segunda-feira, 17 de junho de 2013

Tema do dia: greve dos professores

Não pretendo escrever muito sobre a greve dos professores, porque acho que é daqueles assuntos em que todos ralham e ninguém tem razão. Entendo perfeitamente os motivos pelos quais os professores fazem greve (apesar de ser da opinião que deveriam ter 40 horas de trabalho semanal, a serem cumpridas na escola), mas também entendo que os alunos são a prioridade. Ou deveriam sê-lo, sempre.

75 comentários:


  1. Já te disse alguma vez que gosto de ti?
    Acho que já... mas apeteceu-me dizê-lo de novo!


    Beijinhos
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. S*, venham as 40 horas na escola! Nem mais nem menos, nem dentro nem fora dela. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, se cada professor só trabalhasse 40 horas, seriam precisos muitos mais do que existem atualmente!

      Eliminar
  3. Concordo com cada palavra que escreveste!

    ResponderEliminar
  4. Ou seja, e uma vez mais, nao es peixe nem carne...um día gostaría de ler um post teu, em que realmente tomes uma posicao em relacao a um assunto e que a defendas.

    Alexandra

    ResponderEliminar
  5. S*, só quem não está por dentro do sistema te poderá dar razão sobre as 40 horas de trabalho e, também, sobre a greve em dia de exame.
    No que respeita a 1ª questão, há quem trabalhe muito mais do que isso, como há quem trabalhe menos e dê, até, aulas de merda.
    Em todas as profissões há bons e maus profissionais (ou acreditas que todos os que gastam dias inteiros na net sejam melhores do que nós?), mas acredita, minha querida, que não é a imposição das 40 horas que vai tornar o ensino melhor.
    Torná-lo-ia melhor se essas 40 horas fossem suficientes para tudo o que se faz numa escola e o que tem que se fazer fora dela. Se servissem para diminuir o número de alunos por turma, em vez de o aumentar. Aí, sim, é que era maravilha! Turmas com menos alunos, trabalho mais eficaz e ainda tempo de fazer tudo na escola e vir de mãozinhas a abanar para casa.
    Sobre a questão da greve e do prejuízo dos alunos, é como tudo, na vida. Quando os médicos fazem greve, quem sai prejudicado?
    Os prejuízos de hoje são o caminho de amanhã de muitos destes jovens que não fizeram, hoje, exame por nossa causa(nossa, mas, essencialmente, do governo.)
    A escola só avança se nos forem dadas condições de trabalho.
    A escola e os professores deveriam ser mais respeitados. Ponto.

    ResponderEliminar
  6. Há mais coisas na vida do que trabalhar e está mais do que provado que quanto mais horas trabalhas, menos produzes.
    Os professores trabalham muito mais horas do que as 40 semanais: preparam aulas, corrigem testes, etc, e esta greve foi também a pensar nos alunos. Em defesa da escola pública, do ensino de qualidade para todos.
    O ideal seria nenhum aluno ter feito o exame nacional e nenhum professor ter furado a greve.

    ResponderEliminar
  7. Os alunos ficaram no meio de uma guerra que não tem culpa...

    ResponderEliminar
  8. eu compreendo os dois lados, por isso é mesmo difícil dizer alguma coisa sobre o assuntol

    ResponderEliminar
  9. É, também nunca entendi por que razão os professores não trabalham 40 horas por semana, como qualquer outra pessoa. Se houver por aí algum que me queira explicar, fico muito agradecida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara anónima, já foram expostos vários motivos...
      Provavelmente não lida de perto com nenhum professor e por isso mesmo não tem noção da quantidade de trabalho que é trazido para casa. Somando as horas que passam a preparar aulas, a corrigir testes, a elaborar relatórios e a preencher papelada,reuniões de departamento e afins, veria que as 40 horas semanais são largamente ultrapassadas. Alargar as 40 horas para os professores significa deixar este grupo profissional sem espaço para vida própria!!! Também eles, os professores, grupo que o governo tenta denegrir a todo o custo, têm vida pessoal, têm famílias, têm filhos e merecem ter tempo para eles, como qualquer outra pessoa.
      Sejamos razoáveis e solidários, afinal de contas é a qualidade do ensino dos nossos filhos que está em causa!

