quinta-feira, 23 de março de 2017

Talento inato... ou adquirido!

Eu devia receber um prémio de "ginasta" financeira do ano. Ou dos anos. Juro.

A todos os homens e mulheres que conseguem fazer o dinheiro esticar, torcer, retorcer, os meus parabéns. Não é fácil, mas # tamosjuntos

39 comentários:

  1. Nisso somos peritos, ginástica financeira...ainda não é modalidade olímpica, senão tinhamos muito mais medalhas do que temos ;)

    ResponderEliminar
  2. Não é mesmo... Fogo... O mairo a mim chama-me "economicamente criativa" hahaha

    Um beijinho dourado

    ResponderEliminar
  3. Imagine com filhos? Acho que por isso tambem ainda nao tive, ainda que pretenda ter em alguns anos, quando tiver melhor situacao. Mas o saber poupar ja ajuda bastante.

    ResponderEliminar
  4. Como eu te entendo...e quando os filhotes nascem ainda nos tornamos mais peritos!

    ResponderEliminar
  5. Desculpe, S*, mas isso vindo de quem, assumidamente e publicamente não se poupa no que toca a roupas, sapatos, acessórios e tudo aquilo que chama "mimos", numa grande parte das vezes de valores até altos, é de muita hipocrisia.
    Ou então, essa necessidade de esticar o orçamento vem precisamente desse descontrolo na hora de se "mimar".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. O talento de esticar vem mesmo daí: controlo nos mimos. Com a idade e a chegada dos filhos aprendi que afinal não preciso de tantos mimos. Afinal os melhores mimos são de borla! ;)

      Eliminar
    2. Por acaso tenho de concordar. Idem com os lanches/almoços fora, etc.

      Claro que faz o que bem entende com o seu dinheiro mas não me parece minimamente alguém que perceba o que é precisar de fazer esticar o dinheiro para aquilo que é essencial. É alguém que pode e comete extravagâncias porque sim, porque quer, porque gosta. Ninguém tem nada a ver com isso mas acho mesmo que um post destes não se adequa a si.

      Eliminar
    3. Valores altos? Nunca vi aqui nada de valor alto. Mas isso varia de pessoa para pessoa.
      E que temos nós a ver com o dinheiro dos outros?!

      Eliminar
    4. Beatriz, eu nem sei que lhe diga. Você sabe tanto da minha conta bancária... até sabe mais que o meu companheiro, veja lá. "Valores até altos" foi coisa que me fez rir. :D

      Malta comentadora: não julguem um livro pela capa e não achem que conhecem a minha vida por aquilo que eu cá publico. Não sabem. Mas obrigada pela preocupação!

      Eliminar
    5. Quem está aqui a expor as dificuldades financeiras é a S*. E nesse aspecto, acabo eu por saber mais de si do que a S* de mim.
      E sim, para quem faz um post destes, para quem diz que o abono pré-natal lhe faz falta e depois é só carteiras novas, soutiens da Dama de Copas, roupas e acessórios vários torna-se incongruente.
      Sempre ouvi dizer que quem não tem dinheiro, não tem vícios.
      E sim, a sua saúde financeira só a si e à sua família diz respeito, mas se não quer vê-la escrutinada não devia expor-se tanto nem vir queixar-se quando demonstra que essa não é, aparentemente, a sua realidade.

      Eliminar
    6. Beatriz, felicidades para si!

      Eliminar
    7. Subscrevo integralmente o comentário da Beatriz.

      Eliminar
  6. Desculpa, mas agora com o nascimento do teu filho e as despesas a aumentar substancialmente não sei como vais fazer se játe queixas tanto...

