quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Na na ni na na

Muitas vezes, nas relações, teimam em dizer que "o passado não importa, importa é viver o presente". Tudo isto para justificarem o facto de não quererem responder a possíveis perguntas do actual companheiro.

Na na ni na na, digo eu. Importa sim. 

As pessoas não são o presente, são também o passado e aquilo que projectam para o futuro. As pessoas são as decisões que tomaram no passado, os actos passados, as decisões presentes e os actos presentes. As pessoas também são o seu passado, carregam-no às costas como uma cruz (e esta "cruz" não é no sentido negativo, engloba tudo).

Além disso, como diz o povo, nas costas dos outros vejo as minhas. Aquilo que alguém fez aos outros pode fazer a mim.

43 comentários:

  1. Sabes, todas as minhas amigas dizem que eu sou uma sortuda porque o meu namorado não tem bagagem, porque eu sou a primeira tudo. Sou a primeira rapariga que ele beijou, a primeira namorada, etc. Mas isso assusta-me um bocado, porque não há propriamente nada em que me basear. É como saltar no escuro ;)

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  2. Eu não concordo com isso, "julgar" alguém pelo que fez no passado é muito injusto seja ela uma coisa boa ou má. Se não foi comigo quero lá saber e depois quem garante que a pessoa não vai mentir sobre o passado? Há sempre coisas que não contamos a ninguém e não interessam a ninguém. O que eu sou para as pessoas novas na minha vida não devem ser condicionadas pelo passado porque afinal passado fica lá atrás e só a nós nos marcou. Acho ridículo quando as pessoas usam o passado das outras para desculpar atitudes ou até para se sentiram inseguras. As pessoas têm que aprender a serem felizes e resolvidas com o presente e com o que levam dele e obviamente com o seu próprio passado não com o dos outros.

    ResponderEliminar
  3. Concordo plenamente, até porque o que fizemos no passado, normalmente tem influência no presente, positiva ou negativamente.
    Não podemos nem devemos esquecer o passado, faz parte de nós.

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida, mas há coisas que não é preciso dizer. Ou seja, deve dizer-se o essencial, mas não demasiados pormenores, creio eu.

    ResponderEliminar
  5. Óh, depende. Eu pessoalmente prefiro não saber grande coisa do passado :)

    ResponderEliminar
  6. concordo. além disso, se há receio ou vergonha de falar do passado é porque há gata escondido com rabo de fora...

    ResponderEliminar
  7. Concordo em parte. Concordo que as pessoas também são o seu passado. Nós somos os nossos gestos, as nossas expressões, as nossas palavras e tudo o que fizemos para trás fez parte do nosso caminho como pessoas e para o bem ou para o mal contribuiu para a formação da nossa personalidade. Mas também acredito que às vezes quando se gosta realmente de alguém as coisas podem mesmo mudar. Felizmente, nunca tive esse problema, nenhum dos namorados que tive até aqui teve algum acontecimento que eu tivesse dificuldade em contar (pelo menos, que eu soubesse) mas, já tive amigas a quem tal aconteceu e em que foram dadas oportunidades e essas resultaram mesmo :).

    ResponderEliminar
  8. bom mas também aprendemos com os erros e por termos feito isto ou aquilo não quer dizer que o vamos fazer novamente....

    ResponderEliminar
  9. Tenho passado, mas não o carrego como uma cruz, nem pensar.
    Nem tão pouco o carrego.
    Passado ficou para trás e há que tirar proveito dele, boas lições e bons ensinamentos, carregar o passado com todas as coisas más que viveu, torna as pessoas azedas e amarguradas.

    ResponderEliminar
  10. concordo! eu gosto de saber o passado das pessoas...não é que isso as defina...mas conheço-as melhor assim!


    GIVEAWAY – iPhone case
    My Fashion Insider

    ResponderEliminar
  11. Nós somos aquilo em que o nosso passado nos transformou ;)

    ResponderEliminar
  12. Cor do Sol, portanto, se soubesses que o teu namorado - ou uma amiga, um colega, seja quem for - batia na ex-namorada, por exemplo, como não tinha sido contigo, suponho que não te importasses. Lá está, sei que certamente te importavas.

    E não me queria referir apenas a relações românticas. Por exemplo, se soubesse que uma amiga tinha, sei lá, sido má para alguém, ia ficar de pé atrás com essa amiga... mesmo que comigo fosse adorável.

    ResponderEliminar
  13. Joana, oh, isso é bonito. :) Eu acho.

    ResponderEliminar
  14. C. não digo que as coisas sejam pretas ou brancas, apenas que o passado importa SIM. :)

    ResponderEliminar
  15. amiga da onça, eu também tenho um passado, algumas coisas menos boas, mas orgulho-me de tudo o que sou. Há quem não possa dizer o mesmo. :)

    ResponderEliminar
  16. Minha querida, claro que temos de saber o passado. O que eu sou hoje é fruto do que eu vivi, e o que viver hoje vai ditar o meu amanhã!

    ResponderEliminar
  17. S*,

    devias dar aos outros a possibilidade de aprender com erros do passado e não julgá-los severamente só pelo que fizeram, isto falando em abstracto e não incluindo erros baseados em má-fé, claro.

