terça-feira, 19 de maio de 2015

Facto (indiscutível)

De vez em quando, espanto-me com algumas coisas que leio por aí.

Se, de vez em quando, tirássemos uns minutos do nosso dia para apreciar o amor absolutamente altruísta que os animais nos dão, podem ter a certeza de que éramos pessoas mais felizes e com o coração mais preenchido.


Já participaram no passatempo que está a decorrer no blogue, para ganharem um cabaz para cão ou gato? Aqui.

71 comentários:

  1. Podes crer. Muito mais do que podemos esperar dos nossos semelhantes. :)

    ResponderEliminar
  2. Os animais conseguem ter a "frase certa" mesmo sem falarem! :)

    ResponderEliminar
  3. Não há dúvidas, têm por nós um amor incondicional, cá em casa fazem parte da família.

    ResponderEliminar
  4. Concordo em absoluto. Faço grande uso do cliché, quanto mais conheço as pessoas mais amo os animais. Os meus então, é um amor indescritível.

    ResponderEliminar
  5. Mas as pessoas têm todas de gostar de animais?
    Há coisas que não se fabricam e o amor, seja pelos animais seja pelas pessoas, é uma delas.
    É preferível a honestidade do que o falso pretensionismo.
    Eu, por exemplo, simplesmente não sinto esse amor por eles. Não sinto e ponto final. Não dá para fazer um esforço para gostar, ou se gosta ou não. Desde que não se maltrate os animais e se respeite quem pensa de outra forma, está tudo bem.
    Ou estaria, se as pessoas não fossem tão fundamentalistas e quisessem obrigar toda a gente a pensar e a sentir como eles.
    Liberdade de expressão só serve quando convém.
    Manuela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você não tem de gostar de nada, nem ninguém a impediu de se expressar. Mas que é estranho, lá isso é.

      Eliminar
    2. Eu acho estranho que as pessoas tratem melhor animais que muita gente. Nada em contra dos animais, pelo contrário, quero-os bem tratados e felizes. Mas acho estranho criticar uma pessoa que sinceramente diz que os animais não são bem a sua onda. E ainda acho mais estranho dizer-se que mais facilmente se salvava um animal que um ser humano. Acho estranho que haja gente com velhinhos maltratados em casa e que tratam os animais maravilhosamente e chamam "estranhos" a quem não gosta precisamente de animais.
      Não gostar de animais não quer dizer que se queira que os animais morram, ou sejam maltratados, simplesmente há pessoas que não sentem esse apelo, como há pessoas que não sentem o apelo para ter filhos, ou para ser avós, ou para viajar, ou para o que seja.
      Todos diferentes, ninguém mais estranho que os outros.

      Eliminar
    3. Estanho? Estranho porquê? Há algo no nosso código genético que diga que todo o ser humano sente empatia imediata com animais? Não. Não há.
      Eu podia dizer-lhe que acho estranho alguém conviver alegremente com 4 gatos e 1 cão num apartamento. Que acho. Mas provavelmente você responderia-me que não, não é estranho.
      Manuela

      Eliminar
    4. Subscrevo totalmente o comentário da Manuela. Não é estranho não gostar de animais. Estranho é concordar, aplaudir, assistir, não proteger, não denunciar, incentivar e/ou contribuir a qualquer tipo de maus-tratos sobre animais, isso sim. Mas são coisas diferentes. Eu, por exemplo, não gosto de animais. Tenho medo, no geral. E de cães muito especificamente. Não sei porquê, nunca fui mordida ou atacada, não tenho qualquer experiência traumática da infância, simplesmente é assim. Não gosto e evito qualquer tipo de contacto apesar de ser, com toda a certeza, completamente incapaz de lhes fazer mal. Sou estranha? Sou má pessoa, com base nestes factos? Não me parece, S*. Acho óptimo que se apoie a causa animal. Mas uma vida humana vale mais do que uma vida animal SEMPRE e em todas as circunstâncias (e nem venhas com a conversa do "aquele fez não sei o quê, não merece viver" porque não és nem somos ninguém para decidir isso). Portanto colocar um animal e um humano no mesmo patamar é, conceptual e moralmente, totalmente errado. E enquanto vidas humanas continuarem a ser tratadas como lixo, enquanto continuarmos a ignorar a desgraça alheia, a maltratar-nos, a não prestar auxilio a quem precisa...aí sim, deve residir a prioridade.

