Avançar para o conteúdo principal

Maravilhas da Maternidade

Gastas dinheiro a comprar on-line um fato de Halloween que agrade à criança e que dê resposta à festinha que acontece (hoje) na creche. 

O belo do fato chega, a criança adora, fica entusiasmada, quer logo experimentar! Lá a convencemos a esperar dois dias. Ao longo desses dois dias, farta-se de falar do fato, de referir a festa do Halloween... 

Hoje de manhã pego no fato, ele sorri... e mal o sento para o vestir, começa a ser possuído pelo demónio. Chorou, berrou, tentou rasgar o fato, tentou abrir o fecho, recusou tirar fotografias.

"Ah e tal, não vale a pena forçar o menino".

Aqui, ninguém o força. Mas há coisas que têm de ser feitas. Às vezes não quer, mas toma banho. Muitas vezes recusa, mas tem de comer a sopa. Se hoje tem festa de Halloween e gastamos 30 euros no raio do fato (que ele adorou!!), vai de fato e ponto final.

Foi a berrar o caminho todo... E, logo ao fim do dia, aposto que vai berrar por já não o querer tirar. Vá-se lá entender o bruxinho de serviço.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé, riscas e sapatos

Comentários

  1. Parabéns pela tua atitude :) Não vejo muito isso à minha volta - pelo contrário, vejo pais a "endeusarem" as crianças e os seus humores e desejos. Acredito que o "tem de ser" é das coisas mais importantes que aprendemos como pessoas. Fui educada e habituada dessa forma: há coisas que não são como eu quero, mas sim como têm de ser - na roupa, na comida, na hora de estudar ou brincar, nos presentes, nas férias.. e assim sucessivamente até chegar a coisas "maiores" como a entrada na faculdade, a casa que consigo arrendar, as férias que a empresa me permite tirar, as coisas que consigo comprar... Acredito piamente que sermos educados dessa forma contribui para a nossa resiliência e capacidade de aceitar e ultrapassar coisas que não gostamos, que invariavelmente nos vão acontecer na vida.
    O fato é super giro :)
    Mar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na semana passada, uma neurocientista disse exatamente o mesmo. Sandra Lopes

      Eliminar
    2. As regras e os "nãos" são fundamentais e estruturantes mas isso não significa não respeitar a individualidade e as crianças.
      As pessoas muitas vezes ouvem o que querem ouvir quando os especialistas falam, em vez de ouvirem e reterem a mensagem que foi efectivamente transmitidas.

      Não me parece que se possa comparar comer sopa, cumprir regras e ter limites com vestir os miúdos com fatos só porque foram caros...

      Ao nível sensorio-motor os fatos, os adornos, os tecidos, os cheiros, etc podem ser excessivos. A hiperestimulaçao nessas circunstâncias pode deixa-los desconfortáveis e consequentemente irritadiços.

      É preciso compreender que as crianças não são bonequinhos para nós enfeitarmos.
      Para mim seguir regras e limites ou ceder aos caprichos dos papás são duas coisas muito diferentes.

      Eliminar
    3. Anonimo das 10:56, nao por capricho dos pais, o capricho occorido foi o da propria crianca, que adorou a roupa, queria vesti-la e dois dias depois o negou apenas por birra, nao por quaisquer dos motivos citados por si. Leia o post da mae novamente, acredito que ela conheca o filho muito melhor do que tu conheces.

      Eliminar
    4. Anónimo das 10:56 entendo o seu ponto de vista, mas não me parece aplicar-se neste caso. Temos um fato que foi escolhido pela criança; que o adorou quando viu e só queria vestir; que estava ansiosa pelo dia de o vestir.. e no dia recusa-se a vestir? Lamento mas isso só tem um nome: birra - algo que só existe porque e enquanto a criança sentir que lhe serve um objectivo. Se os pais não cederem, a criança mais cedo ou mais tarde desiste das birras porque aprende que não servem de nada. Não é por ter sido caro.. como diz a S* podiam ter sido 3€, o que está em causa é a birra e não o preço do fato. E como já alguém disse, a ao chegar à escola provavelmente ia-se arrepender se não o tivesse vestido, quando visse todos os coleguinhas mascarados.. As mães para além de educarem, também sabem o que é melhor para os seus filhos, e aposto que o Rafael teve um dia muito feliz com a máscara, graças à firmeza dela :)
      Mar

      Eliminar
  2. Agiste bem porque a educação começa desde pequenino. Não se pode fazer as vontades todas

    ResponderEliminar
  3. Deixe lá, a minha esteve a 30 segundos de ir para a escola em collants... Não queria vestir a saia do fato mas também não queria vestir mais nada... Fotos só se forem da birra descomunal ... Enfim...

    ResponderEliminar
  4. Fizeste bem, ia chegar lá e ver os amiguinhos todos vestidos e ia ficar triste.

    ResponderEliminar
  5. Gastaste 30€ porque quiseste, ha fatos bem mais baratos no ebay. E se o miudo não se sentia bem por ir com o fato porquê obrigá-lo? So porque gastaste o dinheiro? Desculpa, mas assim contado parece que mascará-lo é apenas um capricho teu,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão não são os 30 euros. Podiam ter sido 3 euros. Comprou-se o fato que sabíamos que ele ia gostar. Ele adorou. Birras só porque sim? Não, obrigada.

      Eliminar
    2. E mascarar uma criança desta idade não é apenas capricho dos pais? Tirava as fotografias mais tarde , mas depois não tinha como publicar hoje no blog...

      Eliminar
    3. anonimo das 14:44

      caso nao tenha percebido hoje em dia muitas escolas fazem desfiles nestes dias e obrigam os pais a trazer os miudos com disfarces segundo o tema escolhido pela escola. claro que podem fazer os fatos em casa , mas nem todos têm tempo/jeito para isso, mas não podem ir simplesmente para a escola sem o fato. ah, e segundo percebi de alguns colegas, este tipo de situações está previsto no acordo que os pais assinam com a creche/escola, qualquer coisa do genero que "os pais sao obrigados a acompanhar e fazer o necessario para as actividades escolares". portanto se os pais se recusarem muitas vezes a criança pode efectivamente ser "convidada" a sair da escola. Eu sou do tempo em que cada um fazia o que queria, quem queria mascarava, quem nao queria nao mascarava, mas hoje em dia nao é assim :-(

      Eliminar
    4. Mas era o dia de ir mascarado para a escola. Não sabem ler?

      Eliminar
    5. Anonimo das 14:44, deixe de ser estupido que isso nas e mascarar, bem pelo contrario, nada mais comum que vestir uma fantasia para ir a festinha de halloween da escola, fantasia essa que ele adorou e que nao quis vestir apenas por birra como a propria mae ja deixou claro. Va ser mimizento assim em outra freguesia.

      Eliminar
    6. Ele foi "mascarado" porque tinha que ir a uma festinha de Halloween na creche, sua anta, onde todas as criancas estariam fantasiadas, nao para tirar fotos apenas para tirar, ao custo de 30 euros. Deves ter caido de cabeca do berco quando crianca.

      Eliminar
    7. Não vale a pena entrar em discussões. Quando a creche convida os meninos a irem mascarados, gosto que ele participe.

      Eliminar
    8. Nenhuma creche ou escola obriga os miúdos a irem mascarados. Seria ilegal fazerem-no!

      E só quem não mete os pés em escolas há anos é que acredita que todos vão ou querem ir mascarados.

      Mas as antas são aquelas que não obrigam a vestir fatos só porque os adultos querem.
      Suponho que nunca saíram da bolha e nunca conheceram ninguém que sempre tenha odiado mascarar-se...

      Eliminar
    9. A anonima fala de mascarar como se fosse a coisa mais terrivel do mundo, cobrir a cara da pobre crianca, deixa-la desconfortavel, cheia de coceiras, comichoes e quase sem respirar, lol. Quanto drama, senhores! Que terrivel, um menino teve que vestir uma roupinha de dinossauro para ir a uma festinha halloween da escola, o horror! Nao sei como ainda nao prenderam esses pais terriveis.

      Eliminar
    10. Anónimo 31 de outubro de 2019 às 20:08, anta é que não sabe de nada e atira bitaites, dado que não percebe que por haver uma fetsta de halloween, a criança não tem que ir mascarada. Não está lá ninguem a proibir a entrada de pessoas nao mascaradas.

      Eliminar
  6. Mas quem é que diz "Ah e tal, não vale a pena forçar o menino". Wtf.

    Não é preciso chineladas, mas é preciso explicar que algumas coisas têm de ser feitas. Se for tudo como desejam, como vão algum dia entender o mundo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, anonimo, eu sequer chamaria isto de mascarar, ele sequer teve que vestir a parte da cabeca, apenas a parte que vai ao corpo, nao acredito que estivesse desconfortavel ou sofrendo, deixe la de tanto mimimi.

