sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Animais nos cafés e restaurantes


Acredito piamente que hoje Portugal deu mais um passinho na direcção certa. "A Assembleia da República aprovou projetos do PAN, do BE e do PEV que possibilitam a permissão de animais de companhia em estabelecimentos fechados de restauração, para além dos cães de assistência já autorizados por lei" (in JN online).

O mais importante nesta equação? O bom senso dos donos dos animais. 

Em breve, o proprietário de um estabelecimento vai poder decidir se quer ou não animais no seu estabelecimento. Não será obrigado a aceitá-los, vai poder optar. Um pouco como os cigarros: ou permite, ou não permite, ou cria uma zona separada para cada uma das opções. Ninguém é obrigado a nada.

Muitos dos comentários que li na internet geram em mim uma urticária imensa. Primeiro, porque parece que alguém está a ser obrigado a algo - não está. O proprietário do café/restaurante vai poder escolher. Segundo, porque o cliente muito menos é obrigado a frequentar o estabelecimento. Se quer ir a um espaço amigo dos animais (eu, eu!!), que vá. Se não quer, que escolha outro lugar. Simples assim.

Terceiro, e mais importante: de repente, pelos comentários que leio online, os cães tornaram-se uns porcos do pior. Vão fazer chichi e cocó em tudo o que é lado. A sério? Só quem não tem cães é que escreve semelhante. Se acontecer um acidente destes, pois claro que o dono tem de limpar. É sua obrigação.

Como em tudo na vida, tem de imperar o bom senso. Eu adorarei poder ir a um café com o meu cão Pirata. Quantas vezes vamos dar um volta na cidade e dizemos "é melhor não levar o cão porque pode começar a chover". Queremos levá-lo. Gostamos de levá-lo... Mas não o podemos fazer porque, se chover, não o podemos abrigar. Tenho a certeza de que se portará muito bem num qualquer café, naqueles 15 ou 20 minutos na nossa companhia. No entanto, sou a primeira a dizer que jamais levaria o meu cão a um restaurante. A comida é o ponto fraco dele. Fica histérico. Fica choramingas, pede, dá com a pata, fica todo agitado. Jamais o levaria - lá está, impera o meu bom senso.

Tudo isto para dizer que se as pessoas forem educadas e conhecerem os seus animais, nada de mal se passará. Se forem irresponsáveis, a culpa é delas e o proprietário do estabelecimento deverá ter autoridade para "expulsar" um cliente se o animal se mostrar badalhoquinho, violento ou demasiado barulhento.

Quando estive em Itália, no ano passado, fiquei encantada. Fui a Parma, a trabalho, e fiquei "chocada", no bom sentido, por ver cães em lojas, cafés, restaurantes, supermercados... nunca vi um cão mal comportado ou a ladrar e fazer show. Talvez porque lá, pelos vistos, como existe muita abertura à presença dos cães, a maioria dos donos opta por pô-los em escolas de formação para a socialização e obediência. Nem sei se não é obrigatório. Fiquei maravilhada, só vi pessoas felizes e animais educados. Espero poder ver o mesmo em Portugal, em breve.

96 comentários:

  1. Eu concordo com a medida - e concordo inteiramente contigo - tem de imperar o bom senso dos donos, principalmente. Sei que no meu caso, por exemplo, seria impensável levar o meu cão (que tem uns bons 25 kg, não é propriamente um minorca) a qualquer estabelecimento porque só quer atirar-se para cima dos novos "amigos" e provar tudo, mesmo que seja num simples café onde só vais beber o dito e comer um bolo, por exemplo. O meu Scott não irá aproveitar-se desta nova medida porque tem uma dona que não quer ser expulsa de lado nenhum :P

    ResponderEliminar
  2. Tenho que discordar. Acho que esta até pode ser uma boa medida, mas não é assim tão simples. Por exemplo: o meu namorado é alérgico a gatos, é impossível para ele estar num espaço fechado com gatinhos. Há cafés na nossa zona que adoramos e onde teremos de deixar de ir se esses espaços permitirem animais e outros clientes levarem os seus gatos.

    Há outras situações análogas a esta. Como disse, não acho que esta seja necessariamente uma má medida mas também não é tudo preto e branco como a S* descreve. E não é por não gostar de animais (gosto muito!).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónima, entendo, mas eu também deixei de ir a certos estabelecimentos porque optaram por ser se fumadores. E isso parece-me bem pior e que afecta bem mais pessoas. :)

      Eliminar
    2. Exacto :) Eu sou alérgica a tabaco (comprovado pela minha médica) e simplesmente não posso ir a locais onde se pode fumar.

      Eliminar
  3. Eu sinto que ainda não posso opinar muito porque ainda não li nada a fundo acerca desta nova lei mas acredito que, quando o fizer, vou concordar. Os animais agirem e lidarem com os donos em locais públicos... porque não, dentro do bom senso que falas? Porque não? Vamos lá ver... em breve também terei algo a dizer! Viva aos animais! :))

    ResponderEliminar
  4. Sinceramente, não concordo. Percebo os argumentos, mas evitarei frequentar tais estabelecimentos. Não nutro simpatia por animais, fico desconfortável na presença dos mesmos e acho pouco higiénico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, e vá a outro lado. Eu, que adoro animais, garantidamente vou optar por espaços amigos dos animais. Assim toda a gente fica contente.

      Eliminar
    2. Ainda hoje numa Zara de rua em Lisboa,andava uma senhora com um cão ao colo,nunca tinha visto tal,qualquer dis até nos transportes públicos andam!!Vai ser um regabofe,e ainda por cima cheirava mal!!Imaginem onde se come, pelos de cão e gato!!Acho uma falta de higiene!!

      Eliminar
    3. Sabe que os animais ja podem andar nos transportes públicos, certo? Infelizmente nem todos.