      Eliminar
    5. Anónimo das 19:28, eu cá não sou hipócrita. A maioria das pessoas é uma merda e os meus animais fazem-me muita falta. Não acho que ser humano nos torne superiores em absolutamente nada.

      Eliminar
    6. Portanto do teu comentário posso depreender que a vida dos animais vale mais do que a vida da "maioria das pessoas"? Que uma vida humana, uma vida com sentimentos, emoções, planos, projectos, recordações, uma vida com relações humanas, família e amigos vale MENOS do que a vida de um animal irracional (por muito que gostemos dele!) ?

      NINGUÉM está a insinuar que os teus animais não te fazem falta, NINGUÉM está a incentivar maus-tratos contra animais. Pára de ser obssessiva e de repetir o mesmo como um cd riscado. Mas daí a afirmar as coisas que afirmas...Procura ajuda. Algo de muito errado se passa na tua cabeça, na tua vida, na tua estratificação de valores.

      Eliminar
    7. Anónimo das 21:52, mas que falta de educação...

      Eliminar
    8. Desculpa lá, S*, mas o anónimo não foi mal educado. Simplesmente se limitou a expressar a sua opinião, talvez, de forma um pouco emotiva. Mas não te desrespeitou.

      E convinhamos... a forma como começas este post também deixa muito a desejar. A insinuação que fazes no início sobre "As coisas que lês por aí" é nitidamente um comentário pejorativo acerca de uma afirmação da Maça de Eva.

      Há uma coisa que tens de entender: as pessoas têm o direito de NÃO GOSTAR de animais, da mesma forma que tu tens o direito de não gostar de salada da mesma forma que gostas de um cozido à portuguesa, certo?

      E ainda bem que é assim: as pessoas poderem dizer o que sentem sem terem medo de ser julgadas.

      Agora, lembra-te disto: as pessoas que mais dizem gostar dos animais são quem os tratam pior. Os animais são abandonados por pessoas ou familias que dizem gostar deles ou cuidar deles e depois os largam qd já não dão jeito ou qd vão de férias.

      Por isso, deixem-se de hipocrisias: quem não tem animais e não gosta deles... não os trata mal. Quem o faz são os outros "os que gostam mais de animais do que de pessoas".

      PS: E sim, gosto de animais, tenho-os em casa, estimo-os e adoro-os, MAS compreendo e respeito quem nao aprecia e não os tenha.

      Eliminar
    9. Anónimo das 13, lamento mas não lhe admito que venha dizer para o meu blogue que os meus comentários são "nitidamente pejorativos" sobre quem quer que seja. Eu não comentei em lado algum o que quer que seja sobre posts recentes da Maçã. Deixe-se de invenções ridículas e de me meter em confusões que não são minhas.

      Eliminar
    10. Com que então pessoas que discutem qual vida é mais importante se a humana ou a animal. qualquer ser vivo é IMPORTANTE . seja ele um cão um gato ou ate uma lagartixa que anda pelo quintal. Nós fazemos parte de um ecossistema em que somos considerados os predadores numero 1 quantas especies já extinguimos que já cá andavam antes de nós? Caros anónimos cada um com a sua opiniao mas não me venham cá com estes discursos de importância.

      Eliminar
  6. Acho que sei do que falas... Se for o mesmo que eu li...

