outros quinhentos. Creio que as famílias de hoje em dia estão cada vez mais impacientes, com menos tempo, menos vontade de educar os filhos. Parece que esperam que o tempo tudo resolva...

Adenda: Claro que o programa é humilhante, degradante, tanto para a criança como para a mãe. Acho mesmo mal que a mãe tenha prestado a filha àquela situação... Não entendo bem como se permitem programas assim, numa altura em que tanto se fala da protecção da criança. Por mais válido que o programa seja (que não sei se é!), nunca poderia ser feito assim, à custa da imagem da criança. Que se baseassem apenas nos testemunhos dos pais e fizessem representações anónimas, se acham tão importante o poder da imagem.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Da Bimby


Depois de quase 5 meses como cliente Bimby, já me sinto com autoridade para opinar sobre o mais famoso robot de cozinha.

A Bimby está a ser, para mim, a minha melhor compra de sempre. Sim, é cara. Sim, com a cook-key (pen que permite ter as receitas todas na máquina, gerir menus semanais, definir favoritos...) custa mais de 1.200 euros. No entanto, se lhe derem a devida utilização, acredito plenamente que compense imenso o esforço financeiro. Pode ser paga a pronto ou a prestações - sendo a prestação mais baixa de 30 euros por mês. De vez em quando lançam-se campanhas para pagamento sem juros.

Para as paparocas do Rafael, tem sido uma verdadeira bênção. Nem consigo explicar o simples que é. Lavo as maçãs, as pêras, parto em quatro (tiro apenas a parte central) e ponho a cozer. Com casca e tudo. 17/18 minutos depois, está a fruta prontinha para ser transformada em puré. Posso ralar mais ou menos, mas ele adora. Faço sempre umas três doses, no mínimo, e despacho tudo em vinte minutos.

Foto de As Minhas Pequenas Coisas.

Para a sopa, igualmente simples: descascar os legumes, partir em pedaços médios, um bocado de água, a carne ou o peixe desejado... 25 minutos e está feito. Depois é só triturar e guardar. Não é preciso esperar que a água ferva, não é preciso mexer na panela, não é preciso pegar na varinha mágica. Tudo feito na Bimby em menos de meia-hora.

Adoro tudo o que são massas: massa de pão, bôla de carne, massa de pizza, massa para pão com chouriço. Muito simples, amassa que é uma maravilha.

Óptima para estufados: jardineira, vitela à americana, frango estufado... 

Praticamente já não uso polpa de tomate de supermercado. Faço com tomates frescos, na hora. Deixei de comprar béchamel, faço o meu em 10 minutos. Posso ralar queijo. Faço a melhor limonada do mundo em 2 minutos. O sorvete de frutas é delicioso. Para não falar na doçaria... Isso tem sido o meu verdadeiro problema, porque passo a vida a querer experimentar. Esta semana já fiz bolo de chocolate e molotof. Ups

Para comida-comida a sério, também sou fã. Claro que tendo um companheiro esquisito-como-o-caraças, é mais complicado, porque - ora bem! - ele não gosta de 1001 coisas. Mas vou experimentando imenso, repito as receitas que ele (e eu!) gostamos. Com o bebé não tem dado tanto para inovar, porque acabamos sempre a preparar o jantar depois das 20 horas, muitas vezes o menino resolve querer dormir antes e só jantamos pelas 22 ou 23 horas... e uma pessoa não tem tanta pachorra para pesquisar, experimentar e inovar. No entanto, só pela facilidade no que toca à comida do Rafinha, já vale muitoooo a pena. 

Todos os dias faço comida para ele: um dia fruta, outro sopa, fruta, sopa... Por aí em diante. Em três meses, o meu pequeno sempre comeu paparoca feita por mim. Enquanto puder, evito as comidas já prontas, os típicos boiões de supermercado. Nada contra, mas prefiro comida feita por mim. Assim como só lhe damos papa ao fim-de-semana... Manias. :)

Não posso falar das outras máquinas, mas para mim a Bimby ganha por ser uma máquina tão completa: não só na qualidade da mesma, mas no serviço. A minha agente é fantástica, uma simpatia, sempre disponível. Quis comprar umas formas de bolo, estavam esgotadas no site, ela vendeu-me umas que tinha em stock. O site de receitas está constantemente a ser renovado... E como tenho o cook-key com todas as receitas disponíveis até Fevereiro (oferta dos primeiro 6 meses), quase todos os dias ando por lá. Em Fevereiro vou renovar, isso é certinho - 36 euros por ano, mas o facto de ter quase 2.000 receitas na pen dá imenso jeito!). A comunidade Bimby é uma coisa assombrosa... estou inscrita em dois grupos, no Facebook, e um deles é actualizado praticamente minuto a minuto. São milhares de pessoas com ideias, partilhas, sugestões... Uau.

Uso diariamente. Umas duas ou três vezes. 

Sou oficialmente uma Bimbólica. Internem-me!

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Saiu-me a sorte grande...


Quando vais ao pediatra, que te pergunta como se porta o pequeno... Ora bem: dorme noites completas desde os dois meses (com pequenas excepções). Come super bem. Porta-se bem. Pouco chora. É um bebé calmo.

Saiu-me a sorte grande, é o que é. Também acho que tenho feito por conquistar a minha sorte, é um facto... Mas reconheço a minha sorte. "Queixo-me" de barriga cheia por me sentir cansada, mas todos os dias agradeço muito ao filhote por ser o menino santo que é. 

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Instaweek festivo

Prendas cheirosas...

É sempre aquela desgraça... até fujo da balança!

Mais do que dos doces, eu gosto é de roupa velha. Ao final das manhãs de 25 de Dezembro e de 1 de Janeiro, é sagradinha!

Prendas! Mala amorosa, com a qual ando há 10 dias seguidos, o que deve ser o meu recorde no que toca a usar a mesma mala de forma ininterrupta... Colar da Hassu, botas todo-o-terreno, brincos libelinha em prata, duas calças de ganga... Muito bom!

Pães com chouriço, receita da Bimby.

Prontinhos para a passagem de ano!

Foto de Sónia Silva Sá.
A 2 de Janeiro de 2018 aprendeu a sentar-se.

Feliz ano novo!