      Eliminar
  10. Eu por acaso até nem tenho estado a seguir muito as razões todas ao pormenor, no entanto acho que a altura da greve não é a melhor. Os alunos é que acabam por pagar sempre as favas... Acho ridículo que os alunos do privado todos tenham feito exame, e só alguns no público o tenham feito. Isto significa que quem trabalha no público se acha no direito de fazer greve ( e nem estou a pôr em causa as suas razões ),quem trabalha no privado obedece simplesmente a quem lhe paga, e quando não estiver satisfeito vai embora. Estão criadas as condições para cada vez mais haver um fosso entre o ensino privado e o ensino público.

    ResponderEliminar
  11. Sim, os alunos deviam ser sempre a prioridade. E o ministro da educação, como "professor", devia ser o primeiro a ter isso em conta. Mas parece que não. Parece que o exame que não podia ser adiado por 3 dias, pôde agora ser adiado por 15 dias.
    Enfim... pode ser que esta luta dos professores venha a terminar na "Praça Tahrir" deste governo.

    ResponderEliminar
  12. Os professores concordam com as 40h nas escolas.... desde que existam condições para fazerem o seu trabalho (salas calmas, para trabalhar, com computadores, etc, e não apenas uma sala comum - de convívio...).....

    ResponderEliminar
  13. ora nem mais, eu concordo com as greves (como luta de direitos) mas sim, os estudantes devem estar sempre em primeiro lugar! :)

    ResponderEliminar
  14. Não concordo com isso das 40h na escola. As aulas não se preparam na escola, nem os testes se fazem nem corrigem lá. Perde-se muito tempo com isso, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam.

    E não, não sou professora, mas conheço muitas.

    ResponderEliminar
  15. Estás a esquecer-te de todas as outras horas que os professores são obrigados a trabalhar em casa, não?
    Olha que no total são muitas para lá das 40!
    Bjs

    ResponderEliminar
  16. Os alunos deviam ser a prioridade dos professores, os passageiros deviam ser a prioridade da CP e da TAP, os doentes deviam ser a prioridade dos médicos... E todas estas pessoas deviam ser a prioridade do Governo, o que não se verifica. Infelizmente, para se fazer ouvir a voz de quem se sente injustiçado, alguém tem sempre de ficar prejudicado. Para que serviria uma greve que não tivesse impacto? Para o Ministro se ficar a rir e a dizer "olha, lá estão estes a fazer barulho outra vez"? Mediante as novas medidas que são impostas a esta classe, eles tinham todo o direito a esta greve. Cabe agora ao Ministério da Educação arranjar uma maneira de nenhum aluno sair prejudicado, já que não soube negociar com os seus funcionários. Abramos todos os olhos, o Governo que hoje acusou os professores de não se preocuparem com os seus alunos é o mesmo que aconselha os jovens recém-formados a emigrar.

    ResponderEliminar
  17. Também concordo com as 40h na escola!!!

    Era ver-me descansada a chegar a casa, sem ter nada para corrigir nem para preparar e sem preocupações. Até que enfim fins de semana inteirinhos para fazer o que bem me apetecesse e sem pensar no trabalho: nada de correções de composições, de problemas matemáticos nem exercícios, de fichas de gramática e interpretação, de corrigir testes, de preparar as aulas, preparar testes mais respetivas grelhas de correção e afins, fazer relatórios para a cpcj, relatórios para a psicóloga, relatórios só porque sim, o preenchimento dos registos de avaliação trimestrais, contactar com as diversas instituições pelos mais diversos motivos, todo o tipo de notificações para pais e encarregados de educação por isto, por aquilo e pelo outro................ ai que bom que era!!!!!

    E já não contabilizo os 140km diários para me deslocar para o meu local de trabalho, pois posso dar-me muito feliz por estar a trabalhar e ter um trabalho, que é tão ... mas tão bom aos olhos dos outros, só não entendo por que não o seguiram também ...


    Teria finalmente todo o meu tempo fora da escola para dedicar em exclusivo aos meus 3 filhos e marido. Boa!!!

    Que bom que é, falar-se do que não se sabe e acabar-se a fazer figuras ridículas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tita, e acha que é a única profissão prejudicada, é? Todos estão a ser prejudicados, mas alguns têm a faca e o queijo na mão, os outros não.

      Modere-se, que ninguém aqui lhe faltou ao respeito.

