Avançar para o conteúdo principal

Frivolidades

"Habituamo-nos a tratar os amores como electrodomésticos: quando se escangalham, vamos ao supermercado comprar um novo, igualzinho ao que o outro era. Consertar? Não compensa: o arranjo sai caro, além de que nunca se sabe muito bem onde procurar a peça que falta. Substituímos a eternidade pela repetição, e o mundo começou a tornar-se monótono como uma lição de solfejo. Tememos a maior das vertigens, que é a da duração. Mas no fim de cada sucesso há um cemitério como de Julieta e Romeu, apenas com a diferença da aura, que é afinal tudo."

Inês Pedrosa, "Nas tuas mãos".

Comentários

  1. Tem tudo pode ser substituivel! Por vezes o que parece um desgaste è apenas falta de manutençao :p

    ResponderEliminar
  2. Ora porra, agora que eu estava quase a nomear-te para o Nobel da literatura, chego ao fim e o texto não é teu.
    Onde é que costumas comprar os teus "electrodomésticos": numa loja especializada, ou numa grande superfície?
    Já sabes, isto agora é tudo feito na China. Por muito que escolhas, estás sempre sujeita a ficar "pendurada" a meio de um "trabalhinho". Por isso não vale a pena investires em material caro e de marca. Vai ao chinês e compra meia dúzia deles, pelo mesmo preço.
    Ah, estava a esquecer-me de dizer que tenho estado a falar de "Dildos". eheheh

    Beijoca

    ResponderEliminar
  3. Um bocado "interessante".Vou pesquisar mais sobre a Inês Pedrosa...
    Não conheço..
    Mas tá giro sim senhora.
    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  4. Dildos? Olha eu a pensar que se vendiam só nas sex shops... pelos vistos o Galo costumam ve-los na loja dos chineses. Desconhecia tal coisa.

    E tendo em conta a função dos ditos - é melhor comprar coisa de qualidade. :P

    ResponderEliminar
  5. Pensei assim durante muito tempo. Que a seguir vinha outro e era uma "nova corrida, nova viagem"... E assim foi. A próxima pessoa fez-me sempre esquecer a anterior. Deitei tantas recordações e sentimentos para o lixo. (Em retrospectiva também não eram nada que valesse a pena manter, good riddance.)
    Até encontrar algo que não pode ser substituído. Aconteça o que acontecer. Mesmo que o calcário corroa e o tambor se solte.

    ResponderEliminar
  6. Penas que muitas pessoas se comportem assim, mas enfim, é uma questão de sorte, ou azar, até para sermos 'vendidos' temos de ter sorte em quem nos pega! xD

    ResponderEliminar
  7. Adorei o texto. retrata "aquela" realidade.

    bjs com charme

    ResponderEliminar
  8. Agora viajei até ao "Fazes-me Falta" :')

    ResponderEliminar
  9. Que bonito :)
    Deste.me vontade de ler o livro!

    ResponderEliminar
  10. Sei que não achas grande piada aos desafios... mas merecer o selo que tenho no meu blog para ti na mesma :P Bjinh*

    ResponderEliminar
  11. Se algo se escangalha em quem amamos nós somos as melhores para o conseguir consertar... ;) no entanto... depende muito do problema em causa... beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Se algo se escangalha em quem amamos nós somos as melhores para o conseguir consertar... ;) no entanto... depende muito do problema em causa... beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Infelizmente é a realidade dos dias de hoje... nas relações nada se arranja e tudo se substitui. Gostava que o amor fosse eterno, que tivesse arranjo...

    ResponderEliminar
  14. Aposto que bem escondidinhos nos fundos da loja, o chinês há-de ter "material" para todos os gostos.
    - Sinhola quele modelo chinês, aflicano, ou eulopeu.
    Não te metas em aventuras... o chinês não se livra da fama de ser uma "coisinha" assim parecida com os pauzinhos de comer o "aloz", mas mais fininho eheheh.
    O aflicano tem muita fama, mas há sempre a hipótese de te calhar um pigmeu e ainda ficas mais mal servida do que com o "chinoca". O melhor é jogares no europeu, porque o seguro morreu de velho.

    Tu, com este texto, é começaste a falar de electrodomésticos. eheheh

    Beijinho e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  15. O problema é que hj em dia parece que está tudo facilitado, do género: se esta correr mal arranjo outra. E isso n pode nem deve ser assim. Se existe uma relação é pq as pessoas gostam umas das outras (supostamente), e por isso mesmo deveria valer smp a pena "consertar" em vez de substituir.