      Eliminar
    4. Sim, por os humanos são todos limpinhos e bem cheirosos, vamos lá proibir a entrada de humanos mal-cheirosos nos restaurantes por questões de higiene. Os direitos humanos/animais não servem para fazer as pessoas mais confortáveis, servem para garantir condições satisfatórias de existência, portanto não teremos de considerar se o seu nariz fica perturbado pela existência de pessoas/animais mal-cheirosos na rua, antes tem a opção de se levantar e mudar de lugar.

      Eliminar
    5. E para um animal ter "condições satisfatórias de existência" tem de poder ir a restaurantes? Parem de comparar o que não é comparável. Há adultos que cheiram mal, que são gordos, que são feitos, etc e não vamos proibi-los de fazer coisas sabem porquê? Porque são seres humanos. Os animais são animais. Por isso podemos perfeitamente restringir e regular a sua convivência com os seres humanos. Não temos de os tratar como se fossem humanos, nem de lhes dar os mesmos direitos.

      Eliminar
    6. Subscrevo anónima das 14:52, não pode haver nunca comparação entre pessoas e animais ...

      Eliminar
    7. Só para dizer que os termos "pessoa" e "humano" não são intercambiáveis. A implicação sendo que animais não-humanos podem sim ser pessoas, como é o caso dos cetáceos ;)

      Eliminar
  5. Concordo contigo, só leva e só aceita animais quem quer e os seus donos terão que saber se o animal é capaz ou não de ir a um restaurante. Eu já fui a um Cat Café e adorei :)

    ResponderEliminar
  6. É surreal que os humanos tenham de escolher o restaurante em função de ser permitido animais ou não. Surreal. Parece-me que a máxima "a tua liberdade acaba onde começa a minha" se aplica aqui muito bem. Menos pessoas taradinhas dos cães, muito menos... Sim, sei muito bem o que é ter animais já que sempre os tive, mas há coisas que não. Grande não... Tenham paciência

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Surreal é frequentar estabelecimentos onde existe uma nuvem de fumo dos cigarros e ter de deixar de lá ir por causa disso. Bem mais surreal.

      Eliminar
    2. Surreal é não existir opção. A máxima "a tua liberdade acaba onde começa a minha" adapta-se aos dois lados, o anónimo das 01.47 quer ter liberdade de ir a um estabelecimento sem animais, é procurar um que não os aceite, quem quer ir a um estabelecimento onde sejam aceites animais, deve ter liberdade de poder fazê-lo.

      AnaC

      Eliminar
    3. Na minha rus,uma mulher anda com um cão num carrinho de bebê!!! Segundo ouvi este ano,já há mais animais nas casas portuguesas que criancas!!As ruas das cidades são um nojo!!Levam os sacos para fingir,mas só apanham se forem vistos,e como já vi,mais à frente jogam no chão!!Devia era sair uma lei para obrigar estes porcos e porcas a limpar as necessidades dos cães!!

      Eliminar
  7. Não nem pensar animais em locais desses não. Temos as ruas todas sujas com cocó de cães porque os donos fazem da rua casa-de-banho e nunca limpam e agora cães em cafés e restaurantes nem pensar. Os animais nao são pessoas e que mais me choca é que muitos dos que querem os animais em restaurantes são os que gostariam de proibir a entrada de crianças e posto isto nem há conversa possível.
    Ah e duvido que haja algum restaurante ou café que vá permitir e depois ainda temos a ASAE que serve para alguma coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente. Mas quem acha que Portugal é a Suíça ou a Áustria? Temos as ruas como bem se vê, mas nos restaurantes vão ser todos muito bem educados? O problema é os donos já serem eles próprios mal educados, não darem educação nenhuma aos cães mas acharem que têm os direitos todos porque o Bobi, coitadinho, NA ÓPTICA DELES, é tão bonzinho e não faz mal a ninguém. Quantas regras básicas relativas aos animais ainda não são cumpridas (andarem com trela, os donos apanharem o coco do chão) e agora toca lá de lhes dar mais direitos. Vai ser mais uma fonte de problemas e conflitos. Ah e esse curso de educação canina devia ser obrigatório.

      Eliminar
    2. a questão é que os direitos dos animais não deverão depender da falta de educação dos seus donos, tal como os humanos não deixarão de ter direitos porque os pais são mais ou menos competentes. Os direitos deverão ser inerentes ao indivíduo/animal pela sua existência e não pelas condições fornecidas pelos humanos que de forma incompetente cuidam deles.

      Eliminar
    3. Anónimo das 4h47, se quer defender mais direitos para os animais, deve construir uma argumentação que não seja comparar a situação dos mesmos com a de humanos. Porque são duas realidades que não são sequer comparáveis. Depois, se os animais pertencem a pessoas e vivem com estas, os direitos que lhes estão atribuídos dependerão necessariamente da forma como esses donos se comportam. Porque os animais são irracionais. Se não houvesse regras, nem fossem domesticados, andavam a correr pela rua, entravam seja onde fosse, destruíam coisas, mordiam pessoas, etc. Ou acha que a sua cadelinha vive consigo em casa porque gosta muito de si? Vive porque é um animal doméstico, já nasceu em cativeiro e cresceu habituada a ter um dono. Se fosse um animal selvagem, a última coisa que queria era ir a um restaurante. O que me leva ao ponto de que estes freaks dos animais, que acham que toda a gente que está contra as suas ideias mirabolantes é uma má pessoa e insensível, são na verdade os maiores egoístas, que querem ter um animal de companhia a quem impõem determinadas rotinas humanas e ainda acham que os outros devem ter de conviver à força com essa realidade. Ah e se quiserem falar de viagens, vão a África visitar um parque natural e vêm centenas de elefantes, zebras, girafas, etc, na vidinha delas, pouco se importando com os humanos, em liberdade e no seu habitat próprio. Bem mais felizes que os cães de apartamento a quem os donos dedicam 1h do seu dia depois do trabalho e que agora vão passar a ir a restaurantes (lol).