      Eliminar
    2. Tita, nem você nem professor algum ocupa 40 horas na escola a dar aulas. Se ocupassem as horas entre aulas a corrigir teste e planear aulas, escusavam de o fazer em casa. E todos sabemos que o periodo lectivo termina em Junho e recomeça em Setembro, sabemos das pausas na Páscoa, no Natal e mais algumas pausas interclares, e que as alegadas reuniões são atendidas por poucos. E quanto às deslocações, muita gente as faz. Há quem se desloque milhares de kms. para trabalhar.

      Eliminar
    3. Há professores a trabalhar bem mais do que 40 horas semanais entre escola e casa e depois há aqueles a trabalhar bem menos. Mas a Tita não referiu esses.

      Olhe eu trabalho 9 horas diárias em loja, ao fim de uma semana de 6 dias obrigatórios de trabalho são 54h em loja, fora os domingos em que também trabalho; e trabalho no mínimo mais 3h em casa. Ok que a loja é minha mas da última vez que vi ainda não morri. São ossos do ofício, quando optamos pelas nossas profissões já o sabemos de antemão.

      Eliminar
    4. Não, não sou a única a quererem prejudicar.
      Mas parece-me que é a esta profissão que se refere no seu post....

      Eliminar
    5. Bom, pelos vistos, no meio de tanta azáfama, ainda tem tempo para ler e comentar blogues...

      Eliminar
  18. Eu compreendo a luta deles. E não percebo porque é que as pessoas pensam que esta greve foi feita para prejudicar os alunos. Não foi. Mas, inevitavelmente, se a greve não tiver nenhum impacto, tb não tem sentido fazê-la. Penso que os alunos tb deviam compreender pq afinal a luta tb é para os beneficiar. Não sou professora mas dou formações e acredita que uma hora a leccionar implica umas duas a preparar. Beijinhos *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me que as pessoas acabam por se contradizer nos seus próprios argumentos. Quando dizem "se a greve não tiver nenhum impacto, tb não tem sentido fazê-la", fica implicito que a greve teve como intenção prejudicar os alunos, para criar impacto. Ou não?
      Então mas os professores (ou os sindicatos, melhor dizendo) estão contra o Governo ou contra os alunos? Os alunos fizeram-lhes algum mal? Então porquê prejudicar quem, por dever, tudo deveriam fazer para beneficiar? Porque não vão chatear directamente o Governo? Há tanta forma de o fazer.

      Eliminar
  19. As coisas não são tão lineares, como as pessoas que estão por fora pensam. Que venham as 40h semanais, se acabarem as horas a fio, que trabalhamos quando chegamos a casa. Era tão bom para os professores que essas horas chegassem, que chegassem a casa como a maioria do pessoal e esquece-se o trabalho. Se as horas não chegavam já há uns anos atrás, quando as turmas eram pequenas, como é que vão chegar quando as turmas são de 35 pessoas? Como é que os professores vão poder dar mais atenção aos alunos com dificuldades, quando cortam nos horários lectivos e mantêm os programas escolares?
    Sempre fui avisada pelo meu pai que me ia arrepender de ter vindo para esta profissão. Investi num mestrado, porque senti e SINTO que é a minha vocação. Adorei dar aulas, adorei trabalhar com alunos problemáticos. Mas não há lugar para mim nem para outros milhentos. Se eu tivesse dado ouvidos ao meu pai teria sido bem mais inteligente!
    Beijinho =)

    ResponderEliminar
  20. As coisas não são tão lineares, como as pessoas que estão por fora pensam. Que venham as 40h semanais, se acabarem as horas a fio, que trabalhamos quando chegamos a casa. Era tão bom para os professores que essas horas chegassem, que chegassem a casa como a maioria do pessoal e esquece-se o trabalho. Se as horas não chegavam já há uns anos atrás, quando as turmas eram pequenas, como é que vão chegar quando as turmas são de 35 pessoas? Como é que os professores vão poder dar mais atenção aos alunos com dificuldades, quando cortam nos horários lectivos e mantêm os programas escolares?
    Sempre fui avisada pelo meu pai que me ia arrepender de ter vindo para esta profissão. Investi num mestrado, porque senti e SINTO que é a minha vocação. Adorei dar aulas, adorei trabalhar com alunos problemáticos. Mas não há lugar para mim nem para outros milhentos. Se eu tivesse dado ouvidos ao meu pai teria sido bem mais inteligente!
    Beijinho =)

    ResponderEliminar
  21. tal como eu acho também...
    Naquilo que acho que têm razão é na mobilidade mas podiam não ter dado aulas durante o ano lectivo e não terem deixado para massacrar toda a gente agora no final. Isso sim, é que tinha sido.

