terça-feira, 15 de janeiro de 2013

O Gonçalo


Não queria que este texto fosse visto como uma crítica a esta pessoa. É impossível não criticar baixinho esta decisão, mas não o vou fazer no blogue. Não é essa a questão, não é esse o problema. 

O Gonçalo encontrou um dador compatível. O Gonçalo encontrou o seu milagre... e agora o seu milagre escapa-lhe das mãos por entre os dedos, como areia fina. O dador compatível recusa fazê-lo. Desconhecem-se os motivos, mas nenhum motivo me parece válido para isto. 

Estamos a falar de uma vida. De uma vida jovem. Que alguém fale com este dador e lhe abra os olhos. O Gonçalo precisa de ajuda. Precisa de um transplante de medula óssea.

Lido aqui.

52 comentários:

  1. Já tinha lido num outro blog. Apenas digo que as atitudes ficam com quem as pratica. E ainda que não acredite em nada... "what goes around, comes around"... e um dia poderá ser o dador a precisar de um dador...

    ResponderEliminar
  2. Também li e fiquei sensibilizada. Como se costuma dizer, cada um sabe de si e Deus sabe de todos, mas é uma vida, caramba. e uma pessoa que pode salvar esta vida. :(

    ResponderEliminar
  3. Realmente não se percebe. Mas não podemos julgar :(

    ResponderEliminar
  4. What?!? Eu acho isto um absurdo, será que o dador está bem informado? Custa-me a querer que uma pessoa se inscreva como dador e depois faça uma coisa destas.
    Meu Deus, o ser humano é mesmo impressionante, mas infelizmente e uma vez mais, é pela negativa.

    ResponderEliminar
  5. Terá o dador voltado atrás por ver a sua condição de saúde alterada e já não poder doar? É q é a unica explicação aceitável. Qualquer outra é inadmissivel! É, simplesmente, cruel.

    ResponderEliminar
  6. Olá!
    Não percebi bem...o Gonçalo precisa de que?
    Qual o sítio que ele vive?
    Interesso-me em divulgar e ajudar encontrar solução.

    ResponderEliminar
  7. Como é possível...

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. E eu que achava que já tinha atingido o máximo de descrença possível na humanidade. It's a new low... vou partilhar o pedido na facebook.

    ResponderEliminar
  9. S*

    Vamos cá a ver uma coisa que acho que muito pouca gente sabe quando vai tornar-se dador de medula:

    se o processo de se tornar potencial dador é muito simples - apenas recolha de sangue - doar medula óssea requer internamento hospitalar, anestesia geral durante o procedimento, em que se furam os ossos da bacia para esta ser retirada, com todos os riscos associados a um procedimento que necessita de anestesia geral, inclusive de vida, além de uma recuperação de cerca de 10 dias.

    De modo que, sem sabermos as razoes do dador - que talvez nao estivesse informado do que acarreta ser dador: hospitalização, anestesia geral, recuperaçao lenta, e nem sem sabermos se terá eventualmente condiçoes de saúde que tornam uma anestesia mais arriscada, é precipitado começar a atirar pedras.

    É que somos todos óptimos e muito altruistas, até nos dizerem que temos de ser hospitalizados, internados, que nos vão furar os ossos e deixar cicatrizes, e ainda teremos dores e um processo de recuperaçao lento.

    ResponderEliminar
  10. Sem palavras. Não sou dadora e talvez por isso não devesse criticar. Mas não posso deixar de mostrar a minha indignação, porque se o fosse não seria capaz de fazer tal acto. É uma vida que está em jogo e com isso não se brinca.

    ResponderEliminar
  11. Também vi e confesso que me deixou muito indignada, para dizer o minímo...

    ResponderEliminar
  12. Anónimo as 10:33, infelizmente precisa de um bem raro: transplante de medula óssea.

    ResponderEliminar
  13. Luna, por acaso eu sabia, visto que queria ser dadora. Também espero que saibam que se receberam transfusões de sangue após 1980 não podem ser dadores - o que é o meu caso.

    Não vou dizer que não entendo se o dador tiver sentido medo... mas digo que, se decidiu ser dador, deveria estar bem consciente da escolha que fez. É uma vida que está em jogo, alguém que viu a esperança e que agora volta à escuridão da incerteza.

