Avançar para o conteúdo principal

Furry love

Hoje o almoço foi passado com colegas e, a certa altura, discutia-se o bem que os animais fazem na nossa vida. Havia de tudo. Quem nunca teve bichos e recentemente se apaixonou por um gato. Quem tinha pavor a cães, mas agora tem dois cães e três gatos. Quem não quisesse cães, mas os aceitasse por amor ao companheiro e agora, pois claro, adora os bichos.

E existia eu. Que apenas disse um muito sincero "eu nem sequer saberia não ter animais".

Sim, sujam. Sim, o pêlo é impressionante. Sim, é uma chatice ter de sair de casa para passear o cão quando está frio e chuva e ter de fazer caminhadas nocturnas no Verão porque é impossível passear o animal como deve ser de dia. Sim, é chato ir gastar agora 60 euros a comprar uma rede para a varanda porque o meu novo gato é fugitivo. Ainda mais chato é ter de limpar a areia, apanhar cocó e chichi todas as manhãs. 

Mas são o melhor do mundo e não há uma única pessoa que realmente dê uma oportunidade aos animais (não falo em quem tem cães acorrentados diariamente que, esses sim, são bichos) que não se apaixone por estes seres.

O amor imensurável. A entrega absoluta. A dedicação pelo dono. Claro que existem animais com feitios difíceis, mas a maioria dos cães e dos gatos só quer amor.

Cresci assim e não quero viver de outro modo. O pêlo pouco importa. Posso sempre alegar que estou cobertinha de amor.

Comentários

  1. "(não falo em quem tem cães acorrentados diariamente que, esses sim, são bichos)"

    S*, não concordo com este comentário e acho alias muito injusto. Nem todos os caes que estão acorrentados são infelizes e mal tratados. Alias, atrevo-me a dizer que o cao da minha mae que tem uma corrente de 2metros, ligada a um cabo de metal de 20m que lhe permite andar à vontade ao longo do quintal, tendo por isso acesso a 80m2 para se movimentar (2m largura*2lados*20m comprimento), se calhar é tão ou mais feliz do que certos caes em mini apartamentos confinados a uma varanda ou lavandaria de 6/7m2 durante todo o dia.

    Sei perfeitamente que há infelizmente muitos caes acorrentados e maltratados sem condições. Mas não sao todos assim. Alias, na minha aldeia a maior parte das pessoas que têm caes é assim, os caes estão no exterior no quintal, a guardar a casa.

    No nosso caso, o cão tem acesso a sombra (tem uma boa arvore que lhe dá sombra no verao), tem uma casota que isolamos o piso (pladour e esferovite) para ser mais confortavel no inverno, tem manta no inverno. E nos fins de semana, festas, Natal, etc vem para dentro de casa connosco. E obvio que em dias de aviso vermelho (seja no inverno por tempestade/frio ou no verao por calor, trazemo-lo para dentro). Alias, quando o soltamos ele imediatamente corre para o jardim, nunca tenta fugir do quintal para a rua, porque gosta de estar connosco e quando é para voltar para o seu lugar segue atrás de nós obediente e deixa-se prender sem stresses. Tem agua e comida em condições à disposição, tem espaço o suficiente para fazer as necessidades mais na zona no fim do cabo, sendo que a casota está no inicio. Tem vacinas em dia, e vai ao veterinario em caso de necessidade.

    Digo-te mais: toda a nossa vida tivemos gatos, sendo que nesse caso eram livres, andavam por onde queriam, pelo quintal e pelas terras. Podiam passar o dia fora e vir à noite dormir a casa ou vice versa, onde tinham a sua cama e comida à disposição. Alias, a minha avó tinha uma gata que era incrivel, eles levantavam-se de manha e saiam de tractor para as terras, a gata comia e ia tambem passear, quando eles voltavam à hora de almoço ela reconhecia o barulho do tractor e estivesse onde estivesse voltava para casa, nunca falhava, à tarde a mesma coisa, eles a estacionar o tractor dentro e ela a saltar o muro para vir ter com eles. Mas no caso da minha mae numa determinada altura, por muito azar, em 2 anos perdemos 3 gatos atropelados. A minha irmã mais nova fartou-se de sofrer e a minha mae decidiu entao que o proximo gato execepcionalmente ia ficar sempre em casa. E pronto, hoje em dia é como um gato de apartamento la fechado, tem a sua comida, a caixa das necessidades e vê o mundo pela janela. Eu a mim faz-me imensa confusao ver o pobre do gato fechado em casa, mas pronto. E digo o mesmo do meu cao, ele no ano passado teve infelizmente um acidente que o obrigou a ficar imobilizado alguns meses, e tivemos que o colocar nos anexos, na cozinha de forno, e ele estava super deprimido. Eu acredito sinceramente que ele é mais feliz no quintal, a poder correr à vontade, mesmo que acorrentado, vendo o sol, as arvores, os passaros, as pessoas a passar na rua etc do que se estivesse confinado num espaço pequeno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por me parecer que fazem o possível para manter o bem estar do animal. No entanto, correntes nunca são o ideal. Há que saber reconhecer isso mesmo. Claramente um cão nunca vai apreciar estar acorrentado, por mais que haja sombra, comida e bebida. Qual o propósito de ter um animal acorrentado? Desculpe, mas não.

      Bom resto de semana para si.

      Eliminar
    2. E qual o propósito de ter animais num apartamento sem acesso ao exterior quando quer e lhe apetece? Apartamentos nunca são o ideal.

      Eliminar
    3. "Qual o propósito de ter um animal acorrentado?"
      neste caso conforme expliquei é o cao de guarda da casa. está na entrada, ou seja, ninguem consegue entrar pelo quintal dentro sem ser visto por ele. é de porte grande, vai ladrar e assustar ou pelo menos chama a atenção dos donos.
      as pessoas na minha aldeia que têm os caes assim geralmente é com este proposito.

      outra coisa completamente diferente é ter um cao em casa de companhia, por ex a minha mae tem uma cadela pequenina, que anda sempre atrás dela, dorme na cozinha, está à vontade livre entre a casa e o jardim, e nesse caso o proposito é fazer companhia à minha mae.

      se a cadela é mais feliz que o cao por ela estar livre e ele acorrentado? provavelmente sim. eu tambem seria mais feliz se ganhasse 4000€/mês em vez do meu salario, mas tambem seria mais infeliz se não ganhasse nada e nao tivesse dinheiro para comer.

      O que quero dizer é que obvio que acorrentado nao é a solução ideal, mas também não é sempre uma coisa absolutamente horrivel.

      Outra perspectiva: na minha opinião pessoal, tanto ou mais que as condições fisicas contam as condições emocionais. Os animais (principalmente os caes) gostam de companhia, de estimulos, seja de pessoas ou de outros animais. Conheço o caso de uma familia rica com uma casa e jardim enormes que compraram um labrador. Nos primeiros tempos os miudos adoraram, e brincavam com ele, mas depois começou a dar muito trabalho, era grande, largava pelo, ladrava muito, vinham as visitas e ele assustava-as (la está porque nunca o treinaram), e o cao passou a ficar cada vez mais tempo no canil. Sim, tinha um canil fantastico, com todas as condições de espaço a um canto do jardim, não estava acorrentado, e ate tinha uma boa area para se movimentar, mas a dada altura o pobre animal estava la fechado dias e dias seguidos, semanas, e so la ia a empregada colocar raçao e agua. Ficou esquecido. E eu penso que esse animal deveria estar profundamente infeliz. Entretanto eles la perceberam que nao era solução e decidiram dar o animal, e pronto, espero que os novos donos lhe tenham dado mais atenção.

      Um animal não é um brinquedo, é um ser vivo, que tem de ser bem tratado dentro das nossas condições e do proposito que queremos para ele, vai dar despesa, vai consumir tempo, e não é descartavel, é assumir uma responsabilidade por 15 ou mais anos. Por isso antes de ser ir buscar/comprar um, tem que se ter bem noção e tomar uma decisão com juízo. Faz-me confusao aquelas familias que compram um cao so porque os miudos pedem que acham giro e depois passados uns meses ja se quererem livrar deles, ou pior aquela malta que os abandona nas ferias. Não percebo mesmo. A minha avó costumava dizer: nem os porcos e as galinhas que no final era para se matar e comer, se tratavam assim.

      Eliminar
    4. Evitar que ele fuja se o espaço for aberto?

      Eliminar
    5. Anónima das 14h02, lamento mas assim ainda me soa mais esquisito. Então tem um cão de companhia e um cão que fica na corrente, por mais comprida que seja? Já percebeu que sou radicalmente contra. Eu adoptei o meu cão quando vivia numa casa com um grande quintal e entretanto passei por dois apartamentos. O meu cão é infinitamente mais feliz num apartamento, porque acaba por estar mais tempo com os donos (a casa era na aldeia, a uns 20 kms da cidade, pelo que só nos via de manhã e ao final do dia). Mas eu sou o tipo de dona de cão que se esforça realmente para proporcionar o melhor ao seu animal. Quantas vezes me apetece ficar no sofá, mas abdico da minha vontade para passear o meu cão como deve ser e como ele merece.

      Tudo de bom para si!

      Anónimo das 14h20, os cães, se estiverem castrados/esterilizados, não têm por hábito fugir do seu espaço. Se fugirem, nada que redes ou grades não resolvam (como referi, vou colocar uma numa varanda para evitar que o meu gato fuja). Isso é desculpa, peço desculpa.:)

      Eliminar
    6. S*, a rede que vais colocar é uma pequena rede numa varanda que com certeza não te vai custar muito mais de 100€.
      A minha mae por causa da cadela tambem teve de colocar um pequeno portao de madeira a fechar uma das saidas do jardim para assim garantir que quando ela está no jardim nao consegue fugir e fê-lo sem problemas. Mas se ela quisesse ter o cão grande à vontade por todo o terreno, estamos a falar de um perimetro total de 170m, para impedir a saida dele tinhamos de ter muros de pelo menos 2m, era uma brutalidade de investimento. Sem falar na parte estetica, a frente da casa da minha mae tem 60cm de muro+60 cm de gradeamento, e ele salta isso facilmente, iamos substituir por um muro fechado de 2m tipo prisao? E inclusive à face da estrada há limites na altura dos muros nem seria legal.

