quinta-feira, 20 de julho de 2017

Da mente

Chester Bennington, um dos vocalistas dos Linkin Park, suicidou-se hoje. O post não é sobre este caso, pretende ser mais genérico.

Uma das coisas que mais me incomoda quando se ouve falar de suicídios é a quantidade de pessoas que julga os outros sem conhecer os seus medos, as suas inseguranças, os seus traumas. Impressiona-me a maneira como parecem desvalorizar as doenças mentais e o poder que uma depressão (exemplificando) pode ter. 

Até há uns anos eu também achava, de forma parva e injusta, que a depressão era coisa de "gente fraca". Não entendia que as pessoas estavam doentes. Não entendia que uma depressão é uma rede emaranhada que pode prender a pessoa até ao seu limite. 

Hoje em dia tenho tanto medo e tanto respeito por estas questões. Felizmente não existe historial na minha família nem conheço casos próximos de suicídios... Mas sempre que ouço falar em suicídio tento calçar os sapatos dos outros. As vidas podem parecer perfeitas, mas todos nós temos medos, receios, traumas, inseguranças. E há vidas que nem escondem a merda que são.

A capacidade de empatia faz cada vez mais falta neste mundo.

33 comentários:

  1. Não sei porquê mas quando falam em suicídios e depressão penso logo no jogo da Baleia Azul. Até escrevi algo sobre o assunto.

    https://trollitadas.blogspot.pt/2017/04/sobre-baleia-azul.html

    Claro que é um assunto muito sério. Eu nem piadas ouso fazer sobre isso.

    ResponderEliminar
  2. Tenho um cunhado que suicidou-se, tomou demasiado medicamento para depressao, morreu de overdose ainda novo, aos 35 anos! Uma tristeza muito grande, era um amor de pessoa, mas sinceramente nao me incomoda tanto caso alguem pense que a pessoa que se suicida foi fraca, por exemplo, nao acho que sejam mas pessoas ou que nao tenham empatia por causa de um comentario assim. Mas me incomoda sim coisas que passem disso, ataques fortes, mesmo desrespeitosos ou coisa que o valha, e isso tem aos por ai aos montes.

    ResponderEliminar
  3. Feliz ou infelizmente não conheço a depressão, felizmente porque não sei o que é estar para além de triste, infelizmente pelo mesmo motivo, por não saber como é estar emaranhada ao ponto de poder compreender quem passa por isso, mesmo tendo tido casos na minha família e tendo um deles terminado no mesmo destino. Há coisas tão complicadas que realmente só conseguimos compreender depois de vivenciar.

    ResponderEliminar
  4. É verdade S*, a depressão é uma doença muito complicada e ao contrario do que se pensa é uma doença de quem durante muito tempo já foi forte.

    A minha mãe está desde 2013 a tratar uma depressão e tivemos momentos de tudo. Até de tentativas de suicídio. Felizmente agora está numa boa fase e sim, é preciso calçar os sapatos dos outros e não pensar que uma depressão não tem valor nenhum.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina, grande beijinho, força para a mãe!

      Eliminar
    2. Obrigada querida. Um beijinho para ti**

      Eliminar
  5. É muito fácil pensar que a vida dos outros é perfeita e só nós é que temos problemas. Vivemos na era do imediato, tudo se partilha, mas claro que só vemos as coisas boas. Assumimos que as pessoas são felizes porque até publicam muitas fotos de passeios, férias e viagens, porque têm uma casa bonita e um emprego bom e aquele namorado que parece mesmo perfeito. Aquela pessoa tem tudo! Só que não. Todos temos os nossos problemas, ninguém é perfeito nem tem vidas 100% descomplicadas e felizes. Depois acontecem coisas destas e dizemos todos "não imaginava! que egoísmo! Tinha tudo para ser feliz, uma vida tão boa" porque estamos mais atentos aos feeds do que a falar com as pessoas e a tentarmos entender a realidade do que se passa 24/7. Devíamos todos estar mais atentos a nós e aos outros. E , acima de tudo, sermos empáticos, colocarmo-nos no lugar do outro.

