sexta-feira, 25 de março de 2016

Das tradições

Ontem à noite fomos visitar uma amiga "emigrada" para o Porto. Juntaram-se à mesa quatro vianenses e um de Vila Nova de Gaia (o senhor meu namorado).

Impressionante como as coisas mudam de cidade para cidade. Todos nós, de uma cidade média/pequena, conhecemos e reconhecemos as tradições de Páscoa, o compasso pascal e tudo mais. O meu companheiro nunca viveu isso. Eu nem sei se no Porto as coisas se fazem como em Viana, com o compasso a bater a todas as portas. Suponho que em prédios de 10/15 andares (ou mais) a logística não seja tão simples como aqui na cidade, em que a maioria dos prédios tem 4 a 5 andares. Nas freguesias mais pequenas, as pessoas "registam" a sua casa para receber o compasso, pelo que o senhor padre já sabe quem deve visitar.

"Na Páscoa compra-se sempre roupa nova", disse um dos amigos. E é verdade. Durante a minha infância, e até ao dias de hoje (exceptuando este ano, que não tive tempo :P), sempre comprei uma fatiota nova para a Páscoa, para receber o compasso pascal. Para o meu namorado, acho que estávamos a falar chinês. Mandarim, vá.

41 comentários:

  1. Pois é, as tradições variam de região para região. Cá em Braga a tradição também é assim como em Viana, e há montes de procissões que antecedem o dia de Páscoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Braga é mesmo a capital da Páscoa, diria eu!!

      Eliminar
  2. Eu sou V.N. Gaia, não vivo no centro de Gaia mas nos arredores e conheço todas essas tradições e até ao dia de hoje (com 27 anos) que se mantém cá em casa. Desde de colocar as flores à porta para receber o compasso, comprar a roupa nova e fazer o pão de ló:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É triste, ele nunca viveu isso e até disse que não sabia se na zona dele ainda se fazia o compasso...

      Eliminar
  3. Aqui por Lisboa não temos disso :)
    Boa Páscoa *

    ResponderEliminar
  4. A mim passa-me ao lado porque, ao contrário do Natal, é uma celebração exclusivamente religiosa. Não a celebro e cada vez conheço menos gente que o faça :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Natal também é uma celebração religiosa. Há é muitos não crentes a festejar e a achar que Natal é única e exclusivamente dar prendas quando é tão mais do que isso.
      Maria Violeta

      Eliminar
  5. Cá em casa não se tem registado a Páscoa. Nem com um ovo de chocolate.
    Agora que penso nisso, com a exceção do Natal parece que não comemoramos nada... :P

    ResponderEliminar
  6. Para mim também estás a falar chinês. Ahahaha. Sou da terrinha e a minha mãe falou disso há pouco tempo que antigamente quando os meus avós eram vivos e a minha mãe e os meus tios eram novos que isso se usava. Mas nunca me lembro de se fazer isso. Eu sou completamente contra a religião. Não sou contra a fé de cada um. Mas sou contra a parte dos rituais e coisas do género. Na minha opinião a Igreja é simplesmente uma forma de controlar as pessoas. Mover massas. Se cada um fizer para si e não se reger por coisas que outro alguém que supostamente é superior a nós, fazer tudo o que o sr padre diz. Enfim. Espiritualidade é uma coisa. Religião é outra. Enfim. Lá eu me meti a divagar. :)

    ResponderEliminar
  7. Meu Deus!! Uma mulher de 34 anos que nunca tinha lido, ouvido isto!! Não fazia ideia desta tradição... Morar em lx tlv não ajude, mas n deixa d ser uma tristeza não o saber!!! Isto tb foi Mandarim p mim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahah Oh amberhella, que riso! Riso por causa do surpreendente que é!

      Eliminar
  8. que lindo S*, até me emocionei imaginando estes rituais, tem sorte em viver em um lugar que ainda preserva estas tradições. Feliz Páscoa a você e toda sua família incluindo o Pirata e as gatas é lógico.
    Sou do Brasil, leio seu blog diariamente e adoooorooo!!

    ResponderEliminar
  9. Isso da roupa nova também sabia. E sim, também se recebe o compasso nas cidades grandes =P Mas não é todo um acontecimento como nas terras mais pequenas... fico sempre parva quando vou à terrinha do meu namorado na Páscoa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sofia, eu adoro as tradições das terras mais pequenas. É nisso que Viana é rica. :)

      Eliminar
  10. Infelizmente, nas grandes cidades a tradição vai-se perdendo. Eu nasci no Porto e vivo na periferia da cidade Invicta, mas o meus pais são oriundos de uma pequena aldeia em Celorico de Basto, terra à qual rumo para passar todas as festas de família e, por essa mesma razão, estou habituada ao Compasso na Páscoa, a jejuar em todas as sextas-feiras da Quaresma, enquanto que para os meus amigos e o meu namorado, a Páscoa é só mais um domingo, no qual se come assado. Para não falar, que a maioria não se reúne com a família, é triste...

