(Pausa para consumismo)

Uma pessoa pode estar em "modo poupança", mas chega esta altura do ano e é extremamente necessário reservar as sandálias Ipanema e Grendha para esta Primavera/Verão.

São necessidades básicas, têm de ser saciadas. 😁😋😍 Este ano vou ter de investir em calções e calças quando mudar o tempo, porque felizmente muitas das minhas roupas me estão largas... Mas calçado é aquela coisa que quero confortável e, por isso, há já alguns anos que só compro disto. Opto por comprar logo no início da colecção (lançada geralmente em Março), para poder escolher os modelos que mais gosto.

Ainda não sei se vêm todas para cá a casa, mas estas meninas estão reservadas em meu nome.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e sapatos
Para os fins-de-semana, porque são demasiado "praia" para o trabalho.

Nenhuma descrição de foto disponível.
É uma cor que nunca escolho, mas que sei que fica bem com tudo.

A imagem pode conter: óculos de sol e sapatos
As rosas e as azuis.

Encomendadas na Eclipse Shiny Gifts, na Póvoa de Varzim. 

O grupo privado é a melhor opção para estar sempre a par das novidades. Aqui!

A título de curiosidade, a loja já vendeu mais de 15 mil pares da Ipanema/Grendha. É a primeira loja do país a receber a coleção e, apesar de ser a loja mais pequena, é a que mais pares vende por metro quadrado. Sim, são fantásticas! E isto é só mesmo amor a falar, porque podia encomendar on-line, mas faço questão de comprar fisicamente por lá.

Comentários

  1. Por curiosidade, as sandálias só duram um ano? Ou compra assim tantas todos os anos porque gosta, apesar das outras ainda estarem boas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, duram uns três anos na boa. Tive umas da Ipanema que usei cerca de seis anos, até a cor começar a desbotar.

      No ano passado um par rebentou... Com um ano de uso. Mas é excepção. A mim, duram uns três anos, em média. Só que as que comprei em 2017 não me saíram muito bem... Entretanto mudei de emprego e tento apostar em modelos mais sandália / menos chinelo (só as azuis entram nesta categoria 'mais elegante') . Mas sim, compro também por gosto!

      Eliminar
  2. Fazes tu muito bem. Todos os meses compro sempre algo para mim ora essa... Não é só trabalhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ando a evitar comprar todos os meses. Mas há coisas que fazem falta... Vou precisar de calçado meia estação, por exemplo.

      Eliminar
  3. Isto não tem nada a ver com o facto de estares a poupar etc como irão aparecer alguns comentários, é uma dúvida genuína, é mesmo necessário comprar sandálias todos os verões? Tal como há quem compre casacos de inverno todos os anos? Eu falo por mim, chinelas de praia tenho umas havaianas impecáveis de nova com uns 3 anos, logo não preciso de novas. Também tenho birkenstock que parece que nunca se gastam, e depois tenho sandálias mais clássicas de salto e rasas, em pele que tambem estão óptimas e algumas já vão para o terceiro verão. Com os casacos de inverno é a mesma coisa, tenho sobretudos clássicos em preto, camel, cinza e azul escuro e costumam durar uns 3 a 4 anos. Mas sei que há quem compre todos os anos. Percebo quando as pessoas perdem ou aumentam o peso, mas por norma se for de bom material e tiver um modelo intemporal as coisas não se estragam ao ponto de não durar mais do que uma estação. Sapatilhas idem, até posso comprar alguns modelos novos que vou gostando maa continuo a dar uso aos antigos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, as Birkenstock e semelhantes nos meus pés ficam tortas em poucos meses. Devo descambar ao andar.

      Mas não tenho necessidade de sandálias. Tenho é gosto e vaidade. De roupa, sim, tenho necessidade.

      Eliminar
    2. Gosto e vaidade todas temos. Pelo menos falo por mim.
      O que se passa é que quando temos muita roupa, calçado e acessórios acabamos por não usar tudo logo também não estragamos tanto as peças.
      Assim, de ano para ano as coisas vão passando e muitas vezes a roupa e calçado continua novo ou com pouco uso.
      Chegamos à conclusão que já não gostamos assim tanto e então bora lá comprar mais trapinhos novos.
      Compensa? Não.
      Com parte do montante que gastava em roupas e afins agora vai para o mealheiro para umas valentes férias.

      Eliminar
    3. Anónimo27 de fevereiro de 2020 às 11:16, então, mas se tiver poucas peças também se estragam mais rapidamente, precisando de substituir mais vezes. Eu compro calçado todos os anos e não tenho muitos pares, simplesmente vão-se estragando.

      Eliminar
    4. Sim, mas acho que a S* é como eu e muitas outras mulheres. Não temos poucas peças mas sim em excesso.
      E se estamos sempre a comprar vai resultar no que descrevi no comentário anterior.
      Adoro compras mas já não me deslumbro como noutros tempos.
      As lojas não vão fechar amanhã, roupa e calçado haverá sempre com vasta oferta!

      Eliminar
    5. eu acho que o que estamos a falar aqui é de um equilibrio. ter aqueles que efectivamente se gosta e se usa e que nao se vai passado 1 ou 2 anos colocar de lado por nao estar na moda. eu comparada a algumas amigas achava que tinha pouco calçado, nao sou de comprar por comprar, tenho 1 coisa de cada, vou jogando com as cores. agora ando para comprar um movel tipo sapateira para colocar tudo, e fui contar os pares que tinha exactamente : 52.
      Inclui chinelos de casa e de praia, tudo mesmo. Acredito que para muitas pessoas nao seja nada de especial, mas para quem é mais contido deve parecer um absurdo. A verdade é que os uso a todos, tenho sapatos, sapatilhas, sandalias rasas, sandalias altas, botas de cano alto, de cano curto, botas de montanha, etc. Tudo tem o seu tempo e lugar, tudo é usado mesmo que seja poucas vezes por ano (ex: tenho umas botas altas de salto fino que so uso no inverno em dias de festa, tipo Natal). Mas nunca compro nada muito da moda, ou muito especifico que ache que passado 1 ou 2 anos ja nao vou gostar, nem compro nada muito repetido que nao valha a pena. Por ex, sapatos de meia estação so tenho 5 porque ja sei que aquilo sao 2 ou 3 semanas a usar e depois passo logo para as sandalias ou botas consoante a altura do ano. Nunca iria gastar dinheiro em calçado para colocar de lado e nao usar. No meu caso em termos de compras acabo por ter de comprar 2 ou 3 pares de cada tipo por ano, mas sempre para trocar um par ja existente. Por ex este inverno comprei 2 pares de botas de cano alto e ainda precisava de mais um mas nao encontrei o que queria (la está, se compro as botas de cano alto na mesma altura depois quando quero trocar calha ser tudo no mesmo ano), mas das outras nao comprei mais nada. E agora preciso de mais 1 par de sapatos de meia estação e no verao planeio comprar mais umas 3 sandalias de salto alto.

