Avançar para o conteúdo principal

Somos mesmo bons a votar pelos outros...

Juro que não tenho grande paciência.

Os EUA vão a eleições, Portugal indigna-se com a popularidade e a eleição do Trump.

O Brasil vai a eleições, os portugueses indignam-se com a popularidade e presumível eleição do Bolsonaro.

Portugal vai a eleições... Cri cri cri... Abstenção acima dos 60%.

Está certo.

Não defendo o Bolsonaro, que acho um asco. Mas defendo o direito de um país votar em quem quer, por mais idiota que essa escolha seja. O que realmente me chateia é a incrível preocupação com os países alheios... E a abstenção gigantesca quando são eleições nossas.

Se não sabem cuidar da nossa casa nem se importam com o direito que têm em fazê-lo, não se achem com autoridade para meter o bedelho na casa dos outros.

Devemos todos preocupar-nos. Temos todos de estar atentos. Mas choca-me fazermos peito quando são os outros... E termos preguiça de ir votar quando são as nossas eleições.

Comentários

  1. quem te diz que as pessoas que criticam não são as que votam? Além de que criticar esses dois casos em nada se compara com as eleições portuguesas em que os candidatos não são tão objectivamente más opções.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é possível. Pura e simplesmente, pelo que vejo, toda a gente opina sobre eleições no Brasil. Quando são eleições cá, ninguém pia.

      Eliminar
  2. Já pensaste que, talvez, aqueles que estão a ser vocais sobre estas eleições não fazem parte desses 60% que se abstêm de votar em Portugal? E é muito redutor achar que não devemos meter o bedelho. Trata-se de um problema global esta viragem para a extrema direita. Todos temos a obrigação de lutar contra isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos temos a obrigação de lutar contra extremismos. Concordo. Mas também todos temos obrigação de votar nas nossas eleições e mais de metade fica em casa...

      Eliminar
  3. Mas podemos ter opinião não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora. Chama-se a isso democracia. Aquela bela palavra que se deve respeitar, mesmo quando o eleito vai contra a nossa vontade.

      Eliminar
    2. http://conversa2.blogspot.com/2018/10/eleitor.html

      Eliminar
  4. quem te disse a ti que quem opina nao é quem vota? NOS MILHOES QUE EXISTEM EM PORTUGAL ???? so pelo universo de 5ou 10 pessoas que tens no facebook??? e sabes la se elas votam ou nao????? foste as urnas com elas para ver??????????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A estatística também não acompanha toda a gente às urnas. Mas existe.

      Eliminar
  5. ainda te dizes tu jornalista. nao sabes a ponta de um corno

    ResponderEliminar
  6. S*, como jornalista não considera que estas questões devem ser debatidas o máximo que se conseguir? Independentemente de quem vota ou não?

    Estes são aqueles momentos em que o mundo pode realmente mudar, e nada indica que para melhor....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que devem ser debatidas ao máximo. Mas lamento mesmo que não tenha entendido a mensagem do post. Não era a queixar-me do excessivo (que não é em excesso) debate em torno das eleições no Brasil, mas sim sobre a falta de interesse quando são as nossas eleições.

      Eliminar
    2. Pois, então.
      O que está mal são as pessoas que não votam por cá (concordo) mas andarem a discutir toda esta situação não está nada mal, ainda bem que assim o é.
      Tenham ou não votado.

      Pode ser que com isto, ganhem mais consciência do que se passa no mundo e que consigam compreender a importância de votar.

      Eliminar
  7. As eleições americanas dizem respeito ao mundo inteiro, por razões óbvias, e as eleições brasileiras dizem-nos respeito a nós, particularmente.
    Sabes porquê? Porque quando os brasileiros virem onde se meteram, fazem as malinhas... E adivinha qual vai ser o destino de eleição! Exacto, o país das Marias e dos Manuéis, que eles tanto desprezam!
    Ah! E nunca falhei nenhuma eleição até hoje.

    ResponderEliminar
  8. Concordo com a tua visão no que toca a abstenção em Portugal. É lamentável, tanta luta pelos direitos de votar, por direitos de cidadania e depois o povo balda-se, age de uma maneira passiva!

    ResponderEliminar
  9. Provavelmente as nossas eleições não suscitam tanto "entusiasmo" porque nao temos candidatos assim tão polémicos pois ainda não apareceu um fascista com verdadeira hipótese de ganhar eleições, o que infelizmente se tem visto a acontecer nesses outros países.
    E também sou das que acredita que quem fala das eleições dos outros países são os mesmos que votam nas nossas eleições. Não me parece que quem se abstenha cá perca o sono pelo o que acontece no Brasil.

    AnaC

    ResponderEliminar
  10. Ja leste o plano de governo do Bolsonaro? Faca tal coisa e veja que extremismo ha, nenhum. O plano que melhor se adequa ao que o pais precisa. Extremismo seria votar em um pau mandado do PT, partido que afundou o pais mais do que nunca nas ultimas decadas, financiadores de ditaduras comunistas e socialistas na America do Sul e afins, tal como Venezuela e Cuba. Uma cachorrinho que vai a cadeia visitar o Lula regularmente e receber ordens do mesmo. Bolsonaro nao e contra gays, por exemplo, e contra a militancia, e contra kit gay para criancas. Crianca nao precisa de kit gay ou de ser doutrinada sobre homossexualismo, ensine a respeitar todo mundo, nao importa se gay, hetero ou o que seja e pronto esta. Tudo que o Brasil menos precisa e de um outro governo petista. De forma que tu e apenas outra que nao pensa criticamente e repete feito papagaio o discurso fajuto da escoria esquerdista, nao concorda com nossa agenda imunda e o demonio. Adoram acusar os outros daquilo que eles sao. Os tontos daqui nao votam ou votam em porcaria e ainda querem meter-se no que nao lhes e da propria conta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E pronto... Este comentário é o retrato do "brasileiro típico"! Que sejam muito felizes com Bolsonaro, "'tá ok"? Matem-se e esfolem-se mas não tragam para cá a vossa imundice... Aliás, quem é que gostaria de morar no "c* da Europa", como vocês dizem que somos, não é?! Se não ficarem satisfeitos, mudem-se para a terra do Trump que tanto admiram... Parece que ele gosta muito de imigrantes...