    ResponderEliminar
  7. Percebo o que dizes. Eu tenho animais, gosto deles e trato-os bem. No entanto, não consigo sentir esse amor de que falas. O meu gato procura-me quando tem fome, quando quer mimo. Outras vezes ignora-me. Se ele me ama? Não faço ideia! Ama a comida que lhe dou. Se gosto dele? Claro! Mas não estou à espera que me transmita amor como uma pessoa, que me ouça nos maus momentos, que seja altruísta e deixe a sua ida à caça para estar comigo quando estou sozinha. É um gato. Não lhe exijo sentimentos de pessoas. Eu não gosto dele por isso. Ele não substituí a companhia de um ser humano.
    Mas respeito e percebo perfeitamente que alguém tenha essa ligação com os animais! É óptimo.
    Eu não consigo ter. Não sou louca por animais, gosto dos meus e pouco mais. Não trato mal nenhum. Alimento gatos vadios. Mas sentir-me amada por um animal? Não sei mesmo o que isso é!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, talvez às vezes precisemos de querer ver o amor deles. A devoção que têm por nós é muito óbvia. :)

      Eliminar
    2. Acho mesmo que não é uma questão de querer ver ou não, S*. É mesmo algo que não sinto. Não sinto que os meus animais me dêem amor! Dão-me outras coisas, claro. Divirto-me com eles, anudam-me a distrair e relaxar, fazem com que esqueça alguns problemas.
      Acho super saudável a relação que tenho com eles. Que não é de amor, é de outra coisa qualquer!

      Só outra coisa, acho que, por vezes, quem gosta muito de animais acaba por não conseguir respeitar muito bem quem não gosta! E isso é mau. Pq não gostar de animais não define ninguém como pessoa. E o contrario também se aplica, há muitos amantes de animais que são uns verdadeiros filhos da mãe para as pessoas!
      Já pensaste que muitos dos teus anónimos de estimação podem estar a insultar-te, através de um PC, com o seu magnífico gato ao colo?
      É assim. Há que. Goste e quem não goste. Desde que não se trate mal, está tudo bem!!

      Eliminar
    3. Anónimo das 13:59, e eu disse que tinham de amar perdidamente os animais? Não disse. Mas quando se partilha a vida com eles, parece-me estranho não lhes ganhar amor. :)

      Eliminar
    4. Não, S*. Ninguém tem de amar perdidamente os animais. Mas não sentimos todos da mesma forma. Eu gosto deles, mas não os amo, nem acho que eles me amem a mim! ;)

      Eliminar
    5. Os comentarios anteriores tb são meus. Só que não me tinha apetecido fazer login. :)

      Eliminar
    6. um quarto para duas, não disse amar perdidamente. Mas vais dizer que não é suposto ganhar afecto pelo animal que adoptas ou compras? Então... para que o "arranjas"?

      Eliminar
    7. Claro que sim. Mas ganhar afecto não é amar! Era isso que estávamos a falar. Aliás, nem era bem isso. Era sobre os animais nos amarem incondicionalmente a nós. E é isso que eu não sinto. Nunca disse que não gostava dos meus animais, que não fossem especiais, que não me façam sentir bem. Só não sinto que seja amada por eles, percebes?
      Eu não te estou a julgar, nem a atacar. Acho óptimo que tenhas essa relação com os teus animais, que sintas tudo isso em relação a eles.
      Só te estou a dizer que nem todos sentimos igual. E isso não nos torna piores ou melhores.
      Nunca tratei mal um animal. Nunca o faria.

      Eliminar
    8. um quarto para duas, sim, eu também não digo que tenham de AMAR os animais, mas ter-lhes muito afecto. :) Eu amo os meus animais, mas isso sou eu, que adoro ter uma relação mesmo muito próxima com eles. Mas até eu percebo que duas das minhas gatas não nos passam grande cavaco... ;)

      Eliminar
    9. Pois é exactamente isso. Depende de nós e depende do animal.
      Claro que sinto afecto pelos meus animais, se não não os tinha comigo. E até te posso dizer que me acho mais feliz por os ter.

      Eliminar
  8. E somos todos obrigados a gostar de animais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Mas porque não gostar de alguém que gosta de nós?

      Eliminar
    2. Em resposta: porque não. Não me diga que se sente compelida a gostar de todos os que gostam de si. Por essa ordem de ideias, temos de gostar de alguém que goste de nós. Mesmo que não gostemos. Ainda gostava de descobrir como se faz isso...
      Segundo, esse 'alguém' referindo-se a um animal é altamente discutível.