    ResponderEliminar
  22. Eu sou da opinião que qualquer funcionário público deve trabalhar 40h tipo desde sempre! Nunca entendi porque nunca o fizeram até hoje.

    ResponderEliminar
  23. Nenhum professor tem 8hr de trabalho diário. Tem bem menos.
    Exactamente porque têm trabalho fora de aulas.

    Se não tivessem que trabalhar fora do horário, teriam as mesmas horas de trabalho que os comuns mortais.

    ResponderEliminar
  24. Se os professores trabalhassem apenas 40h por semana, havia muito teste corrigido fora de tempo, muitas aulas por preparar, muito papel (burocracia) por preencher, muitos Encarregados de Educação por atender, muitos apoios educativos por facultar... Não tenho a pretensão de dizer que os professores trabalham mais do que os outros profissionais de outras áreas, apenas digo que são sempre referidos como aqueles que têm mais regalias. Seria bom que a quem assim pensa, lhe fosse dado o "privilégio" de experimentar duas semanas de trabalho letivo e não letivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é porque nunca tiveste alguns professores meus, que demoravam mais de um mês a corrigir testes. ahahah Existem bons e maus em todo o lado.

      Eliminar
    2. Quem sabe se esses teus profs é que faziam bem? Se todos os professores APENAS trabalhassem as 35h ou 40h que se falam, nunca havia testes corrigidos de uma semana para outra!
      Se todos fizessem isso, podia ser que a opinião pública em geral compreendessse melhor algumas das lutas dos professores.

      Eliminar
  25. Ao contrário de muitas profissões, em que os trabalhadores não levam trabalho para fazer em casa, os professores não. Além da preparação das aulas, existem os testes para se corrigir e serem avaliados, existem a pesquisa por novos materiais de trabalho e por actividades que possam motivar os alunos, entre outras tarefas que exigem a nossa atenção fora do horário de trabalho. Pior ainda é quando temos alunos com "necessidades especiais", a quem temos de apresentar diferentes métodos de trabalho.

    Em relação ao porquê da greve ter sido nesta altura, apenas te coloco uma questão: está ou não está a ter visibilidade nacional? As pessoas estão ou não estão atentas ao que se passa, a ouvir os argumentos dos professores e a forma como o nosso Ministro da Educação lida com os professores?

    Por último, os alunos são efectivamente o mais importante. Mas, mais importante ainda, está a nossa sanidade mental. Portanto, se não temos condições para realizar um bom trabalho, como poderemos ser bons professores? Como poderemos lidar com os casos de violência física nas escolas, das agressões verbais às quais não podemos reagir? Como lidamos com o facto de termos uma turma de 30 alunos, sendo que alguns deveriam estar no ensino especial e outros tantos numa casa de correcção?

    Dêem-nos melhores condições de trabalho, valorizem-nos, apoiem-nos quando somos ameaçados ou o nosso carro é vandalizado. Motivem-nos, ouçam-nos. E aí sim, aí poderão falar que os alunos deverão ser a prioridade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa questão do excesso de alunos nas turmas é o que mais me indigna. É impossível trabalhar de forma igual com 15 ou 30 alunos.

      Eliminar
  26. Vamos por pontos:

    1 - Concordo que muitos professores trabalham mais de 40 horas por semana... mas outros não o fazem. Existem disciplinas e disciplinas (umas com imensos alunos, outras com poucos). Existem professores e professores - temos os bons, como em qualquer trabalho, e temos os maus. As 40 horas semanais serviria apenas para obrigar os maus a trabalhar mais. Os que já o fazem, honestamente, não vejo qual seria o problema. Claro está que precisam de ter gabinetes dignos para poderem trabalhar ou uma sala de professores como deve ser.

    2 - Não me venham com o argumento dos testes, que os testes são uma vez ou duas por trimestre. Os relatórios, a preparação de aulas, isso tudo é válido. Os testes não o são.

    3 - Eu também não tenho horário fixo. Uns dias trabalho as 8 horas, outros dias dou 2 ou 3 horas à casa. O mesmo se passa com os fins-de-semana. Contingências da profissão.

