Avançar para o conteúdo principal

Enfim!


Eu digo-vos uma coisa... Passaram a tarde a dizer que tinha caído um avião de combate ao grande incêndio. Em todas as televisões.

Sabiam que era um Canadair. Sabiam que era um avião espanhol. Sabiam que o piloto era inglês. Que tinha morrido.

Horas depois, upppssss, afinal tinha sido uma botija de gás a rebentar. Parece que não caiu avião nenhum.

Já não basta a tragédia, ainda se causa alarmismo extra com notícias que não são confirmadas...

Comentários

  1. Acho que também já sabiam quem era a família do piloto, mas quando se soube que tinha sido uma botija não conseguiram encontrar nenhuma "Camping Gaz" para poder fazer a entrevista...

    ResponderEliminar
  2. Esta malta é terrível, não bastam as tragédias...

    ResponderEliminar
  3. Já estou com disse a outra "no comments"! Mais vale... Deus meu!

    ResponderEliminar
  4. É mesmo!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Enfim mesmo. parece que estão sempre à procura do draaammmaaa ... tão triste...

    ResponderEliminar
  6. E que tragédia. Parece filme de terror. Custa-me acreditar que aquela desgraça aconteceu e está acontecer no nosso país.
    Só de imaginar aquelas pessoas na dita estrada da morte, aquele cenário, aqueles relatos de quem perdeu vidas, fico... Nem sei o que dizer, sinceramente.
    É óbvio que depois aparecem notícias falsas pelo caminho, é sempre assim.

    ResponderEliminar
  7. A notícia do canadair vi em todos os canais, a "certeza" de que era espanhol, o piloto inglês e que tinha morrido, pelo que soube, foi veiculada pela cmtv.

    ResponderEliminar
  8. Até fica mal à comunicação social o entusiasmo com que lidam com estas notícias. PArece que até gostam, só para justificar o ordenado... irra... =( muito triste, muito, muito triste =(

    ResponderEliminar
  9. S. os jornalistas no terreno, principalmente num cenário como este, sofrem uma pressão imensa. E estão também eles exaustos, longe das famílias e a lidar com o sofrimento dos outros. Estar sentada no sofá a criticar é fácil demais. E desculpa-me, mas tu como jornalista devias saber disso e não julgar quem está a dar tudo para informar.
    Beijinhos e parabéns pelo bebé, é lindo :)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.