      Eliminar
    3. Eu não gosto porque já me deixaram marcas no corpo, porque me fazem espirrar e coçar, porque são imprevisíveis, porque cheiram mal, porque todas as casas com gatos têm um cheiro específico que odeio, porque comem cocó e lambem rabos (e depois dão beijinhos: NOJO). Não está escrito em lado nenhum que sou obrigada a amar animais. Não lhes desejo mal e revolto-me contra quem os maltrata. Mas na minha casa não entram!

      Eliminar
    4. E já agora porque é que amas tanto os gatos e os cães e não as vacas, porcos e frangos??
      Não são todos animais??

      Eliminar
    5. Anónimo das 19:36, não me venha com essa conversa porque eu estou farta de responder o mesmo: matar para comer é normal, todos os animais o fazem. Matar para torturar ou para nosso gosto, como nas touradas, é o que me repugna.

      Eliminar
    6. Anónimo das 1934, então viva numa bolha, para não ser importunada.

      Eliminar
    7. Anónimos do "alguém", recuso chamar "algo" a um animal. Não são coisas.

      Eliminar
    8. Então coma cães e gatos, já que é normal matar para comer e uns animais não são mais que outros

      Eliminar
    9. Vivo na minha casa como EU quero e ninguém tem de me julgar por não gostar de animais na MINHA casa! Tal como eu não a julgo por ter animais na sua

      Eliminar
    10. E os que pões no prato são "algo" ou são "alguém"? Dado que "matar para comer é normal"

      Eliminar
    11. Anónimo das 21:28, esteja à vontadinha. Mas eu tenho direito a ter a minha opinião sobre isso.

      Eliminar
    12. Oh S*! Oh S*! Então a anónima das 19:34 diz que já foi atacada e que é alérgica e tu dizes-lhe para viver numa bolha?! Nop! Nop! Pondera essas tuas respostas por favor!

      Eliminar
    13. Por acaso não tens direito a ter opinião sobre o que as pessoas metem em casa... Ou é obrigatório para se ser boa pessoa ter um animal? Quem não tem, não tem capacidade de amar, é isso?
      Tu podes ter os animais que quiseres, óptimo! Mas tal como tu tens esse direito, as outras pessoas têm o direito de não ter nenhum animal, seja porque não têm condições ou porque não querem.

      Eliminar
  9. Sei que os meus cães gostam de nós, e eles sabem que gostamos deles, sentimos isso a cada momento. Ninguém é obrigado a gostar de animais, basta respeitá-los como seres sencientes e não considerá-los mercadorias.

    ResponderEliminar
  10. Tu podes querer acreditar que é amor, eu posso pensar que eles apenas querem as suas necessidades satisfeitas. Não temos todos de acreditar no mesmo, e não temos todos de gostar de animais da mesma maneira, desde que não se maltrate, não vejo mal ao mundo simplesmente não gostar.

    ResponderEliminar
  11. Está cientificamente provado que os animais têm sentimentos, estou contigo (;

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente, todos os animais, inclusive os porcos, vacas, coelhos... e a teoria de que que matar para comer não faz mal não é válida, porque a grande maioria das pessoas se tivessem de matar os animais que comem eramos quase todos vegetarianos.

      Eu tenho uma grande empatia com alguns animais, mas não tenho por outros, tipo as aves. Até tenho algum medo, nem sei porque. Tinha um tio que tinha um papagaio e fazia-me cá uma confusão estar na mesma sala que o bicho... Mas respeito todos, nem aranhas mato. Mas também não acho estranho que haja quem não goste de nenhum, desde que não os maltrate não acho que signifique nada.

      AnaC

      Eliminar
    2. AnaC, essa de não gostar de nenhum ser normal, peço desculpa, não me convence. Se lidamos com um animal diariamente, penso que o natural seria gostar dele. Mas se não lidamos com animais, então aí está bem, não somos obrigados a gostar do que não conhecemos.