    4 - Quanto à greve, daí ter dito que não queria escrever muito sobre o assunto... Entendo que uma greve, para ter efeitos, tem de prejudicar alguém. Mas também sei o quanto a vida dos jovens que estão no 12º ano depende destes exames e uma carga de nervos não ajuda nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto aos testes, podem até ser uma ou duas vezes por período, mas quantas turmas cada professor tem?

      Eliminar
    2. Mesmo assim, mesmo assim... o argumento Testes não serve para todo o ano.

      Eliminar
  27. Achei uma completa idiotice esta greve. Não pelas suas razões, porque concordo que ela tivesse sido realizada, mas não concordo com a escolha do dia da greve, pois apenas prejudicou os alunos.
    Na minha escola uma parte dos alunos não fez exame e quase todos dos que não fizeram estavam preocupados e sentiam-se injustiçados e os que foram fazer o exame (o meu caso) sentiam-se ainda mais nervosos com esta situação, ou seja, os exames foram realizados num ambiente que não era adequado, já para não falar de escolas em que os alunos invadiram salas. Enfim, um caos! Até houve o boato de que na minha escola iam fazer exames na cantina (até apareceu no telejornal) -.- mas a cantina apenas serviu para o diretor da escola nos avisar de que alguns alunos não iam fazer exames.
    Eu só penso numa coisa: isto vai de mal a pior! E cada vez menos tenho esperança de que isto mude. Se eu há alguns anos achava que o ensino público tinha alguma qualidade, hoje já não penso isso. Não sei se foi por ele ter piorado ou se foi por eu me ter tornado mais consciente.
    Beijo :)

    ResponderEliminar
  28. S*,
    Os professores já trabalham mais de 40 horas na escola. Imagina o que seria se só trabalhassem essas 40 horas e mais nada....uma catástrofe.

    Sobre o resto que escreveste, nada tenho a dizer. Respeito sempre a tua opinião (e dos outros). Pagam sempre quem não tem culpa nenhuma. Mas sabias que houve professores que mesmo em greve estiveram nas escolas a tirar dúvidas aos seus alunos?

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JP, atenção que eu só estou a discutir as 40 horas semanais. TODA a gente trabalha 40 horas por semana... por isso, não entendo bem tanto protesto por quererem aumentar o horário dos professores de 35 para 40 horas. Se me dizes que trabalham assim tanto em casa (uns trabalham, claro, outros nem por isso...), pelos vistos até faz sentido aumentarem o horário de trabalho para o horário normal.

      Não concebo excepções. Por exemplo, os jornalistas também têm apenas 35 horas de trabalho por semana e eu não entendo porquê. Mas também não me chateio com isso, porque todas as semanas acabo por trabalhar as 40.

      Eliminar
  29. Sou contra esta greve, embora perceba perfeitamente os seus motivos. Mas incidir a luta numa altura decisiva para o futuro de muitos jovens, não posso achar correcto. Porque muitos poderão sair prejudicados por aqueles que efectivamente conseguiram tirar o curso superior: os seus próprios professores. Porque não tomar outras medidas? Barricar o ministro, invadir instalações... dá muito trabalho não é? Para além de achar que greve é estar no local de trabalho e recusar trabalhar, não é ficar no facebook o dia inteiro a reclamar, como sei de alguns.

    ResponderEliminar
  30. Quem perdeu com isto tudo foram os alunos, sem ter culpa de nada...

    ResponderEliminar
  31. Eu compreendo os professores mas sou da opinião que os alunos não têm culpa e que deveriam de fazer todos o exame

    ResponderEliminar
  32. O que me aborrece é ouvir-se constantemente a mesma conversa por todo o lado. Sim há os bons e os maus (também os conheço). Mas será justo levarmos todos por tabela???

    Mais seriamente. Sou do 1º ciclo (e também fiz greve ao exame de ontem e continuarei a fazer sempre que for convocada para tal, é verdade que tenho a sorte de, comparativamente, não ter uma turma grande: tenho 20 alunos, embora de 2 anos diferentes de escolaridade.
    Mas vejamos: desses 20, tenho 3 alíneas e) - uma menina estrangeira que sofre de mutismo seletivo, um menino estrangeiro com paralisia cerebral e um menino cigano com graves problemas de aprendizagem; tenho ainda 2 alíneas a),b) e d)- um menino com dislexia e um outro com graves problemas de d´ficit de atenção e concentração; tenho ainda outros 4 meninos ciganos que não percebem muito bem o que andam a fazer na escola nem para que serve.
    Ao todo, diariamente preciso portanto de preparar aulas, não para 2 níveis diferentes de aprendizagem, como supostamente se poderia pensar, mas para 5!!!