      "Assim, de ano para ano as coisas vão passando e muitas vezes a roupa e calçado continua novo ou com pouco uso."
      isto foi coisa que nunca percebi. ate sei que há malta que tem as peças no armario com etiqueta pois nunca chegaram a usar. mas porquê? porque se vai gastar dinheiro em algo que nao se usa? eu dou a volta a toda a roupa, tenho tudo pendurado no armario e vou usando por ex da esquerda p a direita, as peças que uso quando se lava e volta a colocar no armario coloco ao lado para saber que ja usei nessa estação. e so compro uma peça nova de roupa se efectivamente for alguma coisa que nao tenha mesmo e faça falta ou para substituir algo que se estragou mesmo. a unica coisa que me lembro de deitar fora mesmo estando em bom estado foi as calças à boca de sino dos anos 90, quando cheguei finalmente à conclusao que a moda nao ia voltar e era ridiculo andar com aquilo na rua agora e nao valia a pena estar a ocupar espaço no armario

      Eliminar
    6. Eu sou das que usa tudo o que tem no armário. Se não usei ao fim de uma estação, meto num saco e dou para caridade. Renovo bastante o armário, é um facto, mas não acumulo.

      Eliminar
    7. Sim S*, mas a questao aqui é: nao usaste e dás para caridade porque as roupas estao efectivamente desgastadas ou sao tao antigas que estao mesmo fora de moda? ou das para caridade porque compraste sem ser necessario, tens demasiada roupa e compras num ano e ja nao te apetece usar no ano seguinte?

      Eliminar
    8. 52 pares?! Eu tenho para aí 5 de outono/inverno e 5 de primavera /verão para o trabalho e depois mais uns 7 de sapatilhas/alpercatas/sandálias/chinelos para usar ao fim de semana/férias.

      Eliminar
    9. 4 sapatos
      6 sapatilhas
      7 chinelos (verao e inverno)
      3 botas de cano alto
      11 botas normais
      8 sandalias de salto alto
      8 sandalias rasas
      5 outros ( rasos diversos, sabrinas, botas de montanha,...)

      Eu se me pedissem p estimar achava q tinha uns 30 pq de facto de cada caregoria acho q nao sao muitos. So me apercebi agora qd fui contar ao pormenor por causa de comprar a sapateira

      Eliminar
    10. Eu tenho 1 par de botas, 1 par de sapatilhas, 1 par de sandálias, 1 par de chinelos de praia, 1 par de pantufas e ando a ver se compro 1 par de sabrinas porque as que tinha estragaram-se. E também só tenho um casaco de inverno que usarei até ficar gasto e precisar de comprar outro, ahahahahah. Vivências diferentes. :)

      Eliminar
    11. Ahahah

      É mesmo importante relativizar. A minha sapateira é uma pobreza, quando comparada.

      Tenho duas botas de cano ano. Dois botins que comprei este ano, mais um par formal (botins mais elegantes, da Bússola) e outros botins rasos mais de Primavera. Sapatilhas tenho três: um par da New Balance, que a mana me deu há uns cinco anos; um par da Skechers, com uns três anos; umas de veludo que o marido me ofereceu no Natal de 2018. Chega e sobra. Calçado de Inverno não dou tanta importância, é sempre escuro. Uma colega deu-me dois pares que tinha encostados há umas duas semanas... Absolutamente novos e básicos, por isso intemporais e de bom gosto.

      No Verão troco muito mais. Mas, mesmo assim, julgo que terei actualmente uns 8 pares de sandálias 'de plástico', umas sabrinas, dois chinelos de praia da Ipanema. As sandálias do casamento e as sandálias do baptizado são formais e serão muito utilizadas no trabalho, em situações especiais, creio eu.

      Ou seja, entre Verão e Inverno tenho actualmente cerca de vinte pares de calçado.

      Malas é que acumulo imensas.

      Eliminar
    12. Anonima das 21:42

      So por curiosidade: como faz em situacoes diferentes? Por ex, tem so 1 botas, sao rasas ou de salto? Se forem rasas nunca sente necessidade de ter algo mais elegante para um evento mais formal? Festa de natal da empresa, passagem de ano, ida a jantar fora num restaurante mais elegante? Ou se forem de salto como faz para ir passear o cao ou passar todo o dia a passear na cidade, nao se cansa?

      E a titulo profissional nunca sentiu olhares por ir trabalhar todos os dias com o mesmo calçado e o mesmo casaco o inverno todo?

      E como faz com as cores? So tem calçado preto p combinar com tudo?

      Eu sei que dos 52 pares podia perfeitamente sobreviver so com metade ou 1/3. Mas nao imagino sequer como é possivel ter so 1 par por estacao. Por ex, hoje fui trabalhar de saltos altos, amanha vou estar a tarde toda fora de casa a andar na cidade levo umas botas rasas confortaveis, no dia 14 fui jantar c o marido a um restaurante de hotel de 4*, levei um vestido mais formal e umas botas de salto agulha mais elegantes. Nao imagino como o mesmo par de botas podia dar p todas estas situacoes.

      Repare nao é critica, nao pretendo ofender de todo, fico so mesmo curiosa em perceber como as pessoas se organizam. Eu por ex so tenho um casaco de inverno de cada cor e a minha mae e irma acham que sou mt sovina pq “ ando sempre c o mesmo cinzento ou o mesmo azul” e mesmo assim tenho 9. Nem imagino o que me diriam se so tivesse 1.

      Faz assim com toda a roupa exterior? Ou seja, so tem 1 camisola de inverno, uma blusa, 1 tshirt, 1 calça de ganga, 1saia, etc ou é so mesmo com calçado e casaco?

      Nunca aconteceu o calçado estragar-se e nao ter nada p usar? Eu estava uma vez de viagem e as botas romperam-se ( ja tinham uns 5 anos e a sola abriu) no meio da rua, tive de chamar um taxi e voltar p o hotel, felizmente tinha outro par na mala ( ando sempre c 1 muda de calçado mesmo q seja viagem de 2 dias). Senao teria de ir sozinha num pais desconhecido á procura de botas p comprar á pressa ( e provavelmente bem caras)

      Eliminar
    13. Anónimo29 de fevereiro de 2020 às 00:11,

      Não sou a anónima das 21:42 mas também não tenho muito calçado. Sapatos de salto agulha, mais formais não tenho mesmo (nem sei andar com eles), e nunca tive nenhuma situação em que precisasse usar (não vou a casamentos/batizados desde a adolescência, não trabalho numa empresa, passo a passagem de ano em casa; enfim, não tenho ocasiões formais). Não faço por ter pouco calçado, mas acabo por ter porque não compro pele e o bom calçado vegan é caro.

