Avançar para o conteúdo principal

Ódiozinho de estimação número 2

Pessoas que se esquecem que têm filhos.

Um divórcio não deveria implicar deixar de prestar atenção aos filhos. Mas em alguns casos implica.

Um divórcio não deveria implicar ver os filhos de três em três meses. Mas em alguns casos, implica.

Um divórcio não deveria implicar dizer à mãe dos filhos "governa-te". Mas em alguns casos, implica.

Sou a favor do divórcio, depois de esgotadas todas as tentativas para salvar a relação. Mas divorciar-se da mulher/do marido não deveria significar divorciar-se dos filhos. Não deveria significar deixar os filhos para segundo plano.

Não deveria. Não é assim que as coisas devem acontecer. Não é suposto. Mas grande parte das vezes é assim que acontece.

E choca-me. Choca-me profundamente.

E quando um dia, os pais/mães se lembrarem de ser verdadeiros pais e mães, pode ser que seja tarde.

Cada um colhe aquilo que semeou.

Comentários

  1. é, infelizmente tem muita gente que n tem amor aos filhos a ponto de nunca abandona-los. pena.


    bjosss...

    ResponderEliminar
  2. Será que um pai e uma mãe quando relegam um filho para segundo plano não percebe que é uma parte de si que ignora?

    ResponderEliminar
  3. o sangue deveria falar mais alto... mas por vezes parece que se esquece!

    ResponderEliminar
  4. Pois que palavras sábias sanxery...
    Como entendo o que dizes.
    Mas talvez esses senhores achem que o divórcio não foi apenas da esposa mas também da familia em geral....
    beijinhos grandes e fofos

    ResponderEliminar
  5. E fazer dos filhos moeda de troca nas desavenças e divergências do divórcio? Os pais que utilizam os filhos para fazer chantagem com parceiro/a, deviam ser penalizados fortemente. Essa gente nem sabe o mal que estão a fazer, os problemas futuros que vão causar, na vida dessa criança e nem sabem o que é ter amor a um filho.
    É por isso que cada vez gosto mais dos animais.
    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Sanxeri: A unica coisa que me ocorre é enviar-te um beijo sentido*

    ResponderEliminar
  7. Não é uma questão tão linear assim e muitos dos que opinaram, se passassem por uma situação dramática desse tipo, fariam igual. Há mesmo quem não precise de divórcio para ignorar os filhos, portanto, não vale a pena estar a atirar pedras quando não se sabe se se tem telhados de vidro ou não. No entanto, obviamente é uma questão delicada. Mas vejamos, o divórcio vale pelo que vale. Assim como o casamento, não passa de um papel que consuma um estado de espírito e ligação com a outra pessoa. Se andarmos a insistir demasiado tempo numa relação só porque temos filhos, então aí meus amigos, os intervenientes começam a não se suportar e a criar de facto odios que acabam por prejudicar o relacionamento entre eles e claro, com os filhos. O ideal, antes de mais, seria as pessoas aprenderem a relacionarem-se entre si. Perceber que se uma relação acabar, não será o fim do mundo. Mais tarde, aprender que um filho é a preciosidade mais importante que se pode ter e amá-la, independentemente de estarmos com o pai ou mãe deste.
    Só vos peço para pensarem antes de "atacarem", porque não estamos a falar de um assunto claro nem preciso; que envolve muitas variáveis.

    Sanxeri, tema muito oportuno, como sempre! :) Um beijo, boa semana!

    ResponderEliminar
  8. Muitas vezes, existem casamentos ainda feitos, que mais parece que cada um se vira para o seu lado e que quem acaba por levar por tabela sao os filhos (quando estes existe).
    Ou é porque a mae arruma a casa e nao tem tempo para ouvir o filho - talvez mais tarde- ou porque vai ter que sair com umas amigas, ou é o pai que está a ver o futebol e ninguem pode interromper, ou porque tambem vai trabalhar, ter jantares com os colegas de trabalho ou entao vai ter uma partidinha de futebol (ou qualquer outro desporto)com os amiguinhos...
    por essas situaçoes os filhos ja começam a ficar para segundo plano...

    Quanto aos divorcios, tambem existe muito disso, porque deve-lhes ir na cabeça (a alguns) que ao separar-se da mulher, livram-se de todos os cargos, incluindo os filhos que acabaram por ficar com a mae...
    quem fala do homem, tambem fala da MULHER... Conheço um caso que é exactamente ao contrario... o pai faz tudo e mais alguma coisa, mexe em meio mundo para conseguir ver o/a filho/a feliz, enquanto a mae (desculpai-me o termo), mais parece uma vaca que caga para tudo e quando vem julga ter algum direito quando está meses e meses sem aparecer...

    enfim...

    é claro que existem bons casamentos que apoiam e dao atençao a 100% aos filhos, como tambem há separaçoes que nao mudam nada em relaçao aos filhos, apenas ao casal em si, e que os pais -mesmo separados- adoram os filhos e estao sempre em primeiro plano para eles!!!

    beijinho :)

    ResponderEliminar
  9. Infelizmente, os pais muitas vezes não conseguem separar o seu papel de pai e mãe do papel de casal. Pai é-se para a vida. Marido ou mulher, só eventualmente. Conheço histórias do pior, de cada um tentar por crianças de 5/6 anos que têm tudo menos maturidade p/lidar c a situação, contra o outro. Que coisa mais triste! Beijinho *

    ResponderEliminar
  10. Minha carricinha, escuta as sábias palavras da tua Mãe Querida ( atenta nas maiúsculas) : Keep the best, ignore the rest.
    Quem te ama, quem é quem é quem é ??? A Mãe, claro.

    ***

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.