    ResponderEliminar
  6. Eu continuo a achar que o suicido não é coisa para os fracos, é preciso ter-se muita coragem, e um enorme desespero.
    Não é um assunto que deva ser tratado com tanta malícia como o fazem.
    Digo eu, que sou nova e ainda não sei tanta coisa.
    Enfim. :(

    A Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para se cometer suicídio é preciso muita coragem.
      Depois de ter o meu primeiro filho andei lá muito perto, mas nunca fui "forte" (ou fraca, como quiserem) para o fazer. Nessa altura pensava que eu não servia para nada e sabia que o meu filho estaria bem entregue. A única coisa que me impediu de o fazer foi a falta de coragem. Sempre que via um comboio... enfim, parvoíces!
      Mal comia (apesar de amamentar, talvez tenha sido isto que me safou), só queria dormir, chorar e as minhas conversas eram bastante depressivas (e mórbidas!!).
      Acham que alguém agiu? Os meus familiares/amigos, que viam o que se passava, não foram capazes de agir. A sugestão era "vai ao médico". E isso bastaria?
      Eu fui... a médica receitou-me anti-depressivos (que nunca tomei) e ninguém se encarregou de me controlar. Se eu quisesse realmente, com a ajuda desses medicamentos, teria sido muito fácil. Mas como amamentava... Afinal sempre seria para alguma coisa!!! :D
      A força veio de mim própria, que reagi e mudei.
      Com a segunda gravidez tive medo de repetir a dose, mas foi bem diferente. Mas, apesar do meu historial, mais uma vez o SNS falhou. Enfim...
      Sei que não sou uma pessoa muito positiva, mas vou tentando mudar a minha maneira de ver o mundo. É uma luta diária.

      Eliminar
    2. Anónima, lamento mesmo muito que tenha passado por semelhante numa fase que deveria ser tão bonita... força!

      Eliminar
    3. Já cá faltava o parvo do anónimo a criticar o SNS.

      Eliminar
    4. E não tomou os antidepressivos porquê?

      Eliminar
  7. A depressão existe. As doenças ou desequilíbrios mentais existem. Pessoas com tendências suicidas também.
    (Estes dias ao abrir um livro encontrei um bilhete escrito por mim há uns 20 anos e doeu ler como se pode sentir tanto sofrimento numa vida jovem e que nem sequer foi pautada por doenças, violências ou faltas de afecto - é algo que nasce connosco. E atenção que no dia à dia sou das pessoas mais positivas e com ganas para resolver os problemas. Mas há horas... muito complicadas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É triste recordar as fases mais negras que todos vivemos...

      Eliminar
  8. Quando soube do caso, ontem, fiquei um pouco chocada. Como assim? Que "tontice". Pensei.
    Não gosto muito de falar de suicídio, acho a palavra forte e triste, contudo, o suicídio acontece, é uma realidade e todos os dias morrem pessoas que decidem terminar com a própria vida.
    Porquê? Não sei!
    Apelidar essas pessoas de fracas e egoístas, não me parece o mais correcto pois muitas vezes essas mesmas pessoas passaram longos períodos sendo fortes, resistindo e lutando, até não dar mais. Aí desistem, lamentavelmente!
    Alguns porque não têm ajudas, mas outros há que estão rodeados de família, bons amigos, "boa" vida e mesmo assim decidem seguir pela via do término precoce. Assusta-me pensar que muitos casos são premeditados e custa-me imaginar o desespero dessas pessoas. Há sempre um motivo, ainda que escondido. Penso eu...
    A depressão sempre existiu, embora nem sempre apelidado de estado depressivo. O facto de muitas pessoas acharem que a depressão não é doença e é apenas um estado de tristeza, significa que por um lado nunca lidaram com a doença (e ainda bem) e por outro, porque nos tempos que correm toda a gente tem uma "depressão" mais tarde ou mais cedo. Ainda que seja uma mera tristeza que passa, há sempre quem diga que está com depressão, quando não é verdade.
    A depressão deve ser levada muito a sério, diagnosticada e acompanhada por profissionais devidamente preparados e com competências para tal.
    Por vezes nem a própria família, amigos e pessoas próximas conseguem perceber o que vai na mente dos seus mais próximos e depois... As coisas acontecem!

    Felizmente não conheço a depressão e casos de suicídio que me sejam próximos, mas tento sempre estar atenta ao Outro e já percebi que nem sempre quem mais sorri, quem parece ter todos os amigos do mundo e uma vida plena de felicidade...nem sempre é assim tão cor-de-rosa a vida de pessoas aparentemente felizes. Há de tudo obviamente, mas convém andar de olhos abertos.
    Conheci em tempos, há muitos anos, um rapaz colega de turma na altura. Era uma simpatia de menino, o popular da turma, brincalhão, sempre bem disposto, bom aluno, a pessoa mais feliz (aparentemente, lá está).
    Já lá vão muitos anos, contudo, nunca consegui entender o que passou na cabeça/mente daquela pessoa para terminar com a própria vida tão novo!
    Ainda hoje recordo a alegria dele... Enfim!
    (peço desculpa pelo testamento mas o tema SUICÍDIO deve ser levado não a sério mas - MUITO a sério).
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Como Psicóloga luto, todos dias, para que a saúde mental seja valorizada e que se acabem com os estigmas associados à doença mental.Quando estamos perante alguém com uma doença física a sociedade sente compaixão, no entanto, quando se trata de perturbações psicológicas a sociedade é a primeira a apontar o dedo e a julgar. Todos devíamos pensar que ninguém escolhe ficar doente... Beijinho, Daniela Torres

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando a própria família acha que só temos depressão porque "queremos", é complicado...quanto mais esperar que pessoas que nem sequer nos conhecem entendam o que estamos a passar.
      Admiro a sua luta, porque realmente é muito injusto desvalorizarem a saúde mental...