      Eliminar
    14. Anónimo das 21h42

      Já se falou disto noutro tópico. Ter tão pouco calçado ou casacos não é propriamente uma escolha minimalista, sempre vivi assim e em adulta não sinto que me afecte a vida. As nossas vivências são completamente diferentes, daí provavelmente não perceber como faço.
      Não uso saltos altos, não gosto, não sei andar e por isso não me faz sentido ter botas, sapatos ou sandálias de salto que nunca vou usar. Pelo discurso, percebe-se que a anónima tem diferentes eventos formais anuais, no meu caso não me lembro do último a que fui por isso de facto essa é uma necessidade que não tenho. E mesmo que tivesse, optaria sempre por sapatos rasos. A empresa faz festa de Natal mas é algo completamente informal, todos vão com a roupa do dia-a-dia. Em todos os trabalhos porque passei foi assim, pelo que deve depender da nossa profissão. A passagem de ano festejamos sempre em casa, o que significa que nós e os outros estão confortáveis, muitas vezes sem sapatos até. Jantar com o marido nunca é em restaurantes que obriguem a um dress code tão formal quanto isso.
      Nitidamente temos profissões diferentes e ambientes de trabalho diferentes. Faz-me lembrar a universidade, onde havia uma clara distinção entre os departamentos de ciência - onde uma larga maioria das raparigas andava de t-shirt, calças de ganga e sapatilhas - e de economia, gestão, etc - onde uma larga maioria das raparigas andava mais arranjada, saltos altos, etc. Nunca, em nenhum dos trabalhos onde estive, havia qualquer mexerico por causa das roupas dos outros. Provavelmente porque andávamos muitas vezes de bata, porque roupa formal em certos ambientes era um contra-senso e até perigoso.
      Sempre tive apenas um só casaco de inverno e não venho de uma família com dificuldades financeiras. Apenas fui educada assim, se é preciso um casaco, tem-se um casaco, quando esse começar a ficar gasto/velho, compra-se outro. Nunca ouvi nada a este respeito. Não imagino a minha mãe ou qualquer outra pessoa da minha família a fazer uma crítica como a sua. E talvez por isso eu também não repare quantos casacos ou sapatos os outros têm, é mesmo algo que simplesmente não me interessa. Mas se fizer um esforço de memória, assim de repente, acho que vejo sempre os mesmos casacos nas pessoas com quem trabalho. Lá pode haver uma outra que mude mais frequentemente, mas definitivamente não há ninguém que rode entre 9 cores de casacos. No meu guarda-roupa nem faria sentido ter tantas cores de casaco. Não me vejo a usar uma casaco rosa ou amarelo, por exemplo, nem conheço quem o faça nos locais onde trabalhei.
      Depois também teremos estilos muito diferentes. A minha roupa à semana é a mesma ao fim-de-semana - se trabalhasse numa empresa mais formal isto poderia não acontecer. (continua)

      Eliminar
    15. (cont) Uso calças de ganga, com blusas, t-shirts, camisolas e casacos de várias cores. Mas não uso todas as cores, o que ajuda. Não uso castanho e dificilmente uso preto. Umas botas azuis escuras dão perfeitamente com toda a roupa que tenho. Tenho um estilo muito informal e prático, esta deve ser a nossa maior diferença.
      Sim, já me aconteceu estragar-se calçado, e até nem estava no país. Estragaram-se umas sapatilhas, fui a uma loja nesse mesmo dia e comprei outras.
      Bem, se só tivesse uma camisola e umas calças de ganga estava lixada, ahah, porque de facto uso calças todos os dias. Tenho vários pares de calças de ganga, mais escuras, mais claras, tenho muitas t-shirts, várias blusas, várias camisolas...Nos casamentos, ponho umas calças pretas formais, uma blusa melhor, sabrinas e estou pronta. Interessa-me mais o corte das peças, a qualidade dos tecidos e como me assenta do que ir de vestido e saltos altos a um casamento.
      Eu entendo a anónima, tenho amigas de outras áreas a quem o meu armários de nada serviria. Têm eventos sociais nas empresas, é esperado um determinado dress code mais formal, há até regras no que toca à maquilhagem, mas daí ter falado de vivências diferentes. Se eu aparecesse com uma saia lápis em qualquer um dos sítios onde trabalhei, com saltos agulha, etc, aí sim teria tido comentários a propósito da minha roupa pouquíssimo apropriada ao meu local de trabalho.
      Por isso, como vê, não é propriamente uma escolha "vou poupar e ter pouco calçado, e só vou usar estas cores ou este tipo de roupa". É a vida que tenho que leva a que não faça grande sentido ser de outra forma.
      Também não me faz sentido ver crianças com 4 ou 5 pares novos de sapatos para cada estação. Cá em casa, há um par novo quando a estação muda, é usado uns quantos meses e pronto, no ano seguinte dificilmente servirá por isso não entendo a necessidade de ter mais. A mesma coisa com o casaco: tem um casaco no Inverno e pronto. Este ano até está a usar o do ano passado que estava um bocado grande. Mas conheço outras famílias assim, não sou assim tão ET. Vivências diferentes, apenas isso.

      Eliminar
    16. Eu comentei acima que tenho uns 10 pares de calçado formais e uns 7 informais. Sou jurista, trabalho num ambiente semi-formal (não é preciso irmos de tailleur, mas ninguém vai de calças de ganga e t-shirt) e serve-me perfeitamente ter "só" esse calçado. Ando muito a pé no meu dia a dia, por isso só uso sapatos rasos. No inverno uso sapatos fechados (tipo brogues) ou botas rasas e no verão uso sabrinas ou sandálias (bastante cobertas). Tenho uns 5 pares para cada estação, dá para cada dia da semana levar uns diferentes. Não sinto que alguém olhe, nem eu faço a mínima ideia do que calçam os meus colegas. Para casamentos/batizados tenho 2 ou 3 sapatos/sandálias de salto, são de tons neutros por isso vão bem com qualquer vestido que use. Para fins de semana e férias tenho sapatilhas, sandálias e alpercatas. Chinelos só para andar por casa ou para a praia.

      De há uns 2 anos para cá que tenho vindo a substituir calçado do trabalho por coisas de mais qualidade (antes comprava na Zara e afins). Compro na mesma nos saldos, mas agora tenho sapatos e botas de cerca de 100€ e sabrinas de 50€ que são realmente muito mais confortáveis e que após uso intenso uma estação inteira estão como novos para o ano seguinte.

      Eliminar
    17. "A passagem de ano festejamos sempre em casa, o que significa que nós e os outros estão confortáveis, muitas vezes sem sapatos até."
      pois, para mim é irrelevante a passagem de ano ser em casa ou nao, porque mesmo que seja em minha casa ou de algum amigo que organize, sendo para mim um evento estou vestida com roupa de festa, maquilhada e com saltos altos. sei que ha pessoas que fazem isso de em casa ninguem estar calçado e têm chinelos para os convidados mas isso nao faz parte da minha vivencia nem das pessoas com quem estou.

      "e de economia, gestão, etc - onde uma larga maioria das raparigas andava mais arranjada, saltos altos, etc"
      ahahaah. sim acertou, sou de gestão, trabalho como directora financeira numa empresa multinacional.

      "No meu guarda-roupa nem faria sentido ter tantas cores de casaco. Não me vejo a usar uma casaco rosa ou amarelo, por exemplo,"
      aqui interpretou mal. eu nao uso cores fortes, alias nem as sei combinar, sou muito basica e previsivel nas escolhas que faço pois nao tenho mesmo jeito nenhum para moda e para conseguir pensar em coordenados arrojados. por isso escolho sempre cores simples em casacos, malas e calçado. la está, mais uma das criticas da familia porque por ex a minha irma é sim capaz de usar um casaco rosa ou amarelo e coordenar as peças e parece aquelas influencers do instagram. Portanto dos meus 9 casacos de inverno tenho: 7 normais compridos para usar no trabalho (branco, castanho claro, castanho escuro, preto, azul escuro, bordeaux escuro, cizento), 1 preto mais tipo blusao curto pela cintura e 1 poncho castanho claro.