      Deparo-me agora eu propria a ter de tomar a mesma decisão: a minha avo faleceu e portanto a minha mae somado ao cao, cadela e gato que ja tinha, teve de ficar com mais uma cadela da minha avo e a gata (obviamente nao os iamos abandonar). Ja sao 5 animais e é dificil em termos de espaço te-los la a todos. Sendo que a cadela da minha avó tambem era de porte grande e de guarda, não faz sentido a minha mae ter 2 caes no quintal e pensei em levar eu o nosso cao para a minha casa nova. Problema: todo o quintal está vedado com estacas e rede, a qual se ele escavar por baixo facilmente fura. Faço o quê, vou substituir tudo por 2m de muro de cimento (sao cerca de 230m)?
      O meu marido leu acerca de umas cercas electricas que dao uns pequenos choques, ou seja coloca-se apenas uns postes nos extremos do terreno que se ligam a uma coleira especial que se coloca no cao. Se o cao passar da zona definida a coleira começa a dar pequenos choques para supostamente o cao perceber e voltar para trás, mas se ele continuar a afastar-se os choques sao cada vez mais intensos. Supostamente nao deve ser muito doloroso e la está o cao deve perceber e manter-se naquele espaço. Mas eu sei la se o cao vai perceber ou se é totó e continua a afastar-se e a levar choques? Alguem conhece isto?

      Eliminar
    7. Os cães não são felizes enfiados dentro de um apartamento 95% da sua vida.
      Tudo o que dizes é só para te convenceres a ti própria.

      (eu nem sequer sou o anónimo das 13.31)

      Eliminar
    8. Os cães não são para ser "de guarda". Quem algo que guarde comprem um alarme. Os animais não nasceram para nos servir.

      E é sim bastante diferente ter um cão fechado num apartamento ou um cão acorrentado ou fechado numa jaula, porque um cão fechado num apartamento é livre de ir onde lhe apetecer, mesmo que lhes fechemos algumas portas — estamos a limitar-lhes o espaço que podem explicar, não estamos a limitar-lhes os metros quadrados mantendo-os presos com uma corrente ou a ver o mundo às riscas através de uma jaula.

      Todos nós estamos limitados a certos locais, não podemos entrar onde queremos só porque sim, há sempre portas que nos são vedadas. Há algum mal nisso? Mas se nos prenderem com uma corrente para que não possamos ir mais longe do que a área da circunferência que fazemos, isso é correcto? É humano sequer?

      Eliminar
    9. Anónimo das 17:59, fale por si e pela sua experiência. O meu cão é imensamente feliz.

      Eliminar
    10. Que coisa mais cruel e umbiguista. Se querem proteger a casa comprem um alarme. Se não puderem, paciência. Os animais não servem para nos servir.

      Eliminar
    11. Eu sempre disse que só teria um animal de tivesse espaço para tal. E assim foi. Tenho uma moradia com espaço exterior e adoptamos um cão. Tem livre acesso tanto a casa como à zona exterior, and guess what, prefere estar lá fora. Vem cá dentro fazer visitas de médico... Seria incapaz de deixar um animal preso dentro de um apartamento todo o dia. São animais que gostam de ar livre, não de paredes.

      E S, não me leves a mal mas dizes que o teu cão é “imensamente feliz”. Pelo que contas por determinados comportamentos que ele tem, não é assim tão feliz.

      Eliminar
    12. Imensamente feliz... Só os animais dos outros é que são infelizes, porque és a única no mundo a gostar de animais...🙄

      Eliminar
    13. Anónima das 02h10, o meu cão, usando a sua expressão, guess what, sempre preferiu estar dentro de casa. Como já indiquei algumas vezes, quando o adoptamos vivíamos numa casa e ele tinha livre acesso ao quintal todo o dia. Nunca gostou do quintal. Ia fazer a sua vida e voltava para casa. Eu não sei que vida ele teve antes de ser adoptado, pois tinha 1 mês e 17 dias quando o adoptamos, não sei se houve espaço para traumas... Mas no primeiro ano de vida dele a veterinária da altura diagnosticou-lhe ansiedade pela separação. Era um cão que sofria horrores quando os donos saíam de casa e não o levavam. Destruía tudo, chorava, era horrível. Acredite que, no caso do meu cão, o quintal não lhe trazia qualquer felicidade - por isso mesmo dava sempre dois bons passeios diários, mesmo com acesso livre ao quintal. Quando mudamos para apartamento, não notei mesmo qualquer diferença nele. Continua a ser um cão ansioso quando saímos de casa fora das rotinas - isto é, se sairmos para trabalhar, no dia a dia, não liga... mas ao fim-de-semana, quando eventualmente saímos os três sem ele (o que raramente acontece) ou depois do trabalho, fica muito ansioso, desata a saltar, a ladrar, a tentar fugir pela porta. É um cão mais ansioso. Conheço-o como a palma da minha mão e, no caso dele, só aprecia o ar livre se tiver os donos com ele. :)

      Eliminar
    14. Anónimo das 04h46, a essa hora teve vontade de vir aqui destilar, foi? Não. Diria que a maioria dos cães são até muito felizes, com melhores ou menos boas condições. Não acredito é em cães de corrente felizes.

      Eliminar
    15. Qual a diferença entre um cão com trela e cabo que pode rodar o quintal todo e um cão preso num apartamento? Sinceramente não vejo grandes diferenças e até diria que o que está no quintal estaria mais próximo do seu estado e habitat natural do que um animal trancado num apartamento, muitas vezes limitado a apenas 1 ou duas divisões durante a maior parte do dia...
      E já agora, para que conste, acho que em ambas as situações os animais não são felizes.

      Eliminar
    16. oh S*, entao uma perguntinha, se os caes sao tao infelizes com correntes devem odiar ir passear de trela certo? 1 ou 2h por dia com uma corrente curta presa ao pescoço a limitar por onde podem ir deve ser horrivel para eles nao? explica-nos la qual a diferença tecnica?

      (coerencia precisa-se......portanto um cao pode adorar ir passear de trela curta, mas tem obrigatoriamente que odiar estar de corrente durante o dia...)

      Eliminar
    17. "Os cães não são para ser "de guarda". Quem algo que guarde comprem um alarme. Os animais não nasceram para nos servir."

      tambem nao nasceram para ser abatidos ou morrer à fome ou ter de ficar agora naqueles abrigos horriveis sem condições. entre ir buscar um cao abandonado ao canil para ficar no quintal de guarda ou deixa-lo la, acho que ele prefere vir para o quintal.

      "Seria incapaz de deixar um animal preso dentro de um apartamento todo o dia. São animais que gostam de ar livre, não de paredes."

      eu ca continuo a bater na mesma tecla, acho que mais do que o espaço onde estão lhes interessa com quem estao. a nossa cadela anda sempre atras da minha mae. se a minha mae estiver 3 horas a passar a ferro, ela está as 3h deitada aos pes dela dentro de casa a ve-la, se a minha mae for cavar 3h para o quintal a cadela está as 3h deitada na terra ao sol so para estar ao pe dela. nunca me hei-de esquecer de um fim de semana que a minha mae foi ter com a minha irma à cidade onde ela estava na universidade e a cadela estranhou ela nao voltar para casa quando começou a escurecer. foi para o pé do portao do quintal, ao frio, em cima do cimento, à espera a ver se a minha mae voltava para casa. profundamente triste, com um olhar aflito, a noite toda e ai de quem a tentasse tirar de la, rosnou-me e tentou-me morder quando eu insisti a tentar traze-la para dentro de casa (ela está perfeitamente habituada à minha mae sair para trabalhar e voltar à tarde, mas nunca tinha estado fora de noite e 2 dias completos).

      e depois os animais sao como nós. há quem goste de apartamentos, há quem so se sinta bem em moradias, ao ar livre e "sufoque" em espaços confinados, ha quem goste de tudo um pouco. o nosso cao se passa a maior parte do tempo no quintal ate gosta quando vai para dentro de casa. na minha casa nova quando o trouxe à primeira vez, deu uma volta pelo quintal, cheirou tudo e tal, mas depois entrou em casa e das proximas vezes que ca veio prefirou sempre estar em casa. ja um gato de rua que por aqui andava e que adoptamos, está sempre la fora, adora a sua caminha no alpendre, fica por vezes no tapete à porta da cozinha ou em cima da cadeira no terraço e nunca mostrou qualquer interesse em entrar em casa mesmo com as portas abertas, olha mas nunca entra.

      e por ultimo: acho que se nota bem quando um cao é feliz ou nao. sigo a pagina do IRA e quando eles vao resgatar animais e mostram fotos vê-se bem os que estão infelizes, apavorados, aflitos. seja num apartamentos fechados, num quintal livres, numa corrente, o que importa é que estejam bem tratados, que sejam acarinhados pelos donos e que se sintam amados, e se forem isso nota-se :-)

      Eliminar
    18. Anónimo das 11h42, não me está mesmo a comparar correntes fixas com trelas de passeio, pois não? É que umas existem para nossa preguiça ou comodidade (abomino), as outras para SEGURANÇA dos animais. O meu cão, se passear uma hora, está em andamento, a explorar, a cheirar, a ser estimulado, a aproveitar. Se estiver amarrado a uma corrente, sem correr, sem brincar, sem estímulos, está mesmo só preso.

      Eliminar
    19. Anónimo das 10h17, tem cães? É que achar que um cão num apartamento é infeliz é comentário de quem não tem cães... Um cão precisa de amor, atenção, passeio e cuidado. Claro que existem raças mais enérgicas, para quem um apartamento pode ser mais difícil... mas a maioria dos cães adapta-se e, se der bons passeios diários, é feliz, sim, num apartamento. Digo eu, que SEMPRE tive cães em casas e que agora tenho um cão num apartamento.

      Eliminar
    20. Anónimo das 13h20, claro que existem cães e cães, mas aqui a questão era o estar preso. O meu cão não é cão de quintal. Ao fim-de-semana vai a casa da minha família, que tem quintal enorme, e o raio do bicho não quer sair da minha beira nem desfruta do quintal...

      Eliminar
    21. Eu acho mesmo que muitas pessoas que comentam nunca conviveram com cães, ou então sempre lhes impuseram uma forma de viver, sem prestarem atenção ao que os animais gostam. Os meus pais têm quatro cães adotados de canis. Têm um quintal grande onde eles podem estar. Adivinhem onde eles preferem estar a maior parte do tempo? Em casa. É vê-los a bater à porta para entrar depois de quinze minutos no quintal.

      Eliminar
    22. S*, sim já tive um cão quando ainda vivia com os meus pais. Ele estava solto no logradouro com mais de 400 m2, devidamente murado, com todas as condições, casinha para ele e ainda um telheiro onde também tínhamos uma caminha se quisesse ficar por lá a dormir. E mesmo assim e com alguns passeios na rua achava que ele estava privado da sua liberdade. É claro que um cão adapta-se a qualquer nova situação mas daí a ser feliz, duvido. Também há a questão de alguns animais não conhecerem outra realidade e por isso pensarem que é o normal e viverem a sua vida assim tranquilamente.... (Btw, faz-me lembrar aquelas pessoas que têm relações tóxicas e que acham que é uma relação normal porque cresceram em ambientes igualmente tóxicos...).
      Meter um animal (cão ou outro qualquer) confinado num espaço fechado para mim é abominável e de um egoísmo atroz. Agora se me perguntares se é preferível estar num canil ou num apartamento com todos os cuidados, é claro que a minha resposta será num apartamento.
      Mas S*, sinceramente acho que não vale muito a pena estar a discutir mais este assunto porque para mim um animal FELIZ é um animal LIVRE!
      E sou totalmente contra o uso de animais para bel-prazer dos humanos, quer seja para entretenimento como nos circos, zoos e touradas, quer para mera supressão de carências afectivas como é o caso da maioria dos animais domésticos...

      Eliminar
    23. Anónimo das 16h55, pois. Igual por aqui. Claro que os cães não são todos iguais... Mas os da minha família, mesmo com grande quintal, sempre preferiram a companhia dos humanos ao quintal.

      Eliminar
    24. " sempre preferiram a companhia dos humanos ao quintal."
      "É vê-los a bater à porta para entrar depois de quinze minutos no quintal."

      mas o que se está aqui a dizer é precisamente isso. obvio que SE os donos estão em casa os animais preferem estar em casa com os donos. mas SE as pessoas trabalham, e vamos supor quem mora nos grandes centro urbanos e passa 1h no transito para ir, outra hora para vir, mais 8h de trabalho e 1h de almoço, são 11h por dia fora de casa. Nesse tempo o que é melhor para o animal? estar num espaço fechado do apartamento ou ao ar livre?
      E tal como nós mudamos ao longo da vida, vamos envelhecendo e o que queremos é diferente, os animais tambem. no nosso caso a cadela da minha mae quando ela está em casa anda sempre atrás dela, obvio, mas quando a minha mae sai para trabalhar ela antes ficava sempre ca fora no jardim. podia correr, podia saltar, tinha os brinquedos dela e distrai-se, e acesso à cozinha de forno caso estivesse a chover e quisesse abrigo. mas agora já está a ficar mais velhota, sem tanta energia e por outro lado da-se bastante bem com o gato e começamos a perceber que ela ate ficava bem dentro de casa com ele, num ambiente mais calmo a descansar.

      "Também há a questão de alguns animais não conhecerem outra realidade e por isso pensarem que é o normal e viverem a sua vida assim tranquilamente.... (Btw, faz-me lembrar aquelas pessoas que têm relações tóxicas e que acham que é uma relação normal porque cresceram em ambientes igualmente tóxicos...)."
      Ás vezes penso nisso das relações toxicas relativamente à cadela da minha mae. Ela é super obcecada pela minha mae, so está feliz ao pe dela. Um exemplo: Como moro numa aldeia, quando saio com o marido vamos busca-los para passear e opto por ir para o meio das vinhas e dos pinhais para poder soltar o cao à vontade (ja que ele passa muito tempo preso no quintal) e tambem levamos a cadela. Uma vez fomos para um sitio que nao iamos normalmente e andamos bem mais, ou seja, afastamo-nos bastante da aldeia. A dado momento a cadela pára, olha para nós com um ar serio e desata a fugir. Entrei em panico, o meu marido a tentar correr atras dela mas perdeu-a de vista... Eu aflita, so pensava que ela se ia perder, tão pequena, nunca a iamos encontrar no meio do mato, enfim... Após muito procurar fomos a casa ver se ela tinha voltado.... E sim, aquela pirralha tinha ido directo de volta para casa e estava toda nervosa ao pé da minha mae. Contei a este episodio a varias pessoas que me dizem que provavelmente ela estava com receio de se estar a afastar muito da minha mae e decidiu voltar sozinha. Resultado: desde esse dia que quando vamos passear ela fica sempre com trela e só soltamos o cão, que esse é um santo, nunca se afasta muito .
      Outro exemplo: ela sempre dormiu na sua cama que está na sala ou na cozinha. Ela pode andar à vontade pela casa, incluindo quartos por ex, se a minha mae estiver la a arrumar roupa ela vai atras, mas nunca fomos de dormir com os animais por isso ela nunca teve habito de estar nas camas....agora que ela começou a ficar em casa durante o dia a minha mae começou a perceber (pelo remexer da colcha e alguns pelos), que quando a minha mae sai, ela vai para o quarto e deita-se na cama da minha mae. Será que é por saudades , por ter o cheiro da minha mae no quarto?

      Eliminar
    25. Anónimo27 de agosto de 2020 às 17:46, concordo consigo. Eu nunca tive animais e precisamente porque não tenho essa afinidade com um animal que queira que me acompanhe ou viva a minha vida, porque eu tenho uma vida de humano que é diferente do que deve ser a vida e as condições de um animal. Não concebo o conceito de ter um cão/gato em casa, vestir-lhe roupas, tê-lo na cama comigo, etc, acho que são dois mundos que não é suposto estarem misturados assim. Os animais devem ser livres e fazer as suas coisas de animais, não são família dos humanos ou estar ali para servir o que eles pretendem deles.

      Mas dito isto, queria perguntar-lhe: o que pensa dos "animais de companhia"? Porque supostamente cães e gatos estão habituados e têm uma "maneira de ser" que se conjuga com a convivência humana, com terem um dono, etc.... ao contrário de animais selvagens tipo leões, zebras, etc.

      Eliminar
    26. Anónimo28 de agosto de 2020 às 09:12,

      Os cães, pela sua evolução, são apegados à espécie humana. Para o bem e para o mal, o lugar dos cães é perto dos humanos porque foram selecionados assim. Com os gatos é diferente porque ainda não estão 100% domesticados, mas parece-me muito mais humano adotar um gato que de outra forma viveria na rua sujeito a todos os perigos do que ter a ideia utópica de que os gatos na rua são mais felizes. E em relação a família... os meus gatos são a minha família. Não são da minha espécie, mas não precisam de ser para que eu os ame.

      Eliminar
    27. "quer para mera supressão de carências afectivas como é o caso da maioria dos animais domésticos..."
      "Porque supostamente cães e gatos estão habituados e têm uma "maneira de ser" que se conjuga com a convivência humana, com terem um dono, etc.... ao contrário de animais selvagens tipo leões, zebras, etc."

      Sei que a conversa não é comigo mas gostaria tambem de comentar. Haverá sempre aqui um limite, e a dada altura quando se começa a vestir o animal com roupas, e fazer penteados e outro tipo de coisas proprias de humanos estamos a certo ponto a trata-los como um filho, e a mim pessoalmente faz-me confusao. Mas um cao e um gato sao animais domesticos, nao sao capazes de ter uma vivencia absolutamente sozinhos (ou se a têm ficam em condições miseravais como os animais de rua), preferem ter a companhia de humanos e procuram-na. Portanto é expectavel que os humanos os tratem e cuidem deles sempre lembrando que estamos a falar de animais.

      Dou este exemplo: quando comecei a construir a minha casa percebi que havia um gato sempre por aqui a rondar no terreno, e que de certo modo considerava o terreno como territorio dele. Tambem o via entrar no terreno do vizinho e fui-lhe perguntar, ao que o vizinho me explicou que tinha um gato de facto dele, mas havia outros gatos de rua que por la andavam, e ele quando ia colocar comida/agua acabava por colocar mais a contar com os outros. Portanto o gato que eu via era um desses de rua que ia la comer. Isto sendo casa com quintal, telheiros para tractores etc, o gato alem de ir la comer tambem acabava por dormir la abrigado. Quando fomos morar para a nossa casa nova e faziamos grelhados ca fora o gato começou a aparecer e a pedir comida, claro que lhe davamos os restos e eu comecei a deixar tambem uma taça com agua e alguma ração que comprei. Entretanto o vizinho mudou-se, levou obviamente o gato que era mesmo dele mas este ficou na rua, e as pessoas que para la foram digamos que nao gostam de animais. O gato nao percebeu que o vizinho se tinha ido embora, continuava a entrar la à procura de comida e abrigo, eles a enxota-lo, ainda fui la falar e explicar a situação mas nao resolveu muito. Nao sei se lhe chegaram a bater mas a verdade é que o gato acabou por deixar de la ir, mas tambem deixou de vir a minha casa, apavorado com medo de humanos. Ou seja, ele era um gato livre, podia ir onde queria, podia estar sozinho, mas continuou a procurar a casa que conhecia e onde tinha comida. Quando foi maltratado fugiu, mas percebi que continuava na zona. Entretanto eu com muita paciencia voltei a ganhar a confiança dele, a tentar mostrar que na minha casa podia estar em segurança (ja percebi que tem agora um pavor imenso a vassouras, nem quero imaginar porquê, nao posso varrer o alpendre junto a ele), e agora la está no meu alpendre tem a sua caminha abrigada, a taça com comida e agua, e tem passado la a maior parte dos dias. Mais uma vez: é um gato completamente livre, pode fazer o que quer, mas ele escolhe estar ali. Do ponto de vista racional até poderia so ir para comer e dormir la e passar o resto do dia fora, mas o que acontece é que quando nós estamos em casa ele prefere estar lá junto a nós, receber umas festinhas, roçar-se nas nossas pernas. É uma escolha dele, o que para mim mostra que mesmo emocionalmente os animais preferem estar com os humanos desde que sejam bem tratados.

      Eliminar
    28. Anónima das 13h39, que bonito. Parabéns pela sensibilidade. É nisso que acredito - todos os animais, humanos e não humanos, gostam de receber amor.

      Eliminar
    29. S*, obrigada :-)
      E este gato é de facto especial porque no meio disto tudo conquistou o meu marido que é o que me deixa mais feliz.
      Eu sempre gostei tanto de gatos como de caes, mas ele nao, so de caes. Não é que trate mal os gatos, nada disso, mas simplesmente ignorava-os. Acha que são muito independentes, que nao sao leais ao dono como os caes, bla bla bla. Os gatos que a minha mae teve ele sempre os ignorou em casa dela. Por outro lado adora o cao, e por isso independentemente desta situação da minha avó e da minha mae ter agora 2 caes no quintal que precipitou o assunto, o meu marido sempre teve a ideia de pedir à minha mae se podiamos levar o cao connosco assim que tivessemos casa. Ele namora comigo desde os 18 anos por isso conhece o cao desde que nasceu e o cao tambem o adora. Sendo assim, quando eu falava em construir casa sempre lhe disse que levavamos o cao mas tambem queria arranjar um gato e ele que nem pensar.... Mas depois apareceu este gato, e conquistou-lhe o coração. Claro que ele nao "da o braço a torcer" e continua a dizer que o gato é interesseiro e so quer cama e comida, mas depois o gato roça-se nas pernas dele e ele la vai fazendo umas festinhas, e depois vai para o quintal cavar e o gato vai atrás e ele fica sensibilizado e mais umas festinhas..... e às tantas dou com ele a tentar convencer o gato a sentar numa balança (LOLOLOL) porque queria saber o peso dele para medir correctamente a quantidade de ração, la tive de explicar que um gato é um bocadinho diferente de um cao e nao dá para ensinar-lhe a sentar como se faz a um cao (sim, o meu cao saber sentar, deitar, rebola, dá patinha, espera pelo ok pela comida, e senta na balança para se pesar, tudo ensinado por ele...).

      Eliminar
  2. São seres especiais, é impossível não nos deixarmos cativar.

    ResponderEliminar
  3. Engraçado que há uns dias perguntavas opinião sobre o que fazer a um gato fugitivo: "uma espécie de trela?", perguntavas tu.
    Pergunto eu, o que é uma "espécie de trela"? É algo que prende o gato, veto? Tal ter passado pela tua cabeça num GATO, num apartamento, é ainda mais chocante do que usar num cão, num terreno espaçoso, por razões já exaustivamente (e desnecessariamente, porque ninguém te deve nada) explicadas.
    Mas fizeste este número todo aqui. Se é assim tão inadmissível, porque é que te passou tal ideia pela cabeça?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pretendendo entrar na discussão sobre animais presos/livres até porque não tenho animais, penso que, caso se refira ao mesmo post de Facebook que eu vi, que a S* disse « uma espécie de tela ». A trela seria realmente uma ideia estranha, digo eu. :)

      Tété

      Eliminar
    2. Uh... Eu falei em tela, nunca trela. Como referi, sou radicalmente contra animais presos de forma a que os seus movimentos e o seu exercício sejam limitados.

      Eliminar
  4. Eu concordo contigo até certo ponto.