    Como se tal não bastasse, ainda recebi o bónus de ter sido "Convidada" a corrigir quase 50 exames de português do 4º ano.

    As 40h na escola, seriam um sonho!! Pois com toda a certeza não voltaria a levar trabalho nenhum para casa.
    E não contabilizei as horas de reunião de departamento, de escola e de ainda de pais e EE. De cada vez que tenho alguma, preciso de ficar 3 horas à espera que se inicie e para quem está a 70 km de casa é difícil esse tempo de espera e ter ainda uma viagem de quase 1 hora pela frente.

    No mínimo 2 vezes por mês saio de casa às 8h para só regresso às 22h.

    Estou cansada, muito cansada de ver o nome dos professores denegrido em tantas bocas.
    Felizmente que adoro os meus meninos e é com muita pena que provavelmente este ano foi o último em que estive com eles. Houve muitos beijos, abraços e choro no último dia com eles, mas as pessoas acham que não e vêem-nos como os culpados de algo, que ainda não entendi o quê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trabalhar cansa, não é? É uma canseira...

      Eliminar
    2. Tita, acho que ninguém vê os professores como malvados ou culpados. No entanto, acho normal que se discuta se esta foi a melhor forma de lutarem, visto que pode ter comprometido a vida futura de milhares de estudantes.

      Eliminar
  33. S* só uma coisa, não é por serem obrigados a estar 40h na escola que os profs que não trabalham vão trabalhar mais.

    S* em todas as escolas pelas quais passei, mesmo as remodeladas, não tinham instalações dignas para puderem estar a trabalhar 10 professores, quanto mais 50!

    Eu desesperava quando era obrigada a estar na escola para fazer as 35h semanais. Não tinha computador (tinha de levar o meu), não tinha net (tinha de levar a minha pen se queria) e não conseguia produzir o que produzia em casa.
    Resultado? Passava 35h na escola e depois TODOS os dias incluindo fins de semana tinha trabalho (de muitas e muitas horas!!) para fazer em casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ML, desculpa mas eu não consigo acreditar que todos os professores trabalhem 40 horas semanais, em casa ou na escola. Já tive muito maus professores, que não preparavam NADA para as aulas, que demoravam séculos a corrigir exames, que não se importavam com nada.

      Não entendo qual seja o problema de terem de cumprir 40 horas semanais dentro da escola - desde que criem salas dignas para tal. Sobre as outras questões, não me pronuncio, porque não sei.

      Eliminar
    2. Não digo nem disse que todos trabalham isso.

      Mas S* se não há condições para os professores trabalharem na escola primeiro têm de as criar antes de obrigar os profs a estarem lá ainda mais tempo quando não têm condições para lá trabalharem!

      Eliminar
    3. ML, isso é óbvio. Criem-se as condições e depois efectivem-se as medidas.

      Eliminar
    4. A questão é que mais uma vez em Portugal faz-se tudo ao contrário. Por isso há razões de queixa para este aumento de horas. Além disso este aumento de horas ridículo vai levar a milhares de despedimentos.

      Eliminar
    5. Isso é que me assusta, honestamente. Eu bem sei que é incomportável manter todos os professores, tendo em conta o número elevado de profissionais. Mas mais despedimentos são incomportáveis.

      Eliminar
  34. 1- A dita ideia de que os professores trabalham muito mais do que 8 horas diárias não corresponde à verdade. A grande maioria usa planificações de aulas iguais todos os anos, apenas com ligeiros ajustes devido a algumas alterações dos programas. A grande maioria nem sequer tem o brio profissional de adaptar as suas metodologias de ensino às especificidades dos alunos que tem à sua frente. A grande inovação metodológica é colocar meia dúzia de acetatos num retro-projector para os alunos copiarem.
    2 - Os professores gozam férias com a mesma duração das férias escolares. A ideia de que estão na escola durante as férias escolares é falsa, porque todos sabemos que combinam entre si os dias em que cada um comparece na escola.
    3- O que a Fenprof quer é manter sempre as coisas como estão. Os professores dizem estar contra o modelo de avaliação (que está, de facto, mal elaborado), quando, na realidade, estão contra o próprio conceito de avaliação.
    4- O ministro da Educação (e eu discordo de muitas das suas medidas) deveria ter sido muito mais intransigente. Não admito que se ponha em causa o trabalho dos alunos, em exames que são determinantes para o acesso ao ensino superior. Este corporativismo que apenas luta por interesses e não pela melhoria do sistema de ensino tem que ser erradicado.
    5- Honra aos professores que mostraram brio profissional e compareceram nas escolas.
    6- Falo com conhecimento de causa. Sou da área do ensino, mas sempre trabalhei no acompanhamento privado de alunos. Contudo, sei exactamente o que se passa nas escolas e, como tal, não "embarco" em histórias da carochinha.

