Avançar para o conteúdo principal
Porquê jornalismo?

Desde pequena que me senti incentivada pela família a desenvolver o meu cérebrozinho. Antes de entrar na primária já escrevia muito bem o meu nome, já conhecia as letras e sabia os números até ao 50. Lembro-me tão bem de estar na cama dos meus tios, sentada com a minha tia, a dizer os números. "Um, dois, três... dez... vinte... trinta... quarenta... quarenta e nove... qual é o outro a seguir tia?".

Tentaram desenvolver em mim gosto pela escrita, pela leitura, pelas coisas que poderiam fazer de mim uma criança esperta. O meu tio, desde que me lembro, sempre leu o "Jornal de Notícias". Todos os dias trazia para casa o jornal e eu gostava de folhear o papel, de olhar para as letras e para as imagens. A minha avó dizia-me, quase todos os dias, que parecia o meu avó (já que ele sempre teve o hábito de ler o jornal).

Não, o jornalismo não foi uma paixão de criança. Não foi um sonho, uma ambição. Foi antes uma escolha tranquila. Numa altura em que não sabia bem o que queria para mim, o jornalismo pareceu-me uma opção óbvia.

Comentários

  1. Assim deveriam ser todas as escolhas. Infelizmente, a maioria de nós acaba a trabalhar em situações que não conheciam, em que as expectativas eram outras, forçadas pelas cisrcunstâncias ou simplesmente porque... bom, porque calhou.
    E isso explica muitas frustrações...

    ResponderEliminar
  2. Pois isso é algo muito bonito e espero que tenhas muita sorte a nível profissional e te sintas realizada. É muito complicado trabalhar em algo que não sonhámos. No meu caso, não faço o que sonhei mas também gosto da área em que trabalho (o que, nos tempos que correm, não é nada mau!)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Apaixonei-me pelo curso no dia em que o comecei. :) Isso é bom. Muito bom.

    ResponderEliminar
  4. falando em escolhas... não tenho muito jeito para elas...

    ResponderEliminar
  5. Eu estive quase para seguir jornalismo mas depois aconselharam-me outra àrea porque infelizmente as perspectivas de emprego nessa àrea não sao muito boas...
    Mas um dia vou tirar...ai vou vou =D

    ResponderEliminar
  6. Vá lá... Qualquer dia ainda crias 1 rádio pra ti ;P

    Novo desafio n meu blog btw ;)

    ResponderEliminar
  7. Também tenho um curso em comunicação :)
    Jinhos
    Su

    ResponderEliminar
  8. ótimo o texto ( como sempre ). é bom voltar aqui.
    Maurizio

    ResponderEliminar
  9. O curso não me dá grandes perspectivas de emprego, é verdade. Mas preenche-me, e isso é o que mais importa. Se tiver de abraçar outra profissão, não me importo. :) Hei-de conseguir.

    Obrigada meus instantes meus momentos. Volta sempre.

    ResponderEliminar
  10. Bom, "preenche-me e isso é o que mais importa"....digamos que com o que já vi desde que acabei o curso, colegas cheios de talento no desemprego (há meses!), o que não é de todo fácil. Se tiveres de abraçar outra profissão irás sentir-te profundamente enganada. Por isso espero que te espere um futuro risonho no jornalismo, e que nunca te arrependas da tua escolha :)

    ResponderEliminar
  11. Fuschia, como eu disse no texto, o jornalismo é uma paixao, mas nao um sonho ou uma ambiçao. Se tiver de enveredar por outros caminhos, ainda que menos entusiasmantes, fa-lo-ei sem problemas. :)

    ResponderEliminar
  12. "O jornalismo é uma paixao, mas nao um sonho ou uma ambiçao. Se tiver de enveredar por outros caminhos, ainda que menos entusiasmantes, fa-lo-ei sem problemas".

    Eis-me: sempre quis dar aulas, desde que me lembro de saber o que queria para a minha vida; estou a escassos meses de ser "taberneiro"! Ahahahah!

    *

    ResponderEliminar
  13. Valter Ego, infelizmente é para isso que todos estamos. O país está cada vez pior, e ñão nos podemos dar ao luxo de querer exercer somente a profissao dos nossos sonhos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.