    ResponderEliminar
  7. Compreendo-te, ás vezes é mesmo precisa uma ginástica tremenda, mas quem está habituado a poupar consegue sempre.
    E não te preoupes, mesmo com o teu bebé vais conseguir esticar na mesma :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Quando há uns anos fiquei desempregada foi quando me apercebi da quantidade de coisas supérfluas que tinha na minha vida e que que eram perfeitamente dispensáveis. Coisas tão simples como unhas de gel (que posso fazer em casa); ginásio (quando tenho um parque fantástico perto de mim e material em casa); lentes de contacto (porque não usar óculos?). Depois diminuímos até ao máximo os jantares fora: ficaram para os dias especiais ou para quando éramos convidados por amigos. Tornámo-nos especialistas em receber bem em casa e apostámos nas jantaradas caseiras, tão mais em conta (e quando se tem um marido que cozinha para lá de bem, ainda melhor!) Durante dois anos as férias foram todas no Algarve, onde temos casa. Para mim foi extremamente fácil cortar nisso tudo e nos gastos com roupa, malas e bijutaria (temos sempre mais do que aquilo que precisamos, eu pelo menos era assim). Ainda há dias falávamos sobre a facilidade que felizmente tivemos em ter que apertar o cinto, sem que isso nos privasse de ser felizes. Agora a nossa vida está melhor do que nunca, felizmente e eu continuo a ser extremamente cuidadosa com os gastos. Só compro o que me faz falta e continuo a não fazer as unhas fora (que estavam a ficar destruídas na verdade), tenho lentes diárias que só uso em "dias de festa" e continuo a fazer o meu exercício em casa e no parque. Gosto de saber de antemão quais as promoções no supermercado e gerir as compras com base nisso. Permito-me um mimo ou outro, mas prefiro juntar para viagens e ter um bom pé de meia para o que for necessário, coisa que acho fundamental. Acho sempre que a necessidade faz o engenho e, acima de tudo, acho que cada um sabe de si, dos seus gastos e do que é importante na sua vida.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Bárbara, claro que sim. No entanto, acho que a alguma malta que comenta aqui no meu blogue não analisa as coisas, limita-se a 'atirar o barro à parede' e a ver se adivinha. Eu, por exemplo, nunca lancho fora. Isso deve acontecer... sei lá, duas vezes por mês, se tanto. Todos os dias trago uma peça de fruta e um pacotinho de bolachas Não tomo café. Não fumo. O meu homem também deixou de fumar. Nunca lanchamos fora, não tomamos o pequeno-almoço fora e jantar/almoçar fora também é coisa rara - uma vez por mês, quando dá. Unhas com verniz gel costumava fazer todos os meses, mas há dois meses que não faço. Ando com elas ao natural. Se ao poupar nessas coisinhas consigo comprar uma mala ou uma blusa todos os meses, espectáculo. Eu prefiro. Sinceramente, prefiro cortar nos lanchinhos fora do que cortar num ou outro mimo todos os meses, para mim, porque me mato a trabalhar e tenho direito à vida. Para voos maiores, como viagens, não posso nem consigo poupar - nem é a minha prioridade, com o bebé a caminho. Poupo sim para comprar tudo o que já comprei para o meu filhote, com muito gosto. :)

      No supermercado, por exemplo, cortamos tudo ao mínimo. Não há cá sumos, cervejas, bolachas ou afins. É comida e ponto final. No entanto, eu não conseguiria (a não ser que tivesse mesmooo de ser) cortar nas lentes de contacto. Sinto-me super mal de óculos e as lentes de contacto, feitas as contas, ficam-me a 10/15 euros por mês. Lá está, corto nos cafés, nos almoços, jantares e afins. São opções. Cada uma faz as suas, da forma que melhor entende e da forma que consegue. :)

      Eliminar
    2. Querida, as pessoas acham sempre que nos conhecem com base no que mostramos no blogue. Como digo, cada um sabe de si! A mim fizeste me pensar no que mudei na minha vida quando teve que ser. Para mim foi uma aprendizagem! Beijinhos

      Eliminar
  9. Com a chegada do filho o parar de "se mimar" tanto já ajudará bastante, lol. Adeus compras novas com regularidade. Triste, porém necessário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, eu sou a loucura, veja lá... gasto uns 30 ou 40 euros comigo por mês - quando posso. Tanto mimo assim até devia pagar imposto. ahah :D

      Eliminar
    2. Pelo que postas aqui parece bem mais, sinceramente. Mas se e apenas isso e ainda assim a situacao financeira esta neste nivel de dificuldade a coisa e mesmo seria.

      Eliminar
    3. A meu ver a questão é essa. Para quem tem mesmo de fazer o dinheiro esticar 30€ ou 40€ é um balúrdio, sim. Mesmo em relação aos lanches ou comer fora publicas aqui saídas praticamente semanais (a menos que sejam sempre pagas por outrem) que não se coadunam com o post. Apenas isso. De resto se tens 50€ para gastar em ti ou 100€ ou 200€ é contigo simplesmente não é o mesmo de alguém que consegue efectivamente fazer esticar o pouco que tem para os bens essenciais. Ter 40€ para mimos por mês não é o resultado de alguém que tem dificuldades e precisa de esticar...porque quem está nessa situação pega nos 40€ e guarda-os para algum bem essencial necessário no futuro.

      Eu não considero que o faças. Da mesma forma que eu não o faço neste momento. Se calhar porque já tive de sobreviver com 600€ numa familia de 3 pessoas e aí sim considero que fiz o dinheiro render. Agora com um orçamento familiar que é praticamente o quíntuplo não é porque evito comprar sumos ou porcarias no supermercado ou porque só compro determinados produtos em promoção que considero que faço o dinheiro esticar. Considero que não desperdiço dinheiro mas poupar e fazer esticar? Isso foi noutro tempo...

      Se calhar temos noções diferentes de poupança e de fazer o dinheiro esticar.

      Eliminar
    4. Anónimo das 21h26, vá, vá, não vamos exagerar. :) Nunca passei necessidades. Mas sim, 30 ou 40 euros POR MÊS é o que gasto comigo, nos meses normais - e se gastar isso.

      Anónimo das 21h46, alguém aqui falou em bens essenciais? Eu não escrevi nunca, em momento algum, que tenho de andar a esticar dinheiro para ir ao supermercado. Ainda bem que tem um orçamento familiar que é praticamente o quintuplo de 600 euros. Olhe, eu não tenho. Somos uma família de dois, com o terceiro a caminho, e acredite que sei MUITO bem o que é ter de esticar o dinheiro. Se você não acredita, está no seu direito... Mas não julgue que sabe tudo da minha vida apenas porque lê o blogue. Há tanto mais por detrás de sorrisos, sabia? :) Pense exactamente nisso que disse: quem lhe disse que sou eu a comprar roupa para mim, a pagar lanches fora, a pagar isto ou aquilo? Posso nem ser. Ou posso ser. Você não sabe. :) Acha que eu acho super engraçado escrever que o dinheiro tem de esticar? Não acho. Não me parece um tema divertido. Não se limite a tirar conclusões precipitadas porque, quando se precipita, o mais comum é mesmo errar. Felicidades!

      Eliminar
    5. Eu não disse que tinhas de poupar para comida ou ir ao supermercado. O que para mim não se coaduna é alguém dizer que tem de fazer o dinheiro esticar e simultaneamente afirmar que tem 30€ ou 40€ para mimos pessoais, luxos e coisas supérfluas.
      Se posso estar a julgar mal? Posso. Mas obviamente que é a ideia e a imagem que transmites de ti e da tua vida.

      Já disse que para mim é indiferente (mesmo) que alguém gaste 50€ ou 500€ por mês consigo próprio só porque sim. Se pode está no seu direito. Mas não creio que ver alguém que diz ter tanto disponível por mês para mimos saiba o que é realmente fazer esticar dinheiro ou fazer ginástica financeira.

      Eliminar
    6. Sim, nao falei sobre passar necessidade, nao exagerei, falei ser serio no sentido de que, se gastando pouco com fruvilidades as coisas ainda estao assim apertadas, imagine se gastasse, lol. Espero que melhore.

      Eliminar
  10. Já leio blogs à anos. Nunca tive nenhum, porque reconheço não ter o fair play necessário para ler bitaites à minha vida, vindos de quem não calça os meus sapatos.
    Ainda assim, não deixo de me surpreender com tantos e tantos comentários de maledicência pura que deixam neste blog.
    Está certo que para muitos, infelizmente, gastar €30 em 'mimos' significa menos não sei quantos kgs de arroz, massa e batatas no fim do mês. Mas não... A Sónia claramente não usa roupas caras. Não compra malas caras. Não jantará sushi 3 vezes por semana, nem fará escapadelas românticas em hotéis de charme a cada 2 meses.
    Não deixo de me surpreender com a leveza com que se acusa alguém de quem não se sabe nada (não... Ler um blog não nos dá licença de acesso à alma e coração do seu autor, minha gente!), só por um texto destes e tantos e tantos outros anteriores.
    Não. A Sónia não mostra aqui que compra mimos de valores elevados. Tenhamos lá calma com o andor. Parece-me que ela, melhor do que qualquer alma caridosa com tão boa vontade, saberá gerir o seu orçamento quando o bebé nascer...

    E não sou uma defensora acérrima da Sónia. Mas tudo o que é demais enjoa. E ela quase ter de justificar que não compra sumos, tabaco ou café para que percebam que que há mais do que está aqui declarado... É um bocadinho triste. Não por ela, mas por quem tão facilmente aponta o dedo - são os outros 4 dedos apontados para vocês ;)

    E sendo em mãe de um chavalo maravilhoso de um ano e meio, sou particularmente sensível a que usem o mini que aí vem como arma de arremesso, ou estandarte de guerra para lhe apontar possíveis futuras falhas. Menos... Muito menos...

    (E nem foi comigo. Lá está. Eu nunca poderia ter um blog...!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo das 21h47, sinceramente as pessoas têm todo o direito de não gostar de algo que eu digo, que eu visto, isto ou aquilo. Mas acharem que conhecem algo da minha vida porque lêem APENAS o que eu aqui publico é algo cómico - mas que enerva, ao mesmo tempo. Um dia eu podia contar a realidade, mas não me apetece nem acho que o deva fazer. :)

      Não, não gasto muito dinheiro comigo. É sequer absurdo achar-se que sim. Se 30 euros por mês comigo é muito? Bom, não. Se para algumas pessoas 3 euros é muito? Acredito. Mas não estamos a falar de casos extremos, estamos a falar da 'normalidade'. Engraçado que tanto me criticam por gastar 'a loucura' que são 30 euros por mês em mimos para mim... como me criticam por comprar coisas 'foleiras, baratas, sem qualidade'. Engraçado!. :D

      Eliminar
    2. Ela faz o que quer e apetece com o dinheiro mas um post a dizer que sabe fazer ginástica financeira parece-me um exagero vindo da pessoa em questão. Apenas isso.

      E honestamente para mim é muito estranho ver alguém que diz que o tem de fazer a dizer que tem dinheiro mensalmente para mimos e outras coisas do género. Não é pelo valor é pela queixa em si. Numa situação onde as pessoas fazem ginástica financeira não gastam dinheiro indiscriminadamente em mimos, se tiverem a mais poupam-no e guardam o mesmo para o que precisam depois.

      Quem não quer ouvir opiniões não escreve e não publica. Ou as pessoas só podem comentar quando é para dizer amém? É que se a anónima não é defensora acérrima eu creio que é a primeira vez que comentei algo contra.

      Eliminar
  11. Olha, dá cá a mão. Tamos juntas mesmo!

    ResponderEliminar
  12. Quem infelizmente tem que fazer ginástica financeira também tem que comprar bens que não são de primeira necessidade, como roupa e calçado. Quando se trabalha numa empresa ou atendimento ao público a forma como nos apresentamos conta...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as pessoas precisam de se vestir de forma adequada ao contexto. Mas uma coisa é investir numa necessidade (por trabalho, por exemplo) outra é assumir que é só por mimos. Além disso, a quantidade de acessórios mostrados não me parece assim tão pouca para alguém que precisa de fazer ginástica financeira e os acessórios, mesmo para quem trabalha em atendimento, são desnecessários.

      Eliminar
  13. Não é fácil não, especialmente depois de pensarmos em filhos. Torna-se tudo um pouco mais complicado. Mas cá nos vamos arranjando :)

    ResponderEliminar
  14. Tenho que concordar com alguns comentários. Ainda há tempos escrevi aqui que, para quem se queixa da falta de dinheiro, foste gastá-lo em malas, quando já sabias que estavas grávida. E pouco tempo antes tinhas adquirido uma mala quase igual à que foste comprar - penso que recebeste esse dinheiro como prenda de Natal. Recordo de ter pensado: então não era de guardar o dinheiro, agora que está grávida?

    Penso que, em geral, não te criticam pelo dinheiro que gastas contigo. As críticas são ao facto de escreveres que fazes essa ginástica financeira, mas depois vais gastar o dinheiro em futilidades que, muito provavelmente, não precisas nesta etapa da tua vida.

    ResponderEliminar
  15. Sobra sempre muito mês no fim do dinheiro. eheheheh

    ResponderEliminar