domingo, 20 de julho de 2014

Hipocrisias

Se há coisa que me irrita são as hipocrisias familiares. Se alguém não nos amou, não nos acarinhou, não cuidou de nós... Pois que não podem estar à espera de ser amados, acarinhados, cuidados. E nem é uma questão de vingança - que eu não sou minimamente vingativa. Mas não pensem que obrigo o meu coração a gostar de alguém.

42 comentários:

  1. Estou completamente de acordo contigo. No meu casamento só vou ter as pessoas que estiveram sempre comigo, mesmo que tivesse mais dinheiro para gastar não iria convidar familiares só para "parecer bem".

    ResponderEliminar
  2. Concordo em absoluto... não sou nada dada a essas hipocrisias, e até sou verdadeira de mais a ponto de meter o dedo na ferida...

    ResponderEliminar
  3. Não sei se estarás a falar do teu pai (?) mas li isto e lembrei-me do meu. Durante anos fingiu que eu não existia. Chegou mesmo a negar em tribunal ser meu pai biológico, exigindo um teste de paternidade (tudo porque queria inventar qualquer coisa para não ter de pagar pensão de alimentos... enfim). E agora tenta aproximar-se e já manda mensagens de aniversário e natal, bla bla bla. Talvez por arrependimento? Ou porque está a ficar velho e não quer acabar sozinho? (Aposto mais nesta) Não sei e a verdade é que não me interessa. Não quero uma pessoa dessas na minha vida. Não é por partilharmos lanços de sangue que vou gostar dele.

    ResponderEliminar
  4. Ah eu teria tanto a dizer do meu pai, e da minha cunhada, uma autêntica réptil familiar, apenas porque tem muito dinheiro.
    Tens razão. E nem vale a pena falar de coisas tristes, é seguir em frente apenas.
    xx

    ResponderEliminar
  5. S* ainda hoje a minha avó dizia com tristeza que a nossa família somos apenas nós (eu e o meu irmão, os meus pais e ela) porque o resto das pessoas é uma corja de invejosos. Isto porque ontem no lançamento do meu livro alguns dos irmãos dela disseram que vinham e depois não meteram lá os pés, naquele que é um dos momentos mais importantes da minha vida. Não obstante enchemos a Fnac com os amigos, esses sim a família que escolhemos. Mas entristece-a pensar que supostamente as pessoas que mais se deveriam apoiar são precisamente aquelas que ficam a remoer e a disfarçar, só porque as vidas delas não correm como gostariam. Infelizmente já nada disto me surpreende a mim, e aliás foi uma das razões porque decidimos casar desta forma: assim convidámos as pessoas que são realmente importantes para nós e que acima de tudo nos querem bem, independentemente de serem família ou não. De resto é para o lado que eu durmo melhor: felizmente não falta quem me faça sentir amada e o resto é sorrir e acenar ;)

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  6. Bem verdade. Se alguém não é capaz de me dar aquilo que pede, porque irei eu fazê-lo?

    beijinhos*
    http://brancadeneveeos7batons.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. O coração nunca pode ser obrigado! Para o bem e para o mal... Por isso é coração e não razão.

    Beijinhos Marianos, S*zinha! :)

    ResponderEliminar
  8. Hipocrisia é um veneno que corrói a alma de quem sente, mas também corrói a quem a destina. Triste realidade, a dos seres aprisionados.

    ResponderEliminar
  9. Sou como tu. Mas, no meu seio familiar, neste momento sou do contra: nao tomo partido em guerras. No geral, sei que a minha familia não me aprecia muito, por isso tambem os procuro pouco.

    ResponderEliminar
  10. Ora aí está! Faço minhas as tua palavras. A minha familia também sofre desse mal, mas eu não me esqueço do mal que me fazem e por isso não posso simplesmente gostar de uma pessoa de um dia para o outro!

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  11. Infelizmente, tenho alguns casos assim na família.
    Concordo contigo, não deveremos obrigar o nosso coração a gostar de ninguém, muito menos quando esse alguém nos ignorou durante tanto tempo.