      Eliminar
  8. Os "tardinhas dos cães" são impossíveis. É uma questão de saúde pública. Que nojo. Sou absolutamente contra, tal como sou contra de deixar cães estarem na cozinha, a comer a mesa ou a lamber recém-nascidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nojo tenho eu é de muita gente. :)

      Eliminar
    2. Agora imagine estar num restaurante e os cães a lamberem a comida DoD donos,e tentarem lamber a nossa! Mas não, os humanos é que estão errados!!

      Eliminar
  9. S* para quem viaja já encontrou cafés em que animais entram, mas muito sinceramente, e já tendo percorrido alguns países da Europa, não me lembro de uma única vez ter encontrado um cão/gato num café ou loja (salvo excepção para pequenos cães em malas).
    Acho sinceramente que tendo em conta que nem a lei do tabaco é bem cumprida, isto também não o vai ser. Portugal não tem estrutura para fiscalizar ainda este gênero de coisas.
    E não me leve a mal mas tem noção que nem todos os donos do cães são como a s* não sabe? Vivo em Lisboa, nos subúrbios e mesmo com terrenos baldios perto, não há um único dia em que não veja coco a porta de minha casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, em Parma, no ano passado, vi cães na Sephora, em restaurantes, no mercado local... ao lado de queijos, de presuntos... e no Festival Internacional da Pizza (onde tinham centenas de pizzas!) vi, pelo menos, meia dúzia de cães. Educadíssimos.

      Eliminar
    2. A serio ao lado de comida para venta ao público? Acho tão antihigienico.

      Eliminar
    3. S* também já estive em Itália. Se já viajou assim tanto percebe claramente que são realidades muito diferentes.
      E por favor, tenha um poder de encaixe maior com opiniões que não são as mesmas que as suas mas que são dadas com educação.

      Eliminar
    4. Anónimo, onde é que eu disse que viajei muito? Eu sou muito pouco viajada, infelizmente. Mas vivi essa realidade em Parma e dei apenas o exemplo. Eu tenho poder de encaixe, apenas estou a expor o meu ponto de vista. Este é o meu blogue... é para isso que serve. Não estou a ver que realidade assim tão diferente pode haver em Itália no que toca aos animais.

      Eliminar
    5. Também só consegue argumentar com o exemplo de Parma... em
      Roma não se vê nada disso. Podes fazer as malas...

      Eliminar
    6. Em Parma, Veneza, Roma, e por toda a Itália porque é a realidade do país, é "quase" proíbido proibir a entrada de cães, e conseguem-se encontrá-los quer em restaurantes quer em lojas, quer até em super-mercados ..

      (http://guidominciotti.blog.ilsole24ore.com/2017/09/01/cani-nei-supermercati-il-minsalute-dice-si-allaccesso-ma-solo-se-si-evitano-contaminazioni/ )

      Eliminar
    7. Anónimo das 07h56, ainda bem que partilhou, que é para alguns anónimos armados em idiotas se calarem. :)

      Eliminar
    8. Idiota é querer transformar animais em pessoas

      Eliminar
    9. Não sou super viajada mas já estive em vários países europeus onde vi cães em supermercados, restaurantes, centros comerciais e alojamentos com toda a tranquilidade.
      É, como em tudo, uma questão de respeito pelo outro e bom senso. Não vi cães sem trela nem donos sem sacos para os dejectos, não vi cães agressivos ou desobedientes. Só vi cães e donos felizes a passear...
      Implica é algumas mudanças de mentalidades e mudanças políticas para cumprir certos requisitos básicos, que não podem infelizmente cair apenas na boa vontade das pessoas.

      Eliminar
  10. Para começar informo que tenho 2 caes e 1 gato e gosto de animais. Agora a verdade é que a maior parte das pessoas não sao como a S*. Também é obrigatório apanhar os cocos do chao e quase ninguem o faz, também é obrigatório para certos caes andar com açaime e não o fazem e depois temos casos de crianças atacadas como ja se viu. Acho que a maior parte das pessoas se vai portar mal, os caes vao sujar tudo, ir para onde nao for permitido (ex: fugir para dentro do espaço de confecção da comida) e os donos não vão querer saber. E depois há a questão da segurança: eu até vou por ex a uma esplanada se lá estiverem caes de pequeno porte ou gatos, e depois se aparece um doido com um pitbull que me pode atacar, interrompo a minha refeição e fujo? E se alem de caes e gatos as pessoas até podem ter tarantulas ou cobras? A lei ainda não foi discutida na especialidade mas dizem que limitar a caes e gatos é descriminar e há quem queira alargar a todos os animais. Portanto a ASAE não deixa um restaurante ter insectos, ratos e multa, mas se alguém aparece lá com uma ratazana diz que é animal de estimação,enfim...

    S*: a ideia na teoria é bonita e funciona em paises civilizados como diz que viu em Parma. Portugal é um país de muitos porcos e de pessoas que não cumprem a lei. Isto vai dar asneira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente concordo e acho que Portugal tem muitos porcos. A começar por não apanharem os cocós dos cães - na minha zona é terrível, 90% do pessoal não apanha. Mas acho que as pessoas tamvem se educam...