    ResponderEliminar
  14. S, mas nao sabes se terá outras razões: por exemplo, descobrir sensibilidade a anestesias, o que o colocaria em risco de vida.
    Acho que sem saber, é muito precipitado julgar.

    ResponderEliminar
  15. Luna, evitei julgamentos, apesar de o meu coração fazer esse mesmo julgamento. Também já precisei que outras pessoas me dessem sangue, se arriscassem por mim... daí que fique sempre sensibilizada com estas coisas. Mas tens razão, nada sabemos.

    ResponderEliminar
  16. Tão mau isso...Se não queria ser dador que não se colocasse no banco de doação...não entendo!

    ResponderEliminar
  17. eu ficaria tão contente por puder doar a minha! :( não compreendo

    ResponderEliminar
  18. Quais os requisitos para doar?

    Nem sei qual é o meu tipo de sangue...

    ResponderEliminar
  19. Também não consigo entender o que leva alguém, numa questão de vida, a dizer sim e depois recuar, ainda que seja por medo, acho que um dador deve logo à partida ser informado de todos os procedimentos a que está sujeito.

    ResponderEliminar
  20. Cada um sabe de si!
    Mas dar um pouco de medula óssea não tem praticamente nenhuma contra indicação, deve haver alguma razão complexa por trás dessa negação.
    Desejo que neste momento já tudo esteja resolvido!

    ResponderEliminar
  21. Poderei ser considerada, por muitos, egoísta.
    Sou dadora de sangue, não estou inscrita como dadora de medula.
    Passaria pelo processo de doar medula a um familiar próximo, a um amigo, a alguém que ame. Sem pensar 2 vezes, sem pensar em dores, complicações, recuperações. Não sei se seria capaz de o fazer por um desconhecido. Creio não existir em mim toda essa (chamemos-lhe) bondade.
    Não acho que num caso destes, tenhamos o direito de invocar o dever do outro, de julgar e muito menos insultar.

    ResponderEliminar
  22. Anónimo das 17:16, é um direito seu e ninguém tem de se meter no assunto. :)

    ResponderEliminar
  23. Realmente não sabemos qual a razão que impede esta doação. Mas a vida é mesmo injusta...nem imagino o que este jovem sentiu no momento em que percebeu que tinha voltado à estaca zero...

    ResponderEliminar
  24. como é possível alguém que tem a possibilidade de salvar uma vida agora se recusar a fazê-lo?
    não posso acreditar
    bjs*

    ResponderEliminar
  25. Não podes ser dadora por ter recebido transfusões depois de 1980?Olha que quase dou um braço, enquanto estudante de medicina, como estás enganada- não podes se recebeste transfusão ANTES de 1987(acho que é este o ano) porque nessa altura ainda não se fazia pesquisa de algumas infecções de transmissão sanguínea.

    ResponderEliminar
  26. E se a pessoa em causa simplesmente não se puder ausentar do trabalho durante os dias de repouso? Deverá arriscar perder o emprego? E se é uma pessoa que passou a ter alguém aos seus cuidados? E se é alguém que está a passar por uma situação complicada a nível de saúde ou pessoal e não tem disponibilidade mental para passar por esta situação? E se... E se... Há tantas hipóteses! Insultar sem se conhecerem as causas parece absolutamente cruel e despropositado.

    ResponderEliminar
  27. Se se tornam dadores de medula, tenham a real consciência do que é, como já fui dito acima.
    E a não ser que não haja uma razão verdadeira e plausível, esta recusa é descabida!!

    ResponderEliminar
  28. Navajovsky, como estudante de medicina que dizes ser, estás muito mal informada. ;)

    http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/doacao+de+orgaos+e+transplantes/medulaossea.htm

    ResponderEliminar
  29. Anónimo das 23:28, aqui ninguém insultou ninguém. Vá com calminha.

    ResponderEliminar
  30. O melhor texto sobre o assunto está aqui (vindo de uma estudante de medicina):

    http://diasdetelha.wordpress.com/2013/01/15/o-dador-e-os-seus-direitos/

    Transcrevo uma parte:

    "A doação de órgãos ou tecidos por um dador vivo só pode ser feita em determinadas condições: se o dador for autónomo (isto é, se não for menor ou declarado incompetente), se der consentimento informado e se a sua decisão for livre.

    Autónoma pressuponho que esta pessoa seja, afinal estava inscrita como dador.