      "A minha roupa à semana é a mesma ao fim-de-semana - se trabalhasse numa empresa mais formal isto poderia não acontecer. "
      certo, eu tenho o armario separado em "roupa do trabalho" e "roupa d fim de semana". por ex calças de ganga e t shirts so para o fim de semana, à semana é calça formal e blusa

      Eliminar

    18. "tenho muitas t-shirts, várias blusas, várias camisolas"
      agora nao percebi. porque se sente ok em so ter 1 par de calçado e 1 casaco mas ja sente necessidade de ter muitas t shirts. teoricamente so precisava de ter umas 10 tshirts para usar 1 a cada dia da semana, pôr a lavar e secar a tempo de voltar a usar de novo.
      ou para si muitas são exactamente as que precisa para rodar em termos de lavar e voltar a usar? agora fez-me levantar da cadeira e ir ao armario contar por curiosidade: de roupa de verao parte de cima tenho 38 blusas/peças mais formais para ir trabalhar e 30 tshirts/tops para usar ao fim de semana/ferias, isto para mim é que é muita roupa. ter 10 blusas e 10 tshirts seria minimalista.

      "não sou assim tão ET"
      uma historia deliciosa que me aconteceu há muitos anos atrás quando namorava um rapazinho de ciencias. ele estava a tirar o doutoramento noutro país e eu viajei para o visitar. ele avisou-me para nao levar saltos porque por razoes de segurança para sair do instituto tinha de ser possivel passar pela maquina de controlo que valida a radioactividade e um dos pontos de controlo é a sola completa. Como era verao eu levei so sandalias de salto cunha (tipo plataforma) porque apesar de serem altas, permite verificar a sola completa sem falhas. Tambem me disse para nao levar maquilhagem "que era capaz de ser estranho", ok, eu nao levei. Mas fui entao com o cabelo arranjado, brincos, pulseiras, saia, tops justos. Enfim, quando entrei la ficaram TODOS os homens a olhar estupefactos para mim. De facto as poucas mulheres que lá estavam era de calças de ganga, tshirt largueironas, cabelo cortado curtinho, sapatilhas e sem nenhum adereço. Alguns olhavam para mim como eu se fosse uma top model a passar e até tentaram meter conversa até que percebiam que eu tinha namorado. Ahahah. Foi mesmo engraçado porque estavam deslumbrados (e eu sou uma mulher perfeitamente normal), mas pronto, naquele contexto devia parecer uma modelo da Victoria Secrets. Por outro lado claro que também houve quem olhasse com um ar de choque como se aquilo não fizesse sentido nenhum, como se eu fosse completamente louca. Para mim naquela altura tambem me fez imensa confusao, porque praticamente nao conhecia pessoas da area de ciencias, todas as pessoas na minha faculdade se vestiam até muito melhor e mais arranjadas que eu (na altura eu nao tinha muitas possibilidades financeiras, portanto eu ate tentava mas tinha roupa comprada na feira, enquanto que as colegas era de boas marcas). Eu via series como a Teoria do Big Bang e achava que aquilo era apenas uma caricatura exagerada do que sao as pessoas de ciencias, mas não, aquile tipo de pessoas existe mesmo que eu vi nesse instituto de investigação :-)

      Eliminar
    19. "Anónimo1 de março de 2020 às 12:34"

      certo, mas isso eu compreendo. alguem dizer que tem 5 pares de calçado de inverno e que so usa calçado raso para mim é viavel, agora so ter mesmo 1 como a outra anonima é que me surpreendeu.

      mas repare primeiro diz que tem 10 pares formais, mas depois ja diz que tem 5 de verao e 5 de inverno para o trabalho rasos e mais 2/3 de salto para ir a eventos :-)
      se calhar é como eu que achava que tinha 30, mas depois quando comecei a contar ja iam em 52 com todos estes extra.
      tal como na roupa, eu ia para escever no comentario acima que teria umas 25 blusas de trabalho e umas 20 tshirts/tops de verao (estimativa de cabeça) , mas depois decidi-me a levantar e ir ao quarto contar no armario e surpreendi-me com a conta de 30 e 38

      Eliminar
    20. Sou de ciências sociais e notava bem a diferença entre os códigos de vestuário na minha universidade, e isso estende-se aos professores e investigadores. A primeira vez que fui a um congresso fui vestida de forma um pouco mais formal e senti-me desenquadrada porque estava toda a gente de calças de ganga e sandálias rasas. Seria impensável, por exemplo, aparecer de stilettos.

      Eliminar
    21. Sim, só tenho esses 10 pares formais para o trabalho (os tais 5 de verão e 5 de inverno) e é verdade que que inicialmente não contei com esses 3 de saltos para ir a eventos. São sapatos que tenho há 10 anos e que uso uma ou duas vezes por ano, por isso até passam a maioria do tempo guardados e não têm uso quase nenhum.

      Roupa é que admito que tenho demais. Já vivi um mês no estrangeiro (a trabalhar num ambiente formal) e levei apenas bagagem de mão e safei-me muito bem na coordenação de conjuntos. Todos os dias levava um diferente, repetindo uma ou outra peça e apercebi-me que não precisava de tanta coisa como tinha em casa. Estou a tentar reduzir, a apostar em básicos de melhor qualidade (tal como o calçado) e planeio este ano fazer uma revisão séria no armário e doar muita coisa àquela instituição dress for success, que aceita roupa formal e prepara pessoas para o contexto profissional. Quero limitar-me a uma meia dúzia de peças por categoria, mas de facto dou-lhes bastante uso porque é a minha roupa do dia a dia (ao fim de semana e férias é diferente da do trabalho).

      Eliminar
    22. Para mim e para os que a passam comigo, a passagem de ano não é um evento. É um bom momento que se passa, uma festividade, onde estamos todos na conversa, a comer, a beber, a fazer jogos, a dançar, etc, num ambiente descontraído e informal. Se alguém aparecesse com um bom vestido e uns sapatos de salto alto, por mim tudo bem mas era capaz de se sentir desenquadrada. Não sou o tipo de passa que passa o Natal e a passagem de ano de pijama mas não há qualquer formalidade em nenhuma destas ocasiões.
      Entendo que esta não seja a sua vivência. Também não é a de pessoas que conheço. E não vejo mal nenhum nisto. :)

      Peço desculpa, interpretei mal a questão das cores do casacos. Quando falou em 9 cores, nem assumi que pudessem ser 9 cores mais clássicas. Mas percebi agora perfeitamente o seu ponto de vista.
      Ahahah, bom, como directora financeira de uma multi-nacional não a aconselho realmente a ir vestida como eu sempre trabalhei, era capaz de não passar despercebida e pelas piores razões. Mas se eu ficasse com o seu armário, também seria desadequado para os trabalhos que já fiz e que faço. Acredite que compreendo bem a sua realidade, tenho várias amigas de gestão, economia, etc, e bem vejo a diferença entre aquilo que levam para o trabalho muito formal (e com consequentes eventos formais) e a roupa de fim-de-semana muito mais informal. São de facto ambientes diferentes, consigo reconhecer isso.

