terça-feira, 19 de julho de 2016

Sabemos que o mundo está perdido...


Quando a PSP tem de fazer estas publicações.

35 comentários:

  1. Ahah, acho que é meio a brincar. A PSP é conhecida por ter uma página de Facebook muito divertida :)

    ResponderEliminar
  2. Inacreditável.
    Fico parva com esta loucura!

    ResponderEliminar
  3. Então há uns tempos fizeste um post a elogiar a forma de comunicação da PSP e agora já mudaste de ideias?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe, mas o que o levou a pensar que mudei de ideias? O post nem sequer se refere à PSP mas sim ao facto de a PSP ter EFECTIVAMENTE de se preocupar com este fenómeno. A parvoíce está no fenómeno em torno de um jogo. :)

      Eliminar
    2. Esse anônimo - como se diz no Brasil - pega muito no teu pé!!!

      Eliminar
  4. Já eu achei absolutamente genial a forma como a PSP comunica com o publico alvo e transmite os parâmetros de segurança adaptados à realidade existente.
    Não acho que a PSP "tem" de fazer estas publicações. Acho que que esta a fazer um trabalho superior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lontra, mas eu também achei, isso nem se discute. :) A necessidade existe. O parvo é haver efectivamente essa necessidade!

      Eliminar
  5. a serio?! ahahaha! esta psp tá sempre em cima dos acontecimentos ;P

    beijinho
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Acho que não é por haver necessidade... é mesmo por graça. Ganha visibilidade falar no assunto ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também é verdade, mas acredito que fosse mais pela prevenção.

      Eliminar
  7. E os taxistas... Já viste a notícia? Diz que fazem tarifas próprias para pessoas que queira jogar pokemon de carro para poderem passar os níveis mais rápido. Isto está a loucura e eu sem perceber o interesse do jogo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marisa, eu até percebo o interesse do jogo, mas acho um perfeito exagero...

      Eliminar
  8. Olha, deixa lá que enquanto a PSP anda a tomar conta dos Pokémones, não anda na caça à multa. eheheh

    ResponderEliminar
  9. Tendo em conta que vivemos num país onde alguns pais deixam os miúdos andar sozinhos na rua até as 22h/23h da noite sem fazerem a mínima ideia por onde andam este tipo de dicas parece-me fantástica. Primeiro porque há efetivamente pais completamente desprovidos que qualquer bom senso e não faltam por aí miúdos a quem o básico nunca é transmitido. Segundo porque cria um vínculo com os miúdos e a nova geração, abre a imagem da "policia má" à possibilidade da imagem do "policia fixe". Quantas pessoas, mesmo honestas, não reagem à presença da policia com desconfiança como se estivessem a fazer alguma coisa de errado? Quantas pessoas não ouviram já a dizer "olha ali a bófia/cucos/moina, etc?" ou os "cuidado olha a policia", etc? Mesmo de pessoas que supostamente não estão a fazer nada de mal?
    Principalmente nos locais onde a criminalidade é maior, o nível cultural e o académico é inferior isso acontece muito mais. Ora as crianças desses locais são muito mais propensas a todo o tipo de problemas "da rua" portanto, o facto da própria policia promover a alteração dessa imagem e transmitindo "boa onda" para os miúdos é fundamental. Aproveitar para passar mensagens com bom senso parece-me a cereja no topo do bolo.

    E sinceramente acho este teu texto e análise muito básico e desprovido de muita coisa. Pois acima de tudo muitas pessoas a brincar o jogo são crianças, pequenas. A prevenção (coisa rara neste país) deveria ser sempre louvado, não menosprezado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, desprezado? Eu não desprezei absolutamente nada nem ninguém. Creio que interpretou mal.

      Eliminar
    2. "menosprezar" no sentido de diminuir.

      Eliminar
  10. A realidade é que existe mesmo necessidade, eu já ia atropelando duas crianças que apareceram de rajada entre os carros estacionados com os telemóveis na mão, há que ter bastante cuidado! *

    ResponderEliminar
  11. O Mundo há-de estar perdido talvez mas não será por estas coisas :) é só um jogo!
    Tanta alienação socialmente aceite, tanto fingimento de "gente grande" supostamente madura e responsável e depois é vermos desfilar comentários de críticas arrogantes, de gente que se pinta de "superior a essas coisas".

    É só um jogo. Como TUDO pode ser usado de muitas formas. Podemos "saber" usar, divertindo-nos e não pondo em risco o que é importante: a Vida, a segurança, o emprego, a família, a saúde física e mental, etc...ou podemos alienar-nos completamente da realidade e viver num mundo paralelo. Pode acontecer facilmente na internet, ou até com Hobbies supostamente chamados "normais". Tudo depende de como se usa as coisas. Custa-me ver censuras a torto e a direito (maioritariamente sobre os jovens) como se todos os jogadores fossem seres alienados e de mente distorcida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, aí é que acho que te enganas... é que há MUITO ADULTO a jogar isto. E isso, vais desculpar-me, já não me parece assim tão normal. Ainda agora me cruzei com um casal, na rua, da minha idade, os dois a jogarem... passados uns minutos um casal com filhos (um de carrinho e uma menina aí com 4 anos) novamente os dois com o telemóvel na mão. É uma loucura que não compreendo. E as pessoas que passam a vida a jogar isto em horário laboral? Uma leitora comentou comigo que os enfermeiros seus colegas jogam durante o trabalho... também deve haver pokemons no hospital.

      Eliminar
    2. Eu por exemplo não acho normal muitas coisas que tu dizes e fazes (supostamente) mas isso faz de ti anormal? Menos capaz? Completamente desprovida de bom senso? Não, pois não?

      Eu não jogo o jogo.
      Acho que os ditos profissionais nem deveriam estar com o telemovel quanto mais a jogar... mas suponho que andar sempre com o telemovel atrás seja aceite agora como o "comum" e "aceite" pela maioria das pessoas. Já eu não vejo isso como um comportamento normal também, tal como as pessoas que não passam 1 dia sem internet, sem as redes sociais ou sem o seu jogo. É um vicio e quando é um vicio é sempre mau.

      O facto de haver jovens adultos a jogá-lo não me parece estranho. A maioria das pessoas da tua idade provavelmente viu pokemon durante a infância, fez parte enquanto cresceu, logo há um saudosismo presente em quem joga. O fim do mundo não está perto porque há jovens que conseguem admitir que gostam de uma determinada coisa, que se marimbem para o que os outros dizem. Diria até que isso é mais sinal de evolução e de ter a mente aberta....
      Não respeitar as leis, ficar viciado, etc é outra coisa...mas incomoda-te assim tanto que um casal aproveite para jogar um jogo infantil, principalmente tendo crianças? Lamento pelos teus filhos caso nunca na vida aprendas a brincar com eles de forma infantil e não os saibas cativar nos jogos, sejam eles com terra, areia, papelão ou virtuais.

      Eu acho que este jogo, se jogado na medida do normal (não sendo um vicio) só trás coisas boas: tira as pessoas de casa, promove a partilha, ajuda os miúdos a combater o sedentarismo, etc.

      Eu não jogo pokemon, não faz parte da minha infância. Eu pratico uma actividade chamada Geocaching, que me permitiu conhecer lugares fantásticos que de outra forma nunca teria conhecido, permitiu-me conhecer pessoas fantásticas que dividem o amor pela natureza, pela exploração e permitiu-me criar elos maravilhosos.
      Além que através do mesmo consigo planear muito bem os locais que quero explorar e vi mais de Portugal desde que comecei do que algumas vez antes. Mesmo locais que pensava que conhecia...fiquei a conhecer muito melhor.
      Antes de o ter muitas vezes acabávamos no mesmo parque/zona a passear por falta de ideias, desde que o "jogamos" temos sempre ideias novas sobre o que fazer e onde ir depois. É uma actividade para toda a familia, gratuita, que permite o contacto com a natureza e explorar locais diferentes... para mim é tudo o que eu adoro. O meu marido adora, o meu filho adora, os meus pais adoram e os meus sogros também! Já fizemos verdadeiras excursões com a família completa, com roteiros programados em locais lindíssimos que não são promovidos em plataformas nenhumas.

      No entanto, há sempre pessoas como tu que acham que os casos extremos é que são os exemplos (pessoas que por exemplo arriscam a vida para chegar a determinadas caches). Eu jamais o faria, não tenho interesse nisso e ainda não conheci ninguém pessoalmente que o faça.
      Mas o geocaching permitiu-me conhecer locais fantásticos, até perto de casa que eu jamais conheceria se não fosse assim pois são pontos que, apesar de lindissimos, não estão em pontos turísticos. Além de todas as pessoas fantásticas, jogadores ou não, que trouxe para a minha vida este jogo/actividade.

      E, sinceramente, comparo muito este Pokemon Go ao Geocaching pois no fundo parece-me que a ideia é atrair as pessoas a determinados locais públicos (como igrejas, monumentos, etc) ou seja, promover a exploração e o conhecimento do seu meio-ambiente.

      Claro que, se levado ao extremo é mau, como tudo na vida.
      Mas acho que tens um ódio qualquer a este jogo que me parece totalmente injustificado e baseado no (teu) puro preconceito contra não sei o quê concretamente. Custa-te assim tanto ver as pessoas a divertirem-se, a serem felizes e a não prejudicarem ninguém?

      Eliminar
    3. Anónimo das 01h16, desculpe mas o seu texto parece-me absolutamente surreal. Um perfeito exagero.

      "Mas acho que tens um ódio qualquer a este jogo que me parece totalmente injustificado e baseado no (teu) puro preconceito contra não sei o quê concretamente. Custa-te assim tanto ver as pessoas a divertirem-se, a serem felizes e a não prejudicarem ninguém?"

      Eu nao tenho ódio a absolutamente nada nem ninguém. Apenas acho que uma loucura tamanha com um jogo que foi lançado há uma semana é algo incrível. Temos taxis Pokemon, temos a loucura instalada em postos de trabalho. Lá porque não concordo consigo, não significa que odeie o jogo.

      A mim não me interessa, respeito quem interesse, mas honestamente pais irem com telemóveis enquanto supostamente passeiam os filhos já não me parece tão razoável assim.

      Divirta-se da maneira que entender. Eu não consigo comparar o geocaching a andar agarrado a um telemóvel, sem olhar para a frente...

      Eliminar
    4. LOL. Eu tenho a tua idade e jogo pokemon ;) e se tivesse namorado de certeza que jogavamos os dois. Todos os meus amigos jogam. Não andamos sem olhar para a frente... aquilo tem um mapa é só dar um olho a ver se estamos longe ou perto... tal como tu provavelmente andas na rua e de vez em quando pegas no tlm para fazer alguma coisa e nessas alturas tmb não olhas em frente XD

      simplesmente é mais um assunto de conversa entre o meu grupo de amigos. Irrita-me bastante pessoas que estão completamente fora da tecnologia fazerem este tipo de julgamento que foi feito neste post. Não seria loucura se toda a gente jogasse e não fosse noticiado... nem te irias aperceber. ;) mas é mais fácil dizer que o mundo está perdido por causa de um simples jogo que anda a reunir os amigos para passear pela cidade... em vez de irmos sair à noite e beber uns copos e estarmos fechados no mesmo sítio ou só numa esplanada... vamos bebendo copos e passeando, enquanto conversamos e dizemos disparates... o normal... haverá sempre pessoas que levarão o jogo ao caso extremo, serão excepções. ;)

      Às vezes pergunto-me se o pessoal da minha idade que não aceita uma cena tão simples como um jogo não será um velho do restelo daqui a 10 ou 20 anos... A minha área como é a informática este tipo de fenómenos é muito interessante de avaliar (mais em como uma ideia tão simples é um sucesso)... Mas não me parece nada do outro mundo o que está a acontecer, era bastante expectável tendo em conta o contexto que deram ao jogo (mais uma vez, é muito parecido com um jogo que já existia mas não pegou tanto)... :)

      Eliminar
    5. "mas honestamente pais irem com telemóveis enquanto supostamente passeiam os filhos já não me parece tão razoável assim. "

      Porque isso só acontece porque estão a jogar pokemon... quem faz isso nem o faz constantemente nem nada. Mesmo em relação aos locais de trabalho eu vejo as pessoas sempre com o tlm pessoal na mão e eu nem conheço ninguém pessoalmente que jogue pokemon (e realmente não acho normal que se seja dependente de telemóveis/internet/etc mas isso vale para tudo e todos, não somente para quem joga um jogo).
      Mas vai dizer que esses pais fazem isso quando os viste de passagem? Pare-me que estás a exagerar propositadamente.

      Além de que aparentemente para jogar não tem que se ficar só a olhar para o telemóvel, acredito bem que seja como o geocaching: temos o GPS connosco mas não estamos sempre a olhar para ele (e há quem jogue/pratique com o telemóvel). Não é o mesmo?
      (E podes detestar o Geocaching cada um tem a sua opinião, eu só fiz uma comparação).

      Ainda bem que os levam a passear, seria pior se estivessem os pais sentados no sofá ao fina do dia, estarrecidos à frente da tv, ou a tratar dos afazeres de casa sem ligarem nada aos filhos, ou mandar os filhos para a rua sozinhos para eles não chatearem...como muitos faziam e ainda fazem.

      Eliminar
  12. Tens razão, o mundo está perdido sim, já ouvi falar tanta coisa desse "jogo" que não sei onde está a piada. Mas se o jogam se calhar tem alguma, não sei, desde que não me incomodem :)
    Agora o que não sabia era que havia pessoas "anónimas" que acham que o grau académico tem a ver com a criminalidade, o que sei é que vejo cada dr/dra preso por crimes de desvios do "nosso" dinheiro, pela lavagem do mesmo, tanto menino, filho de pai e mãe com canudo, a traficar e consumir droga, a roubar os próprios pais para comprarem a dita, tanta coisa que vejo os académicos fazer, mas não vejo um filho de pedreiro. Enfim como diz o outro, mais vale estar calada.
    Olha S* se gostas de jogar isso joga, mas não me apareças à frente ahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nina, eu não jogo nem pretendo experimentar. :) São gostos!

      Eliminar
    2. Minha cara,
      Está estatisticamente comprovado que a baixa escolaridade está ligada à criminalidade. Este facto é bem diferente de dizer que apenas as pessoas com baixa escolaridade praticam crimes,sejam eles quais foram. Ou que as pessoas com altos níveis de escolaridade não o façam.
      Mas que é um facto, é.

      Eliminar
    3. nina eu não sei o que leu mas se calhar devia voltar à escola para aprender a interpretar o que lê.
      Quem vive em meios socialmente desfavorecidos está usualmente num meio mais vulneravel e menos desenvolvido sendo estes 2 factores de risco para a criminalidade. Como o anterior anónimo disse, estatisticamente está comprovado isso além de estar comprovado também que a prevenção e a educação nessas populações são as mais importantes/eficazes para a diminuição da criminalidade a longo prazo.

      Isto é muito diferente de dizer que todos os criminosos são pobres ou que a pobreza é sinónimo de criminalidade.

      Portanto, ou informe-se relativamente aos dados ou informe-se relativamente à interpretação de textos. Ou então gosta de distorcer palavras...

      Eliminar
    4. Em relação à baixa escolaridade em locais menos desfavorecidos a situação é a mesma: a escola que deveria terminar as diferenças sociais não o faz. É óbvio (e está comprovado) que os alunos que têm mais apoio, pais com escolaridade superior e com maiores rendimentos têm por norma melhores notas. O ciclo perpetua-se. Um pai analfabeto não consegue ajudar o filho a resolver os trabalhos de casa, um pai analfabeto provavelmente não terá um salário elevado e não pode pagar explicações o que alguém "rico" consegue sem qualquer problema. Uma pessoa analfabeta tem um vocabulário reduzido, uma pessoa com doutoramento tem um vocabulário muito mais avançado.
      Uma criança, com 6 anos, que entre na primária, vem com bases e as bases podem ajudá-la ou prejudicá-la. Por isso é que se insiste tanto para as crianças irem desde os 3 anos para a pré: não só para promover a socialização e regras sociais (que algumas têm e sabem mas outras não) e para tentar minimizar o impacto potencialmente negativo da falta de estimulação de alguns contextos.

      É estatística. Claro que há sempre um "rico" que rouba mais que um "pobre" (e se calhar aos milhões de uma só vez), é que o carácter e a cultura não é o mesmo mas estamos a falar em termos gerais, estatísticos.

      Eliminar
    5. Anónimodas 22h03, respeito nos comentários, por favor.

      Eliminar
  13. http://9gag.com/gag/a6QoEzA#comment

    ResponderEliminar
  14. Alias isto: http://9gag.com/gag/a6QoEzA

    ResponderEliminar