      Eliminar
  11. Concordo quando dizes que deve imperar o bom senso dos donos.No entanto, já me senti várias vezes desconfortável em espaços públicos frequentados por animais. Isto porque não cresci com animais e tenho receio de animais que não conheço e, depois, porque nem todos os animais têm a higiene necessária para estarem próximos de alimentos. Entendo e respeito que as pessoas gostem de se fazer acompanhar dos seus animais mas devem fazê lo de forma a não incomodar quem não quer esse contacto. Tem é que haver respeito de ambas as partes. Beijinho, Daniela Torres

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daniela, claro que o dono tem de controlar o cão. Isso nem se discute. :)

      Eliminar
  12. Há muitos donos de animais que iam precisar de educação antes de poderes usufruir de tal coisa, já vi situações que me deixaram sem palavras mas em que não culpo os animais mas sim os seus donos. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  13. Honestamente a única questão que me preocupa, é a possível falta de bom senso do dono do animal. Supondo que estou quieta a jantar num qualquer restaurante que permite a entrada de animais, o mínimo que espero é uma atitude do dono do animal, em situações de interacção do animal comigo. Eu tolero a presença, o que não tolero é um cão a ganir/chorar em cima do meu prato pq também gostava de provar, nem quero um cão a me babar/saltar/tocar. Se por um lado acredito que a maioria dos donos até tem bom senso e afastaria o animal, ou tentava acalmar, por outro lado sei que existe algumas pessoas (minoria acho) que não vai estar nem aí se o cão incomoda ou não. Um pouco como adultos com filhos. Se vejo que o meu filho incomoda alguém, ajo imediatamente, pq ninguém tem que levar com o meu filho, tal como eu não quero levar com os filhos dos outros, um já me dá trabalho ahahah. Mas costumo presenciar muitos pais que não querem saber dos petizes em situações sociais, deixando os meninos fazer tudo o que querem, e podia até vir um psicopata raptar a criança que os pais nem notavam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo consigo. Pessoas mal formadas não querem saber se incomodam os outros: seja por estarem aos berros, por soltarem crianças mal comportadas ou por terem animais a perturbar os demais. É exactamente igual. Quem é mal educado, já incomoda. Quem tem bom senso, não incomoda e acredito que fará todos os possíveis para ter o seu animal calmo e sociável.

      Eliminar
  14. Estamos a ir numa direção cada vez mais democrática e foi por isso que o povo português sempre lutou. Como dizes, e muito bem, tem de reinar o bom senso. Se lutamos por direitos temos de ser conscientes das consequências que dos mesmos advêm. Há que ser crescido o suficiente para levar esta lei (bem como todas as outras) da forma mais correta.

    ResponderEliminar
  15. Tenho quatro cães. Dois deles não se sabem comportar com outros cães nem com pessoas desconhecidas. Em momento algum ousaria fazer-me acompanhar deles para qualquer lugar público. O dono melhor que ninguém conhece o seu animal e sabe como se comporta. Sou apologista desta lei. Sei que há pessoas que não se sentem à vontade com animais mas tal como eu não gosto de tabaco não frequento cafés onde se fuma. Por isso haverá sempre a opção de frequentar ou não aquele estabelecimento. Parece-me importante que seja também discutido o que são animais de companhia pois é necessário saber que tipo de animais estão abrangidos por esta lei.
    Quanto à falta de higiene acho que está previsto na lei que os animais não poder entrar em locais onde seja confeccionada a comida (cozinha nomeadamente). Por isso acho que numa sala de jantar onde o animal se encontra descansado não haverá grande problema de higiene. E se por acaso acontecer algum acidente o dono encarregar-se-á de limpar. Perdoem-me os mais sensíveis, mas é como se fosse uma criança (acho que ainda vou ser apedrejada por dizer uma coisa destas).
    Se ainda falta muita educação aos donos dos animais?! Sim é verdade. Mas temos de começar por algum lado. A aprovação da lei é o primeiro passo. Agora é ajustar todos os pormenores. E aguardar para ver como se desenrola. Não sejam "velhos do Restelo" que acham que tudo vai correr mal sem antes terem experimentado.
    Imaginem a felicidade destes animais em passar mais tempo com os seus donos em jeito de passeio!
    https://jusajublog.blogspot.pt/?m=1

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe mas perdeu todos os argumentos ao comparar uma criança com animais. As crianças são pessoas em formação e em crescimento, são os nossos filhos não são animais. Nao pode nem nunca vai haver qaklque comparação porque simplesmente são patamares incomparáveis.

      Eliminar
    2. Mas as crianças não deitam pelos,eu sou alérgica ao pelo de gatos,e não cheiram mal,e muitos cães cheiram!

      Eliminar
    3. A minha cadela é como se fosse a minha filha mais velha! Tenho a à 8 anos, vive e convive comigo dentro de casa. Sempre a tratei como membro da família. E o meu filho de 2 anos sente a como família. Chama a para o seu lado para ver filmes, brincar ou até dormir. Cada um sabe a sensibilidade que tem com o seu animal de estimação. Se para si for só para ladrar se vir um estranho sem ligação nenhuma consigo, temos pena!

      Eliminar
    4. Desculpe mas se a sua cadela para si é igual ao seu filho só tenho muita pena do seu filho....eu adoro animais sempre tive cães mas comparar o amor que lhes tive com o amor que tenho ao meu filho nem pensar estão em patamares incomparáveis.

      Eliminar
    5. A higiene ou falta dela não está só nos possíveis cocós ou xixis que os animais possam fazer ou na proibição de entrada nas zonas de confeção de alimentos. Os animais com pêlo soltam pêlo. Estou a imaginar ir a um café, por exemplo, e ter pêlos a aterrar no meu café ou na minha torrada. Além de que bem sabemos que nem todos os animais são cheirosos... Não consigo imaginar nada pior que um cão mal cheiroso num espaço onde se come.

      E as pessoas que são alérgicas aos pêlos dos animais? E as pessoas que têm medo de cães, p.e? Adoro animais e acho ótimo que se comece a respeitá-los como seres dignos desse respeito e de bons tratos. Mas fazer de um animal uma pessoa ou dar-lhes direitos idênticos, já acho demais. Para que é que querem levar um cão a um restaurante? A sério...

      Eliminar
    6. Pena tenho eu de quem circunscreve a sua capacidade de amar aos seres da própria espécia...

      Eliminar
  16. Se tivesse um cabelo na comida não reclamava ? E um pêlo, já não faz mal ?

    ResponderEliminar
  17. Só vos digo, contém todos com essa coisa do "bom senso"... SÓ tem tudo para correr mal.

    ResponderEliminar
  18. Eu vou a um restaurante onde circulam livremente 3 gatos. Acho-os lindos, derreto-me quando os vejo mas não há vez nenhuma em que não pense que higienicamente não serão a melhor coisa a ter num restaurante por causa dos pêlos que largam. Por isso, a ideia de entrar num restaurante e estar cheio de animais não me agrada por aí além.

    Imagino também uma série de situações em que isto se pode tornar desagradável: se o animal fizer as necessidades no meio do restaurante, como se faz? Limpa o empregado, limpa o dono do animal? E o cheiro que por ali ficará? Ou mesmo a imagem do mesmo (assim de repente, estar a comer e ver um animal a defecar não me agrada de todo)? E se às crianças podemos explicar que não podem/devem fazer barulho, como explicar a um animal que não pode ladrar/pedinchar/miar/etc...? Eu entendo que impere a lei do bom senso, mas se esta não existe quando se leva os cães à rua para fazerem as suas necessidades, porque haveria de existir num restaurante?

    Por outro lado, os restaurantes não serão obrigados a aceitar esta medida, nem todos os donos têm vontade de levar os animais e eu acho que facilmente um restaurante mudará de ideias se começar a ver o chão sujo, os clientes desagradados, etc (se acontecer, claro), optando por mudar de ideias. Por isso, basta escolher restaurantes que não permitam animais, o que penso que continuará a ser uma maioria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tété, de verdade, eu já tive dezenas (se calhar uma centena) de animais ao longo da vida, com especial interesse em cães e gatos. Nunca vi um animal fazer xixi e cocó num sítio que não conhece só porque "sim". A não ser que esteja doente, incontinente ou que seja um cão muito territorial. :) Vai daí, acho que pensar que um cão vai defecar num café ou restaurante é pouco realista.

      Eu sou das optará por espaços com animais, sem dúvida alguma... porque feliz por ver animais, nem que o meu cão fique em casa. Mas desde que existam opções para apaixonados e não-tão-apaixonados, acho que ninguém se deveria queixar. Só vão onde querem. :)

      Eliminar
    2. Eu como vivo em prédios onde os vizinhos mal sabem viver em sociedade quanto mais tomar conta de cães, vejo frequentemente os cães a urinarem pelas escadas abaixo por já não aguentarem mais que os donos os tragam à rua. Ou fazerem no tapete logo à saída do prédio de tão aflitos que estão. Por isso não estranho assim tanto que haja animais a pedir e que estes sejam ignorados, mesmo que em pleno restaurante. :)

      Fora isso, acho que é como a lei do tabaco: escolhe-se o restaurante que oferece as condições que queremos. :)

      Eliminar
    3. Credo. Isso deveria ser criminalizado!

      Eliminar
    4. Eu por acaso acho que devia era ser proibido ter animais fechados numa casa/apartamento onde não tem espaço para correr, fazer as suas necessidades quando tem vontade, entre outras coisa....Quem não tem uma casa com quintal ou espaço para ter os animais simplesmente não deveria ter.

      Eliminar
    5. Concordo, Anónimo16 de outubro de 2017 às 10:26.

      Eliminar
    6. Anónimo... discordando da necessidade imperativa de espaço extra para ter um cão, creio compreender a essência do seu argumento, que se prende com ter ou não condições para ter um cão. Isso é uma das premissas presentes nos ditos países onde se vê cães por todo o lado. Supostamente também temos cá disso em Portugal, agora com a nova lei dos maus tratos... começar a pô-la em prática é que está difícil!
      Quem quer ter um cão tem que pensar se tem disponibilidade e meios para o educar, alimentar, passear... e conviver em sociedade.

      Eliminar
  19. Não sinto quaisquer reservas em relação à presença dos animais nos cafés ou restaurantes, mas confesso que sinto imensas reservas em relação ao bom senso dos donos. Se bem conheço este país, acho que vai haver ai muita "boa gente" que vai aproveitar esta lei para poder se exibir um bocadinho...

    ResponderEliminar
  20. Em feias pela Corunha, em Santa Cristina mas concretamente, existe um restaurante chamado ecoloxico. Qual nao é o meu espanto quando estou lá a jantar e reparo que entrou um grupo com 3 cães. Os empregados do estabelecimento fizeram festas aos cães. Os mesmos deitaram se no chão a refeição inteira, a dormitar. Fiquei logo com um sorriso e o meu filho, de 2 anos ficou louco! Adorou! Tornou a refeição de todos mais calma, leve e agradável. Eu tenho uma cadela e nunca pensaria leva lá a esse restaurante, porque mal vê um cão ladra imenso. E a minha é de pequeno porte, e estes eram enormes. É óbvio que cada dono so levará o seu cão se este for bem comportado e sociável. E não, os cães nao desatam a fazer necessidades do nada, tipo bebe recem nascido. A maioria sabe pedir e indicar ao dono quando tem vontade. Abram essas mentes!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também sou das que fica mais calma e feliz quando está perto de animais. Maravilhoso.

      Eliminar
    2. Gostei tanto deste comentário 🌸 Só quem não tem, não lida com animais pode estar a fazer o alarido que por aí vai nesta blogosfera.Tenho lido tanta barbaridade, como e se quiserem levar uma ratazana,uma cobra etc.....Mundo triste este....

      Eliminar
    3. Vá fizer isso aos familiares dos que morreram,ou pais que perderam filhos,mordidos pelos animais de estimação!!

      Eliminar
    4. Parece-me que mais pessoas são mortas por outros humanos que por animais não-humanos. Deverão então os familiares dessas pessoas nunca mais conviver com outros humanos?

      Eliminar
  21. Olá. Já venho um bocado fora de horas,mas vivo numa cidade/vila em França. E comum cães de pequena /grande raça entrarem dentro de certo tipo de lojas. Geralmente, passeiam com eles com trela,ou dentro dos sacos das senhoras.😊😊😊. Até aqui tudo bem. Só não concordo ,e nem gosto e quando fazem alguma necessidade,os donos(não todos), assobiam para o lado. Havendo distribuidores de sacos de plástico para apanhar as necessidades,e espaços próprios tipo canteiros com areia para eles poderem ir. Existe também um restaurante ou dois onde podem entrar. Mas pelo que vejo,quem os tem opta pela esplanada. Mas como a S referiu ,tem a haver com a educação, e o saber estar. Espero que a nova lei , tenha sucesso.😊😊

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Castiguem-se" os donos com multas... nunca os cães. :)

      Eliminar
    2. S* os donos dos cães não limpam os que os cães mijam e cagam na rua. E uma coisa se estes não tem espaço em casa para fazer as suas necessidades simplesmente os donos não os deveriam ter. Porque é que um cão tem que vir fazer as necessidade à rua? Porque é que não faz em casa? Vir à rua passear é uma coisa e vis fazer necessidade é outra. Eu toda a vida tive cães mas tive-os sempre num espaço aberto/quintal onde estavam as suas casas, onde faziam as suas necessidades e cobriam eles mesmo com terra e onde são felizes a viver com liberdade e a interagir com a natureza e outros animais circundantes.

      Eliminar
    3. Desculpe? Tinha cães que enterravam as fezes na terra? Lamento, mas custa-me muito a crer. Se teve gatos, sim, eles fazem isso. Mas os cães não. Para dizer que devem "fazer em casa", suponho que só tenha gatos. Para quem vive em apartamento, pois que é óbvio que tem de trazer os animais à rua. Cabe aos donos apanhar os dejectos.

      Eliminar
    4. Por acaso concordo com o anónimo das 10h30. Mesmo que façam as fezes na rua e os donos as apanhem, fica sempre alguma parte no chão. E espalharam-se ali bactérias e sujidade que vamos ter nos nossos sapatos (então no Verão, com sandálias e chinelos!) e vamos levar para nossas casas e locais de trabalho (eu em casa não, porque me descalço logo à entrada e não ando dentro de casa com sapatos da rua). Mas é nojento na mesma. E o xixi? Esse não se limpa. É aceite que os animais urinem contra postes, carros, casas e fica ali aquele cheiro ao sol a espalhar-se. É uma nojeira total. Não sei como é em aldeias onde há mais espaços verdes e se calhar os cães podem fazer lá, mas em Lisboa há IMENSOS cães e é sujidade por todo o lado. É um nojo ter de partilhar a rua neste estado (e eu, que ando imenso a pé, bem o vejo).

      Eliminar
    5. Sim S* todos os cães que vivem no seu "habitat" natural seja rua/quintal/espaço com terra quando fazem as suas necessidades atiram terra com as patas traseiras para cobrir as necessidades que fizeram.

      Eliminar
    6. Sempre tive cães S*, mas em espaços adequados para eles ao ar livre e com terra, nunca mas nunca iria ter um cão fechado dentro de uma casa, gosto demais deles para os sujeitar a uma vida assim.

      Eliminar
    7. Anónimo das 11:52,é uma verdade, nas aldeias não se vê as ruas sujas de cocó de cão porque os cães estão em terrenos, ou quintais onde existe terra e espaço próprio para eles, não existem os donos a passear os cães na rua para fazer xixi e cocó...

      Eliminar
    8. Anónimo das 15h31, a minha casa de família é grande, o quintal enorme, sempre tivemos cães e eles nunca taparam as necessidades. O meu cão viveu o primeiro ano de vida dele numa casa com quintal. Ele realmente faz o "cavar" com a terra depois de fazer xixi ou cocó, mas é em qualquer direcção, não é propriamente para tapar (nunca tapou). Acredito que alguns cães o façam, mas não todos. Já tive um pastor alemão, um labrador e um rafeiro na casa de família e eles nunca taparam.

      Eliminar
    9. S* eu já tive um Pastor Alemão, um rafeiro e um Braco Alemão e todos eles atiravam terra para cima das fezes com as patas traseiras para tapar, além de que em casa da minha avó na qual eu cresci havia entre 20 a 30 cães e todos tinham esse comportamento.

      Eliminar
  22. Fala-se só em cães, mas o tema é animais de estimação....posso levar um gato, uma tarântula , um papagaio, um lagarto.....enfim....gosto de animais e tenho animais, mas não sinto necessidade de ir almoçar com eles...tanta coisa séria para tratar ...Já conseguiram por os fumadores fora dos cafés, agora com os animais lá dentro vão conseguir por o resto da pessoas cá fora.Os cães é gatos vão passar a ter mais direitos que os fumadores.Já posso levar a bicharada toda ao restaurante eles ficam lá dentro e eu venho fumar para a rua....ahhhhhhhh e vou assistir a muito restaurante vazio! Ideias parvas de um partido que teve meia dúzia de votos ,,,,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas os outros partidos todos votaram a favor!!Só o partido parvo não ganhava nada!!

      Eliminar
  23. Se esta Lei for aprovada é caso para fizer que os partidos políticos deste País, não batem bem...!
    Tirem-me deste filme... vai ser o fim da restauração. Esta gente está completamente doente.
    Também os podem levar à Igreja e porque não ao Hospital e Cinemas...e comparar Portugal com países civilizados e de outras mentalidades e culturas é ridículo...Tenham animais, tratem-nos bem, criminalize-se quem os trata mal, arranjem espaços de lazer para os bichos mas respeitem o meu direito de fazer uma refeição em paz!
    Querem-me convencer que um animal parado num restaurante se está a divertir? Acho que não.A mania de importar ideias brilhantes do estrangeiro.Era o que mais faltava, agora comer com animais ao nosso lado! Tenham a cabeça assente...cada um ocupa o seu lugar! Querem dar o valor de uma pessoa por igual a um animal...por favor!!! Respeitam os humanos que e o que mais falta nesse mundo...respeito repito!! Em Portugal brinca-se à legislação, se isto for para a frente os restaurantes que assumirem isso perdem clientes, esta sociedade está completamente a humanizar os animais, temos que nos preocupar com a dignidade humana e anda esta gente asquerosa a preocupar-se com animais, isto está mesmo a bater no fundo!!!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só posso aplaudir este comentário!

      Eliminar
    2. O melhor comentário!!E qualquer dia ha mais cães e gatos que bebes!!No futuro,os tarados dis bichos como tem a reforma??São os cães e gatos que vão descontar para a Seguranca Social!!!Que tristeza!!

      Eliminar
    3. Subscrevo inteiramente. Mais: viajo com frequência, já estive em 38 países e não me lembro de alguma vez ter visto cães dentro de restaurantes (e já estive em países pobres, ditos subdesenvolvidos, bem como em países ricos, ditos desenvolvidos).

      Eliminar
  24. Ainda hei-de ver um cão a levar o dono ao restaurante e um bebé ficar à porta, de trela amarrada ao poste.

    ResponderEliminar
  25. O tema "animais" é um daqueles onde vamos discordar muitas vezes. Eu gosto muito do teu blog e admiro a forma como defendes os teus princípios. Dito isto, espero que não leves a mal aquilo que vou dizer. Eu sou totalmente a favor de se dar aos animais o que eles merecem: respeito e dignidade. Nunca os abandonar e assumir todas as responsabilidades de se ter um animal. Posto isto, acho um pouco exagerado quando começam a querer humanizá-los. Já tive vários animais e não consigo vê-los da forma que muitas pessoas os vêem. Não consigo conceber animais a dormir na minha cama, por exemplo. Mas tento respeitar as opiniões contrárias, a madrinha do meu filho e minha melhor amiga é, exactamente, o oposto. Completamente amante de animais (cães, particularmente), cuja cadela dorme com ela. E sei, porque lido com ela há muitos anos e já teve outros cães, que a casa dela é asseada, que ela apanha os cocós da cadela, que a trata super bem. A casa nunca tem aquele cheiro a cão que algumas pessoas (certamente com menos cuidado...) têm. Ainda assim, não era coisa para mim e não, não consigo entender, mas que respeito, respeito e não entro em discussão com ela sobre isso.

    Relativamente à lei em questão, não é que discorde completamente, já que vai ser opção dos proprietários dos estabelecimentos aceitar ou não, mas acho que muito trabalho havia a fazer antes disso. Mesmo assumindo que os donos são civilizados e os cães bem comportados e afins, não me parece que fosse capaz de comer onde andam animais a passear-se. Os pêlos, por exemplo, os animais (dependendo do animal e da raça) largam, mesmo que sejam bem cuidados e asseados. A ideia de comer num sítio assim arrepia-me. Sim, eu sei que os clientes podem optar por ir a outros restaurantes, mas é deixar de frequentar um sítio que se gosta por causa disso. Assim, irá depender do proprietário se quer perder esses clientes. Por outro lado, pode ser que ganhe outros (os que têm animais e os querem levar).

    Acho que mais importante e prioritário que esta lei, era educar os donos e promover medidas para se educar os animais, para tornar isto possível sem problemas. Basta veres as nossas ruas e assistires a alguns donos com os animais para perceberes que o bom senso que tu (e mais algumas pessoas) tens, nem toda a gente o tem. E se há donos que percebem que nem todos os cães podem frequentar esses espaços, também há aqueles que se vão aproveitar da lei e levar os cães/gatos, mesmo que eles não se saibam comportar. Aqui, o proprietário do estabelecimento pode impor-se e expulsar os donos, porém já o estrago foi feito e já incomodou os outros clientes.

    Li alguns dos comentários (não todos) e reparei que mencionas a lei do tabaco. Por acaso, concordo contigo. Acho que em sítios de restauração não devia ser permitido fumar, ponto. Eu, enquanto fumadora, não gosto de estar a comer em sítios onde se fume e, acontecendo ir a um local assim, escolho sempre a zona de não fumadores. O cigarro guardo para quando estou ao ar livre. Tabaco em espaços fechados é sufocante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cynthia, ora essa, a discussão quer-se saudável. :)

      Eu respeito totalmente quem não quer estar em cafés com animais... mas EU tenho o direito de gostar de conviver com animais e se houver proprietários que aceitem animais nos seus espaços, é garantidamente lá que eu vou. Não se obriga ninguém a "abrir as portas" do seu estabelecimento aos animais, é uma opção do proprietário. Vai daí, acho lindamente: quem quer, vai onde aceitam animais. Quem não quer, que vá onde não aceitam. Não entendo a celeuma que se criou exactamente por causa disto: não é obrigatório, não serão todos os cafés "pet friendly". Só temos de ir onde nos sentimos bem.

      Eliminar
  26. Apesar de eu ser aquilo a que se chama "uma doidinha por cães" e os adorar por diversos e muitos motivos, penso que esta lei é completamente absurda, não por causa dos cães ou gatos, mas por causa das pessoas.
    Noutros países, os animais de estimação andam por todo o lado e entram em todo o sítio com os donos. Mas podemos comparar Portugal e as suas gentes com os outros países? É evidente que não. Basta ver o estado lastimoso dos passeios das cidades e das aldeias, cheias de dejectos de animais, porque os donos não têm o mínimo dos mínimos de sentido de civismo para os limparem. É um vergonha, um nojo, um atentado à saúde pública. Se não tivermos cuidado, estamos constantemente a pisar esses dejectos. E vão ser esses donos autorizados a levar os seus animaizinhos para dentro dos restaurantes????
    Portugal tem um atraso em civismo de décadas comparativamente com os países que os apoiantes desta medida dão como exemplo, e isso não pode nunca ser esquecido nestas situações e teria que ser obrigatoriamente tido em conta. Entram os cães, saem as pessoas porque,cada um tem o seu espaço DIFERENCIADO!!!!!!