      Eliminar
    3. Já há uns tempos dei este exemplo, e acho que foi aqui no teu blog. Eu tenho uma amiga que é daquelas que é extremamente bondosa com tudo e todos, e ela não gosta de animais. Há uns tempos atropelaram um cachorrito à porta dela, e ela, como boa pessoa que é, levou-o a veterinário, pagou todo o tratamento sozinha, ficou com o cãozito em casa até ele ficar bom, e depois deu-o a quem queria efetivamente ficar com ele. Porque ele não queria. Só fez aquilo porque foi o que a sua consciência mandou.
      E agora? É boa pessoa ou não?

      AnaC

      Eliminar
    4. Por acaso,vivo com uma cadela Chihuahua há sensivelmente 10 anos (é da minha mãe e da minha irmã) e continuo a sentir exactamente o mesmo: nada!
      Volto a dizer, mais uma vez, que o amor e a empatia não se forçam. Ou se sente ou não.
      É um bocado estranho que alguém não consiga compreender algo tão básico.
      Manuela

      Eliminar
    5. Se vivesses com o meu rafeiro mudavas de ideias, feio, orelhudo, desengonçado... Mas dá uns abracinhos! Só me apetece ganir:)

      Eliminar
    6. Assim se vê como as coisas são relativas. Eu, sendo uma pessoa de gatos, acho na generalidade os rafeiros muito mais engraçados e giros do que a maioria dos cães de raça, principalmente os da moda, como bulldogs franceses, etc. Acho cães como pastores alemães e labradores absolutamente adoráveis. E acho chihuahuas e pinchers feios, fazem-me impressão tão pequenos e nervosinhos, alguns parecem ratazanas. Mas pronto. obviamente nunca lhes faria mal algum, se vir algum na rua não me gera qualquer empatia, lamento a sinceridade. Se calhar, se alguém próximo tivesse um com que convivesse regularmente até poderia ganhar empatia àquele em específico.
      A minha melhor amiga teve uma caniche por muitos anos, acompanhei-a na dolorosa perda. Infelizmente nunca consegui adorar a cadela, era daquelas que só gosta da dona e agressiva com todas as outras pessoas. Nunca tive problemas porque sabia desses limites, mas pronto, nunca lhe ganhei amor nem afeição, tinha alguma empatia provavelmente por saber o amor que a minha amiga lhe tinha e o quanto lhe custou a perda. Depois ela adoptou uma rafeirinha que faz as delícias de toda a gente: é linda, inteligentíssima, sociável, meiga, daquelas que toda a gente que passa por ela na rua fica encantada. Enfim, acho que a questão de ser de raça ou rafeiro não obriga em sim a que o cão seja mais isto ou aquilo, até porque sobretudo a nível de padrões de beleza não há nada que difira mais de pessoa para pessoa.

      Eliminar
    7. JoanaS, eu amo todos os cães, todos os gatos... e a minha família sempre teve uma raça: o pastor-alemão. Lindos, fortes, inteligentes, fiéis, guardiões do lar e da sua família. No entanto, eu, para mim, sinto-me melhor ao adoptar. Sinto-me, de certa maneira, feliz por adoptar uma patudo sem família. Evidentemente que também existem cães de raça abandonados... e merecem o nosso amor da mesma forma, não é isso que está em discussão. Mas sabendo que existem tantos sem família, sou incapaz de pagar para ter um. Prefiro adoptar, amo e ajudo ao mesmo tempo.

