Das prioridades de cada um (e das conversas de mulheres)

E ela disse-me que achava surpreendente eu colocar a minha vontade de viver com o mais-que-tudo à frente de tudo o resto. À frente do dinheiro que poderia guardar para mim, para roupa, viagens e outras coisas. Coisas só minhas. E eu pensei: nada me fará mais feliz do que ter uma casinha com o homem que amo. Mesmo que o dinheiro não sobre. Mesmo que tenhámos de comer massa de atum a semana inteira. Mesmo que não possa ir ao cinema, jantar fora ou comprar uma roupa nova. Vou tê-lo a ele, à nossa casa, e possivelmente um gato só nosso.

Consigo perceber perfeitamente quem vive de uma forma mais, digamos, egoísta (palavras dela). Quem vive mais para si e para as suas vontades. Eu nunca fui assim, apesar de reconhecer vantagens em ser dessa forma. Sempre fui muito altruísta e sempre acreditei que não há nada que me satisfaça mais do que estar ao lado de quem quero.

Amor. What else?


Adenda: Eu não critico, de forma alguma, quem vive mais para si. Aliás até consigo encontrar imensas vantagens em viver dessa forma. Isso vai da educação de cada um, das ambições de cada um, da forma como cada um quer levar a vida.

Comentários

  1. Lindo :) isso é capaz de sofrer alterações com o tempo... para melhor ainda! Acho que a nossa definição de amor diz muito sobre nós.

    Beijo*

    ResponderEliminar
  2. e eu concordo inteiramente com a tua posição!
    (atenção especial a: "e possivelmente um gato só nosso." *.* ahahhah)

    ResponderEliminar
  3. Amar alguém é ser altruísta e não colocar as nossas necessidades à frente disso :)

    ResponderEliminar
  4. Acho que o certo é o equilíbrio entre viver pra si próprio e para os outros. Nenhum extremo. Já vivi demais para os outros e se aproveitaram de mim, já vivi demais pra mim mesma e o mundo me abandonou. Amor próprio e amor às pessoas, é esse o equilíbrio!

    Tô seguindo flor!

    Se puder passa no meu e segue:
    http://leilakruger.blogspot.com

    Também quero te convidar a conhecer o romance que tô lançando pela Editora Novo Século, "Reencontro". No hot site tem a sinopse, o primeiro capítulo e até como comprar. Caso te interesses:

    www.leilakruger.com.br

    Boa semana!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  5. :) Como dizes e bem, cada um com as suas prioridades.

    ResponderEliminar
  6. Sim, são prioridades, cada um tem as suas e tendo a certeza do que se quer é bom ir em frente. Costumo dizer que uma pessoa só sabe o que quer, depois de saber quem é. Se não há nada mais que te satisfaça que estar com ELE não importa, haja o que houver então força. O amor é muito disso, do altruísmo e se tens isso tão dentro de ti, como espero que ele também tenha então vai ser lindo e inesquecível.
    Eu não penso como tu. Não quero dizer nunca o faria porque uma pessoa não sabe, mas hoje em dia, depois de tudo o que vivi e, principalmente do amor que tenho por mim, não conseguia por isso em troca do amor. O amor é uma das melhores partes desta vida, sim senhor que é, mas para mim não é tudo e sinto que ainda sou muito jovem para algo assim.

    ResponderEliminar
  7. tenho ua visão bem diferente, mas não me considero de todo uma egoista. para mim é muito importante ter ao meu lado o meu namorado, mas e se um dia ele lá não estiver? por isso é que a carreira e o trabalho são para mim pontos fulcrais. se eu não for independente economicamente, uma mulher completamente autónoa e realizada, segura na sua profissão, como poderei ser amada por quem quer que seja. nada é eterno. o amor é muito importante, claro, mas mais importante é o que se faz da nossa vida, com ou sem namorado.

