quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Facto

A quantidade de miúdas novas que se vê por aí acompanhadas do respectivo carrinho de bebé é uma coisa impressionante. Não vou fazer julgamentos, até porque algumas podem ter querido engravidar (embora não duvide que todas querem o filhote), mas é sempre coisa que me deixa um bocadinho... hum... nervosa. Nos dias que correm, com a crise que existe, é de ficar nervosa. Pelo menos imagino que se eu ficasse grávida teria bastantes dificuldades em cuidar bem de um filho - o que não me impediria de amar a criança mais do que tudo na vida, claro.

48 comentários:

  1. Xiiiiii tu hoje vais levar nas orelhas. Esse assunto é proibido. Ninguem pode ousar falar nessas coisas da maternidade sem que tenha no minimo uma mão cheia de filhos.

    ResponderEliminar
  2. Humm, no meu caso sou confundida muitas vezes com uma mãe.:p O meu namorado tem um irmão com três anos e quando saímos com ele sinto que toda a gente olha para mim como se já fosse mãe. É uma sensação super estranha.:o Mas concordo com o que disseste. ;D

    ResponderEliminar
  3. Sem dúvida nos tempos de hoje ter uma criança não é coisa fácil
    Bjs ;)

    ResponderEliminar
  4. Olha que nem tudo o que parece, é. Quando engravidei, era ver montes de gente a dizer 'ah coitada tão novinha' LOL
    Na realidade, não sou assim tão novinha!! :D

    ResponderEliminar
  5. pois... tocas num ponto que mexe muito comigo...

    Detesto quando me dizem "tudo se cria" ou "onde como 2 come 3" não é bem assim...

    Hoje em dia a vida esta muito dificil... os pediatras são carissimos, os infantarios carissimos... fora outras coisas...

    eu tenho dois filhos, e fora de questão ter mais algum... ia tirar qualidade de vida aos que ja tenho.

    costuma-se dizer que ter e fazer é facil, o pior é o que está por vir...





    ResponderEliminar
  6. hoje em dia é complicado criar um filho... são pessoas corajosas essas certamente :)

    ResponderEliminar
  7. Não, o que eu acho é que hoje se põe a fasquia muito alta logo à saída do berço. Crise havia no tempo dos meus pais (que se fossem vivos, tinha mais de cem anos) e eles cuidavam muito bem de nós.
    A minha mãe levantava-se às 4 da madrugada, tratava de mim e comia umas couves cozidas antes de sair para andar 6/7Km a pé e pegar ao serviço ao nascer do sol.
    Claro que não me comprava roupinha da Chicco, não havia uma alarvidade de marcas de leite com 90 vitaminas (era açorda), dava-me banho com sabão azul e branco, lavava as fraldas (a minha filha usou fraldas de pano e ainda não tem 30 anos), e o meu infantário era debaixo de uma videira ou um arbusto que fizesse sombra.
    Também tive a sorte de nascer antes da invenção do telemóvel e do iPod, menos uma despesa para os velhotes e herdei os livros dos meus irmãos e uma mala de cartão já sem bandoleira nem pega.
    E queres saber? Com 10 anos era eu que fazia as contas todas do dinheiro e das dívidas que havia. Chora na almofada quando o meu pai estava a falir e andava com o que sobrava de umas botas de borracha que já tinham perdido o cano.
    Bom, mas o post não era sobre isto... ou era? :)))

    ResponderEliminar
  8. Pois. Há uns tempos atrás provavelmente sentiria pena dessas miúdas, mas agora já não sei se tenho mais pena das miúdas ou dos casais que hoje em dia querem ter filhos e não o podem porque a crise não deixa.

    ResponderEliminar
  9. S* há muitos casos assim infelizmente especialmente quando são adolescentes. Mas dou-te o meu exemplo: 30 anos, designer, 1.50m de altura e dada a minha profissão visto-me como me apetece e muitas vezes n aparento a idade q tenho. Tenho uma filha de 2 anos e já ouvi conversas muito preocupadas nas minhas costas porque achavam q eu tinha aí uns 10 anos a menos por ser pequenita! A cara das pessoas às vezes engana-nos :)

    ResponderEliminar
  10. Runaway, lá isso também concordo... as crianças não precisam de roupas xpto e de carrinhos fashion. Precisam é de comida boa, cama jeitosa e roupa lavada. O meu irmão também não tem 30 anos e usou fraldas de pano. E eu também!

    ResponderEliminar
  11. In_and_out, refiro-me a meninas que eu sei terem a minha idade ou mais novas ainda. :)

    ResponderEliminar
  12. ainda a pouco tempo andei com um carrinho de bebe... e não sou mãe. lol as vezes nao quer dizer nada.
    e quanto a ter bebes... se estao à espera que a crise passe, acho que ja nao vale a pena.

    ResponderEliminar
  13. Mas então vê-se nas + novas, pq há mtas mais velhas, que ponderam bem por causa da situação profissional e da crise.

    Já agora, aproveitamos para agradecer as dicas sobre Viana. js

    ResponderEliminar
  14. Concordo. E eu conheço taanta gente que podia ter tido mais juizinho... Não estou a falar em abortar, claro, o juizinho vem antes da criança sequer existir. Mas enfim, cada um sabe de si.

    ResponderEliminar
  15. é verdade! elas não têm noção das consequências!

    ResponderEliminar
  16. zorro, o aconselhador29 de agosto de 2012 às 18:55

    No geral estou de acordo com as comentadoras. Nas mulheres é hoje muito complicado ter filhos, nos homens nem tanto ou mesmo nada.
    Para evitar ter filhos, e isto para os vossos namorados/maridos, façam amor com a cunhada. Só nascem sobrinhos.

    ResponderEliminar
  17. Filipa, ahahah. Realmente há gente que engana, mas nestes casos em concreto são meninas que andaram na escola comigo. :D

    ResponderEliminar
  18. Realmente ter um filho,é uma renda para a vida.....

    ResponderEliminar
  19. Depois do que disse o Runaway quase fico sem palavras...
    Para mim também não foi facil e estou criada e feliz; quando chegou a minha vez de ter filhos fiquei-me, e com enorme pena minha, por apenas um filho; todos me diziam que "uma criança quando nasce traz um pão debaixo do braço", mas não é assim tão simples...
    Desejo o melhor a essas meninas-mães e espero que possam contar com o apoio das familias.

    ResponderEliminar
  20. Por um lado tens razão. Mas a verdade é que a queda da natalidade no nosso país é preocupante, S*

    ResponderEliminar
  21. Runaway,concordo contigo a 100%. Eu tenho uma filha com 22 anos que usou fralda de pano até aprender a ir ao bacio, apnas usava descartáveis para viagens e sabem porque porque á época eram carissímas e ainda não havim marcar brancas.
    Quanto a haver condições, ambos tinhamos casa e trabalhavamos mas sou muito franca se não tivessemos ajuda dos papás teriam passado mal. No dia em que a minha filha nasceu tinhamos 20 contos no banco.
    Ah também eu fui muitas vezes confundida como "mãe adolescente" com 26 anos.
    Pessoalmente acho a gravidez na adolescencia um acto de irresponsabilidade pura, porque se não forem os avós das crianças meu Deus... e nesta época que já tem mais de 40 anos de contracepção NÃO HÁ DESCULPA, mas enfim sempre houve e vai continuar a haver.
    PR

    ResponderEliminar
  22. Não sei a tua idade S*, mas por exemplo da minha (22) também conheço raparigas com filhos. Eu, sinceramente, não me sinto minimamente preparada para ter uma criança, mas acredito que elas sintam! Acho que é uma questão de prioridades, talvez. Eu ainda quero estudar mais, ter um bom emprego. Elas quiseram casar e ter filhos. E concordo, criar filhos com uma vida tão pouco estavel, deve ser bem complicado.

    Paula

    ResponderEliminar
  23. É uma questão de prioridades. Há quem abdique de tudo o resto para criar um filho :)

    ResponderEliminar
  24. Concordo com o Runaway.
    Aquilo que dou à minha filha, por vezes é muito mais do que o necessário.
    Hoje em dia achamos todos que a criança tem de ter quilos de roupa, sapatos, brinquedos, material escolar... E há quem ache que se não tiver possibilidades de dar um certo nível de vida à criança, prefere não ter.
    Quanto ao post da S. a mim preocupa-me é a maturidade (ou a falta dela) destas mães tão novinhas para cuidarem do seus filhos.
    Mas no fundo a idade não quer dizer nada. Conheço mães com 30 anos que são bastante irresponsáveis...

    ResponderEliminar
  25. Um filho dá muitas despesas...isto, porque como disse o Runaway se põe a fasquia muito alta logo à saída do berço. Eu conto os trocos. Mas se por sorte me aproximar da casa dos meus pais vais ver como, se Deus quiser, ainda tenho mais outro!

    ResponderEliminar
  26. Não me importaria de engravidar com 23 anos. Sei que tenho maturidade e que seria capaz de gerir o dinheiro para poder cuidar bem de um filho... mas, de forma responsável, prefiro obviamente esperar por tempos melhores.

    ResponderEliminar
  27. Também me faz muita confusão mesmo.

    ResponderEliminar
  28. infelizmente é o que mais há. Só aqui nas redondezas...

    ResponderEliminar
  29. Concordo em pleno contigo. A minha mãe teve-me com 18 anos e não tinha condições financeiras ou psicológicas para isso.
    Depois já se sabe quem é que sofre com esses problemas...

    ResponderEliminar
  30. Estava na hora de nos deixarmos de maluquices e sermos sensatas com as compras para as crianças. Talvez um banco de roupa e materiais...

    É uma barbaridade o que se gasta com o carrinho, a cadeira, a alcofa, o ovo , a... e algumas destas não se gastam, mas é o 1º filho e tal.

    Fora isso realmente é carote, mas também pelas outras opções que se fazem, tal como já foi dito. Já não se dá açordas, nem bolachinha com banana, nem pão...só iogurtes e papas e outras que tais. Claro que assim sai muito mais caro.
    E antes quando os iogurtes não eram vulgares as crias crescidas com saúde.

    ResponderEliminar
  31. Tocaste num bom assunto.
    Choca me e muito ver moças de 16 e 20 anos já com filhos ao seu encargo e muitas delas a viver a custa dos pais...
    Para ser mãe é preciso ponderar e muito, as despesas são mais que muitas nunca para e não venham com tretas que quem cria um cria dois... por favor

    So o valor das creches é ja uma aluguer de uma casa.

    Eu com 16 e 20 anos queria era curtir e nem pensava sequer em casar um dia.

    E cada vez mais com tanta informação vejo miudas e miudos destas idade completamente atados...

    ResponderEliminar
  32. Está aqui pano para mangas...se eu engravidasse neste momento assumo que não saberia o que fazer.

    ResponderEliminar
  33. Concordo plenamente com a Runway.Eu tenho uma filha e pode-te parecer etupidez ( até podes não acreditar), mas consigo juntar mais dinheiro agora, os ordenados são iguais mas as prioridades mudaram, a vida mudou...

    Eu também sou das que acho que os filhos não são caros, os pais é que os fazem caros.
    Quando tiveres um vais ver, não é assim tão complicado.Complicado é queres dormir e eles não deixarem :P

    bjs grandes

    ResponderEliminar
  34. Hoje com 27 anos também acho estranho ver "meninas" com 22 anos serem mães, mas espera! Eu tenho uma filha com quase 4 anos. Na altura era uma míuda? Não, trabalhava há 5 anos, era casada há 2. A minha mãe foi mãe aos 19, logo, eu não fui mãe cedo. Hoje em dia é que a malta deixa tudo para mais tarde. Eu cá já estou a trabalhar para o segundo.
    A tua apreciação creio que foi para as mães que não planearam mas a mim também me catalogaram como uma mas erradamente. Provavelmente porque aos olhos mais maduros parecemos muidinhas.

    ResponderEliminar
  35. Je, claramente que o teu é um caso que pode ser dado como bom exemplo. Foste mãe nova, é certo, mas já numa relação segura e com uma vida estável. Parabéns!

    ResponderEliminar
  36. ce. também é verdade, as pessoas estão demasiado mal habituadas.

    ResponderEliminar
  37. S* não temos então uma diferença de idades assim tão grande :)
    Juntei-me com 19, casei-me com 20 e fui mãe com 24. Felizmente não preciso de ninguém para sustentar o meu filho, nem me acho uma miúda :)
    E com isto tudo, trabalho há quase 8 anos, bolas, sinto-me velha! :D

    ResponderEliminar
  38. In and out, ora, e pelo teu blogue dá para ver que tens feito um bom trabalho. :)

    ResponderEliminar
  39. Antigamente as pessoas tinham muitos filhos e tudo se criava, como diz a minha avó.
    O problema actual é que há despesas somadas que eram desnecessárias.
    O mais importante para uma criança deveria ser o tecto e a comida. Mas infelizmente desde coisas ele´ctrónicas, até exigências das escolas, etc, os gastos não-básicos são imensos e torna-se complicado sustentar crianças.

    ResponderEliminar
  40. Numa altura em que supostamente toda a gente tem acesso a informação sobre contracepção, será de facto preocupante os números ainda um pouco altos das gravidezes na adolescência. Claro que há adolescentes que podem ter desejado tal gravidez, e claro que há os acidentes mas é preocupante, por diversas razões.

    ResponderEliminar
  41. viva a natalidade, Portugal precisa de babys ... Mas também acho que este é um passo que deve ser sempre muito bem pensado, embora por vezes aconteça sem que se esteja à espera

    ResponderEliminar
  42. Mas o amor é de facto a coisa mais importante S*! ;)

    As vezes ficamos "eternamente à espera" do momento certo e exato: estabilidade profissional, casa, carro, salário fixolas...e o tempo passa...
    Eu sei que vou parecer cafona, mas acho muito bonito uma mãe jovem - tal como a minha (que casou ainda com 17 e foi mãe aos 20) Ou seja, sempre andou de bicicleta comigo, brincou imensooooo! Uma coisa que me assusta é ter filhos "tardiamente" e depois não estar suficientemente agil para brincar com eles! Faço sempre assim as contas: se for mãe aos 30, quando ele/s tiver/em 10 eu tenho 40 (parece-me razoavel); se for aos 38...48...já me aflige :(

    Beijinhos!!

    ResponderEliminar
  43. Ah sim não me levem a mal mas o que a feliz disse é verdade! Engravidei aos 27 acabados de fazer mas quando ia fazer as ecos parecia q estava numa consulta de geriatria quase! Mães velhas e com ar velho q quando o filho tiver 20 anos estão mais para avós do que para mães! E se calhar nem conseguirão conhecer os netos! Quanto à estabilidade e etc quando decidimos ter uma filha tínhamos os dois óptimas condições e ordenados. Passados 3 anos nem vou comentar a reviravolta que isto deu e a ginástica q fazemos com as creches em Lisboa a custarem pelos 400€ e neste momento apenas um de nós estável porque o outro está a fazer biscates fruto de desemprego inesperado como acontece com tanta gente. Basicamente para dizer que o q hoje é estável amanhã deixa de o ser...! Estarmos sempre à espera da melhor altura, esta nunca existe porque hoje é por isto e amanhã por aquilo. Temos ao menos de garantir o essencial: cama, comida, higiene, saúde e educação e já é imenso e custa muito :) mas uma coisa é certa: vale muito a pena e é sem duvida a melhor experiência da vida :)

    ResponderEliminar
  44. Já é a 2ª vez que leio este post. Da primeira não consegui comentar. Mas agora, e depois de uma leitura "por alto" dos comentarios, tenho mesmo de dizer: o meu filho mais velho nasceu quando eu tinha 17 anos. Tenho uma bela história de vida! Pode ser que um dia te conte... :D
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  45. Geriatria?! Filipa!!Que exagero.

    As meninas com 16, 20 anos é que olham (ou olhavam)para mulheres de 40 como se fossem velhas.
    Não sei quem acompanha melhor os filhos se ua mãe de 20, 30 ou 40. Talvez acompanhe melhor ...quem os ame, independentemente de saltar andar de bicicleta, ler...

    ResponderEliminar
  46. O termo geriatria foi obviamente utilizado como uma metáfora, é claro que uma mãe de 40 não é uma mulher velha, mas será uma mãe "velha" conforme o filho crescer, porque o fosso de gerações será enorme. Como o disse, quando tiver o filho a entrar na idade adulta terá quase 60 anos. Se o filho tiver tb ele filhos aos 40 nunca conhecerá os netos. Mas são opções e cada um é livre de fazer as suas. Eu tentaria a todo o custo uma gravidez de risco, com todas as implicações q pode ter, amniocentese e etc, fora o que repito me parece mais gravoso: o filho poder ficar sem os pais cedo. Nunca sabemos o que a vida nos traz e eu mesma perdi os meus pais aos 20 inesperadamente, mas ter 20 e pais com 60 ou mais aumenta a probabilidade de nos podermos ver sozinhos numa fase da nossa vida em que ainda precisamos de imenso apoio. Mas como disse cada um tem filhos com a idade que quiser, mas q aqueles consultórios faziam alguma impressão porque mal se viam mulheres de 30, andava tudo quase nos 40 ou mesmo lá, algumas de cabelo branco, maridos todos carecas e com ar velho... Se não fosse um consultório exclusivo de ecografias obstétricas garanto que nunca imaginaria que aquelas senhoras estariam à espera do 1º filho. É a minha opinião. Eu gosto de pensar que se a vida permitir q terei bons anos ao lado dos meus filhos e que tenho a juventude para ter paciência para determinadas maluquices e brincadeiras. Mas mais a vez como disse é a minha opinião e foi a minha escolha e vale o q vale, mas não posso deixar de ver q cada vez temos filhos mais tarde porque a vida não nos deixa outra opção.

    ResponderEliminar