      Eliminar
    8. Eu amo os meus, do fundo do coração! Tal como tu sou defensora da causa animal e sobretudo da adopção. Até tenho feito um esforço por reduzir o consumo de carne, acredito que vivemos em cadeia alimentar mas não ignoro a forma como alguns animais são tratados no processo de os tornar bens consumíveis - não pretendo tornar-me vegetariana, mas tenho optado por equilibrar, até porque consumir demasiada carne também não faz bem. Aparte isto, o que quis dizer com o meu comentário anterior é que não necessidade de falar da questão da raça e mesmo sendo defensora da causa animal não vou dizer que acho todos os cães e gatos do mundo lindos - mas isto não quer dizer não gostar deles! Comovo-me imensamente com animais com deficiência, por exemplo, e até já tive uma gata adoptada precisamente por esse motivo - porque ninguém lhe "pegava". Eu olhei para ela além do "defeito".
      Por isso sinto-me no direito de dizer "é tao feiinho, coitadinho", mas não quer dizer que não vá gostar do gato ou do cão! Exemplo: acho os persas feios. Aquilo não é focinho de gato. muito menos sabendo que isto foi resultado de um apuramento genético de raça para satisfazer os padrões de beleza de uns senhores muito sábios, e que traz muitos problemas de saúde aos animais. Deves conseguir encontrar facilmente na net um documentário da bbc sobre o Kennel Club, uma organização inglesa que dita os padrões de beleza dos animais - chegam a acontecer atrocidades como "pastores alemães brancos estão fora dos padrões exigíveis" e quando surge um numa ninhada, o destino dele é a morte (isto foi mais um aparte, desculpa).
      Só fiz esta destrinça entre cães e gatos porque os gatos no fundo, a nível de aspecto, forma, tamanho são muitos mais uniformes, e nos cães há uma variedade infinita.
      Retomando e concluindo: eu sou tola por gatos, se vejo um na rua pareço uma criança (estou quase com 30 anos...) e se vir um Chihuahua não me entusiasmo, é só isso, não lhe faço uma festa só porque é um cão, só porque não os acho giros. Mas se calhar se alguém conhecido tivesse um, provavelmente (se ele fosse sociável xD) até ia ganhar afeição! Não consigo achar todos lindos, mas não me preocupo menos com eles por isso. É quase como com as pessoas, acho que não somos obrigados a adorar toda a gente só porque são do nosso sangue - há muita gente má no mundo, e essa gente também tem família, mas não passam a ser óptimos só por serem do nosso sangue. Mas não deixo NUNCA de fazer a minha parte pela causa em questões de maus tratos e não só, independentemente do animal e da sua beleza.
      Eu percebo a origem do teu post, e também acho que se eu vivesse anos a fio com um animal, mesmo que não fosse meu, e até fosse tratando dele, seria muito difícil não lhe ganhar afecto. Até porque eles nos dão tanto em troca! E depois quem diz que não entra em muitas contradições, que não lhes faz mal, que acha que o sítio deles é lá fora (ok, mas isso impede de se afeiçoar, a sério?) e quando se viaja para outros continentes fica super giro tirar e publicar fotos com animais exóticos e/ou selvagens.

      Eliminar
  12. Concordo em tudo com você!

    http://www.jj-jovemjornalista.com/

    ResponderEliminar
  13. “Por que você ama uns e come outros?”.
    Para muitas pessoas é normal amar o cachorro, o gato e comer bois, vacas, galinhas e outros.
    Por quê?
    Esta é uma pergunta para se refletir, não é?
    O animal tem sistema nervoso. Ele tem sentimentos, sente dor, como nós.
    Nossa cultura aceita que um animal seja criado para ser abatido. Sim, come-se animais por uma questão cultural. Isto significa que a sociedade aceita que este animal será desmamado precocemente, separado da sua mãe, receberá ração que o ajudará a ficar pronto para o abate em menos tempo e deixar a carne mais macia para o consumo, além de receber muitas vacinas e antibióticos

    ResponderEliminar
  14. Olha, acabei de escrever um post sobre como as galinhas são tratadas...
    :(

    ResponderEliminar
  15. Não podia concordar mais contigo.

    ResponderEliminar
  16. São os nossos melhores amigos *-*

    beijinhosss

    ResponderEliminar
  17. Eu não acho o facto assim tão indiscutível quanto isso. :)

    1. Eu gosto de cães mas não gosto de tooodos os cães. Não suporto os mais pequeninos. Acho-os irritantes, stressam-me, têm latidos que me irritam os ouvidos e não confio neles. Gosto de cães grandes, mas não me perco assim tanto de amores por aqueles que são autênticas torneiras de baba. Dou-me com uma família com um pequeno cão e um golder retriver e desde o 1º minuto que não gosto do cão pequenino por muito que ele ande à minha volta. É como as pessoas: dou-me com várias e não gosto de todas, por muito que algumas até gostem de mim.

