Avançar para o conteúdo principal

Ser mãe de menino

Sempre ouvi dizer que ser Mãe de menino era como viver um romance constante. Começo finalmente a perceber o significado dessa afirmação.

O meu Rafael, com três anos e sete meses, anda muito mais meigo. Elogia-me. Dá abraços fortes a propósito de nada. Quando sente as minhas mãos frias, cobre-as com as suas mãozinhas pequenas, "para ficares quentinha, mamã". Quando me vê sentar no sofá, pega numa manta para me tapar. Diz-me coisas bonitas, tem gestos ainda mais bonitos.

É o meu eterno namorado. 

Comentários

  1. Tenho dois namorados. Um com 7 e outro com quase 4 anos.
    Por vezes são um bocadinho brutos e não me largam um segundo, mas fazem-no para demonstrar que gostam de mim.
    Já o pai... parece que nem o vêm.
    Aproveita, S*, não dura para sempre.

    ResponderEliminar
  2. Que bom. Aproveita bem essa fase S*, antes que ele chegue à idade da adolescência.
    Olha eu a ser má... 😀
    Estou a meter-me contigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahah Uiiiii! Por acaso o exemplo que tive em casa, do meu irmão, não sofreu desse mal. Não perdeu meiguice com a mãe em altura nenhuma... e conserva-a ainda hoje!!

      Eliminar
  3. Que bom. :) É verdade que sempre
    ouvi que a ligação das mães com os meninos é diferente do que com as meninas (que são mais meninas do papá). No meu caso, não há menino para comparação, mas a menina cá de casa é por fases e tanto adora o pai como adora a mãe. Agora está novamente numa fase de “mãe” e também faz isso: abracinhos espontâneos, dizendo “je t’aime”, preocupada comigo, a dizer que sou linda...:) É tão bom. :)

    Tété

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É recorrente a ideia de que as meninas são mais ligadas ao pai e os meninos à mãe, mas pela minha observação nem sempre assim.

      Há muitos casos em que, efectivamente, isso acontece, mas conforme as crianças crescem as meninas tornam-se depois mais chegadas e confidentes das mães e os meninos mais parceiros do pai, já em idade adolescente e/ou adulto.

      Eliminar
    2. No meu caso, isso não foi verdade, por circunstâncias variadas. E até acho que o meu filho tem uma ligação ainda mais próxima com o pai... Mas há meiguices que reserva apenas para a mãe. Graças a Deus, já lhe passou a fase de me encher a boca de beijos apaixonados. ahah

      Eliminar
    3. Não digo que não. É daquelas coisas que se ouvem mas que depois na prática provavelmente nem se confirmam. Eu sou assumidamente uma menina do papá, sobretudo porque temos feitios muito parecidos. Mas adoro a minha mãe e procuro-a a ela para uma série de assuntos e conversas. E casei com alguém que tem grandes parecenças de feitio com a minha mãe (e ele diz que às vezes sente que casou com o meu pai). :P Em relação à nossa filha, tem sido mesmo por fases. Quando nasceu nem olhava para mim. Já para o pai nem desviava o olhos. Depois tem alternado. :)

      Tété

      Eliminar
  4. É doentio comparar filhos a namorados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu diria que esse comentário é que é doentio. Além de revelador de alguma tontice.

      Eliminar
    2. Há quem diga que filhos = Amor maior.

      Ou seja, pode-se dizer que são ainda mais que namorados.

      Acho que deu para perceber o que a S* quis dizer com a frase “é o meu eterno namorado”.
      Eu entendi perfeitamente e nem sequer tenho filhos.

      Eliminar
    3. Um filho que nos 'namora' com meiguices e mimos é natural. Quem não entende, é porque não quer entender.

      Eliminar
    4. Mas se fosse uma filha a fazê-lo também seria "namoro" ou não?

      Eliminar
    5. Sim. Igual para menina ou menino. Namoro no sentido do carinho, da dedicação, do 'romantismo'.