    ResponderEliminar
  16. Penso que na questão do amor - se é amor - devemos ser usados em nosso talento e não querer usar o outro - que deverá também ser usado em talento e dom.
    Nós nos usamos e nos movimentamos com o amor.
    O ser querido não é para ser usado a não ser por ele mesmo e do mesmo jeito que coloco.
    Talvez assim, a gente não vá tratar pessoas como eletrodomésticos.
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  17. Triste mas verdadeiro...
    Já ninguém se esforça para que dure. Se há tantos mais aí, para quê o esforço?
    Poucas são as pessoas que realmente pensam que o amor não é descartável..

    ResponderEliminar
  18. Inês Pedrosa é fantástica. Gosto muito dos textos dela. Já li o livro "Nas tuas mãos" e recomendo.

    ResponderEliminar
  19. O ser humano é polígamo por natureza. Mas como é condenável ter simultaneamente mais do que um amor, a tendência é "dessincronizar" (se é que esta palavra existe) as relações. De maneira que vamos trocando sucessivamente de parceiros. Basicamente é isto que acontece
    :-)

    ResponderEliminar
  20. Interessante a comparação!!!
    Mas na prática,não é bem assim...

    ResponderEliminar
  21. Da forma como foi postado no texto eu penso não ter esperanças.

    Se você conserta um relacionamento, você tem uma falha no passado. Se você busca um novo amor, você tá ignorando os sentimentos?

    Onde está a esperança neste texto?
    Você compactua com essa falta de esperança?

    Direto do Brasil.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  22. está mesmo real, infelizmente :x lindo!

    ResponderEliminar
  23. hm... não creio.
    Sim, se formos falar de estatisticas.
    Mas o facto é que ainda há pessoas que gostam de classicos e gostam de adquirir as coisas para durarem "para sempre". E há coisas que duram "para sempre". A minha lapiseira caran D'ache, o meu fotometro Leningrade4, o meu relógio de corda, a minha zenit ou a yashica, os velhos discos de vinil, as telas e o que escrevemos em papel...

    ResponderEliminar
  24. Adorei. Os amores (se forem a sério) nunca se substituem.

    ResponderEliminar
  25. gostei do único livro que li dela, mas pelos vistos tudo o que escreve parece interessante! xD

    em relação a uns comentários anteriores, deve estar lá no fundo das lojas assim meio dissimulado, mas não deve ser recomendável... compra com qualidade não vá aquilo deixar passar 'energia' e apanhas uns choques =D loool

    beijinhos...

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

I wish

 Faço anos daqui a um mês e, este ano, vou querer prendas muito práticas e objectivas. Algumas coisas preciso comprar, outras substituir, mas acho que vou deixar um pouco as vaidades de lado e optar por poupança real - porque são coisas que teria de comprar. Alisador de Cabelo a vapor BELLISSIMA My Pro (Titânio - 170 °C - 230 °C ) Este ou outro qualquer, desde que seja bom e não me estrague (demasiado) o cabelo. Uns auscultadores. Preferencialmente giros. Preferencialmente sem fios. Estes ainda por cima dobram-se, o que é muito prático para colocar na mala. Um candeeiro de tecto novo para o meu quarto, que o que tenho é antigo e tapa imenso a luz. A minha irmã comprou este candeeiro de mesa para o quarto do meu pequeno (em preto) e amei de paixão. Queria assim em tom cobre para o meu quarto. :) Todos os candeeiros da Leroy Merlin / AKI.

Work in progress

Aprender a lidar com a solidão não é um processo mesmo nada fácil. Ando a diversificar as minhas formas de entretenimento, mas, convenhamos... A COVID não é muito minha amiga. A chuva rouba-me as caminhadas. Valham-me as amigas que me telefonam para ir apanhar pinhas ao monte e as colegas sempre presentes.  Comecei a dançar às segundas-feiras à noite - com a vantagem de achar a professora uma simpatia. A amiga Netflix tem-me feito muita companhia. Estou a ver a primeira temporada de Outlander e sei que tenho série para umas semanas. Os livros também prometem ser grandes amigos, mas sinto-me sempre com tanto sono e com tanto cansaço que tenho evitado a palavra escrita. Estou bem, mas estou a adaptar-me. Com dias melhores e dias menos bons. Obrigada a todos os que, de uma forma ou de outra, demonstraram caminho.