    2. Conheço um caso de um rapaz que quando era criança a própria mãe admitia notar que a criança não lhe tinha amor. Era bem-educado, cumpria as regras mas notava-se que ele via na mãe apenas mais um adulto com a vantagem de lhe dar comida e um tecto. Hoje já adulto nota-se que gosta da mãe, não há dúvida. Mas eis um exemplo de uma mãe que não podia chegar ao fim do dia e pensar no amor que o próprio filho lhe tinha. Com os animais é a mesma coisa: nem todos olham para o dono com amor. Há muitos para quem os donos são aqueles seres que lhes dão tecto e comida, ponto.

    3. Concordando contigo em relação ao "animais para comer são diferentes de animais de estimação", a questão é que para ti quem não gosta de cães e gatos tem um problema qualquer, assumindo que apenas estes animais são animais domésticos. :) Mas há quem tenha cobras, aranhas, iguanas....E não te vejo a ter um amor especial por estes animais. :) Se alguém te tentar convencer que a aranha que lá têm casa é de uma ternura imensa e que se nota que adora o dono, tu convences-te? Olha que a mim já me chegaram a dizer que os peixinhos no aquário de um amigo ficavam mais felizes quando viam o dono. :D

    4. O Jack por exemplo adora pássaros. Eu também gosto mas em liberdade. Custa-me ter pássaros trancados em casa. Para o Jack são animais domésticos e estão em gaiolas da mesma forma que os gatos podem ser vadios ou então estar em casa. E eu não acho que ele esteja errado. Mas eu também não estou. Temos é perspectivas diferentes. E por isso não quero ter pássaros em gaiolas. E ele não quer um gato porque não gosta muito de gatos. E eu não quero um cão, embora adorasse, mas para mim cães de porte médio/grande não devem viver em apartamentos.

    5. Pegando nesta última frase, eu posso achar um facto indiscutível que qualquer pessoa que goste de animais não enfia um cão e quatro gatos num apartamento ;), mas para ti isso seria bastante discutível, suponho. :) São perspectivas diferentes. Nalgumas coisas eu e outras pessoas concordaram contigo, noutras não. E noutras suponho que eu, tu e qualquer pessoa com 2 dedos de testa concordaremos. Mas neste caso, o ponto do "amor pelos animais/amor dos animais" é discutível. Bom, na minha opinião, claro. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tété, peço desculpa, concordo com toda a tua análise, mas NÃO é isso que está em discussão. O que está em discussão é o facto de algumas pessoas (muitas, infelizmente, a ver pelo número de animais abandonados) conseguirem viver meses, anos, com animais e não lhes ganhar amor. Desculpa, mas parece-me indiscutível que isso não é normal. Se partilhas a vida com um animal, ele acaba por fazer, de certa forma, parte da família.

      Eliminar
    2. Em primeiro lugar deixa-me ali fazer uma pequena correcção no meu texto porque quase me iam saltando os olhos quando vi o erro estúpido que tinha escrito: no ponto 5 a a frase correcta é "Nalgumas coisas, eu e outras pessoas concordarão....."

      Bom, eu acho que ligas duas coisas que não podem ser obrigatoriamente ligadas: juntas no mesmo saco as pessoas que não ganham amor aos animais e aquelas que os abandonam. O Jack já teve pássaros quando ainda não vivíamos juntos, um deles foi oferecido por mim, ele adorava o raio dos bichos, já eu convivi com eles durante anos e não ganhei amor nenhum por eles. Ajudava a tratar deles mas não lhes tinha amor. Mas nunca me passou pela cabeça abrir-lhes a gaiola e deixá-los fugir porque não faço ideia se sobreviveriam sozinhos depois de anos numa gaiola. Bom, e por consideração ao Jack.