    ResponderEliminar
  18. O olhar do lobo,

    Vou responder aqui a um certo comentário que me fizeste. Foste deselegante e mal educado comigo. Há piadas que não têm piada... e não contes comigo para publicar ofensas gratuitas. Quanto à democracia deste blogue, existe pois, mas a democracia não é parva e não admite insultos.

    Quanto ao post, obviamente que não estou aqui a julgar ninguém em concreto. Apenas acho que com quem quer que seja - namorado, amigos, colegas -, o passado também conta. Nós não somos uma folha branca, somos um caderno já com muitas folhas escritas... e o presente está por escrever.

    ResponderEliminar
  19. Também não consigo ignorar o passado...

    ResponderEliminar
  20. S*,

    este tópico deixou em mim a necessidade de responder. Se as pessoas soubessem o quanto o passado interfere no futuro e que grande parte das discussões que ocorrem num relacionamento amoroso tem origem em problemas e feridas do passado (infancia, adolescencia, vivencias familiares)... os casais na sua grande maioria saberiam resolver as suas desavenças e seriam mais compreensivos. 

    A Joana é uma sortuda, tem um homem do lado dela que nunca teve um relacionamento e isso dá a qualquer indivíduo a capacidade e leveza de encarar problemas e arrufos com outra naturalidade. Além de que a entrega ao relacionamento é maior. Pessoas com um longo historial de relacionamentos, tem mais traumas e muitas das vezes dificuldades e medos que levam tempo a ser superados e nem sempre os são. Sabem quantos relacionamentos acabam porque os traumas são tantos e não há entrega? Muitos, muitos mais do que seria desejável... ainda assim clamam por amor, mas abrem mão de pessoas especiais por medo de que volte a acontecer o que um dia aconteceu.

    O passado não conta, mas conta sobretudo quando deixam que ele interfira no presente!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  21. isto é algo que me deixa mesmo a pensar não por consciência pesada, mas pelo que me fizeram! e não consigo enfrentar e superar o passado

    ResponderEliminar
  22. Há casos e casos, pessoas e pessoas.
    Há aqueles que nunca mudam, mas a maioria das pessoas vive por fases e por lições de vida. Eu não sou a mesma pessoa de há 5 anos atrás e há coisas que faria na altura que hoje era incapaz de as fazer.

    Eu acho que toda a gente merece uma segunda oportunidade, desde que mostre que não vai precisar da terceira.

    ResponderEliminar
  23. O passado conta sempre. Para o bem e para o mal, ele é sempre a expressão do nosso presente e a definição do futuro.
    É imutável e uma vez passado somos sempre aquilo em que ele nos tornou.
    Podemos, é evidente, tentar melhorar co erros passados, mas nunca podemos deles fugir.
    E é terrível porque se num passado nos portámos correctamente e nada temos por nos envergonhar, nunca ninguém o lembra nem o refere, mas se, eventualmente esse passado foi menos digno, está sempre a ser referido a propósito de tudo e de nada.
    Nada a fazer. O passado é a maior força da criação. É tão forte que mostra a única limitação de Deus.
    Com efeito Deus pode modificar o futuro, mas não alterar o passado.
    Mas como a maldade é inerente ao ser humano, a malta aguenta e pode perfeitamente viver com ele.
    Quem não gostar ou põe de lado ou come menos, ora essa.

    ResponderEliminar
  24. Seja que passado for, ele anda sempre de mão dada connosco.

    ResponderEliminar
  25. Concordo plenamente! Somos o que fazemos!

    ResponderEliminar
  26. acho que deve haver sobretudo sinceridade em relação ao passado, mas não nos devemos prender nem basear nele para construir o presente e o futuro.

    ResponderEliminar
  27. Só posso dizer Amén!
    Somos a soma de todas as nossas decisões e de tudo o que fizemos ou passámos!

    ResponderEliminar
  28. Concordo inteiramente... Há situações do passado que temos todo o interesse em saber.

    ResponderEliminar
  29. Bem, tinha aqui um comentário po grandito e o portatil foi abaixo e caput.

    Resumindo, isso é um exemplo muito puxado porque se não tiveres quem to diga certamente o teu namorado não te vai contar que batia na ex namorada. A não ser que se tenha uma pérola de sinceridade em casa, ninguém quer começar nada com essa conotação. E não me parece que se vá contratar um detective a cada nova relação que se tenha, seja ela de que tipo for. Digo eu. De resto, há bagagem que trazemos do passado seja com namorados seja com amigos que se escrutinadas vão fazer com que a pessoa que está connosco se possa sentir insegura ou mal sem razão. Porquê lidar mal com o passado? Porquê querer saber tudo? Eu conheço tanta gente que tem ciumes do que passou seja ele em relacionamentos amorosos ou amizades. Mas porquê? Não é mais fácil focar-mo-nos no que temos? O máximo que eu sinto e que a meu ver se devia sentir é que gostávamos de ter vivido mais com essa pessoa e ter passado por mais primeiras experiências com essa pessoa. Não dá, paciência. Tantas relações e discussões que há entre pessoas à conta de um passado que não é dos dois. Isso acontece e é mais frequente do que se imagina. Já há tanto que discutir no presente :p.