    ResponderEliminar
  8. S* não acho que a outra forma seja uma forma de viver mais egoísta. É simplesmente uma questão de forma de ser de cada um e de escolhas. Por mim falo porque eu neste momento da minha vida, com 22 anos, não trocaria a minha vida individual, os meus projectos e as minhas coisas por uma vida a dois. É um ponto de vista mais centrado em mim, é verdade, mas é assim porque acho que não é o momento para nada disso ainda. Por outro lado, há pessoas que querem ter a certeza das coisas antes de darem passos importantes (certezas, certezas nunca se têm, mas o mais próximo possível de ter certezas). Eu identifico-me muito com isso porque penso sempre: e se depois não valesse a pena abdicar de tudo, das minhas coisas, dos meus projectos, da minha vida individual e acabasse por não dar certo? Mas isso é de todo uma questão que não me coloco agora, colocarei sim um dia (daqui a muitos dias) quando pensar em dar esse passo.

    ResponderEliminar
  9. Cada pessoa tem as suas prioridades.
    Parece-me a mim que por a prioridade TER acima da prioridade SER não faz feliz ninguém, pode parecer que faz, mas não faz...

    Essa ela se calhar queria era um ele porreirinho ao seu lado e como não tem, dedica-se ao TER ;)

    ResponderEliminar
  10. Essa pessoa nunca deve ter amado a sério na vida. Porque viver com a pessoa que amamos é um dos maiores prazeres que podemos ter (pelo menos dos que eu já tive).

    ResponderEliminar
  11. Concordo contigo plenamente, não me arrependo nem um segundo de ter entrado na minha aventura e já lá vão 3 anos e meio :) kiss

    ResponderEliminar
  12. Eu pensava como tu... Ou melhor, ainda vou pensando (por mais que a realidade se imponha)! Mas, depois do sonho da casinha com o mais-que-tudo se ter concretizado, outras questões se levantaram. Essa história de "comer massa de atum a semana inteira" é super gira, mas comigo só resultava nas férias (antes, quando ainda não vivíamos juntos)! Agora a relação mostra-se mais trabalhosa! Não basta o "amor e uma cabana", como eu pensava... é preciso mais! Contudo, a felicidade é possível!! Não podemos desistir dos nossos sonhos, mesmo que tudo pareça contra nós!

    (Ah, já agora deixa-me apresentar! Sou a Mary e sou nova nestas coisas! Criei hoje o meu 1ºBlogue! Tenho lido "as tuas pequenas coisas" e tenho gostado bastante! Parabéns!)

    Até breve!

    ResponderEliminar
  13. Calma lá, eu não quero críticas à forma de viver dos outros. Até porque a pessoa que me disse o que disse é uma pessoa de quem começo a gostar bastante, apesar de a conhecer há pouquinho tempo.

    Cada um tem a sua forma de viver, as suas prioridades... as minhas sempre foram o amor. Mas não descuro, em momento algum, a minha vida pessoal. Tenho o meu trabalho, que adoro, e não abdico dele por nada. No Sábado tive um jantar com amigas, este Sábado vou ter outro e, se deus quiser, daqui a duas semanas terei outro. Jantares meus, de actividades minhas... se bem que o namorado pode vir, se lhe apetecer. :) Mas eu não abdico de mim nem das minhas coisas... assim como ele não abdica das coisas dele. Ainda hoje foi para o Porto, ensaiar com a banda dele. E eu cá estou, em casa. Não nos anulamos um ao outro e é exactamente isso uma das coisas que mais admiro na nossa relação.

    Apenas tenho o SONHO de viver com ele... o que não me parece nada mau. :)

    ResponderEliminar
  14. Como me parece ser a cota cá do sítio, permitam-me dizer algo dos meus 46 anos de vida e quase 25 anos de casada e com duas filhas (uma das quais mais velha que a S*).

    O amor e uma cabana é, de facto, uma utopia. Mas também é uma utopia pensar-se que não é possível sermos economicamente independentes, ter sucesso numa profissão e ter tempo para nós pelo simples facto de termos uma família.