      Eliminar
  7. Ui.... Tenho de meter o meu bedelho nesta... Os fatos de carnaval/halloween são todos uma bodega provocadora de comichões, comichices, aflições e inquietações. Ficam histéricos por ser festa e mascarar, mas aqueles tecidos sintéticos made in sabe-se-lá-onde... Está mais que visto o resultado.
    Também noto que nesta altura do ano, andam particularmente propensos a birras: ainda a finalizar adaptação rotinas do ano escolar, muda a hora, luz do dia é menor, frio/chuva, pais tb cansados, enfim, cocktail explosivo para birras épicas. Excesso de açúcar logo à noite e amanhã pão por Deus... Ui... Agarrem-se bem... 😂

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entendo e concordo, mas este fato era super simples, sem nada de comichões... além de que ele tinha roupa por baixo. Foi só mesmo uma crise de mimalhice. ahah

      Eliminar
    2. Tu sabes isso porque experimentaste o fato e estiveste horas com ele, não foi?
      Só aquele porcaria na cabeça faz impressão só de ver. Imagino ter uma máscara assim, não conseguir olhar para os lados e ter aquilo a roçar no queixo nae boca. Nheca.

      Eliminar
    3. Anónimo, ele não usou o encaixe da cabeça. Esse foi mesmo só para a fotografia. Aí concordo, não seria confortável, a não ser que ele o pedisse.

      Eliminar
  8. Agiste bem, por aqui a pequena também já começa com as birras, mas temos de ser firmes .

    ResponderEliminar
  9. A minha só se vai mascarar logo à noite mas até hoje tem corrido bem. Acho que ajuda o facto de ela se ir mascarando quando quer ao longo do ano. O fato de Halloween este ano foi uma prenda de anos (há 15 dias). Vestiu-o logo no dia, e já o voltou a vestir várias vezes depois disso. Acho que isso ajuda a que hoje o facto não seja algo estranho e que ela nunca pôs ou que nunca se tenha visto com ele. :)

    Tété

    ResponderEliminar
  10. Concordo plenamente com o primeiro comentário e com a tua atitude perante a situação :)

    ResponderEliminar
  11. "De pequenino é que se torce o pepino", provérbio sempre atual.

    ResponderEliminar
  12. Aha, a pergunta que se impõe é... Mas quem é que tem tempo para andar a fazer treinos de mascarar os miúdos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é treinar. É deixar serem crianças e brincarem de vez em quando... É o suficiente.

      Eliminar
  13. O miúdo cá de casa detesta máscaras/fatos/fantasias. No primeiro Halloween na escola ainda tentámos que escolhesse uma fantasia, mas ficou claro que nem valia a pena gastar dinheiro ou inventar, não comprámos nada. Todos os anos, no Halloween e no Carnaval, perguntamos se quer mascarar-se, a resposta tem sido sempre a mesma. Apenas usou um pequeno acessório uma vez e umas camisolas alusivas ao tema. E no desfile de Carnaval da escola lá veste a fatiota que fazem por lá, é igual para todos e dura pouco tempo, 1h no máximo.
    É claro que, nesses dias, sai de casa a saber que os amigos vão mascarados, mas escolheu não ir, por isso não há volta a dar se mudar de ideias. Por agora, não mostrou arrependimento, nem ficou triste por ver os outros fantasiados e estar com roupa normal.
    Também as escolas nunca colocaram nenhum problema por o miúdo não se mascarar. A festa faz-se com as crianças, não é com a roupa que levam vestidas.

    Atenção que isto não é uma crítica à autora. É só uma experiência diferente, outro ponto de vista.
    Já em relação a um comentário ali em cima, a sério que há escolas que obrigam a mascarar sob pena de convidarem o aluno a sair? Que escolas são essas!?
    E os comentários com ofensas são desnecessários.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui apenas se convidam os alunos a irem mascarados. Mas vi pelo menos um sem máscara. Ora, cada um sabe de si.

      Eliminar
    2. Sao coisas diferentes. Uma situacao é a propria criança nao gostar, nao se querer mascarar e aí obvio a escola nao obriga. Outra coisa é os pais consecutivamente nao quererem perder tempo/dinheiro a tratar dos disfarces e dp qd o miudo chega á escola os professores topam logo que foi por causa dos pais e aí reclamam e exigem q esses pais se esforcem como os outros.

      Eliminar
    3. Nenhuma escola obriga as crianças a irem mascaradas. Quem disse tal coisa mentiu com quantos dentes ( dedos?) tem.
      Se tal coisa acontecesse a escola estaria a ultrapassar limites legais e teria grandes e graves problemas com a justiça e o ME.

      Eliminar
    4. anonimo das 11:07

      presumo que então desconheça a existencia de colegios privados com uniformes e regras de roupa as quais os alunos são obrigados a cumprir. so conhece a escola publica? é extraordinario nao conhecer escolas privadas mas afirmar no seu comentario uma posição sobre todas as escolas e ainda chamar os outros de mentirosos.

      e mesmo na escola publica dou-lhe este exemplo do regulamento interno da creche IPSS da minha zona no capitulo de Obrigações dos Encarregados de Educação "6- Envolver-se nas manifestações culturais e festivas da Instituição;".

      Conforme ja expliquei, (mas parece que nao sabem ler...), não é a questao de os miudos nao quererem usar as mascara. A questao coloca-se quando sao os proprios pais que nao querem saber e nao tratam de nada, e isso a escola pode nao aceitar conforme mencionado no regulamento.

      Eliminar
  14. Foi o teu marido que disse isso? Passa-me a sensação que ele lhe faz as vontades todas e que tu é que tens que impor as regras na educação do vosso filho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não foi o marido. Mas tem razão, eu sou o braço firme cá de casa. O que nem sempre é bom.

      Eliminar
  15. Olá S* Fizeste muito bem!
    Fizeste tudo pelo teu filho, para ele se sentir feliz na creche! Se não tivesses comprado o fato, o teu filho ia se sentir angustiado por naquele dia estar diferente das outras crianças e tu não querias isso, não é? Perdeste tempo a encontrar o fato, gastaste dinheiro, porque é uma boa mãe, tens o teu menino na creche e concordas com essas actividades e festas que fazem para as crianças!
    Quanto ao capricho que foi falado aqui, não seria também capricho da criança? Nós temos de ceder aos caprichos dos nossos filhos? O teu papel é educar o teu filho e desta forma ensinaste a ele, que ele tem de assumir as suas responsabilidades e dar valor ao que os pais fazem por ele. Não podemos mimar os nossos filhos, então uma hora quer e na outra hora não quer?

    ResponderEliminar
  16. Acho que fizeste muito bem sim, também sou apologista que eles têm que ter limites, ouvir o famoso não e não passarem a vida a fazer o que querem muito menos quando são tão pequenos.
    Mas infelizmente é o pão nosso de cada dia as crianças fazerem o que querem e como querem.

    ResponderEliminar
  17. Gostei de ti, da atitude,
    Do simpático menino,
    Do profano e do divino
    Folclore que nos ilude!

    Paz, amor, muita saúde
    E meu desejo a destino
    Seus! Vejo o ensino
    Teu como virtude.

    O menino é um encanto
    Tem a carinha de santo
    Querendo fazer xixi:

    Olha de lado a um canto
    E esboça no rosto um pranto
    Feito moleque que ri.

    Grande abraço! Laerte.

    ResponderEliminar
  18. Fizeste muito bem, além disso fica-lhe lindamente.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  19. Não sei como serei quando for mãe e, as vezes, eu e o namorado já comentamos que havemos de engolir muitos sapos, mas concordo plenamente com o que fizeste

    ResponderEliminar
  20. O meu filho mais velho fez uma birra dessas há 2 ou 3 anos no carnaval. Temos pena... vestiu e mais nada!
    Com essa idade embirram por duas razões: por tudo e por nada. Já foi descalço para a rua (levei as sandálias q ele nao queria na mala), tbm podia ir despido ou em pijama. E embirrava novamente qdo visse os colegas mascarados, menos ele. Quem não os conhecer que os compre!
    Mas a maior birra foi no supermercado, porque queria os iogurtes xpto. Era mais fácil comprá-los, mas nesse dia não cedi já que tinha iguais em casa que nem gostava mto. Ainda hoje se lembra da vergonha que passou e eu admiro-me pela calma que tive. Aprendeu que as coisas se compram por necessidade, não por capricho.
    Educar é isto...
    SM

    ResponderEliminar
  21. Ora bem, se perguntaram ao Rafa se ele queria ir à festa de Halloween e ele disse que sim e que queria ir mascarado, se foi envolvido na escolha do fato e escolheu aquele para levar e se comprometeu com a escola a participar na actividade, logo no dia tem que lhe ser explicado que tem que ir mascarado e participar na festa porque foi isso que foi acordado(isto de acordo com uma criança de 2 anos e explicado de maneira a que ele perceba e se envolva também nas decisões).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "escolheu aquele para levar e se comprometeu com a escola", sabe a idade da criança em questão não sabe? Julgo que não deve saber....

      Eliminar
    2. Sei anónimo das 15:55, por isso escrevi entre parênteses "explicado de acordo com a idade da criança, de modo a que ele perceba". Sou mãe de um miúdo de 6 anos e desde sempre o envolvi nas escolhas ( dentro dos limites de uma criança o do que pode ser escolhido por ele) de tudo o que lhe diz respeito e o envolva seja em casa, em família ou na escola e sempre respeitei a opinião dele e expliquei-lhe as consequências das escolhas.

      Eliminar
  22. É lindo o teu Rafinha. :) A minha sobrinha fez exactamente a mesma cena com o vestido do batizado.

    ResponderEliminar
  23. Não se pode deixar que os miúdos façam tudo os que lhes apetece caso contrário era um festa. Achei mal foi um casal conhecido que postou uma foto do filho, um bebé, a chorar, semi-nu dentro de uma abóbora porque a mãe queria tirar uma fotografia para o instagram, isso sim acho deplorável.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.