      Eliminar
  10. O meu pai tem doença bipolar e a minha mãe tem depressão. Eu própria, numa fase muito complicada, tive depressão e tentei-me suicidar. Fui acompanhada por consultas com a designação justamente de "prevenção do suicídio", se bem que sempre achei consultas anedóticas. Acabei por me levantar daquele fosso sozinha, porque só com muita coragem e determinação se dá a volta; a medicação ajuda, claro, mas acho que equipas multidisciplinares de psiquiatras e psicólogos fariam muito mais sentido do que apenas psiquiatras que se limitam a receitar medicamentos sem mais nnhuma abordagem.
    Espero que os meus filhos não passem aquilo que passei nem o que os meus pais passam, se bem que sei que a genética é tramada...
    Infelizmente a sociedade encara pessoas assim como "tolinhos", "avariados", e enquanto a saúde mental não for levada a sério nunca seremos uma sociedade mais evoluída.
    Bem haja pela tua abordagem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito isso, a genética tem um peso brutal e contra factos não há argumentos. Muita sorte para si, que a vida lhe sorria!

      Eliminar
  11. Conheço a depressão bem de perto. Demasiado, não queria ter tanto conhecimento. Mas sem dúvida que as pessoas falam muito sobre o que não conhecem... E a mente, a mente é realmente algo muito profundo - e muito fundo, tanto que não sabemos o que lá anda.

    ResponderEliminar
  12. Sem dúvida! Até à pouco tempo nem imaginava que uma amiga minha tinha depressão até ela me ter contado :/

    ResponderEliminar
  13. Tens razão muita boa gente opina de assuntos que nem fazem ideia o que é.... enfim.Bjs*

    ResponderEliminar
  14. Hoje não deve haver ninguém no mundo que mais preze a vida do que eu, mas já houve tempos em que até já tinha sítio para pendurar a corda.
    Quando se trata da vida, as pessoas deviam medir melhor as palavras ou ficar simplesmente caladas.

    ResponderEliminar
  15. A mente humana é muito complexa....lá no fundo não conhecemos ninguém verdadeiramente.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  16. luto com a depressão há meses. medicação, terapia, hobbies diferentes, exercício, mudanças na alimentação, mimos dos pais e dos mais chegados e ainda assim há dias em que não chega...
    há dias em que quase peço aos deuses ou a quem manda nisto "deixai-me só ouvir mais uma música, só dar mais um duche frio, apanhar pela última vez aquele granizo de pés descalços,queimar debaixo de sol até que doa para dormir porque são essas as coisas que dão alguma sensação de "... sim, falta empatia, mas isto da depressão é muito difícil de se transmitir, é como aquela coisa do amor de mmãe, temos todas as descrições do mundo à nossa mão mas só quando sentimos na pele é que vemos como é a sério

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, um grande beijinho. Fala comigo quando precisares.

      Eliminar
  17. Entrar numa depressão é mais fácil do que achamos, e não acontece só aos outros. Eu não, mas infelizmente conheço casos próximos disso, por isso respeito muito e também tenho muito medo... Para mim o suicídio é um ato de coragem também, e para a pessoa o cometer é preciso estar com um grande, grande desespero. Fiquei muito triste com a sua morte, a músicas ficou mesmo muito mais triste, e assim vemos que a vida dos outros não é assim assim tão boa como às vezes achamos. Beijinho

    ResponderEliminar
  18. Bem colocado! A depressão é um desequilíbrio químico no cérebro e ainda não se sabe bem ao certo o que a faz desencadear...

    ResponderEliminar
  19. Chester não teve uma infância normal! Abuso sexual deixa a pessoa marcada pro resto da vida; indenpendente de ter filhos, fortuna, fama...

    ResponderEliminar
  20. A mim choca-me é dizerem que o suicídio é um acto covarde. Acho que é preciso estar muito mal para chegar a ter coragem de tomar uma decisão dessas - que de covarde não tem nada - mas só a pessoa é que sabe aquilo que passou ou está a passar.

    ResponderEliminar
  21. A mim choca-me é dizerem que o suicídio é um acto covarde. Acho que é preciso estar muito mal para chegar a ter coragem de tomar uma decisão dessas - que de covarde não tem nada - mas só a pessoa é que sabe aquilo que passou ou está a passar.

    ResponderEliminar