Avançar para o conteúdo principal

Interessante seria...

Se a minha tese de mestrado tivesse como objectivo explicar o fascínio do cheiro. Valha-me Deus, amor de perdição mesmo...

Recuso-me a lavar as mãos depois de tocar em quem quero. É tão íntimo.

Comentários

  1. Já me apaixonei por uma pessoa que tinha um cheiro que nunca encontrei em mais ninguém. ´Sem comentários...

    ResponderEliminar
  2. É um tema perfeitamente plausível... só importa a abordagem que é feita... :D

    ResponderEliminar
  3. Pois, eu compreendo bem isso. E o que mais gosto é de vestir uma peça de roupa usada por quem eu gosto, aquele cheirinho.

    ResponderEliminar
  4. Mesmo para ir de comer?
    Ca porcaria, pá.
    AHAHAHAH

    ResponderEliminar
  5. disserta à vontade sobre o assunto connosco :p

    ResponderEliminar
  6. Podes sempre "perfumar" as páginas da tese!

    Hmm, se calhar é melhor não!

    ResponderEliminar
  7. Ahahaha, isso seria interessante sem dúvida!

    ResponderEliminar
  8. Eu gosto do cheiro do perfume Escada! Que hei-de fazer??? É inebriante!

    ResponderEliminar
  9. só agora vi o teu comentario no meu blog. pois, é como escrevo melhor, no meu mundo assim burtesco ou melhor, poesco, umas vezes tolkeniano e outras vezes até dantesco. ;)

    se eu te quiseres contactar por mail já vi que nao consigo. o meu acho que tá disponivel no meu blog. diz me algo pra lá para eu ficar com o teu mail, como dizes no teu perfil para fazer.

    bye

    ResponderEliminar
  10. Para mim, o cheiro `e o que mais desperta recordacoes.
    Tal como no "Eternal Sunshine of the spotless mind", muitas vezes me apeteceu remover o olfacto, para poder assim remover memorias nao desejadas.
    A nivel sexual, nao ha melhor "turn on". E depois daquelas sessoes olimpicas, o cheiro que fica no corpo, nas maos? Nem da vontade de lavar! :D

    ResponderEliminar
  11. Não lave...ninguém a vai tratar mal por isso!
    Abracinho

    ResponderEliminar
  12. Scarlet, minha linda, o cheiro depois das sessões é uma coisa... soberba. :P~(isto sou eu a babar-me)

    ResponderEliminar
  13. isto pode parecer estupido, mas hoje tava a almoçar, sozinha a olhar pra nada e lembrei-me do teu post do tacto. e agora outra vez o cheiro. tens tanta razao!

    ResponderEliminar
  14. Quantas vezes vou no autocarro ou na rua e cheira-me a alguém que já me foi próximo lol Lembro-me imediatamente da pessoa e, muitas vezes, desperta uma certa nostalgia..

    ResponderEliminar
  15. LOL
    Mas durante muito tempo? :p

    ResponderEliminar
  16. Melhor que isso é aperceberes-te que ainda carregas o cheiro nas mãos quando vais dormir... quando nem sabias que o tinhas :)

    ResponderEliminar
  17. Ainda hoje me lembrei do cheiro de alguém muito especial e que já não tenho há muitos anos... mas o cheiro dele, esse ficou para sempre gravado num canto qualquer da minha memória.

    ResponderEliminar
  18. Ai... (suspiro)! Como eu te compreendo (suspiro)! Mas podes falar connosco! Há aqui muita gente que gosta do assunto! (suspiro)!

    ResponderEliminar
  19. andas a tocar no da barba de 3 dias? :p

    ResponderEliminar
  20. Eu também tenho uma paranoia com os cheiros.

    Além de ter uma grande colecção de perfumes, tenho a mania de associar cheiros a pessoas, lugares, momentos...

    ResponderEliminar
  21. É algo que valorizo. O cheiro da minha cara-metade é embriagante e deixa-me sempre saudades na sua ausência. Seria capaz de o reconhecer no meio da multidão se me vendassem os olhos.

    ResponderEliminar
  22. Se precisares de "cobaia" já sabes onde me encontrar....:D

    ResponderEliminar
  23. Ainda sinto o cheiro do "meu" homem quando namorávamos, na Primavera! É incrível mas nunca mais o esqueci! Agora também cheira muito bem mas aquele cheiro... Dos tempos em que um roçar de dedos já era uma excitação!!! :P

    ResponderEliminar
  24. Eu percebo-te. Há cheiros que se colam a nós e ainda bem*

    ResponderEliminar
  25. Nunca (em um pouco mais de um ano) li algo tão lindo na blogosfera.

    ¨Recuso-me a lavar as mãos depois de tocar em quem quero. É tão íntimo.¨

    ResponderEliminar
  26. como eu compreendo!como é possivel que o cheiro de uma pessoa nos deixe de cabeça a andar à roda...não faz sentido, mas é mesmo assim.

    ResponderEliminar
  27. a sua última frase é um dos posts românticos mais soberbos que já encontrei na net. e ando nisto há muito.






    (cheiro é, de todos os nossos sentidos, o mais primevo. daí o seu extraordinário, incontornável e poderosíssimo poder)

    ResponderEliminar
  28. o cheiro é mesmo das coisas mais íntimas que há :) cada pessoa tem o seu, e o de algumas pessoas é tão óptimo :)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.