    Foi devidamente informada? É possível que não – eu sou dadora e quando me inscrevi ninguém me informou dos procedimentos de dádiva que, ainda hoje, podem ser de 2 tipos: dádiva de sangue periférico ou o verdadeiro transplante de medula óssea. Nenhum destes procedimentos está isento de riscos para o dador. A colheita de células do sangue periférico é, no seu acto final, uma coisa simples, igual a uma dádiva de sangue. Mas implica, previamente, injecção do dador com factores de crescimento, que vão estimular a sua medula óssea a produzir mais células, para aumentar a probabilidade de estas células (as chamadas células tronco hematopoiéticas) serem colhidas no sangue periférico. Isto pode dar dores ósseas, infecções e aumento do risco de trombose. A colheita de medula óssea na fonte é um processo doloroso, que implica anestesia e esta, como todos sabemos, tem riscos. Como tal, este potencial dador pode 1) não ter sido devidamente informado no momento da inscrição e, ao sê-lo agora, ter resolvido que não queria correr estes riscos ou 2) até ter sido bem informado mas não estar, da mesma forma, disposto a correr os riscos inerentes ao processo.

    A decisão desde potencial dador nunca mais será livre, mesmo que o encontrem. Porque há todo um universo de pessoas investidas em convencê-lo a doar. Há toda uma sociedade disposta a culpá-lo se não o fizer, a acusá-lo de egoísmo, de falta de civismo, de crueldade.

    Imaginem que são vocês. Que, quando se inscreveram, não vos informaram direito, que vos disseram que doar medula óssea era tão fácil como doar sangue, que não tinha risco nenhum para o dador. Ou imaginem que, bem ou mal informados, as vossas circunstâncias de vida mudaram. Que engravidaram. Que o vosso cônjuge foi despedido e vocês são o único ganha-pão lá de casa. Que têm filhos, que têm pais que dependem de vocês. Ou simplesmente que têm medo. A doação por dador vivo pressupõe – está lá, nos direitos do dador – que o dador pode desistir a qualquer momento. Mesmo no segundo final. Sem ter de dar justificações ou pedir desculpas. Porque só assim as pessoas são verdadeiramente livres para escolher doar."

    ResponderEliminar
  31. Bom dia*
    Como se pode saber se se pode ou não doar? e de onde é? gostaria de saber e de ajudar...não sei o tipo de sangue nem se tenho peso suficiente para doar...

    ResponderEliminar
  32. S* - eu não sou o mesmo anónimo que se refere a insultos, mas acho esta tua frase insultuosa:
    "mas nenhum motivo me parece válido para isto"
    há motivos mais que válidos para se recusar, passo a enumerar:
    - Gravidez - n se sabe o sexo do dador, se mulher mulher e estiver grávida simplesmente não pode submeter-se à doação - parece-me válido.
    - alteração do estado de saúde do dador: alguém sabe qt tempo passou entre o registo como dador e a data de descoberta de compatibilidade? alguém sabe se entretanto este dador sofreu alguma doença que agora seja um factor impeditivo de doar a sua medula?
    é q tanto qt sabemos e lemos, apenas temos uma famíllia desesperada (e com razão)a acusar alguém de desistir da doação mas e os motivos? esses ninguem os referiu. e se o doador tiver problemas cardíacos impeditivos de ser submetido a anestesia geral?

    É preciso ter muita cautela quando se fala sem saber todos os pormenores da história...

    ResponderEliminar
  33. Life, nada como pesquisar. O tipo de sangue nada tem a ver com este processo. Lê aqui:

    http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/doacao+de+orgaos+e+transplantes/medulaossea.htm

    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  34. Anónimo das 15:13, leia de novo o meu texto. Se leu insultos, peço-lhe que leia de novo.

    ResponderEliminar
  35. Luna, se a pessoa não foi devidamente informada, é óbvio que tem todo o direito de mudar de opinião. É um direito que lhe assiste... mesmo sabendo que essa decisão pode afectar infinitamente a vida do Gonçalo.

    ResponderEliminar
  36. S*, por acaso recebi um comentário sobre os riscos do dador feito pela Isa, que sugiro que leias, porque é elucidativo dos riscos corridos.

    http://horas-perdidas.blogspot.nl/2013/01/e-sobre-o-dador.html

    ResponderEliminar
  37. E em resposta ao teu comentário: pode não influenciar apenas a vida do Gonçalo, mas a sua própria vida e da sua família (e eventualmente a de filhos pequenos, se os tiver, fazendo-os crescer sem mae ou pai).