      Eliminar
    6. Mas então, por que motivo referir, especificamente, que ser mãe de um menino é viver num romance constante?

      Eliminar
    7. Há meninos que até querem casar com a mãe e têm ciúmes do pai! E não há nada doentio nisso.
      Lembro-me perfeitamente do meu irmão a tentar impedir que os meus pais se abraçassem.
      É óbvio que temos de mostrar as diferenças dos tipos de amor, mas sem deixar de aproveitar as meiguices da idade. :)
      São fases.

      Eliminar
    8. Anónimo das 14h44, para já, era pura brincadeira... Mas o Complexo de Édipo explica. :) Ou o de Electra, no caso da menina.

      Eliminar
    9. Anónimo 14:44h, se a Sónia é mãe de um menino ela fala no menino.
      Quer que ela diga o mesmo se não é mãe de uma menina?!
      A rapariga só tem um filho e é menino, portanto, para quem tem meninas certamente será a mesma coisa, é só aplicar ao género.

      Eliminar
    10. Anónimo das 16:17, poupe-me a explicação básica e pouco inteligente.

      Eliminar
    11. Para perguntas básicas respostas básicas!
      Poupe-me a Senhora do seu mau humor. É todo seu, fique com ele!

      Eliminar
    12. Madames, acalmem-se, que ainda temos muito confinamento pela frente. :)

      Eliminar
    13. Não sei se acredito nos efeitos benéficos deste confinamento.
      Muito diferente do anterior.

      Esperava outra coisa hoje de manhã mas deparei-me com o barulho habitual na rua, continua o trânsito, vejo pessoas nas ruas como se não houvesse qualquer confinamento!

      Assim vai dar asneira...

      Eliminar
    14. Confinamento praticamente inexistente.
      Basicamente fecharam cabeleireiros, cafés, algumas lojas e quem pode está em teletrabalho.
      De resto, tudo aberto!
      Não entendo estas medidas!

      Eliminar
  5. O meu irmão tem 22 anos e ainda é muito assim com a nossa mãe. Sempre aos beijos e abraços. Acho que tem a ver com a personalidade dele, que é assim de mimos, beijos, brincadeiras, toque... mas faz mais isso com a mãe do que com o pai.

    ResponderEliminar
  6. Meu filho tem onze anos e continua amoroso e carinhoso como desde bebé. Sempre teve uma ligação maior comigo, talvez também porque sempre tive mais disponibilidade para ele para brincar, conversar, ler e inventar histórias...
    Também passou pela fase de (miúdas bleck, são chatas e estão sempre mimimimi..) e achava que se era preciso namorada (porque toda a gente pergunta pela namorada da escola), bem, a ser preciso seria eu :)
    São fases, eu acho giro e acho que deve ser gerido com bom senso, apenas isso.

    Os filhos adoram os pais mas poderão ter uma maior afinidade com um ou com outro. Eu (que sou mulher) sempre adorei a minha mãe (andava sempre com ela e ela sempre foi um doce) e havia alturas em que sofria imenso com a ideia de um dia a perder.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

I wish

 Faço anos daqui a um mês e, este ano, vou querer prendas muito práticas e objectivas. Algumas coisas preciso comprar, outras substituir, mas acho que vou deixar um pouco as vaidades de lado e optar por poupança real - porque são coisas que teria de comprar. Alisador de Cabelo a vapor BELLISSIMA My Pro (Titânio - 170 °C - 230 °C ) Este ou outro qualquer, desde que seja bom e não me estrague (demasiado) o cabelo. Uns auscultadores. Preferencialmente giros. Preferencialmente sem fios. Estes ainda por cima dobram-se, o que é muito prático para colocar na mala. Um candeeiro de tecto novo para o meu quarto, que o que tenho é antigo e tapa imenso a luz. A minha irmã comprou este candeeiro de mesa para o quarto do meu pequeno (em preto) e amei de paixão. Queria assim em tom cobre para o meu quarto. :) Todos os candeeiros da Leroy Merlin / AKI.

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos  "será que vale a pena?". Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro). Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.