    Se a pessoa for uma vibora do pior, se tiver sido violenta no passado e eu vier a saber, vai-me condicionar? Vai.
    Mas essas coisas são raras e não é desse passado que se fala mais, parece-me que é do mais corriqueiro mas que também afecta muito as pessoas mais inseguras e isso é para mim completamente dispensável porque dá muitas dores de cabeça e eu quero é sossego :)

    ResponderEliminar
  30. Cor do sol, repara que eu não disse que devemos escarafunchar o passado, querer conhecê-lo de fio a pavio. Apenas acho que sim, o passado importa, é ele que faz de nós o que somos hoje. :)

    Nos primeiros meses da minha relação tive alguma dificuldade em lidar com isso porque o senhor meu namorado é muito reservado, mas felizmente essa fase já está resolvida. É complicado lidar com alguém cujo passado desconhecemos.

    ResponderEliminar
  31. Pois nós combinamos desde o day one que não havia passado. Para quê trazer fantasmas para a uma relação que começa do zero? Aqui não há ex mulheres nem ex maridos. Há somente nós. As vivências passadas ficam no nosso interior.

    ResponderEliminar
  32. Estou contigo S*, o passado faz parte daquilo que hoje somos, e quer queiramos ou não, temos de viver com ele, não se pode simplesmente apagá-lo, temos é de seguir em frente e pensar no nosso futuro, sempre lembrando que tudo aquilo que somos é também devido ao nosso passado!
    :-))

    ResponderEliminar
  33. Totalmente de acordo contigo, és muito madura para a idade que tens, S!

    O passado dá para se saber com o que podemos contar para o futuro. Com a diferença de que não é linear, a pessoa pode ter errado e ter corrigido os erros e posto a mão nas consciência.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  34. É isso mesmo, S*. Nas costas dos outros vejo a minhas. Por isso é que eu fujo das pessoas que dizem mal de terceiros - vejo logo que mal viro costas vão ficar a dizer mal de mim!

    ResponderEliminar
  35. Somos o que somos graças ao nosso passado! E isso nem se discute! Concordo em pleno! =)

    ResponderEliminar
  36. Certo... mas o que realmente importa é que as pessoas não fiquem agarradas a um passado que as impeça de gozar o presente! Esse para mim é o sentido da frase!

    ResponderEliminar
  37. Eu costumo dizer que o passado serve para a gente no presente olhar para o passado e não cometer os mesmos erros, pelo menos que a aprendizagem sirva para alguma coisa.

    ResponderEliminar
  38. Ora nem mais. Eu sempre gostei de saber o passado das pessoas. Sempre que fazia perguntas ao ex-namorado sobre o seu passado, ele esquivava-se sempre. Se calhar já tinha feito a alguém aquilo que me fez a mim.
    Eu acho que ninguém esconde o passado sem um forte motivo.

    ResponderEliminar
  39. Eu confesso que sou daquelas que nao quero que saibam o meu passado. Concordo que o passado faz de nós aquilo que somos é verdade, mas poderá haver coisas do nosso passado as quais não nos orgulhamos e não queremos de todo que a nossa cara metade as saiba... provavelmente a cara metade não iria compreender e iria passar a olhar-nos com outros olhos (negativamente falando). Ou não. Mas é um risco eu certamente não gostaria de correr. E tb sou sincera, apesar de gostar de saber do passado do meu companheiro há coisas que tb prefiro não saber. Estamos melhor assim. Somos aquilo que somos e o nosso passado faz parte. Mas lá porque cometemos erros no passado não quer dizer de todo que os possamos cometer de novo. Bem pelo contrario.

    ResponderEliminar
  40. Concordo com a S.
    Nós somos um conjunto de tudo, não somos seres isolados. Não é passar uma borracha e dizer agora sou uma pessoa nova. Isso não existe.
    A minha historia de vida, a minha boa ou má educação , a minha familia, a muito ou pouca escolaridade, a cidade e pais onde cresci, as coisas que fiz e não fiz. As pessoas que conheci as experiencias que tive.Tudo isto me define, para o bem e para o mal. Dizer que nada disse existe. Que nós aparecemos do nada , assim de repente, nem temos um fazio por tras de sentimentos , de experiencias de vivencias, não faz sentido nenhum.

    Agora se estamos a falar de conversas infantis do tipo a/o tua/teu , com ela/ela fazias isto ou aquilo, ias a este ou aquele lugar. Isso realmente não faz sentido nenhum e deveriamo-nos controlar para não fazermos isso.

    ResponderEliminar
  41. Concordo a 100%... não somos nada sem a nossa bagagem...

    ResponderEliminar
  42. Quando o passado é recente as pessoas têm tendência a fazer de conta que ele não existe porque é mais fácil de "esquecer". Mas faz parte e quer seja passado nosso ou dele...temos de aprender a viver sabendo que vai sempre fazer parte de nós/dele.

    ResponderEliminar