Avançar para o conteúdo principal

Desabafando


Não gosto cá de dramatismos. Sou uma pessoa sentimental, mas positiva. No entanto, na verdade, há três dias que não consigo relaxar. Não consigo escrever - escrevo muito, mas não o que me vai no coração. O Funchal é uma desgraça inimaginável. Não consigo nem pensar como está aquela gente, aquelas empresas, aqueles animais. 

No entanto, aquilo que está mais perto de mim é, para o meu coração, uma coisa absolutamente arrepiante. Viana do Castelo está rodeada de incêndios. Ontem eram 20, hoje são mais de 30. Estão por todo o lado, só as freguesias mais à beira mar estão a escapar. É um desconsolo saber que o nosso verde, a nossa ruralidade, está a ser queimada. Estamos em Agosto. Deveríamos estar em festa. Já chorei, já deprimi. Não há hora em que não fique arrepiada com as imagens de fogo e cinzas que vejo por todo o lado.

Eu sei que todos os anos é assim... Mas, aqui, aqui tão perto de mim, não me lembro de assim ser. Uma desgraça sem fim.

Comentários

  1. É triste, sim, sem dúvida :( não se compreende como todos os anos se repete o mesmo cenário...

    ResponderEliminar
  2. É uma desgraça só...todos os anos isto....

    ResponderEliminar
  3. É mesmo muito triste... Só espero que desta vez mude alguma coisa em relação à prevenção para que não hajam mais anos como este

    ResponderEliminar
  4. Todos anos é isto, é verdade. Mas parece que este ano está pior. Estamos no inferno... o país todos cinzento e a cheirar a queimado... é terrível :(

    ResponderEliminar
  5. Sinto o mesmo que tu, mas em relação à Madeira. Não estou perto mas é a minha terra, por isso dói de uma forma particularmente má. Passei o dia com uma 'bola' no estômago, uma angústia tão grande. Vamos esperar que tudo acabe o mais rapidamente possível. Abracinho apertado para ti

    ResponderEliminar
  6. Mete-me tanto medo e dá-me tanta tristeza isto. É o verde que se vai, é pensar nos animais, é os bombeiros que se arriscam tanto, é as pessoas que vêm as suas casas e tudo o que têm destruído. Nem há palavras para isto...é triste muito triste.

    ResponderEliminar
  7. Estou (ainda mais) de coração nas mãos desde que vi uma reporter da TVI a falar desde a aldeia onde nasceu o meu pai, em Arouca, sobre o cenário dantesco que se está a aproximar da aldeia. Receio que a minha casa e as casas de todos os que lá vivem seja consumida pelas chamas. E não há nada pior que o sentimento de impotência...

    ResponderEliminar
  8. Estou (ainda mais) de coração nas mãos desde que vi uma reporter da TVI a falar desde a aldeia onde nasceu o meu pai, em Arouca, sobre o cenário dantesco que se está a aproximar da aldeia. Receio que a minha casa e as casas de todos os que lá vivem seja consumida pelas chamas. E não há nada pior que o sentimento de impotência...

    ResponderEliminar
  9. Não tenho palavras... É uma grande tristeza*

    ResponderEliminar
  10. É mesmo muito triste. Quando vivia em Alpiarça (perto de Santarém, onde nasci) lembro-me bem do sufoco que existia todos os verões. Lembro-me de, em pequenina, ouvir a sirene e as ambulâncias e de ver as nuvens negras de fumo ao longe.
    E, quando iamos à terra da minha avó, no Norte do país, de passarmos por km e km de zonas completamente pretas onde antes havia floresta.
    Pode ser apenas ignorância minha mas não consigo perceber como é que não se previnem estas situações. Será que é impossível e que não há nada a fazer?!!!!
    Falo com completa ignorância mesmo mas... caramba! É urgente trabalhar na prevenção dos incêndios de alguma forma...

    ResponderEliminar
  11. é verdade isto não está fácil mas nós vamos conseguir ganhar mais esta luta!!!
    pensamento positivo!

    ResponderEliminar
  12. Acho que estamos todos de coração apertado com as imagens e notícias que se sucedem... parece que não tem fim! E é tudo tão desolador... nem quero imaginar a angústia de quem está por perto a ver as suas cidades, as suas casas, os seus pertences, tudo em perigo, tudo a ficar vestido de negro.
    Força S*!

    ResponderEliminar
  13. Vi o fogo andar por trás da casa da minha avó desde domingo a noite.
    Fiz a viagem de Vila Verde até Barcelos no domingo a noite e era assutador,não sei quantos "ais" e quantas lágrimas me surgiram nos olhos nessa noite.
    Vi a minha família e vi-me a mim a defender a casa da minha avó porque não havia bombeiros.
    É terrivel o que acontece ao nosso pais todos os anos. Quando é que isto vai parar?

    ResponderEliminar
  14. Realmente são situações para as quais não há palavras, mas que perturbam e muito. Na Madeira uma verdadeira calamidade, e por Portugal Continental também, nem os passadiçosdo Paiva escaparam.

    ResponderEliminar
  15. Todos os anos é assim, mas acho que este ano os fogos estão a assolar o país ainda mais! Na minha zona era costume haver um ou dois fogos, mas este ano eles são tantos que já há uns dias que não se tem o céu totalmente limpo. No horizonte lá se vai vendo fumo e o ar muitas vezes é irrespirável. É uma lástima o que está a acontecer!

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. é realmente triste... mas quem está perto, ou a perder as suas coisas ainda é mais triste

    ResponderEliminar
  17. Este ano consegue ser ainda mais caótico, mais triste em todo o país. :(

    ResponderEliminar
  18. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante,mas se desejar seguir, saiba que sempre retribuo seguido
    também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.
    Peregrino E Servo.

    ResponderEliminar
  19. Na minha zona há uma área que está a arder desde sexta-feira passada (o mesmo fogo com focos diferentes mas que se alastrou entre 3 concelhos) - muito maior e mais duradouro que o do Funchal. Águeda está sobre um fogo terrível e muito maior que o que assolou o Funchal também.
    Das outras áreas do país eu não sei como estão mas pelo que se vê no FB há muito mais pessoas que perderam tudo, algumas até a vida.
    Alguém ouviu falar dos verdadeiros dramas dessas populações? Nope...só se fala do drama e da necessidade de dinheiro para apoiar a população do Funchal.

    Não me interpretem mal pois eu bem vi o inferno que foi no Funchal e sem duvida que eles TAMBÉM precisam de ajuda. TAMBÉM mas NÃO SÓ!
    Não percebo o porquê do mediatismo à volta do Funchal que fez com que se esquecessem rapidamente de um bombeiro que morreu (não foi noticia, a maioria das pessoas não sabe), esqueceram-se de noticiar a quantidade de casas ardidas fora do Funchal, esqueceram-se de falar das pessoas que morreram nos incêndios fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar as pessoas feridas, as empresas/fábricas/vacarias/armazéns ardidos fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar os bombeiros feridos fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar a verdadeira dimensão dos diversos fogos que calcorreavam o continente para se focarem unicamente no Funchal como se lá estivesse todo o problema. Não falam dos milhares de bombeiros no continente que já estavam a cair de exaustão, não falam dos que estão a "cair" de cansaço, não se fala dos que dormem no alcatrão ou dos que dormem quase de pé. Não de preguiça mas de cansaço.

    E sinceramente eu não percebo porquê.
    O que se passou no Funchal é terrível mas eu estou extremamente revoltada contra o facto de se estarem a criar 1001 linhas de apoio ao Funchal e de se estarem a esquecer todas as pessoas que perderam a casa, os bens, o seu meio de sustento no continente. Já para não falar de quem perdeu familiares.
    O Presidente da República só mostrou os ares de sua graça no Funchal, todas as instituições que estão a dar os maiores apoios monetários estão a fazê-lo exclusivamente para a Madeira, incluindo cáritas e cruz vermelha... quer dizer, que a sociedade civil se junte para ajudar o mais que puder eu percebo, louvo e irei juntar-me ...que se faça só para o Funchal é para mim a maior bofetada alguma vez dada a qualquer outro português que tenha perdido tudo (e houve muitos!)

    Eu não perdi nada, eu nem sequer tive o fogo à minha porta ao contrário de muitos, a única coisa que eu tive/tenho de lidar é um céu completamente nublado desde a última sexta-feira, com dias onde o ar era completamente irrespirável - apesar de me encontrar a uns 15km do fogo mais próximo!!
    A única coisa que eu fiz foi levar mantimentos solicitados pelos bombeiros para lhes agradecer de alguma forma o que fizeram... mas não acho que tenha
    feito mais que a minha obrigação, apesar de ainda assim achar que a obrigação de lhes pagar e de lhes dar condições mínimas não é da população (mas isso é outro tema).

    ResponderEliminar

  20. Para mim o que a comunicação social está a fazer neste momento a todas as pessoas que estão precisamente na mesma situação que alguns madeirenses é a demonstrar a sua total falta de empatia e falta de respeito por todos os restantes portugueses ao não incluir os mesmos quando falam de todas as calamidades. E não me venham dizer que na madeira foi pior pois se todos os envolvidos perderam tudo porque é que há-de a casa de um na madeira valer a ajuda de alguém e quem perdeu tudo no continente já não vale nada e é abandonado à sua sorte? Há portugueses de primeira e de segunda? Estes dias tem parecido que sim. E por qualquer motivo parece que a região autónoma da Madeira é muito mais importante que todo e qualquer outro português que tenha perdido tudo também.
    Para mim além de me revoltar esta atitude, as palas e a cegueira crónica metem-me um fastio desgraçado. Ajudem-se todos! TODOS! O desespero, o medo, o pânico, a dor... é a mesma caramba!
    No continente também se perderam vidas, também se perderam casas, também se perdeu o sustento de várias familias... falem-se de todos! E o bombeiro que morreu em serviço e mal foi noticiado?!
    Eu tinha vergonha na cara, de me chamar de gente e de não noticiar a morte de uma pessoa assim de uma forma respeitosa mas sentida. Uma pessoa que deu a vida para proteger bens e pessoas, foi um herói que morreu e que ficou esquecido. Somos uma cambada de mal agradecidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acabo por concordar um bocado consigo. Sei que, jornalisticamente falando, a Madeira tem um impacto completamente diferente, mas sinto que os outros fogos estão a se "esquecidos".

      Eliminar
  21. Hoje vi o céu azul, a primeira vez desta semana :/ Felizmente não está à porta de casa, mas está perto o suficiente para o ver mais do que meramente nas notícias...

    ResponderEliminar
  22. tem sido uma desgraça alarmante, mesmo!

    ResponderEliminar
  23. O meu rapaz foi hoje para S.Pedro do Sul render os colegas que já lá estavam há uns dias. Ando a viajar na net,a pôr leitura dos blogs em dia para me distrair, para não pensar. Quando é que isto acaba?

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.