    ResponderEliminar
  11. Eu conheço as tradições por ouvir os meus avós falarem delas pois eu, já tendo crescido no centro de uma cidade, nunca vivi a Páscoa assim. A roupa nova não me parece fazer tanto parte da celebração religiosa :) mas sim uma tradição que as famílias vão tendo, não? :) Para mim, a Páscoa sempre foi sinónimo de visita à família, visitar avós e bisavós (com roupinha bonitinha, não me lembro se tinha de ser obrigatoriamente nova) e receber coelhos de chocolate e amêndoas. É esta a minha memória de infância. :)

    ResponderEliminar
  12. Eu só ouvi falar disso quando vim estudar para o Norte..
    Fiquei muito admirada!! E não é só em terras mais pequenas não!
    Braga, Guimarães, Póvoa do Varzim, etc..
    Chegaram-me a dizer que "lá em casa é mais importante que o natal"!!
    Quando falei disso cá para o sul.. ninguém conhecia também! Nem quem vive em terrinhas !!ahhaha


    Sinceramente não ligo nenhuma à Páscoa..

    ResponderEliminar
  13. Em Guimarães também se celebra da mesma maneira. Desde que me lembro que acordo cedo no dia de páscoa para ir beijar a cruz na casa da avó, da tia, da madrinha, da prima etc. E claro que Páscoa não é páscoa sem ir buscar a rosca a madrinha e enfardar um pacote de amêndoas ahah beijinhos S :)

    ResponderEliminar
  14. Ora bem, Vila Nova de Gaia não é assim tão diferente de Viana. Eu vivo num prédio em Gaia e tenho vizinhos que recebem o compasso. Flores a porta para receber o padre e possivelmente deverão estar a porta do prédio para avisar quem vem qual é a casa.. Mas sim acredito que alguma da vossa tradição se tem vindo a perder...

    ResponderEliminar
  15. Acho que algumas tradições não têm a ver com a cidade. Eu sou de Viana e não "sigo" essas tradições. Acho que depende da família ou mesmo de cada membro. O meu namorado é de outra cidade e tem outras tradições, mas será que toda a gente dessa cidade as terá?

    ResponderEliminar
  16. Não concordo totalmente com este texto. Mais do que ser uma tradição das terras, é muito da 'tradição' das famílias. Vivo numa aldeia, em que se recebe o compasso, mas há pessoas que não estou em casa ou não têm a porta aberta porque não são religiosas e aquela celebração não lhes faz sentido. O mesmo em relação à roupa.. Apesar de eu também estrear sempre roupa nova, tenho amigos que recebem o compasso mas nunca foi tradição na família deles estrear roupa.

    ResponderEliminar
  17. A Páscoa tem tradições muito bonitas :) na terra da minha Mãe também era uma época vivida com muito carinho e aprumo!

    Acabei por ler o comentário da Leonor :) não concordo que as tradições sejam mais das famílias do que das zonas em si. As tradições existem; se algumas pessoas as praticam ou não, isso já é outro conceito diferente ;)

    Boa Páscoa :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso acho que dissemos o mesmo mas com palavras diferentes. :)

      Boa Páscoa :)

      Eliminar
  18. Há anos que não celebro a páscoa! no entanto o compasso anda por cá no domingo. Eu sou das que não abre a porta porque estou afastada da religião.

    ResponderEliminar
  19. Sou de uma terra pequena, e também estarias a falar chinês para mim! As tradições são muito diferentes de terra para terra :)

    ResponderEliminar
  20. Não faço ideia do que falas, nunca ouvi falar em tal coisa. Tenho 27 anos e moro numa vila, toda a minha vida aqui morei, mas é mandarim, tal e qual :P

    ResponderEliminar
  21. Sou portuense de alma e coração. Não celebro a Páscoa porque não tenho religião. A tradição depende sobretudo de cada um, com as variantes das respetivas cidades. Mas roupa nova é sempre agradável, pode ser! :D

    ResponderEliminar
  22. Também tenho amigos que vivem no Porto e não conhecem estas tradições. Acho que, no fundo, acabamos por ser uns sortudos em ter nascido em terras onde hajam todas estas tradições. Por cá, há compasso nas casas, flores à porta, pão de ló e a "pitinha" (algo que pouca gente conhece, mas basicamente é pão com forma de uma galinha). Também tenta-se sempre estrear alguma peça nova ou até mesmo tudo ahahah

    Cidadã do mundo desconhecido
    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  23. Aqui na minha freguesia (e arredores) ainda se faz isso tudo. Vivo perto do Porto, mas na cidade em si também não sei como funciona.
    E também comprava sempre uma roupa nova na Pascoa quando era pequenita (aliás, era quase sempre oferecida pela minha Madrinha ahah) :)

    ResponderEliminar
  24. Sou de Viana e nunca tive essas tradições. Não generalizes, é uma coisa de família e não de cidade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpe, você pode não viver as tradições, mas Viana é uma cidade com FORTES tradições de Páscoa.