      Quanto ao número de t-shirts, não sei quantas tenho mas tenho várias. Diria menos de 30 mas não vou jurar, posso ter bem mais do que isso. Eu não sou minimalista, repito. Não tenho um armário-cápsula nem tenho apenas um casaco de inverno por não ter condições para comprar mais. E tenho gosto em comprar t-shirts, que sinto que é o que faz variar mais o meu guarda-roupa (mas não compro todos os meses, tenho gosto mas não tanto). Tenho algumas mais estilo blusa, com outro material, outros pormenores, depois tenho outras mais básicas e neutras, outras mais femininas, outras mais coloridas, outras mais para estar por casa...Deve ser a peça que mais abunda no meu guarda-roupa e não há grande razão para isso, é apenas por gosto. Por isso, não, não há propriamente uma regra para as t-shirts, camisolas, etc, como não há para as calças. Compro o que uso.

      (continua)

      Eliminar
    23. (continuação) Ahahah, ri-me com a sua história. Não é obviamente uma regra universal e dependerá também muito da área científica em que se trabalha mas de facto a praticidade é muitas vezes a prioridade. Quem trabalha em análises clínicas pode andar mais arranjada por exemplo do que quem faz investigação em certas áreas. Já pensou como seria ir apanhar rãs ou colher água de lagos vestida como vai trabalhar? :D Ou andar a carregar escadas acima e abaixo tabuleiros de terra com saltos altos? Ou transportar ácidos com calçado aberto, o que em caso de acidente, seria desastroso? Ou em certos trabalhos, ter os cabelos a mergulharem nas soluções preparadas ou a cair em cima das experiências? :) Faz-me lembrar uma colega que tinha e que um dia me pediu amizade no facebook. Quando vi as fotografias dela, abri a boca de espanto, sempre bem vestida, sempre de saltos, maquilhagem, cabelo arranjado. A mesma rapariga que eu via todos os dias de calças de ganga, sapatilhas, zero maquilhagem e cabelo apanhado. Comentei com ela a diferença e ela riu-se dizendo que eu apenas a via com a "roupa de trabalho". O armário dela "de trabalho" e de "fim-de-semana" devia ser o oposto do seu. :) E acho que num ambiente destes é mais fácil simplesmente não ligar ao que os outros vestem, suponho.

      Na empresa onde agora estou, há uma pessoa na chefia que anda mais formal mas que procura mexer-se o menos possível dado os saltos que usa. Isto para mim não me faz sentido, por exemplo. O resto das pessoas, anda como quiser, tudo num ambiente descontraído. Não raras vezes há quem leve camisolas de fato-de-treino. Isso não me choca, mas já é coisa que não consigo. Fato-de-treino é em casa ou para ir passear o cão. Da mesma forma que tenho gosto em arranjar-me - eu sei que não parece pela descrição do meu armário mas acho que isso já passa mais pela selecção das peças e como nos caiem - e vou bem penteada, maquilho-me e sempre de brincos. Sinto-me bonita e bem assim.

      Eliminar
  4. São giras, apetece comprar mas... já não caio nessa de comprar calçado (a mais) sempre que muda a estação.
    Tenho pares de vários anos que fui acumulando e já decidi que este ano se comprar é apenas um par se realmente precisar.
    Cansei de comprar só porque sim.

    ResponderEliminar
  5. As da segunda imagem são as minhas favoritas :)

    ResponderEliminar
  6. Porque não aproveitaste já os saldos para comprar a roupa que precisas? Agora as lojas, mesmo sendo coleção de outono/inverno, têm muitas peças que dão para o verão. Eu comprei na Zara calças frescas para o trabalho, t-shirts e uns calções para férias no fim dos saldos e a preços óptimos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falta de visão de médio prazo. O problema de muita gente.

      Eliminar
    2. Comprei 7 vestidos para o verão, gastei cerca de 50€. Um deles irá a um casamento, os outros são vestidos mais casuais, que irei aproveitar para andar fresca e fofa na minha lua de mel :) Raramente compro o que quer que seja de roupas sem ser em saldos. Faço sempre compras a pensar para a frente (estes saldos a pensar no inverno seguinte ou coisas de verão para os meses a partir de julho. Em julho comprarei para o verão seguinte, se precisar).

      Eliminar
    3. eu compro sempre a roupa para as festas nos saldos, por ex, a roupa para o Natal compro sempre agora nos saldos de inverno.

      Eliminar
    4. Ainda fui espreitar as lojas, mas não vi nada. Nem uma blusa!

      Eliminar
    5. Fui eu que comentei originalmente. Também compro tudo em saldos, aliás, só entro em lojas/espreito os sites duas vezes por ano, nos saldos de inverno e nos de verão. A Zara online tinha coisas novas todos os dias, mesmo até ao finalzinho dos saldos. Comprei 3 calças de tecido e corte formal para o trabalho por 5,99€ cada. Comprei blusas de manga curta também para o trabalho por 3,99€. E vestidos a 7,99€. Para a minha filha (tem 1 ano) também comprei uma série de roupas de meia estação para mudar agora na primavera e acho que no outono ainda servirão, bem como uma camisola de malha e um casaco quente já para o inverno do próximo ano.

      Eliminar
    6. Agora há tb as midseason sales. Habitualmente online e são óptimas para quem tem crianças, que dão grandes pulos e nos obrigam a despesas constantes.

      Em relação à roupa e calçado tb compro apenas nos saldos. Este ano comprei um sobretudo de 150€ por 50€ para substituir um que rasgou e que já tinha há quase 10 anos.

      Das Ipanema acho bonitas mas não acho que compense a qualidade vs preço. Comprei há uns anos 3 pares de chinelos para a praia e não aguentaram sequer os 3/4 meses de verão ( sendo utilizados de forma rotativa) 🙄 mais vale comprar na Primark por 1€... Os últimos da Primark comprei há 3 anos para levar para o hospital qd o meu filho nasceu ( com a ideia que daria apenas para isso). Foram utilizados nesse verão grávida quando já não conseguia calçar mais nada, utilizei no hospital e pós parto quando nem as sapatilhas me serviam, utilizo em casa no verão quase diariamente e levo para a praia... 3 anos de uso vs 3/4 meses e nem vale a pena comparar o preço...

      Enquanto me lembrar disto não compro mais essa marca...

      Eliminar
    7. Eu tenho uma experiência oposta. Comprei as minhas primeiras Ipanema e duraram anos. Nem usava outras sandálias por isso foi uso intensivo. Super confortáveis. Depois nunca mais vi um modelo igual com a sola fina. Ainda assim comprei outras quando as primeiras se estragaram. Super confortáveis também e mais uma vez duraram anos. Na verdade ainda as tenho mas já não me servem (o pé cresceu na gravidez). Gostava de comprar outras mas não consigo gostar de nenhum modelo. 🤷🏻‍♀️ Todos os anos vejo a nova coleção e não acho nada bonito.

      Eliminar
  7. Já sei que não te vai cair bem o meu comentário mas acho que te deixas levar muito pelas montras e modas.
    Isso não é poupar de verdade.
    Demasiado capricho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está, há diferentes opiniões do que é poupar de verdade. Tudo depende de quanto se ganha e quanto se poupa. Se eu ganhar €2000 limpos, gastar €1000 e poupar a outra metade, considero que estou a poupar de verdade ainda que com os mil euros consiga ter vários gastos extra.

      Não considero que poupar de verdade seja necessariamente sinónimo de ser extremamente frugal... terá de ser quando se ganha pouco, com um salário melhor há espaço para uma boa poupança e os caprichos que dão cor à vida. :)

      Eliminar
    2. pois, mas aqui estamos no blog da S* a debater a vida da S*. percebo perfeitamente o exemplo que deu, mas ela nao ganha isso e por isso sempre referiu a necessidade de poupar efectivamente e por isso este anonimo agora fala em caprichos.

      Eliminar
    3. “Extremamente frugal”?!
      Não disse o contrário de si.
      Lá voltámos nós ao mesmo.
      Sobre esse tema já tudo foi dito.

      Eliminar
    4. Há compras que faço por impulso, sim. Não é o caso. Estas compras eu já sei que farei de um ano para o outro. É um gosto que tenho. Gasto 70 ou 80 euros em três pares de sandálias e fico para todo o Verão. Pensando bem, não acho que seja excessivo, porque há quem gaste nisso num par de sapatilhas. Mas se podia viver sem elas? Claro. Mas não trabalho só para aquecer. :)

      Eliminar
    5. Eu concordo com o anónimo inicial.

      Acho é que temos que perceber que somos pessoas diferentes.
      Eu acho 80€ por este tipo de calçado e qualidade,c
      Também acho 80€/ano para calçado por cada estação caríssimo, da mesma forma que considero comprar fora de saldos queimar dinheiro e o deslumbramento com as modas um brainwashing completo ( daqui a 12 meses haverão outras lindas que se têm de ter! E as do ano passado perdem o brilho, apesar de previamente a serem nossas eram "A" coisa fabulosa que queríamos ter).

      Mas percebo que para algumas pessoas seja mesmo assim. The shiny new thing é irresistível... E pronto se assim não fosse não havia capitalismo 😅 aliás isto está mais do que estudado ( por exemplo através do estudo do fenómeno FOMO )...

      Para pessoas como o outro anónimo e eu, isto é simplesmente estranho. É como espreitar atrás de uma cortina e ver revelado aquilo que nos parece impossível... Não deixa de ser apelativo ver essas diferenças e por isso é que aqui andamos 🙂

      Eliminar
  8. Não digas que estás a poupar e depois que vais fazer uma "pausa para consumismo".
    É o mesmo que estar em greve de fome e fazer uma pausa para almoço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chataaas! Sejam felizes com as vossas sandálias dos anos 90 e blusas a cheirar a naftalina e deixem a rapariga em paz.

      Eliminar
    2. oh anonima, nem 8 nem 80. eu no meu caso diria que compro em media 1 ou 2 pares de sandalias novas por ano. pode ate haver um ano que compro 3, e um ano em que nao compre nenhuma. não tenho sandalias com mais de 6/7 anos. agora do que vejo da S* parece-me que compra umas 3/4 por ano o que me parece um pouco demais. Mas neste caso o comentario do primeiro anonimo vai no sentido de que : se ela diz que está a tentar fazer um ano de poupança, estranho é começar a comprar sandalias. podia este ano nao comprar nada, de certeza que ainda as tem do ano passado e talvez em 2021 comprava mesmo se precisasse.
      É como as dietas: eu posso comer uma sobremesa de vez em quando. Mas se eu disser que estou em dieta é estranho a meio da semana estar a comer sobremesas, nao é muito logico certo?

      Eliminar
    3. Anónimo 15:25h não diga disparates. Para andar bem vestido não é preciso estar sempre a comprar.
      É para poupar não é necessário andar com roupa do século passado a cheirar a naftalina.
      Trata-se de ver o que realmente precisamos.
      Também gosto de me mimar e também não trabalho só para aquecer, mas há compras por impulso que... não faz sentido!
      Ver os armários cheiros e continuar a comprar mais e mais!!!
      Eu entendo a S* porque também já fui assim.
      É só uma opinião.
      A S* compra o que quiser.
      Obviamente.

      Eliminar
    4. Claro que para andar bem vestido não é preciso andar sempre a comprar. Mas julgo que nenhuma de nós, aqui, sabe quantas peças de roupa a S* compra por estação.

      Eliminar
    5. Eu tenho vontade de muita coisa, mas não compro assim tanta coisa. Quer dizer, comprei uma écharpe em Janeiro e falo em comprar sandálias em Março. Nestes dois meses, nicles. Não me considero propriamente o cúmulo do consumismo, apesar de saber que também não sou a mais poupada.

      Eliminar
    6. Quais "dois meses"?! Compraste a écharpe em Janeiro, vais comprar as sandálias em Março... E este mês relataste a situação da loja! Andas sempre "à caça" e digo isto apenas pelo que sabemos pelo blog (que deve ser uns 5%).
      E não, não são bens essenciais... Não porque são écharpes e sandálias mas porque já os tens aos montes!

      Eliminar
    7. A questão aqui é que são sandálias de plástico, que nem sequer têm um ar cuidado e formal para servir no dia a dia (bem, depende dos trabalhos, mas eu jamais usaria isso no meu). De qualquer forma, nunca compraria calçado de plástico (e vários pares por ano), acho um desperdício de dinheiro e falta de conforto.

      Eliminar
  9. Ninguém aqui está a chatear a S* propositadamente. Pelo menos a minha intenção não passa por chatear ninguém.
    De qualquer modo se ela fala em poupança e logo de seguida fala no oposto - mais compras - é normal que haja certos comentários. Aliás, a própria Sónia já sabe com o que conta com determinados posts ou temas.

    Também não entendo como conseguem estourar tantos pares de sandálias em poucos meses de Verão, sendo que a S*, por exemplo, todos os Verões faz posts de compras de sandálias.
    Ou o calçado não tem qualidade ou de certeza que dura de estação para estação.
    E comprando sapatos em todas as estações (a juntar aos mais antigos)...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O calçado dura, mas os meus gostos vão-se alterando. Acho que me posso dar a pequenos luxos sem quebrar a poupança. Há quem seja mais poupado, mas eu nunca disse que ia poupar todos os euros que posso.

      Eliminar
  10. Fala em poupança mas depois compra uma echarpe porque precisa muito.
    Quer poupar mas de seguida fala em comprar sandálias porque faz gosto!
    Continua a querer poupar mas nada lhe sabe melhor do que a torrada e o croissant na pastelaria X ou Y.
    Assim torna-se contraditório.
    Não entendo a lógica do impulso.
    De vez em quando porque não...
    Mas neste caso parece-me que há impulsos frequentes.

