quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Desabafando


Não gosto cá de dramatismos. Sou uma pessoa sentimental, mas positiva. No entanto, na verdade, há três dias que não consigo relaxar. Não consigo escrever - escrevo muito, mas não o que me vai no coração. O Funchal é uma desgraça inimaginável. Não consigo nem pensar como está aquela gente, aquelas empresas, aqueles animais. 

No entanto, aquilo que está mais perto de mim é, para o meu coração, uma coisa absolutamente arrepiante. Viana do Castelo está rodeada de incêndios. Ontem eram 20, hoje são mais de 30. Estão por todo o lado, só as freguesias mais à beira mar estão a escapar. É um desconsolo saber que o nosso verde, a nossa ruralidade, está a ser queimada. Estamos em Agosto. Deveríamos estar em festa. Já chorei, já deprimi. Não há hora em que não fique arrepiada com as imagens de fogo e cinzas que vejo por todo o lado.

Eu sei que todos os anos é assim... Mas, aqui, aqui tão perto de mim, não me lembro de assim ser. Uma desgraça sem fim.

24 comentários:

  1. É triste, sim, sem dúvida :( não se compreende como todos os anos se repete o mesmo cenário...

    ResponderEliminar
  2. É uma desgraça só...todos os anos isto....

    ResponderEliminar
  3. É mesmo muito triste... Só espero que desta vez mude alguma coisa em relação à prevenção para que não hajam mais anos como este

    ResponderEliminar
  4. Todos anos é isto, é verdade. Mas parece que este ano está pior. Estamos no inferno... o país todos cinzento e a cheirar a queimado... é terrível :(

    ResponderEliminar
  5. Sinto o mesmo que tu, mas em relação à Madeira. Não estou perto mas é a minha terra, por isso dói de uma forma particularmente má. Passei o dia com uma 'bola' no estômago, uma angústia tão grande. Vamos esperar que tudo acabe o mais rapidamente possível. Abracinho apertado para ti

    ResponderEliminar
  6. Mete-me tanto medo e dá-me tanta tristeza isto. É o verde que se vai, é pensar nos animais, é os bombeiros que se arriscam tanto, é as pessoas que vêm as suas casas e tudo o que têm destruído. Nem há palavras para isto...é triste muito triste.

    ResponderEliminar
  7. Estou (ainda mais) de coração nas mãos desde que vi uma reporter da TVI a falar desde a aldeia onde nasceu o meu pai, em Arouca, sobre o cenário dantesco que se está a aproximar da aldeia. Receio que a minha casa e as casas de todos os que lá vivem seja consumida pelas chamas. E não há nada pior que o sentimento de impotência...

    ResponderEliminar
  8. Estou (ainda mais) de coração nas mãos desde que vi uma reporter da TVI a falar desde a aldeia onde nasceu o meu pai, em Arouca, sobre o cenário dantesco que se está a aproximar da aldeia. Receio que a minha casa e as casas de todos os que lá vivem seja consumida pelas chamas. E não há nada pior que o sentimento de impotência...

    ResponderEliminar
  9. Não tenho palavras... É uma grande tristeza*

    ResponderEliminar
  10. É mesmo muito triste. Quando vivia em Alpiarça (perto de Santarém, onde nasci) lembro-me bem do sufoco que existia todos os verões. Lembro-me de, em pequenina, ouvir a sirene e as ambulâncias e de ver as nuvens negras de fumo ao longe.
    E, quando iamos à terra da minha avó, no Norte do país, de passarmos por km e km de zonas completamente pretas onde antes havia floresta.
    Pode ser apenas ignorância minha mas não consigo perceber como é que não se previnem estas situações. Será que é impossível e que não há nada a fazer?!!!!
    Falo com completa ignorância mesmo mas... caramba! É urgente trabalhar na prevenção dos incêndios de alguma forma...

    ResponderEliminar
  11. é verdade isto não está fácil mas nós vamos conseguir ganhar mais esta luta!!!
    pensamento positivo!

    ResponderEliminar
  12. Acho que estamos todos de coração apertado com as imagens e notícias que se sucedem... parece que não tem fim! E é tudo tão desolador... nem quero imaginar a angústia de quem está por perto a ver as suas cidades, as suas casas, os seus pertences, tudo em perigo, tudo a ficar vestido de negro.
    Força S*!

    ResponderEliminar
  13. Vi o fogo andar por trás da casa da minha avó desde domingo a noite.
    Fiz a viagem de Vila Verde até Barcelos no domingo a noite e era assutador,não sei quantos "ais" e quantas lágrimas me surgiram nos olhos nessa noite.
    Vi a minha família e vi-me a mim a defender a casa da minha avó porque não havia bombeiros.
    É terrivel o que acontece ao nosso pais todos os anos. Quando é que isto vai parar?

    ResponderEliminar
  14. Realmente são situações para as quais não há palavras, mas que perturbam e muito. Na Madeira uma verdadeira calamidade, e por Portugal Continental também, nem os passadiçosdo Paiva escaparam.

    ResponderEliminar
  15. Todos os anos é assim, mas acho que este ano os fogos estão a assolar o país ainda mais! Na minha zona era costume haver um ou dois fogos, mas este ano eles são tantos que já há uns dias que não se tem o céu totalmente limpo. No horizonte lá se vai vendo fumo e o ar muitas vezes é irrespirável. É uma lástima o que está a acontecer!

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. é realmente triste... mas quem está perto, ou a perder as suas coisas ainda é mais triste

    ResponderEliminar
  17. Este ano consegue ser ainda mais caótico, mais triste em todo o país. :(

    ResponderEliminar
  18. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante,mas se desejar seguir, saiba que sempre retribuo seguido
    também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.
    Peregrino E Servo.

    ResponderEliminar
  19. Na minha zona há uma área que está a arder desde sexta-feira passada (o mesmo fogo com focos diferentes mas que se alastrou entre 3 concelhos) - muito maior e mais duradouro que o do Funchal. Águeda está sobre um fogo terrível e muito maior que o que assolou o Funchal também.
    Das outras áreas do país eu não sei como estão mas pelo que se vê no FB há muito mais pessoas que perderam tudo, algumas até a vida.
    Alguém ouviu falar dos verdadeiros dramas dessas populações? Nope...só se fala do drama e da necessidade de dinheiro para apoiar a população do Funchal.

    Não me interpretem mal pois eu bem vi o inferno que foi no Funchal e sem duvida que eles TAMBÉM precisam de ajuda. TAMBÉM mas NÃO SÓ!
    Não percebo o porquê do mediatismo à volta do Funchal que fez com que se esquecessem rapidamente de um bombeiro que morreu (não foi noticia, a maioria das pessoas não sabe), esqueceram-se de noticiar a quantidade de casas ardidas fora do Funchal, esqueceram-se de falar das pessoas que morreram nos incêndios fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar as pessoas feridas, as empresas/fábricas/vacarias/armazéns ardidos fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar os bombeiros feridos fora do Funchal, esqueceram-se de mostrar a verdadeira dimensão dos diversos fogos que calcorreavam o continente para se focarem unicamente no Funchal como se lá estivesse todo o problema. Não falam dos milhares de bombeiros no continente que já estavam a cair de exaustão, não falam dos que estão a "cair" de cansaço, não se fala dos que dormem no alcatrão ou dos que dormem quase de pé. Não de preguiça mas de cansaço.

    E sinceramente eu não percebo porquê.
    O que se passou no Funchal é terrível mas eu estou extremamente revoltada contra o facto de se estarem a criar 1001 linhas de apoio ao Funchal e de se estarem a esquecer todas as pessoas que perderam a casa, os bens, o seu meio de sustento no continente. Já para não falar de quem perdeu familiares.
    O Presidente da República só mostrou os ares de sua graça no Funchal, todas as instituições que estão a dar os maiores apoios monetários estão a fazê-lo exclusivamente para a Madeira, incluindo cáritas e cruz vermelha... quer dizer, que a sociedade civil se junte para ajudar o mais que puder eu percebo, louvo e irei juntar-me ...que se faça só para o Funchal é para mim a maior bofetada alguma vez dada a qualquer outro português que tenha perdido tudo (e houve muitos!)

    Eu não perdi nada, eu nem sequer tive o fogo à minha porta ao contrário de muitos, a única coisa que eu tive/tenho de lidar é um céu completamente nublado desde a última sexta-feira, com dias onde o ar era completamente irrespirável - apesar de me encontrar a uns 15km do fogo mais próximo!!
    A única coisa que eu fiz foi levar mantimentos solicitados pelos bombeiros para lhes agradecer de alguma forma o que fizeram... mas não acho que tenha
    feito mais que a minha obrigação, apesar de ainda assim achar que a obrigação de lhes pagar e de lhes dar condições mínimas não é da população (mas isso é outro tema).

    ResponderEliminar

  20. Para mim o que a comunicação social está a fazer neste momento a todas as pessoas que estão precisamente na mesma situação que alguns madeirenses é a demonstrar a sua total falta de empatia e falta de respeito por todos os restantes portugueses ao não incluir os mesmos quando falam de todas as calamidades. E não me venham dizer que na madeira foi pior pois se todos os envolvidos perderam tudo porque é que há-de a casa de um na madeira valer a ajuda de alguém e quem perdeu tudo no continente já não vale nada e é abandonado à sua sorte? Há portugueses de primeira e de segunda? Estes dias tem parecido que sim. E por qualquer motivo parece que a região autónoma da Madeira é muito mais importante que todo e qualquer outro português que tenha perdido tudo também.
    Para mim além de me revoltar esta atitude, as palas e a cegueira crónica metem-me um fastio desgraçado. Ajudem-se todos! TODOS! O desespero, o medo, o pânico, a dor... é a mesma caramba!
    No continente também se perderam vidas, também se perderam casas, também se perdeu o sustento de várias familias... falem-se de todos! E o bombeiro que morreu em serviço e mal foi noticiado?!
    Eu tinha vergonha na cara, de me chamar de gente e de não noticiar a morte de uma pessoa assim de uma forma respeitosa mas sentida. Uma pessoa que deu a vida para proteger bens e pessoas, foi um herói que morreu e que ficou esquecido. Somos uma cambada de mal agradecidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acabo por concordar um bocado consigo. Sei que, jornalisticamente falando, a Madeira tem um impacto completamente diferente, mas sinto que os outros fogos estão a se "esquecidos".

      Eliminar
  21. Hoje vi o céu azul, a primeira vez desta semana :/ Felizmente não está à porta de casa, mas está perto o suficiente para o ver mais do que meramente nas notícias...

    ResponderEliminar
  22. tem sido uma desgraça alarmante, mesmo!

    ResponderEliminar
  23. O meu rapaz foi hoje para S.Pedro do Sul render os colegas que já lá estavam há uns dias. Ando a viajar na net,a pôr leitura dos blogs em dia para me distrair, para não pensar. Quando é que isto acaba?

    ResponderEliminar