      Eliminar
    2. O Coiso sobre:

      Negros: "Eu fui num quilombola em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada! Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gastado com eles"

      Violação: “Fica aí, Maria do Rosário, fica. Há poucos dias, tu me chamou de estuprador, no Salão Verde, e eu falei que não ia estuprar você porque você não merece."

      Gays: 3 - "O filho começa a ficar assim meio gayzinho, leva um coro ele muda o comportamento dele. Tá certo? Já ouvi de alguns aqui, olha, ainda bem que levei umas palmadas, meu pai me ensinou a ser homem”

      “Não vou combater nem discriminar, mas, se eu vir dois homens se beijando na rua, vou bater”

      Tortura: “Eu sou favorável à tortura, tu sabe disso”.

      Mais em: https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2018/04/14/interna_politica,951685/10-frases-polemicas-de-bolsonaro-que-o-deputado-considerou-brincadeira.shtml

      Tenha vergonha na cara. Se quer apoiar um fascista, assuma-se fascista.

      Eliminar
  11. Nada de anormal. É uma particularidade muito própria do nosso povo que nos impede de evoluir como povo e é responsável pelo surgimento entre nós daquela velha máxima salazarista - incessantemente repetida - do "olha para o que eu te digo e não olhes para o que eu faço"...que continua a perdurar na nossa cultura, apesar de ter havido um 25 de Abril...

    ResponderEliminar
  12. A Helena Matos escreveu mais ou menos o mesmo que tu na sua crónica do Observador - tanto indignado com o que se passa no Brasil e tão condescentes com o que se passa em Portugal...
    Estes teus anónimos são todos do 'politicamente correcto' e ninguém pode generalizar nem dizer nada que se sentem logo atacados...e depois não percebem os bolsonaros, salvinis e etc.
    Tens cá um paciência, rapariga :D

    ResponderEliminar
  13. Eu tenho criticado, tenho uma opinião sobre o assunto e, felizmente, o direito de a poder expressar. Como me expressei relativamente ao Trump, ou ao Duterte, ao Erdogan, o Conte e tantos outros que vão dando espaço para que a extrema direita se alastre pelo mundo. E eu sou cidadã do mundo e assusta-me este retrocesso, este extremismo, assusta-me o que aí vem. E votei sempre, em todas as eleições autárquicas, presidenciais e legislativas, bem como em todos os referendos, desde os meus 18 anos. Não é assim tão linear mas, acima de tudo, felizmente (ainda) podemos dar voz à nossa opinião.

    ResponderEliminar
  14. Pois a mim tanto me faz, não me interesso por política muito menos a de outros países.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui está a prova, quem não quer saber de "nós" também não quer saber dos "outros". Quem se interessa pelos "outros" são os mesmo que votam aqui.

      Eliminar
    2. Portanto a S* não pode generalizar, mas o Anónimo das 14:29 a tudo tem direito. Viva a democracia!!

      Eliminar
    3. Eu sou o anónimo das 14.29 e não sei onde leu no meu comentário que a S não pode generalizar. Eu não escrevi isso em lado nenhum. Mas pelo o que vejo no meu dia a dia, quem não quer saber do que se passa na política de Portugal e arranja sempre motivo para não votar também não se interessa pelo que se passa nos outros países. O comentário da Marisa Reis vem de encontro ao que eu acredito e que é partilhado por vários que responderam a este post.

      Eliminar
    4. Apesar de não me interessar por política eu até hoje nunca falhei umas eleições, até já fiz parte das mesas de voto e os meus pais já foram candidatos por partidos diferentes...

      Mas uma coisa não tem nada a ver com a outra, eu sei porque não gosto de política tal como não gosto de futebol mas quando joga a selecção nunca perco um jogo de igual forma quando é para decidir para a minha freguesia/concelho ou país voto sempre no candidato(a) que me parece melhor. Uma coisa é não gostar mas isso não quer dizer que abdique do meu direito de votar e de decidir...

      Lá está eu nunca escrevi que não votava apenas escrevi que não gostava de política... as pessoas lêem uma coisa e interpretam como querem, nem sempre da forma que quem escreveu quis que interpretassem.

      Eliminar
  15. Acho que o maior problema, é que reclamam imenso mas vão fazer totalmente o oposto do que acreditam .

    ResponderEliminar
  16. Muito bem S*. Tudo muito preocupado com a extrema-direita (que é tudo o que vai, nem que seja só um bocadinho, contra o que uma elite totalitária convencionou que é bem) e ninguém se preocupa com a extrema-esquerda que nos governa, sem nem sequer ser eleita, e com todas as tretas e extremismos que nos querem enfiar pela goela abaixo, muito especialmente o execrável politicamente correto que policia tudo e amordaça a livre opinião e expressão. Eu, se fosse brasileira, votava sem dúvida no Bolsonaro. Já cheguei a um ponto em que penso o seguinte: se a extrema-esquerda chia muito e diz que é um candidato fascista, xenófobo, racista, etc, então é porque é definitivamente um bom candidato.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.