    Por essa ordem de ideias, Faço GOSTO em tantas coisas, senhores!
    De grão a grão enche a galinha o papo... ou não!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é que disse que queria poupar todos os euros possíveis? Eu não fui. Já deixei bem claro que quero poupar, mas sem deixar de consumir o que realmente quero. Simples. Quem quer fazer diferente, pois que faça...

      Eliminar
    2. As pessoas que poupam também compram.
      Eu poupo, mas no início do mês faço a lista dos extras. Este mês tenho de comprar lentes de contacto, umas sapatilhas e calças de ganga, porque realmente preciso. Se tivesse blog e partilhasse isto, acredito que alguém me diria que não estou a poupar. Mas eu é que sei das minhas contas e das minhas necessidades, tal como a Sónia saberá das dela.

      Eliminar
    3. A Sónia não precisa de defensores. Calma com o andor.
      Beijinhos para a anónima, agora vou às compras! muahahhah...

      Eliminar
    4. A senhora sabe das suas contas e eu das minhas.
      Escreve-se directamente para a S* porque o blog é da S*.
      Entendeu?
      Ainda bem!

      Eliminar
    5. Ninguém poupa sem deixar de consumir o que lhe apetece. A não ser que nunca lhe apeteça rigorosamente nada, o que é difícil. Quem quer a andar a suprir caprichos e impulsos, não pode dizer que está a poupar só porque lhe sobram uns trocos no fim do mês.
      S*, sê coerente. Não és poupada, não queres ser e achas que nunca vais precisar.

      Eliminar
    6. anonimo das 16:58, uma coisa é comprar porque realmente precisa, por ex, se começou a fazer desporto se calhar tem de ir comprar sapatilhas e outro equipamento adequado. eu no ano passado tinha umas sandalias brancas com alguns anos que as correias rebentaram, ja sei que este ano tenho de comprar umas sandalias novas para as substituir.
      Outra coisa é comprar varias sandalias novas so porque sim, so porque os gostos vao mudando como a S* refere acima.
      Tem todo o direito de o fazer, nada contra, mas nao venham dizer que é uma necessidade. Eu obvio que nao faço ideia da roupa que a S* tem, mas por acaso das sandalias a ideia que tenho é que compra varias por ano, pelos posts que ela coloca.

      Eliminar
    7. ". Já deixei bem claro que quero poupar, mas sem deixar de consumir o que realmente quero. "

      Ó S*, mas eu de facto entao nao percebo bem qual a ideia. No ano passado gastavas o que querias sem te preocupares em poupar, tudo bem, é uma escolha de vida. Este ano disseste que querias começar a poupar, mas na pratica continuas a comprar o que te apetece? Então o que mudou? Efectivamente e objectivamente que aspectos da tua vida mudaste? É que eu sigo o blog há anos e não vejo diferença nos teus padroes de consumo pelos posts que fazes.

      Vou-te dar o meu exemplo ao contrario. ate 2018 eu tinha de gastar pouco pois tinha uma determinada situação pessoal que me obrigava a isso. a partir de 2019 a situação mudou e pude começar a gastar mais à vontade. Se me perguntarem consigo enumerar exactamente o que alterei: comecei a fazer unhas de gel, a ir ao cabeleireiro com mais frequencia, troquei imenso calçado antigo por calçado novo e de melhor qualidade, troquei a minha roupa interior (sim, é verdade, tinha meias desde o tempo da adolescencia, so ia comprando roupa exterior para poder poupar), comecei a ir ver espetaculos de teatro/musica, comecei a ir todos os fins de semana a jantar fora. Enfim, no teu caso nao consigo mesmo ver o que mudou.

      E pronto, é so isso, ninguem acha mal tu gastares mais ou menos, fazes o que quiseres com o teu dinheiro e tens o estilo de vida que queres. Só parece muito incoerente que fales em poupar e depois estás a mostrar o mesmo estilo consumista que tinhas no ano passado.

      Eliminar
    8. Anónima das 17:23, eu poupo 30% do meu salário (bem mais que uns trocos ao fim do mês) e privo-me de muito pouco. Portanto não me encaixo no seu argumento.

      Eliminar
    9. Foi precisamente o que eu referi acima. Acaba por ser contraditório.
      Também não percebo a ideia de poupança da S* mas ok.

      De certeza que muito boa gente que aqui anda e diz que poupa, de certeza que faz algum esforço para isso acontecer. Vontades e desejos todos temos.
      Uns fazem uma boa gestão e ficam satisfeitos por ver o mealheiro encher.
      Outros acham que poupam mesmo cedendo a caprichos e impulsos.
      Se queres realmente poupar, o caminho é outro.
      Há que saber resistir e pensar se preferimos uma boa quantia, para guardar ou para uma viagem por exemplo Ou se preferimos ir gastando em coisinhas mas nunca poupamos de verdade.

      ou somos como crianças que vêem um brinquedo na loja e acham que o mundo acaba ali se o brinquedo não for deles na hora?!

      Eliminar
  11. Anónimo das 19:54, se não percebeu o meu comentário foi porque não quis. Se sabe que poupa 30 % do salário é porque tem um plano e disciplina para o cumprir, não diz que poupa só porque num mês não gastou 100 euros (porque lá calhou) e, noutro mês, não gastou 2,50 (porque lá calhou).
    Mas a maioria das pessoas não poupa 30% se não fizer sacrifícios. Sejam eles de maior ou menor monta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas conhece o rendimento da autora do blog para saber que percentagem do salário consegue poupar e quanto pode alocar para extras? É que, sem essa informação, é impossível saber se de facto tem demasiados gastos extra.

      Eliminar
    2. Nao conhecemos o rendimento exacto, mas por todos os comentarios da S* da para ter uma ideia de rendimento/poupança/gastos:

      S*3 de janeiro de 2020 às 13:01
      Eu acho que realisticamente consigo poupar uns 100 ou 150 euros por mês. Não tenho a ambição de deixar de viver, pelo que não vou poupar tudo-tudo-tudo

      S*3 de janeiro de 2020 às 10:01
      Gente, vamos esclarecer: o meu filho tem uma poupança jeitosinha, felizmente. Para o que lhe fizer falta (não estamos a falar de tragédias), tem dinheiro que juntamos para ele. Nós também vamos tendo a nossa poupança, mas há imprevistos que nos retiram a poupança e temos de voltar a poupar (só no ano passado, em meio ano, foram 3.000 euros para um carro). Eu mudei de trabalho há 20 meses. Antes disso, era simplesmente IMPOSSÍVEL poupar. Agora poupamos. Mas não fazemos milagres. Há gente que poupa centenas de euros por mês. Ainda bem, óptimo. Nós não temos salários para isso.


      Eliminar
    3. Anónimo das 10:04, estava a dirigir-me ao Anónimo das 19:54 que afirmou poupar 30% do ordenado.

