Avançar para o conteúdo principal
Desafiaram-me e eu respondi.

Já todos percebemos que Portugal é um país repleto de gente importante, de gente com status. Portugal é um país cheio de doutores e engenheiros e essa gente importante gosta de se fazer notar. Em nenhum outro país há este fervor pelos cargos, pelos títulos.

É incrível mas há quem exija que antes do seu nome venha o belo do "Dr." nos cartões de crédito. É que se não estiver lá escrito, o senhor (ou a senhora) pode achar que não tem o mesmo valor. Um direito que lhe assiste, está certo. Uma futilidade bem foleira, digo eu.

Também é comum telefonarmos para determinado sítio e dizermos "Queria falar com o Jorge Nunes". Depois de um tossir bem esclarecedor somos brindados com um "Queria falar com o Doutor Jorge Nunes?". Sim, isso faz toda a diferença. Se não dissermos Doutor, podem eventualmente confundir o nosso médico/banqueiro/advogado/... com o senhor que mora no 3º andar do número 181 da rua de baixo. Uma falta de respeito atroz. O Doutor faz toda a diferença.

Há uma necessidade incrível de exibir os títulos, no nosso país. Fazem-se reservas em hóteis em nome da Doutora X, abre-se uma conta num banco em nome do Engenheiro Y, há uma palestra numa faculdade com a presença do Professor Doutor Z. Se não estivessem lá os títulos, as pessoas podiam pensar que não lhes davam tanto valor. Tsc tsc.

Na Inglaterra toda a gente é tratado por "You". Não há cá "tu" e "você". Todos são tratados da mesma forma, com um jeito informal. Os ingleses preferem um tratamento mais informal, e quem recebe o título de doutor são só os médicos.

Em Portugal qualquer pessoa é doutora. Doutorada em quê? Muitas vezes em nada. Manias. Eu quando me licenciar não vou ter direito a tão importante tratamento. Nunca se ouviu ninguém dizer "A senhora doutora jornalista X". Tenho de reivindicar.

Maniazinha chata dos portugueses, num país a viver de aparências.

Comentários

  1. Isso já deu azo a muita conversa no meu blog, precisamente por no centro de saude terem frisado que tinha de chamar o meu médico por doutor. Para não me repetir, conto apenas que a minha mãe por exemplo, ficou chateada durante uns anos com uma amiga de infância, quando um dia ao ligar para a empresa dela, chamou a amiga ao telefone, e ela lhe deu um ralhete, que para a próxima tinha que a tratar por "Doutora" quando a chamasse para ir a chamada.

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que as pessoas no registo dos filhos deviam colocar como primeiro nome Doutor. Assim já não havia problemas de engano...

    Tristes as mentes tacanhas...

    ResponderEliminar
  3. Engraçado! Escrevi há pouco tempo sobre este tema no meu blog :) num post chamado "O País dos Doutores"... Concordo plenamente! É uma coisa tipicamente portuguesa e só exige esse tipo de tratamento quem não tem valor para se afirmar por mais nada... Prefiro, de longe, que me tratem pelo nome...

    ResponderEliminar
  4. Woody, se nós somos grandes não temos necessidade de ouvir os outros dizer que o somos. Quem sabe o seu valor, não precisa dessas mordomias. ;)

    ResponderEliminar
  5. um dia li uma entrevista dada pelo jerónimo sousa (JS). sim, esse do PCP, que tem para aí a 4ª classe e que sempre foi operário metalúrgico. ora, o jerónimo foi deputado à constituinte, na assembleia da república, logo após o 25 de abril.

    um dia, um dos porteiros da assembleia - homem vindo ainda do antigamente - dirigiu-se-lhe assim: "sr. dr. queira vir ao telefone".

    ao que JS lhe retorquiu: "não sou dr."

    o porteiro ficou atrapalhado e corrigiu: "desculpe, sr. engenheiro".

    e o JS torna: "também não sou engenheiro" e o porteiro mata a questão, atrapalhadissimo:

    "mil desculpas, sr. arquitecto"

    :)

    ResponderEliminar
  6. Hum, aí está um homem a que dou muito valor. Posso não concordar muitas vezes com o que ele diz, mas conseguiu vingar na vida, construir carreira política, a partir do nada. :)

    Sabes que no nosso país, para se ser político, parece ser obrigatório ter um curso. Pelos vistos são todos doutorados e mestres na arte da vigarice. :P

    ResponderEliminar
  7. gostei, gostei, gostei, e ainda gostei mais um bocadinho.

    Concordo com tudo :-)

    http://www.elediz.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Com o curso que estou a tirar, posso vir a ser conhecida por "Dra"... mas não faço questão disso.. Isso não me identifica..

    bjnho.

    ResponderEliminar
  9. Eu sei bem o que é isso. Verdade que estou a tirar a licenciatura, não farei questão de tirar o doutoramento para ser chamada de Dra, nem nada que se pareca. Gosto do meu nome como ele é, ainda que se pudesse mudava-o para mais curto. :)
    Decidi comentar este post porque lembrei-me duma história caricata. Dizes que para abrir uma conta num banco ou afins tem que ser tratados por Dr. não vá alguém sabê-lo, pois fica sabendo que até para fazer uma encomenda de pão, é necessário que se saiba que o Doutor X vem buscá-lo. Sim, a minha mãe que trabalha numa padaria (não é nenhuma Dra do pão, não se confunda) já teve de facto, um desses famosos tossir que a alertou que o pão estaria à espera do Dr. X e não do Sr. X. É importante. Por isso, já nada me espanta. Este país vai de mal a pior,sem dúvida.

    ResponderEliminar
  10. A Girl, futilidades vindas de gente sem confiança no seu próprio valor. :)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.