    ResponderEliminar
  38. Luna, se vamos achar que uma anestesia geral mata, estamos todos lixados. Suponho que façam exames antes, para ver se a pessoa tem coração saudável... alergias... eu sei lá. Percebo pouco do processo, mas pelo que sei não me parece uma coisa complexa. Dolorosa talvez, complexa não.

    ResponderEliminar
  39. S*, nao se prende só com a anestesia (mas também), mas também com maior risco de tromboses e embolias, como o caso que a Isa descreveu, em que o dador morreu passados 3 dias de embolia.
    E se hoje em dia estarás disposta a arriscar a tua vida, talvez mudes de ideias amanha, por exemplo tendo filhos, e nao querendo arriscar que cresçam sem mae.

    ResponderEliminar
  40. Luna, mas isso é uma desmoralização para qualquer pessoa. :/ A minha avó, de 80 anos, acabou de ser operada a um tumor. Anestesia geral, além de todos os riscos associados à cirurgia. Eu bem sei que temos o direito de ter medo... mas acho que esse medo está a ser empolado. Pelo menos eu não conheço casos de transplantes do género mal sucedidos nem nunca ouvi falar em tal coisa.

    ResponderEliminar
  41. S*, mas acabaste de ser informada de um caso que nao teve a ver com a anestesia, em que o dador morreu (porque o processo em si pode dar origem a tromboses e embolias).

    ResponderEliminar
  42. Luna, e obrigada pelo aviso, porque não fazia ideia de que tinha tais riscos... mas também não quero que prolifere por aí esta ideia de que ser doador é perigoso, porque se tal acontecer mais ninguém dá nada a ninguém. :/

    ResponderEliminar
  43. Mas S*, lá está, quem doa deve estar ciente dos riscos. E saber que embora a probabilidade seja baixa, pode morrer.

    ResponderEliminar
  44. Mas lá está, quem decide ser doador, deve estar ciente dos riscos reais, e que esses ricos podem ser a morte.

    ResponderEliminar
  45. Luna, isso é evidente, o dador deve ser informado DE TUDO, mesmo do mau. Especialmente do mau.

    ResponderEliminar

  46. Obrigada S*,
    Quando estava a falar de tipo de sangue, foi por curiosidade...

    Gosto de ajudar :)

    Eu queria doar sangue quando já tinha idade para tal...mas não podia e agora não posso também por não ter o peso mínimo necessário, estou 6kgs abaixo disso.

    Talvez divulgando?

    Espero que o Gonçalo consiga um dador compatível e que consiga a ajuda que precisa*

    ResponderEliminar
  47. Bem mesmo feliz de ter escrito "quase"!eheh

    ResponderEliminar
  48. Eu não estou muito dentro do assunto de doar medula, mas pelo que já li, uma doação é feita num momento e algumas horas/dias depois a percentagem de sangue no corpo fica reposta. E um dador pode fazer varias doagens de medula, não é apenas uma.
    Há coisas mais importantes que tudo na vida, e acho que ao adormecer a pensar que se salvou uma vida, para mim chegava para acordar com outra disposição para encarar a vida no dia a seguir. O dador não se lembra é que um dia esta infelicidade pode acontecer-lhe a ele ou alguém próximo de vir também precisar, e outra pessoa se recusar a doar ...

    Fechou-se uma porta mas se Deus quiser ira abrir-se outra.

    ResponderEliminar
  49. Pedro, que comentário bonito. :')

    ResponderEliminar
  50. Pois eu sou dadora de medula óssea e já aqui li, que talvez o dador não estivesse bem informado do processo. Acho um pouco difícil pois quando nos inscrevemos como dadores, tudo nos e bem explicado e nenhuma pergunta que faça-mos fica sem resposta.

    Conheço o caso do Gonçalo bem de perto e até publiquei no meu blogue, pois o Gonçalo é colega da equipa de basquete do filho de uma minha colega de trabalho.

    Como dadora lamento não o poder ajudar, como cidadã, espero sinceramente que o Gonçalo encontre um dador compatível.

    Ao dador que desistiu, espero que volte algum dia a conseguir dormir uma noite tranquila se o Gonçalo não se conseguir salvar, por culpa dele.

    ResponderEliminar