    ResponderEliminar
  12. eu também não acredito minimamente na chamada ditadura do sangue, o respeito e o amor conquistam-se, não são apanágio de sangue ou do que quer que seja, quem quer ser amado tem de amar.

    ResponderEliminar
  13. ...e fazes muito bem! Gostamos de quem gostamos e não somos obrigados a fazer o contrário!
    Bem, se não gostares da minha presença, paciência, ficamos mesmo assim. ;)

    ResponderEliminar
  14. Como te compreendo. A mim custa-me que aqueles que me faltaram quando mais precisei (e estou a falar de toda uma infância), agora reclamem se não ando com eles ao colo. Sou paciente, tento fazer o meu melhor, mas não sou hipócrita e não finjo o que não sinto.
    PS: quando me casei foram mais os amigos do que os familiares presentes. Fizemos questão de só ter presentes pessoas de quem realmente gostamos.

    ResponderEliminar
  15. Eu também não consigo fingir o que não sinto - nem quero, aliás! Quem está mal, muda-se; eu quando me vejo nessas situações, ou mostro desagrado e todos percebem ou afasto-me e nem interfiro. Falsear é que não!

    ResponderEliminar
  16. tipo aquelas pessoas que passam um inferno na infância mas depois dizem que os pais eram pessoas muito boas, que os amava muito. Ó por favor, as coisas são o que são. E não é por ser família que temos que gostar de toda a gente, muito menos de quem não nos trata bem ou com respeito.

    ResponderEliminar
  17. Também odeio, não compactuo com isso, nunca mais.

    ResponderEliminar
  18. O tempo encarrega-se de normalizar as relações. Seja o positivo, negativo ou para o neutro.
    Se a não for uma relação positiva, o neutro acaba por ser bom. O negativo tenta-se afastar...

    ResponderEliminar
  19. Algumas pessoas da família exigem de mais quando dão muito pouco a nível sentimental, depois queixam-se de estarem sempre sozinhos...

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  20. Pois é... a família! A minha é óptima: eu escolhi para família os meus amigos. Poucos mas BONS!!

    ResponderEliminar
  21. Faz todo o sentido que assim seja mas há pessoas que exigem sempre mais do que aquilo que dão...

    ResponderEliminar
  22. Não é assim tão linear.
    Claro que pode esperar porque alguns nem sequer percebem que foram negligentes. E com a idade a avançar não só esperam como exigem e cobram.

    ResponderEliminar
  23. O afecto é instintivo e natural...

    ResponderEliminar
  24. Faz todo o sentido pelo menos para mim penso como tu :)

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  25. Penso assim. Tal e qual.
    O amor é reciproco. Quem não recebeu amor dificilmente consegue amar, apenas porque "é da familia"..

    ResponderEliminar
  26. Não penses no que não te deram, pensa em só fazer o bem. Alguém disse: o bem que fazes ao outros não é entre ti e os outros, mas sim entre ti e Deus.
    Lê o livro "O poder" de Rhonda Byrne.
    Bj,
    Adriana.

    ResponderEliminar
  27. Na minha opinião familia é para ser amada, cuidada e acarinhada sempre.
    E isso torna-se automaticamente reciproco.
    Bjinhos ♥
    http://sarranheira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  28. Sejam familiares, sejam geográficas. Quem nunca teve um conhecido da terrinha que, quando vos vê numa outra cidade ou até país, estica os braços e grita em bom som o vosso nome, como se sempre tivesse sido o vosso melhor amigo?

    ResponderEliminar
  29. Este post assenta-me que nem uma luva... como te compreendo.

    ResponderEliminar
  30. Também tenho relações familiares complicadas e sei do que falas. Força! :)

    http://miscelaneathesecond.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  31. E ainda há uns que em vida nunca fizeram nada por nós e depois de morrer há sempre os ex-beneficiados que acham que eles agora "estão lá em cima a zelar por vos".
    Não tiveram tempo enquanto estavam cá em baixo? eheheheh

    ResponderEliminar
  32. Ora nem mais! Sobretudo no que toca ao ADN. Andam aí depois a querer milagres e bem pareceres.

    ResponderEliminar