    ResponderEliminar
  27. Centros comerciais,bancos,hospitais,igrejas e outros espaços públicos,vão ser abertos a todos os animais. Sejamos democráticos...

    ResponderEliminar
  28. Eu apoio a decisão, no entanto, e como sempre espero que os donos saibam agir de forma responsável que no fundo é o que acho que "preocupa" a algumas pessoas. Porque e tão bem como sabes, não são os bichinhos que são o problema, eles comportam-se consoante aquilo que lhes ensinam e muitas vezes muito melhor do que lhes ensinam... mas adiante... o problema é o responsável pelo animal... que seja aquilo a palavra significa responsável e que saiba aproveitar este avanço que é o de poder ter o seu companheiro "animal" a acompanha-lo mais do que até agora.

    ResponderEliminar
  29. Adoro animais, respeito-os e acho ótimo que se comece a criminalizar quem os mal trata, que abandona, etc. Só não acho normal tratar um cão ou um gato como um ser humano. Que as pessoas os amem incondicionalmente, que se sintam melhor na sua companhia, que queiram estar sempre com eles, compreendo e aceito. Mas parece-me tão exagerado agora querer fazer de animais seres humanos.

    Um espaço de restauração com cães a ladrar/pedinchar comida ou a interagir com pessoas que podem nem gostar de animais... Pêlos pelo ar, maus cheiros... Não, obrigada. Não é higiénico, sequer. Um nojo, na verdade. Gosto de animais mas não os admito nos espaços onde se exige higiene (cozinhas, na cama, ...). Ok que cada pessoa é livre de frequentar espaços que não permitam animais, mas de certeza vão existir locais que frequentávamos antes e temos que deixar de frequentar porque, de repente, houve alguém que se lembrou que precisa de ter o cão/gato/cobra/periquito/rato a fazer companhia ao almoço. E como fica a ação da ASAE no meio disto tudo? O espaço pode estar uma nojice, mas se for pêlo de cão não há problema porque é permitido ter animais no restaurante? E os ratos, e as formigas, e as baratas? Passam a ser considerados animais de estimação para fugir às multas?

    ResponderEliminar
  30. boas noticias para os amantes dos animais :)

    ResponderEliminar
  31. Lamento imenso por este post ter tantos comentários negativos e que atingem o ponto da falta de educação. :(
    No meu caso, posso não querer comer num restaurante onde tem um cão ao lado da minha mesa, mas também depende muito da educação que ele tem, ou seja, do Dono. Porque não nos esqueçamos que os atos de um animal refletem as ações e emoções do seu dono.

    ResponderEliminar
  32. :) não reparei nisso em Parma! a questão é: terá todo o Português o bom senso para saber os pontos fracos dos seus cães? (óbvio que não) Acho que isto ainda vai dar muito que falar!

    ResponderEliminar
  33. E viva a lei que me obriga a conviver com dejetos dos animais.
    Estou eu sossegadinho no restaurante a saborear uma boa posta á Mirandeza...a cheirar-me a M@rda!
    Os animais não têm culpa e eu proprio tenho uma cadelinha á 14 anos que é mais familia que alguma familia minha mas, inevitavelmente um direito neste País transforma-se numa paródia.
    Imagino aquele senhor que passeia indiscriminadamente na rua o seu cão de raça perigosa sem açaime a entrar num restaurante apinhado de gente e de um sossegado e pacato felino...Esse senhor tem o direito de entrar!!
    Aquela senhora que passeia os seus bichinhos pelo passeio dos vizinhos á espera que eles defequem e vira costas deixando lá o produto para serem os vizinhos a limpar. Essa senhora tem o direito de entrar! e se o cão defecar sentirá o direito de proceder como faz na rua.
    Não, não sou contra a entrada de animais nos estabelecimentos...Sou contra a entrada de donos com os seus cães!
    Por isso faço minhas as palavras de alguém aqui...se estiver um cão no estabelecimento...eu não entro.
    Lol...sem espiga...isto é uma não-lei , apresentada por um não partido dum homem só e aprovada por mera ironia por uns partidos e por habitual idiotice por outros.Estas leis já não me chocam...contudo não deixo de achar curioso haverem restaurantes e até hotéis que não permitem crianças nas suas instalações e ainda ninguém se ter lembrado que essas crianças também são gente que um dia também vai votar !É estas m@edicezinhas que me fazem pensar que na politica existem partidos que parecem asilos para loucos ou utilizadores duros de substâncias psicotrópicas...sempre gostava de saber se quem votou no PAN foram pessoas ou animais....é que se ele está lá apenas para representar animais devia estar era na União Zoófila (se bem que o parlamento mais parece um curral das burras ...salvo sejam esses admiráveis animais )
    E ainda há quem goze com outros países por terem palhaços como candidatos...nós por cá temos gajos que vão para lá só para a palhaçada !

    Pois eu então propunha uma outra ideia aos partiditos de extrema-esquerda geniais em invenções novas e certamente ainda não se lembraram desta e que certamente a grande maioria estará de acordo, em vez de serem os caezinhos a irem com seus donos aos restaurantes passariam a ser os donos a ir aos canis comer com os seus cães, teria muito mais lógica e ali não encontrariam opiniões contrárias! Bom apetite!.

    ResponderEliminar
  34. Eu adoraria levar o meu cão ao café, mas é impensável. Tem 8 anos e é completamente tresloucado quando se apanha na rua. E nós passeamo-lo todos os dias 2 vezes. Além disso é briguento, nem pode ver outros cães que passa-se logo. E eu estou a falar num podengo com 8kg e com um palmo de altura. xD

    ResponderEliminar