      Eliminar
  25. Não me parece que tenha a ver com a dimensão das localidades mas muito mais com uma questão de tradição familiar. Eu sou de uma vila (nem sequer é cidade!) e nunca tive tradições de Páscoa. Muitas vezes era uma desculpa para almoçar em família, sim (tal como em outros domingos que não a Páscoa). Mas só isso. Não usávamos roupa nova, não há sequer nenhuma refeição tradicional que associe à Páscoa.. e já agora, o que é o compasso? x) (família ateia, se é que isso me desculpa!x))




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Compasso Pascal é todo o grupo que acompanha a cruz na entrada da casa para ser beijada. :)

      Eliminar
    2. Ah já sei o que é. Acho que na minha terra tem outro nome! ;)

      Eliminar
  26. Compasso???? Por aqui (Leiria) chama-se Visita Pascal, cada terra com o seu uso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O compasso é o conjunto das pessoas que levam a cruz às casas, ou seja, que faz a visita pascal :)

      Eliminar
    2. Chama-se compasso porque dá a volta à freguesia/paróquia.

      Eliminar
  27. Olá S. Sou de Vila Nova de Gaia e cá também temos exactamente essas tradições. Acontece que se encontram muito ligadas à religiosidade..... que uns vivem e outros não. Se o teu namorado não tem essas memórias/vivências é porque provavelmente a família não é católica. O jejum de 6ª feira santa, a missa de sábado à noite, o receber o compasso, etc.. Quanto ao estrear roupa nova tradição que também há por aqui acho que isso se foi perdendo porque ao contrário de antigamente que só havia roupa nova no Natal e Páscoa (quando muito) hoje compra-se e veste-se roupa nova em qualquer altura e com regularidade......P.S.: Fui passear a 6ª feira santa a VIANA. QUE ADORO!!!!

    ResponderEliminar
  28. Eu acho que há um misto de duas situações: por um lado, é normal que nas cidades maiores, nomeadamente Porto e Lisboa, pela dimensão e por as pessoas serem mais desligadas, se comecem a perder certas tradições, por outro, as tradições familiares também têm um grande peso. Claro que o facto de, por exemplo, Viana e Braga serem cidades com muita tradição religiosa, também deve ajudar! Acredito que no Alentejo, com uma tradição católica menor até pelas ligações ao comunismo não haja tanta "Páscoa", em todas as regiões Norte os índices de religiosidade, em especialmente católica, são bem mais altos. Mas, se no geral a prática da religiosidade diminui em todo o lado, é natural que a prática de certas tradições também se perca – há quanto tempo vejo pessoal de Lisboa dizer que passa o fim-de-semana de Páscoa no Algarve, algo que ninguém faz no Natal, e não é só por causa da meteorologia.

    Eu sou de Matosinhos e vivo cá, e sei de todas as tradições. Tenho família no Porto e na Maia e passa-se o mesmo (e também tenho amigos em Gaia que sabem e praticam o mesmo que eu) – sei que por crença as mantêm, mas vejo que, no geral, cada vez menos gente abre a porta ao compasso. Aliás, já me aconteceu receber o compasso em Matosinhos e chegar à Maia para passar a Páscoa com uns tios e receber novamente. Quem quer receber põe as flores à porta, e no caso dos prédios penso que esteja sinalizado ou avisem atempadamente o compasso – nalguns casos os próprios morados descem as escadas até à entrada do prédio para receberem. Acho que, apesar de tudo, em Lisboa seja pior porque no Porto ainda não se vêem tantos prédios com mais de 10 andares, lá em baixo há muito mais (em quantidade e em altura). Com o aumento da população o compasso tem mais grupos para chegar a todo o lado (embora haja menos gente a receber), por isso acho que o Padre nunca entrou em nossa casa, estaria noutro grupo, provavelmente.
    Das minhas tradições fazem parte receber o compasso, dar o ramo ao padrinho (com a madrinha fui perdendo o contacto ao longo dos anos) no domingo de ramos e receber o folar na Páscoa – isto sem sentido literal, eu não lhe dou flores nem ele me dá um folar comestível, mas antes coisas que ambos apreciemos/precisemos: livros, roupa, etc. Fui habituada a não comer carne na quarta-feira de cinzas e em todas as sextas-feiras da Quaresma – algo que, posteriormente, alterei, pois não considero comer carne um pecado, adapto para coisas que sejam mais custosas, como conheço quem não coma chocolate ou ouça música. No domingo de Páscoa comemos cabrito ou borrego assado – prato típico do dia, o que muita gente não o por não apreciar ou não saber preparar. Por acaso nunca tive a tradição de roupa nova, a não ser que em miúda a minha mãe me vestisse sem eu reparar ou associar :D Mas penso que saberia se assim fosse. Agora… mesmo que alguém não seja religioso ou sendo tenha perdido estes hábitos, confesso que estranho que nem sequer os saibam! Achei que mesmo havendo zonas mais ou menos tradicionais, isto fizesse parte da “cultura geral” religiosa das pessoas :P

    ResponderEliminar
  29. Somos um país pequeno mas grande e extenso em singularidades. Isso do compasso pascal, penso saber o que é, de ver nos filmes! eheheh
    Aqui no alentejo penso que não haja nada dessas coisas.

    ResponderEliminar