      Eliminar
  12. Eu se estiver sempre a ir ao shopping ou a espreitar as lojas online é certo que vou gostar sempre de alguma coisa. Sempre! Há sempre algo que acabo por gostar.
    Ou é o modelo que é diferente e fico a pensar que vou perder oportunidade de comprar um artigo bonito ou é porque o preço até não está mau ou é porque a cor até me favorece, etc.
    Vai daí deixei de espreitar tanto e a verdade é que deixei de comprar mais e mais peças.
    Há constantemente promoções, há saldos, há sempre peças que vou gostar e há sempre tempo.
    Compro muito menos desde que deixei esse hábito de ir ver lojas e sites.

    ResponderEliminar
  13. Isto é tudo mais do mesmo. A S* a falar da sua carteira, os comentadores a ralharem entre si sobre as contas dela, até que chega uma mente brilhante que grita "deixem a miuda em paz, não são vocês que gastam, ela lá sabe da carteira dela".
    Mas a sério que o pessoal gosta de andar sempre neste carrossel? A S* só fala em dinheiro, as pessoas só comentam dinheiro (o dela, pois claro). Ponto.
    Até há frases que se repetem até à exaustão há anos: não trabalho para aquecer; preciso de me mimar; gosto e posso ter pequenos luxos.
    A S* e os restantes dirão "é o espaço dela, escreve sobre o que quiser". Pois então lêem opiniões diversas. É assim mesmo.
    Agora que há tanto assunto interessante para debater... Ah pois isso há. Este já se esgotou.
    Ou então não comentem este tipo de post, simples. Porque vai sempre acontecer a mesma troca de diálogos,entre as mesmas pessoas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ´Foi assim tão descabido o comentário a dizer para a deixarem em paz? É que, se for ver o post, a autora do blog não pediu opinião sobre as suas finanças, fez um simples post sobre sandálias que quer comprar? Será que estas pessoas que ficam chocadas com o padrão de consumo da S* fazem os mesmos comentários a colegas e amigas?

      Eliminar
    2. É verdade o que diz, porém, se não quer assistir a troca de comentários, é simples é só não entrar no blog!

      Eliminar
    3. 28 de fevereiro de 2020 às 15:07,

      Acha que aquilo que disse tem alguma lógica?

      Eliminar
    4. 28 de fevereiro de 2020 às 15:07

      Acha que o seu comentário teve algum cabimento? Então agora é assim, todos podem atirar galhardetes despropositados para o ar e quem vê o ridículo da situação é que está mal?

      Eliminar
    5. Mas a senhora é obrigada a ler o blog e os comentários?
      Que eu saiba é opção sua, portanto, se não gosta do que lê... quer o quê??
      Vá ler outros blogs que sejam mais do seu interesse.
      Olha agora esta...

      Eliminar
    6. A S* fez um post com direito a comentários abertos.
      As pessoas vão deixando opiniões, vai-se discutindo vários temas com diversas ideias.
      Ninguém criticou a S*.
      A troca de opiniões faz parte.
      Se a autora do blog tem opção de comentários é para isso mesmo - para as pessoas comentarem,
      A senhora se não está bem mude-se.
      E se não gosta que a rapariga escreva sobre sandálias ou sobre poupança... faça você um blog e aí sim escreva sobre os seus temas de interesse. O que acha? Fica a dica!

      Eliminar
    7. Gente, são meras opiniões. Vamos tentar chegar ao belo consenso "concordemos em discordar". :)

      Eliminar
    8. Eu por acaso gosto bastante desta troca. Acho que já aprendi aqui bastante, em pequenas dicas, sobre poupar.

      Em relação à S* percebo que as pessoas sintam que dá uma no cravo e outra na ferradura...

      Por exemplo se for ver os últimos posts tanto fala de poupar e coisas pessoais como sobre compras, desejos, listas, etc.
      Ora já a questionaram em que é que é diferente do ano anterior?

      Por mim é-me honestamente indiferente se está a poupar ou a gastar o dinheiro todo dela.
      Mas percebo quem acha que continua exatamente com o mesmo registo de compras e minset em relação às compras. Até porque eu acho o mesmo.

      E não me parece que a maioria dos comentários seja feito com intuito maldoso, até pelo contrário.

      Eliminar
    9. O blog é do meu interesse. As comentadoras obcecadas com poupar todas as migalhas é que não ;)

      Eliminar
    10. Eu não vejo aqui ninguém obcecado. No fundo andamos todos ao mesmo.

      Eliminar
    11. Temos ideias diferentes sobre o que são migalhas.

      O meu orçamento familiar ronda os 3000€ e para mim 80-100€ não são migalhas... Ao final de um ano da para uma óptima viagem, para uma experiência fantástica ou para ir ao meu restaurante favorito algumas vezes ...

      Talvez se tivesse o dobro disponível mensalmente via mais lógica em gastar isso em "migalhas".

      Eu gosto muito de uma frase dita pelo Dave Ramsey: as nossas poupanças são a diferença entre termos um imprevisto chato na vida ou uma catástrofe.
      Mas o azar bate eventualmente à porta de todos. Seja um carro avariado, um acidente, um eletrodoméstico avariado, etc...
      Além disso não gosto de coisas em excesso. Mesmo qd damos ou metemos fora algum item, ele existe e já poluiu o mundo. Os recursos não são infinitos e se de um ano para o outro deixamos de gostar de algo, na minha opinião, nunca se gostou verdadeiramente.
      Valeu mesmo a pena dar 80€ por uma peça quando 12meses depois já não nos interessa minimamente e queremos que desapareça?

      A vontade de consumir é natural, a vontade de ter novo também mas quantas são as coisas que nos esqueceriamos que já quisemos se, em vez de ceder ao impulso imediatamente, deixássemos uma lista completamente de lado, que não víssemos durante um algum tempo?
      A mim, a maioria dos impulsos consumistas passam se eu deixar passar 24h. Aliás a maioria das vezes até me esqueço que havia algo que eu queria...
      Quando ao final de um mês me lembro de algo é porque sei que realmente me está a fazer falta, que é a minha cara ou que será uma mais valia na minha vida. Ai até não me importo de gastar os 100€. Mas nunca me aconteceu dar 50€ ou mais por algo que alguns meses depois já não me diz nada.
      E qd aconteceu era eu adolescente que ficava deslumbrada com algumas coisas e sem grande capacidade de controlo de impulsos...

      Eliminar
    12. Adorei este ultimo comentario. :) Eu nao sou muito poupada (quero ser mais!) e adoro estas trocas de ideias porque me ajudam muito. Adoptei algumas tecnicas como a de alguem ai em cima: nao entrar tanto em lojas ou ver sites online. Porque eu tinha muito o habito de ir so dar uma voltinha ou so espreitar (ah e tal, nao preciso de comprar), mas depois 'apaixono-me' por algo e custa 'so' isto e la vem comigo. Agora nao faco isso, vou apenas quando preciso mesmo de algo e quando ha algo que gosto mas nao preciso propriamente, nao compro logo, deixo passar algum tempo e se ficar a pensar muito naquilo ou se comecar a fazer mais sentido, posso comprar.

      Desculpem a falta de acentos, computador estrageiro. :)

      Eliminar
  14. Adoro esse tipo de sandálias, mas os meus pés não se dão bem, não tenho estrutura para eles :(.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares