Avançar para o conteúdo principal

A Páscoa que tem de ser

Quatro semanas de quarentena. Estou a lidar muito bem com isto, digo-vos já.

Nunca fui a mais paciente das mães e continuo a não ser. Também nunca fui a mais paciente das esposas e também não melhorei.

Mas tenho conseguido gerir os dias com relativa calma. Chego ao final de cada dia e penso "ufa, mais uma etapa concluída com sucesso". Já faltou mais - embora não se vislumbre luz ao fundo do túnel. 

O facto de ter o cão para passear ajuda bastante, que apanhar ar nas fuças revigora qualquer um. As amêndoas e os chocolates também são bom auxílio.

Custam-me as datas especiais. Perdi o aniversário do cunhado. Para a semana será o aniversário do meu irmão. Amanhã, a Páscoa, que é sinónimo de família e de momentos bem passados. 

Mas amanhã teremos almoço em família, com ajuda das novas tecnologias. A minha irmã - que é a pessoa mais preocupada que eu conheço - tratou de nos arranjar um almoço de Páscoa surpresa, que será entregue cá em casa. Ligaremos o portátil, estaremos em família e será bem passado. Pelo menos enquanto a criança não começar a berrar e a dizer que quer desligar a chamada (o que tem acontecido todos os dias...).

💗💗💗 Boa Páscoa. Fiquem em casa. 💗💗💗

Comentários

  1. É preciso adaptar a Páscoa aos tempos que vivemos.

    Boa Páscoa.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Também tento sempre levar a coisa pela perspectiva mais optimista, mas tenho picos em que começo a sufocar... depois passa.
    Durante esta quarentena já aprendi várias coisas novas, estou a tirar uma pequena formação formato e-learning, já pensei e voltei a pensar sobre tudo e mais alguma coisa, já chorei e às vezes do nada...
    Perdi aniversários de familiares e até ao fim da quarentena vou perder outros que isto o pessoal resolveu nascer tudo na mesma época. :)
    Enfim, sinto-me mais sensível e esta Páscoa será diferente.
    Também está combinada a videochamada em família, essa é certinha mas tenho tanta vontade de pegar no carro e conduzir... ir ver os meus, apanhar ar livremente.
    Logo eu, uma “gaja” que adora a sua liberdade.
    É uma prova de resiliência.
    É bonito ver que estamos mais solidários mas... estou triste!

    Ainda assim sempre a sorrir porque sei que tudo isto vai passar.
    É nestas alturas que damos ainda mais valor ao que muitas vezes vemos como garantido.

    Beijinho S* e boa Páscoa para vocês.
    Fiquem em casa. :)

    ResponderEliminar
  3. Uma Santa Páscoa para ti e para os teus.

    ResponderEliminar
  4. Valham-nos as tecnologias para estas alturas.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Um ano a dois

Como o tempo voa, hoje celebro um ano de um relação calma, que me foi conquistando aos poucos e que, hoje em dia, me dá todas as certezas. Quando nos conhecemos, em Abril do ano passado, viramos amigos. Na verdade, tornou-se meu confidente e aturou-me durante semanas e semanas a "chorar-me" por outra pessoa. Já eu percebi que ele gostou de mim no primeiro café que tomamos, mas como é tão ou mais discreto que eu, nada feito. Ficamos assim, entre avanços e recuos, entre conversas diárias e afastamentos semanais. Ao meu lado quando fui operada e nos dias que se seguiram. Eu ainda sem rumo, à procura de algo que não sabia ainda o que era. Foi no dia 6 de setembro de 2021 que a amizade evoluiu para algo mais.  Desde o primeiro dia que não me deixou dúvidas de que queria estar ao meu lado. Acho que foi exactamente isso que (de forma um pouquinho "umbiguista") me fez apaixonar por ele. Sempre percebi que gostava de mim. Sempre me senti acarinhada, querida e desejada.  Dura