    Só que acho exatamente o mesmo de animais que vivem em apartamentos e que estão todos os dias fechados em casa, salvo uma ou duas horas nos passeios.
    Aliás muitas pessoas têm apartamentos tão minúsculos ou reduzem o espaço para os animais de tal forma que parecem verdadeiras jaulas.

    Pior só quando decidem ter animais de médio e grande porte nessas circunstâncias.

    Sou completamente contra e isso para mim também não é gostar de animais.
    É pensar apenas no próprio umbigo e em satisfazer os caprichos pessoais sem ter qualquer consideração pelo bem estar animal.

    Em certas circunstâncias até acho que faz muito mais sentido ter animais acorrentados num jardim durante as horas de trabalho dos donos ( ex pessoas cujos animais tenham forma de fugir do seu terreno ou quando não há forma de fechar o mesmo e se pode colocar animais e pessoas em risco). Há também pessoas cuja corrente serve apenas para garantir que os animais não vão para um determinado local onde se possa aleijar mas com que tenha o restante espaço para fazer o que quiser.
    Queres ver que um cão acorrentado com espaço de manobra num jardim com 200-500 m2, com acesso a água e sombra é pior tratado do que aquele que está todo o dia preso a uma sala/cozinha e corredor que, na melhor das hipóteses lhe dá acesso a 50-100m2? E isto quando não os metem na lavandaria, varanda ou com acesso apenas a uma cozinha com 12-16m2 a correr bem...


    Já agora, os animais até podem ser muito felizes em espaços pequenos fechados estando lá as suas pessoas.
    Agora estarem melhor em apartamentos fechados, muitos não passam de minúsculas divisões, quando não está ninguém em casa? É que só porque estão ao ar livre não significa que os animais acorrentados tenham exatamente o mesmo tratamento que esses animais ( alguns até melhor).

    Para mim há certos animais que nunca deviam viver em apartamentos e para mim o único motivo pelo qual algumas pessoas o decidem ter é puramente egocêntrico.

    Tu dizes que não conseguias viver sem animais. Pessoalmente eu preferia colocar o bem estar deles ao meu umbiguismo. Jamais teria cães trancados num apartamento o dia todo com direito a uma ou duas voltas diárias. Parecem os criminosos com direito ao passeio higiénico. Se isso é que é gostar de animais então efectivamente não estou nesse grupo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente.
      A minha irma adora animais, especialmente gatos. É militante do PAN, é apoiante do IRA, esteve por ex em Santo Tirso a salvar animais no meio daquela confusão toda que se sabe , é membro duma associação de gatos no Porto e faz coisas do genero de andar de manha cedinho a apanhar gatos de rua para irem com eles às 8h/9h a clinicas fazer castração que se disponibilizam para o fazer a preços reduzidos antes do seu horario normal de expediente.
      No entanto, nao tem nenhum gato em casa, nenhum animal de estimação. Por tal como ela diz, mora num apartamento pequeno, que ainda por cima é partilhado com outras pessoas, e por isso não vai deixar um gato preso no quarto dela o dia todo enquanto vai trabalhar. Diz ela que tem muita pena, que gostaria muito de ter um gato mas so se um dia tiver um apartamento maior com outras condições.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

I wish

 Faço anos daqui a um mês e, este ano, vou querer prendas muito práticas e objectivas. Algumas coisas preciso comprar, outras substituir, mas acho que vou deixar um pouco as vaidades de lado e optar por poupança real - porque são coisas que teria de comprar. Alisador de Cabelo a vapor BELLISSIMA My Pro (Titânio - 170 °C - 230 °C ) Este ou outro qualquer, desde que seja bom e não me estrague (demasiado) o cabelo. Uns auscultadores. Preferencialmente giros. Preferencialmente sem fios. Estes ainda por cima dobram-se, o que é muito prático para colocar na mala. Um candeeiro de tecto novo para o meu quarto, que o que tenho é antigo e tapa imenso a luz. A minha irmã comprou este candeeiro de mesa para o quarto do meu pequeno (em preto) e amei de paixão. Queria assim em tom cobre para o meu quarto. :) Todos os candeeiros da Leroy Merlin / AKI.

Work in progress

Aprender a lidar com a solidão não é um processo mesmo nada fácil. Ando a diversificar as minhas formas de entretenimento, mas, convenhamos... A COVID não é muito minha amiga. A chuva rouba-me as caminhadas. Valham-me as amigas que me telefonam para ir apanhar pinhas ao monte e as colegas sempre presentes.  Comecei a dançar às segundas-feiras à noite - com a vantagem de achar a professora uma simpatia. A amiga Netflix tem-me feito muita companhia. Estou a ver a primeira temporada de Outlander e sei que tenho série para umas semanas. Os livros também prometem ser grandes amigos, mas sinto-me sempre com tanto sono e com tanto cansaço que tenho evitado a palavra escrita. Estou bem, mas estou a adaptar-me. Com dias melhores e dias menos bons. Obrigada a todos os que, de uma forma ou de outra, demonstraram caminho.