Avançar para o conteúdo principal

Passarinhos a voar

Ao contrário de boa parte das mães, não fico nada apreensiva com as mudanças e a entrada do meu pequeno na escola. Obviamente ninguém gosta dos constrangimentos que a pandemia nos trouxe, mas nesse capítulo estou a viver "um dia de cada vez".

O Rafael entrou na creche aos 15 meses e só a primeira semana correu menos bem, porque havia algum choro na despedida. A partir daí, sempre foi uma criança que se integra com facilidade, o que me deixa perfeitamente descansada.

Quando ia ao parque, fazia logo amiguinhos. Este Verão, nas idas à praia, travava logo conhecimento com as outras crianças, da idade dele ou bem mais velhas. É confiante e isso é muito positivo.

Esteve as últimas duas semanas de "férias", depois do encerramento do ano lectivo da creche. Esta quarta-feira entra no pré-escolar, num jardim-de-infância público. Já há cerca de um mês que sabe que vai mudar de escola, porque as antigas educadoras tiveram essa conversa com eles (obrigada, obrigada!). Já fomos algumas vezes espreitar, de carro, a nova escola, e ele parece entusiasmado. Sei que os primeiros dias serão mais complicados, até porque terá de entrar numa nova escola, com novas professoras, sem ter a mão do pai ou da mãe a incentivá-lo. Mas irá correr bem, estou certa. Tem três colegas da antiga escola na sua nova turma, o que é uma bênção.

O meu passarinho gosta de voar e eu, como mãe, adoro vê-lo a ganhar asas. 

Comentários

  1. Passarinhos a voar com as asas a bater e o rabinho a dar a a dar piu piu piu. Bah. Tédio de mulher, mãe e esposa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é que um post sobre a entrada do filho numa escola nova demonstra um tédio de mulher, mãe e esposa? Como é que este o post poderia ser diferente para demonstrar uma mulher, mãe e esposa mais interessante? Há críticas que de constructivas não têm nada e fica-se a saber o mesmo....

      Eliminar
    2. Dizer mal por dizer mal. Entra a 100 e sai a 200.

      Eliminar
    3. Eu discordo da S* muitas vezes mas uma coisa é discordar de forma educada outra é simplesmente atacar....

      Eliminar
    4. Uma pessoa que diz "esposa" mostra logo o seu calibre... é de uma falta de gosto sem fim. Deve ser uma animação a vida desta criatura....ui...ui....

      Eliminar
    5. Anónimo das 18:10, desculpe a ignorância mas ...dizer esposa mostra o calibre de que? Qual é o problema? Deveria dizer "mulher"?

      Eliminar
    6. tambem nao percebi. A maioria das pessoas que conheço usa os termos "esposa" ou "mulher". Acha que mulher é mais adequado porquê? Ou usa o termo tecnico de "cônjuge"? Ou o popular "a minha Maria"?
      agora fiquei curiosa em perceber o comentário...

      Eliminar
    7. Se o blog se chama "As minhas pequenas coisas" deveria falar sobre o quê? A vida (da S*) muda, os interesses (da S*) também. É óbvio que isso se reflete no que escreve.
      É o espaço dela! Até poderia escrever todos os dias sobre o tempo.
      Lê quem quer. Já bastava na escola, quando eramos obrigados a ler coisas que não nos interessava.
      Não se massacrem, não vale a pena.
      Gabo a paciência à S*.
      Felicidades!

      Eliminar
  2. Que comentário tão, mas tão idiota oh anónima (o) das 17.18! Se calhar também gostava de ser "mulher, mãe e esposa" e não conseguiu. A inveja da felicidade dos outros é tramada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque sim. Não tem de haver motivo para dizer mal...

      Eliminar
    2. o comentário das 17:18 foi idiota, mas o das 21:42 tambem.
      porque é que uma critica tem de ser sempre com base em inveja? porque é que nao se pode achar que algo é mau só porque sim e tem sempre de ser porque não o conseguimos ter? porra que tambem irrita.

      Eliminar
    3. Anónimo das 21.42 estou 100% de acordo.

      Eliminar
    4. Anónimo das 08.48. Acha normal dizer "Tédio de mulher, mãe e esposa " só porque a S. faz um post a falar da entrada do filho no jardim de infância? Eu já não tenho filhos pequenos, mas ainda me lembro do primeiro dia em que entraram no pré-escolar, e leio com ternura os comentários das mães sobre esse dia, neste caso a S. E tédio porquê? Porque a S. tem um filho que adora e é feliz com o marido e com a simplicidade da vida que leva? Imagino a vida super excitante que essa comentadora deve ter... Este tipo de comentário, descabido, só me pode levar a pensar quem o escreveu padece de inveja da felicidade da S. Ou então é apenas uma pessoa mal-educada, sem princípios e com a sensibilidade de um crocodilo.

      Eliminar
    5. anonimo das 21:07

      "Acha normal dizer "
      não, não acho. por isso escrevi "o comentário das 17:18 foi idiota"

      "Ou então é apenas uma pessoa mal-educada, sem princípios e com a sensibilidade de um crocodilo."
      Precisamente o que eu acho. Pode ser só uma pessoa mal educada, bruta e estupida. Não significa necessariamente que tenha de ter inveja da vida da S*.

      Eliminar
    6. Eu consigo perceber porque é que é considerado tédio.
      Há pessoas para quem a vida "tradicional" parece completamente aborrecida e sem sentido algum. As tarefas "tipicas", as conversas "tipicas" sobre filhos, maridos, casa, trabalho, etc parecem simplesmente não ter qualquer desafio ou novidade.

