Avançar para o conteúdo principal

Cruzamentos

Sabem aquela sensação de arrepio que vos invade o corpo desde os pés até à nuca? O nervosismo imenso? O sorriso parvo?

No Domingo à noite, enquanto esperava pelo metro, vislumbrei um olhar familiar no meio das pessoas.

Não conhecia o homem em questão. No entanto, era absurdamente parecido com alguém por quem tive uma paixoneta (tola, percebo agora).

A emoção que sentia na altura surgiu toda a novo, acho que ainda mais avassaladora. Não conseguia descolar os olhos do indivíduo. Os mesmos olhos rasgados. A mesma altura. Ele reparou. Até o sorriso era parecido... Olhei para ele, olhei e voltei a olhar. Não conseguia evitá-lo. As saudades eram muitas. Ele olhou de volta, provavelmente a perguntar-se porque raio uma estranha não tirava os olhos dele. Para mim não era estranho...

Passei o resto da noite a pensar na coincidência. A tentar perceber o Porquê das emoções.

Pela primeira vez na vida tive uma vontade enorme de meter conversa com alguém. Felizmente, apercebi-me logo que nunca poderia substituir um pelo outro.

Comentários

  1. Eu adoro essas trocas de olhares com estranhos.

    ResponderEliminar
  2. Ai,ai! A isso chama-se tesão! ;))

    ResponderEliminar
  3. Isso é lixado...
    Já me aconteceu o mesmo, mas no meu caso o coração dispara a mil :)

    ResponderEliminar
  4. Mas não faz mal nenhum conhecer alguém novo! Se bem que usares a frase "eu acho que nos conhecemos de algum lado" era muito mau xD

    Beijo*

    ResponderEliminar
  5. Partilho a sensação e até o local. O metro é o sítio onde todas as coincidências têm lugar.
    Um certo dia, sentou-se à minha frente uma sósia de uma mulher por quem tinha sentido uma atracção forte, talvez mais, anos atrás, e, apesar de a ter ultrapassado, o que nutria por ela refluiu como se a tivesse visto no dia anterior.
    Contudo, como tu, sei que uma não poderia substituir a outra... e as memórias têm o seu lugar: o passado.

    ResponderEliminar
  6. Não há como perceber as emoções... podem andar escondidas durante anos e nem sabermos que estão ali, e de repente...! Pronto...
    Há mesmo coisas que não se controlam... e não se explicam. Mas também dão uma certa agitação à rotina, não achas? ;)
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Há coisas mesmo inexplicáveis, mas que sabem tãaaao bem!

    ResponderEliminar
  8. Oi amiga! Adorei teu blog passa lá no meu para uma visitinha.Bjos!!!

    ResponderEliminar
  9. hummmmmhm as tantas era um poderoso gladeador que te daria a trancada mais louca do universo.

    ResponderEliminar
  10. é a beleza do inexplicável. eu acho muito querido até. principalmente se a pessoa de quem nos recordamos ainda nos faz sentir bem e felizes. pior era se tivesses visto alguém que te lembrasse de uma pessoa que te fez muito mal ou assim

    ResponderEliminar
  11. Ao menos não lhe falaste! Eu já apanhei com cada vergonha! Já não são as poucas vezes em chego junto da suposta pessoa e... UPS!! Desculpe, pensei que era outra pessoa!! O pior é quando pensamos que é fulano(a) que ás vezes fazemos daquelas "partidas" de amigos quando estes ainda não nos viram!! Pensamento instantâneo e com o "pescocinho" pequenino da vergonha: "Rápido! Rápido!" Tenho de sair daquiiiii!!!

    ResponderEliminar
  12. ai S* que apaixonada que ela anda....
    pela vida, pelas sensações....

    ResponderEliminar
  13. Huuummm

    Com o outro do encontro não houve quimica, com este sim.

    Oxalá vocês se cruzem novamente...

    ResponderEliminar
  14. Apesar do "turbilhão" de sentimentos, esses momentos têm sempre o seu encanto :)

    ResponderEliminar
  15. A ultima coisa que ele se perguntou foi, de certeza absoluta, porque raio estava uma estranha a olhar para ele. Tudo menos isso senhora. ;)

    ResponderEliminar
  16. Já tenho saudades dessa sensação de arrepio...

    Estudasses como dizias um grande amigo meu!

    Kiss**

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.