      No caso do cão pequenino que te falo, eu não gostava mesmo dele. Não era não sentir amor, era realmente não gostar. Ele não me era indiferente, como os pássaros do Jack, já que eu olhava para ele e sentia-me irritada. Ainda assim andei à procura dele quando decidiu fugir de casa, dava-lhe algumas festas quando ele à força conseguia vir para o meu colo e sentia-me verdadeiramente mal se lhe dava algum pontapé ou o pisava (raio do bicho que não me largava os pés enquanto eu andava). Convivi durante anos com este cão, várias vezes por semana, mas não lhe ganhei qualquer amor. E posso dizer-te que a dona gostava dele mas que o dono tinha o mesmo sentimento que eu: tratava dele, alimentava-o, dava-lhe todo o conforto mas admitia que não gostava assim tanto do bicho. E não é uma pessoa incapaz de gostar de animais porque do outro cão que têm ele gosta bastante. :) Nunca nos passou pela cabeça abandonar o cão pequenito ou maltratá-lo, por isso acho realmente discutível a ideia de que 1) quem vive com animais e não lhes ganha amor é capaz de os abandonar e 2) que não é normal lidar durante anos com animais e não lhes ganhar amor. :)

      Não gosto mesmo de comparar pessoas com animais, mas neste caso acho mesmo que é isto: não é por conviveres com uma pessoa diariamente que passas a gostar dela. E refiro-me mesmo a membros da família. Não digo que os odeies mas não é obrigatório que passes a sentir amor por essas pessoas.

      Eliminar
    3. Deixa-me acrescentar que não estou a tentar mudar a opinião de ninguém. Tu e eu temos perspectivas diferentes sobre vários pontos e não tenho de todo o objectivo de, com esta troca de argumentos, levar-te a dizer "Sim, Tété, tens toda a razão". Eu vou continuar com a minha opinião e tu vais continuar com a tua, e isso para mim não tem nenhuma problema e acho mais do que normal. Estou a argumentar contigo apenas e só no sentido de dar a conhecer um ponto de vista diferente. :)

      Eliminar
    4. Lá em casa sempre viveram galinhas, coelhos e porcos, e sim, fazem parte da familia.... para serem comidos :D

      Eliminar
  18. Há pessoas muito más que tem animais. Há pessoas boas que não tem animais.
    Há de tudo.
    Quem gosta muito de animais por vezes não percebe que há pessoas que não sentem o mesmo. O que não quer dizer que não se respeite os animais.
    Ninguém é estranho por não gostar de animais!

    Outro exemplo: Posso gostar muito de crianças e optar por não ser mãe.
    Sou estranha por decidir a minha vida desta forma? Não.
    Sou pior pessoa porque não quero ter crianças? Não.
    As pessoas não são todas iguais.
    Para uns é estranho não ter animais, para outros é estranho ter imensos animais em apartamento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo das 6:47, ter muitos animais num apartamento só é estranho se não tiverem espaço e condições. Felizmente, o meu tem espaço, condições, e muito amor.

      Eliminar
    2. nota-se pelas fotos...

      Eliminar
  19. realmente eles ensinam-nos tanto de como amar sem pedir nada em troca. basta-lhes uma malga de água fresca, uma tigela de comida e uma cama, e ás vezes coitados são tão maltratados e mesmo assim adoram os donos.

    ResponderEliminar
  20. Cresci numa aldeia, sempre tive animais... que viviam no quintal, a solta e a correr por todo o lado. La em casa sempre colocamos fronteiras, ou seja os cães e os gatos não entram nos quartos nem na cozinha, e isso nunca nos impediu de os adorar e conviver felizes com os bichos. Simplesmente não estávamos para limpar tudo a toda a hora para além do cheiro a cão e as vezes chichi de gato que fica por mais limpos que andem.
    Agora vivo num apartamento, adorava ter um quintal para poder ter ou um cão ou um gato, como não posso optamos por não ter. Gosto dos bichos, sou contra as touradas acho inclusive uma idiotice, mas pachorra para limpar pelos a toda a hora não tenho para além da confusão que o cheiro característico me faz.
    Temos de nos aceitar com os nossos limites e em relação a bicharada já percebi os meus~.

    ResponderEliminar
  21. Há pessoas que não são humanas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas são humanas, infelizmente... pena é não serem como os animais...

      Eliminar