    Ass: Hugo

    ResponderEliminar
  35. Nem mais! E o pior é que são os alunos, que de uma forma ou de outra, pagam a factura.

    ResponderEliminar
  36. :) olha S* tenho duas filhas, uma delas em exames. Confesso que a minha balança pende para o lado dos professores mas acho que está tudo muito bem explicadinho aqui http://vouterumbebenaaustralia.blogspot.pt/2013/06/sobre-escola-os-exames-greve-as-whiskas.html
    Bjs

    ResponderEliminar
  37. Um facto: o ensino está cada vez pior em Portugal e alguém terá que mudar isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um facto: os alunos estão cada vez mais mal comportados, mais violentos, mais gozões e, cada vez mais, respeitam menos os professores. Como tal, questiono eu: como pode o ensino melhorar se os alunos também não fazem a sua parte?

      Eliminar
    2. A educação tem de começar em casa, anónimo... :/

      Eliminar
  38. Respostas
    1. rititita, não, não tenho. Mas visto que nem sequer me pronunciei sobre o assunto - limitando-me a dizer que entendia os dois lados -, não entendo a pertinência da questão. Todos nós conhecemos professores. Todos tivemos professores. Todos temos amigos ou vizinhos professores.

      Eliminar
  39. Um tema muito controverso sobre o qual sinceramente não tenho opinião...
    Acho q só quem se vê nas situações sabe das coisas de verdade...
    Se eu tivesse determinados direitos associados ao meu trabalho tb n gostaria de ver esses direitos roubados dessa maneira desastrosa...
    Mas isso sou só eu e cada um tem a sua opinião...

    ResponderEliminar
  40. É pena que tanta gente ainda não tenha percebido que o aumento para 40 horas só serve como desculpa para despedir mais professores.
    O que me intriga mesmo é tentar perceber o que é que acham que ganham com esta medida? Porque o argumento "se eu trabalho, eles também têm que trabalhar" é mesquinho, egoísta, cretino e não tem qualquer tipo de benefício, seja para a comunidade escolar, seja para a vida familiar dos professores... porque pasmem-se! São humanos e também têm famílias! Eu não sou professora, mas se me impedissem de passar 1 hora a menos com a minha filha, se obrigassem a minha filha a ficar mais uma hora na escola, iam rolar cabeças!

    ResponderEliminar
  41. Concordo com o teu comentário Vera, o aumento da carga horária dos professores é uma desculpa para que não se contrate mais gente. Quanto à greve dos professores, os alunos de facto não têm culpa mas algo teria de ser feito , baixar os braços não é solução. Quando os médicos e enfermeiros fazem greve estamos a falar de situações em que há doentes que poderão não ter assistência porque simplesmente há greve e os serviços mínimos nem sempre conseguem dar vazão a todos os casos e estamos a falar de , em alguns caso, sobrevivência. Quando a cp faz greve , muitos de nós compramos o passe e precisamos de ir trabalhar de transportes públicos e o patrão também não vai perceber que faltamos ao trabalho porque há greve dos transportes pois na verdade até podia ir de carro. Algo tem de mudar... os professores t~em de se unir e parar com guerras entre eles e lutar pela qualidade de ensino, são os professores que sejam bons, razoáveis ou muito bons formam a juventude e os fazem crescer também!Devíamos todos apoia-los nestas causas e não me refiro apenas ao horário das 40 horas semanais porque os motivos da greve não são apenas esses.

    ResponderEliminar
  42. Alguém me explica porque é que a greve teve de ser em dia de exame nacional?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque tem mais impacto assim, funciona igual com os pilotos que custumam fazer greve no Natal, quando as pessoas mais necessitam de viajar.

      Eliminar