      Nós não queremos todos o mesmo da vida. Pessoalmente para mim a vida também tem muito mais do que isso e apesar de adorar os meus filhos e todos os pormenores deles, facto é que na maioria das vezes não quero saber dos filhos dos outros para nada.
      Não lhes desejo mal mas não tenho interesse em ver 10001 fotos, fotos atualizadas todos os dias, saber quando vão iniciar as papas ou se vão para a escola. O meu sentimento em relação a isso é "who cares?".

      No entanto, não me passaria pela cabeça dizer à S* que a vida dela é um tédio porque decidiu partilhar isso, principalmente pela forma como foi dito que foi totalmente desadequado.

      A minha vida certamente também é um tédio para os outros mas eu sou feliz assim :) e quem quer saber de pessoas frustradas?

      Eliminar
    7. anonimo das 10:47

      há de facto aqui 2 questoes diferentes.
      uma é o facto daquele comentario ter sido feito. é parvo, é mal educado, só lê o blog quem quer, se acha aborrecido nao vem ca ler (bem diferente dos colegas de trabalho que quase forçam os outros a ver as fotos das criancinhas). portanto foi muito de mau tom o comentario, nao o devia ter feito, foi pura maldade.

      outra coisa bem diferente, é a pessoa de facto achar que isto é um tedio de vida e sentir isso efectivamente, e nao ser por inveja como outros estao a dizer. há quem tenha de facto gostos diferentes dos restantes e isso nao significa que seja sempre inveja. caramba! eu casei-me pela igreja, com grande festa, vestido carissimo, quinta xpto e tudo, sim investi muito dinheiro porque queria e me fazia sentido. as minhas amigas tambem, e alias nesse ano por coincidencia fomos 3 a casar. No entanto, há 1 unica de grupo que nao casou, mora junta há 10 anos, têm 1 filha e ela nao quer casar, nao lhe faz sentido, nem sequer usa vestidos de todo, e nos nossos casamentos estava com ar de tedio, porque achava aquilo tudo um aborrecimento, mas pronto foi, por respeito às amigas. Nenhuma de nós achou que ela estava com inveja, todas sabemos perfeitamente que ela nao liga nada ao casamento.
      Eu por outro lado sou a unica que nao tenho filhos, casada há 6 anos, quando vou à aldeia da minha mae levo sempre com as perguntas de quando tenho filhos, e claro com as bocas de que tenho inveja dos outros...nao percebo a serio, se eu quisesse ter filhos era só tentar, mas la está nao queremos mesmo. Mas as pessoas nao aceitam algo que é diferente da maioria e assumem sempre que é inveja.

      Eliminar
    8. É isto tudo que estes ultimo anónimos disseram.
      É tudo uma questão de perspetiva, e provavelmente o primeiro anónimo acha mesmo que a vida da S é um tédio, e que esta necessidade de escrever sobre o filho, e sobre aquilo que todos os pais passam, é um tédio, e por aí fora.
      Devia comentar a dizer que é um tédio? Não.
      Faze-lo é sinal de inveja? Não.
      Ainda recentemente também fui chamada de invejosa, pela minha própria mãe, porque disse que não entendia qual a lógica da minha irmã (a filha d' oiro) ir sempre de férias para o mesmo sítio. São 15 anos a ir sempre para o Algarve... eu acho um tédio, e disse-o, e faço o oposto, nunca repito viagens, mas por algum motivo a minha mãe achou que era inveja, porque hoje em dia quem tem uma opinião contrária à dos outros, é uma invejosa. Porquê?

      AnaMaria

      Eliminar
  3. Posso imaginar que não seja fácil, sobretudo nesta fase...

    ResponderEliminar
  4. Deve ser um conflito de emoções nestes primeiros dias :/

    ResponderEliminar
  5. Novas cores no blog? Estranhei quando entrei, já estava familiarizada com a foto do casamento. :)

    Não tenho filhos mas o meu sobrinho entra este ano para a primária e estou um pouco preocupada com toda esta situação que atravessámos.
    Espero que tudo corra pelo menos é que ele tenha uma boa adaptação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Setembro é mês de recomeços. :) boa sorte para o sobrinho!!

      Eliminar
  6. Completamente de acordo com aquela ali de cima. Que tédio, que previsibilidade, que vontade de ser uma influencer cool e descontraída. Que falhanço, que tentativa falhada.

    ResponderEliminar
  7. Para eles é tudo tão mais fácil. A inocência deles permite-lhes uma adaptação maravilhosa e são tão fortes...!
    Tudo de bom nesta nova etapa.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  8. Felizmente os meus também se adaptam muito bem. :)
    Custa tanto quando ficam a chorar (nunca choraram nos primeiros dias).
    O meu mais velho iniciou hoje o primeiro ano. Felizmente já conhece a escola e alguns colegas. Só mudou de sala e professora. Como foi em junho (pré-escolar) as regras covid também não serão novidade.
    O mais novo, apesar de estranhar as regras, também se adaptou à mudança para a sala dos 3 anos (mesmos colegas e educadora).
    Felicidades para o Rafael! Vai correr bem.
    SM

    ResponderEliminar
  9. Tempos difíceis e fico feliz por dizer que está tranquila. Eu, estaria preocupada. Mas sou eu que sou assim. Tenho colegas ainda com filhos pequenos, em que uns estão apreensivos outros, nem por isso. Gostava de ser assim, mais despreocupada. Boa sorte para esta nova etapa.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.