    Já estava casada quando terminei o meu curso. Fiz o estágio de advocacia grávida. Infelizmente não pude contar com a ajuda de familiares. Mas pude contar com a ajuda do meu marido que sempre me apoiou e incentivou. Foi assim que fiz pós-graduações e que percorri o País inteiro para julgamentos. Hoje, e apesar de já não exercer a advocacia, exerço uma profissão que apesar de me obrigar a trabalhar largas horas me realiza profissionalmente.

    Mas, acima de tudo, nunca deixei de ser "eu". De ter o meu círculo de amizades. De conviver. Tal qual o meu marido. Por exemplo, neste momento está ele a tirar uma licenciatura.

    Gosto de dizer, porque é isso que eu sinto, que o casamento não anulou nenhum de nós. O casamento completou-nos porque é partilha e cumplicidade. Mas antes de ser mãe, companheira e amante sou mulher. E não prescindo de o ser.

    Tenho sorte? Talvez. Mas é preciso trabalhar para ter esta sorte.

    As prioridades somos nós que estabelecemos (e todas elas são legítimas). Mas não nos podemos esquecer que a vida pode intrometer-se no plano mais bem elaborado". A grandeza de cada um de nós está na forma como lidámos com essa intromissão.

    E mais uma vez fiz um testamento. Qualquer dia a S* "expulsa-me".

    :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. NI, com espírito de sacrifício, tudo se consegue. Tendo em conta a situação económica do país, tendo em conta que estou em início de carreira, claro que não posso achar que vou ter uma vida de luxos. Mas fiz uma escolha, quero viver com o namorado. Para isso, vou abdicar de outras coisas... mas honestamente, nem sequer penso nisso. Sei que esta é a escolha certa e o futuro se verá. :) Aliás, até acho que ter de poupar, de esticar daqui para cobrir ali, faz parte do charme de viver junto. :)

    ResponderEliminar
  16. Eu que, como sabes, já tenho uma visão diferente da tua, acho que o importante é fazermos aquilo que nos faz sentir bem e feliz. Não existem fórmulas nem regras que se apliquem a toda a gente, nem para toda a vida. O que é bom para mim não tem necessariamente de ser bom para ti, até porque a nossa cabeça vai mudando (ou não) consoante as coisas que vamos vivendo. O que interessa é o que te faz feliz agora.

    ResponderEliminar
  17. A prioridade é ser-se feliz! Tudo o mais que se conseguir é apenas uma compensação da felicidade!

    ResponderEliminar
  18. nem tanto ao mar nem tanto à terra. O amor e uma cabana é uma coisa muito bonita mas é coisa de filme. Na prática as coisas tornam-se diferentes e só quando a relação está realmente estabilizada e madura se consegue margem de manobra para ultrapassar as discussões por causa de dinheiro. porque elas vão acontecer e vai ser preciso calcular muito bem as coisas e ser feliz com pouco é uma arte que poucos dominam...

    ResponderEliminar
  19. Cláudia, isso é evidente. Eu tenho plena noção de que o dinheiro pode ser uma chatice, mas sempre tive de me virar com pouco dinheiro, estou mais do que habituada a prescindir de pequenos "luxos". :)

    ResponderEliminar
  20. S*, por incrível que pareça, penso que parte do sucesso do meu casamento foram as dificuldades que ambos enfrentámos no início da nossa vida em comum. Não tivemos ajuda de ninguém. Só pudemos comprar o nosso primeiro carro (uma carrapana a cair de podre) dez anos depois de nos casarmos. Até essa altura o meu marido levantava-se às cinco da manhã porque tinha de andar quatro Kms a pé porque o 1º autocarro que passava perto da nossa casa era às 8 horas, hora a que ele tinha que estar no trabalho. A mim cabia-me pegar na miúda, na saca dela, na minha carteira, na mala com os livros, na toga e apanhar dois autocarros até chegar ao infantário (agora imagina em dias de chuva). Foram tempos loucos mas felizes. Mas, acima de tudo, isso tornou-nos mais fortes. Sem dúvida alguma.

    :)

    ResponderEliminar
  21. NI, eu acho que as dificuldades tornam um casal mais forte, sem dúvida. Nós já passamos pelas nossas e só tem sido bom para nos dar forças. :)

    ResponderEliminar
  22. E eu admiro verdadeiramente essa forma romântica de viver. Não sou assim, nunca fui e dificilmente alguma vez serei. E por isso admiro essa falta de apego ao "eu" para viver mais intensamente um "nós". Possivelmente sofro menos desilusões assim. Mas acredito que provavelmente também nunca serei tão intensamente feliz.

    ResponderEliminar
  23. Madame linda, eu acho que tu és feliz ao teu modo porque, tal como disseste, és muito mais intensa em algumas coisas, nas viagens, em coisas que fazes e que talvez eu não vá poder fazer. Custa-me um bocadinho ler-te dizer que talvez nunca sejas tão intensamente feliz... do pouco que conheço de ti, parece-me que mereces bastante ser feliz. Tenho a certeza de que, mais dia menos dia, conseguirás essa plenitude. :)

    ResponderEliminar
  24. Querida S*, não me entendas mal...se calhar também não me expliquei bem. Eu sou uma pessoa muito feliz...à minha maneira, que poderá não ser uma maneira muito consensual. Sinto que não poderia ser mais feliz do que sou neste momento: Tenho o melhor marido do mundo, tenho os melhores amigos do mundo, tenho um trabalho que adoro, e felizmente, posso viajar e conhecer o mundo que é das coisas que mais prazer me dá. Se eu poderia ser igualmente feliz apenas com alguma destas coisas? Não, não podia...e daí admirar quem consegue ser. Somos todos diferentes e não há fórmulas universais de felicidade. E ainda bem que assim é senão seria um mundo extremamente monótono:)

    ResponderEliminar
  25. Agora sim, gostei de te ler, Madame. :D Isso transparece, sabes? Transparece que és feliz, que tens uma vida que te agrada, que és segura e confiante na tua vida. Isso é muito bom. Ter estabilidade é muito importante. Eu, essa, ainda estou a conquistá-la... :)

    ResponderEliminar
  26. eu também quero muiiito viver com o meu namorado :) compreendo isso que dizes, nós começámos a trabalhar há pouquíssimo tempo e já falamos nisso... claro que não é fácil, nos dias de hoje, sustentar uma casa e ainda assim juntar algum. mas são prioridades, como tu dizes.

    ResponderEliminar
  27. Eu considero essas pessoas egoístas.

    ResponderEliminar
  28. Já não sou nenhuma miuda, sempre dei prioridade ao amor e nunca me arrependi. O que interessa é que sejam amigos. O amor não é tudo quando se decide partilhar vida, casa e cama.

    ResponderEliminar
  29. Não poderia estar mais de acordo contigo ;)
    Eu tenho uma casa só para mim, dinheiro só para mim e a cama só para mim. Quem me dera poder partilhar tudo isto com o meu grande amor.

    Sou totalmente a favor!

    ResponderEliminar
  30. Resumindo de forma mais clara (e que pessoalmente acredito piamente): é o DESTINO de cada um!
    Acredito que todos temos uma missão na vida. Por isso, o meu caminho não é o teu e o teu não será o da tia amiga.
    Como bem disseste, cada um tem histórias, educações, experiencias e ambições diferentes. Como tal, ninguém esta mais correcto do que o outro.
    Segue aquela que é a tua vontade acima de tudo! Assim sentirás que estás a cumprir a tua vida e a ser feliz

    ResponderEliminar
  31. Cada um tem que lutar por aquilo que o faz mais feliz e encaminhar a sua vida nesse sentido. Lá por ires viver com o teu namorado é óbvio que não pões de parte tudo o resto, uma pessoa para ser feliz é óbvio que tem que ter amor, amigos, emprego... o ideal é conjugar tudo :) compreendo-te muito bem! Estou ansiosa para que esse meu dia chegue, se vivesse só com ele e não conseguisse fazer mais nada na vida (trabalhar, estar com amigos, passear...) era infeliz, mas também se trabalho, estou com os amigos e passeio, mas não posso acordar todos os dias agarradinha a ele também não sou feliz ;) desejo-te as maiores felicidades **

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares