Avançar para o conteúdo principal

Emma Murphy



Assusta-me imenso saber que há tanta gente - homens e mulheres - que vivem este inferno. Seria incapaz de estar com alguém que, de alguma forma, me causasse medo. Mas, que sei eu da vida? Já perdoei o que achava imperdoável. Em relações passadas, já me deixei rebaixar. Sim, deixei.

"Emma Murphy, uma blogger irlandesa com 26 anos, publicou um vídeo no Youtube após ter sido agredida pelo marido. Mãe de duas crianças, Emma mudou-se para casa de familiares e quer ser uma inspiração para outras mulheres que sofram de violência doméstica".


Fico mesmo feliz por saber que a Emma foi forte. Fico mesmo feliz. É preciso força, com dois filhos tão pequenos.

Infelizmente, também sabemos quão bacocas (não é o caso) podemos ser quando amamos alguém. Se me lembro do caso da menina que desistiu de casar porque o namorado lhe espancou a gata... e passado semanas voltou para ele... até fico angustiada. É um agressor em potência que ali está. 

O amor não deve dar qualquer espaço para o medo.

Comentários

  1. Essa da gata foi a melhor de tudo. Muito mau, os sinais estão lá todos!!

    ResponderEliminar
  2. sem dúvida ! Admiro a coragem dela .

    ResponderEliminar
  3. Esta é daquelas coisas que eu nunca comento porque não sei o que faria eu no lugar destas pessoas. Achamos sempre que somos muito fortes, que ninguém nos intimida e "se fosse comigo é que era" mas depois, nas situações, as reações nem sempre são como esperavamos. Isto é como as traições, toda a gente diz que não perdoa mas depois logo se vê como reagem na altura. Enfim, não vale a pena comentar...

    ResponderEliminar
  4. Já tinha lido qualquer coisa sobre este caso, mas ainda não tinha visto o vídeo...

    P.S. - E em sabia que a tal rapariga da gata tinha voltado para o namorado....!

    ResponderEliminar
  5. De certo Freud explica, porque ambos são sequelados.Tanto quem bate, quanto quem apanha e ainda fica.

    ResponderEliminar
  6. Tudo o que disseste é verdade. Acho que aquela violência não muito óbvia e não sistemática (e por vezes apenas psicológica), é tão perigosa como aquela que deixa marcas físicas.

    ResponderEliminar
  7. Ninguém está livre de uma situação semelhante mas, na minha opinião, a auto-estima é importante, porque as pessoas vulneráveis são alvos fáceis. E ainda há mulheres que acham que precisam de um homem para (sobre)viver!

    Quanto à criatura da gata... talvez abra os olhos quando o namorada a espancar também! Sinceramente, tenho pena é da gata, dela... nenhuma!

    ResponderEliminar
  8. Eu concordo contigo mas também tento pensar no que leva uma mulher (ou homem) a aceitar essa situação. O amor por vezes é cego. E o medo sabe isso. Ainda bem que ela foi forte!

    ResponderEliminar
  9. Admiro tanta coragem.

    http://bloguedacatia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Às vezes penso se será amor ou simplesmente conformismo, não querer ficar sozinho, sei lá... parece-me demasiado estranho que se consiga amar de verdade quem nos faça tanto mal

    ResponderEliminar
  11. LOL.. não sabia que a da gata voltou para o gajo. Ok.. perdeu bastante na minha consideração, porque para mim para além de dos sinais de ele um dia a poder tratar mal, ele tratou mal de outro ser que estava da responsabilidade dela. Mas isto sou eu..

    Infelizmente, acontece e muitas vezes perto de nós e nem vemos os sinais :\

    ResponderEliminar
  12. Violência não tem desculpa, quem bate uma vez não fica só por aí, que todas as mulheres tenha a força que ela teve!

    ResponderEliminar
  13. Ora nem mais... Assino por baixo, como sempre!

    ResponderEliminar
  14. Estou completamente parva, então a rapariga da gata espancada voltou para o tipo que fez aquilo?! Depois de toda aquela revolta, de tudo o que escreveu no facebook? Nunca pensei... Espero que não venha a arrepender-se amargamente.

    Já esta senhora teve muita coragem, muitas mulheres ainda não falam por vergonha, mas é preciso que entendam que vergonha devem ter os homenzitos que fazem isto, elas não têm nada do que se envergonhar. Mas isto vem da forma como somos educados.

    O meu filho passou por uma situação de violência muito grave na escola há uns anos, não é que na altura quer os pais dos agressores quer os próprios professores tentaram convencer-me a não falar do assunto porque era uma vergonha para o meu filho? O meu filho, a vítima, é que tinha de ter vergonha? Por alma de quem? Quem agride seres mais frágeis é que tem de ter vergonha do acto covarde de que foi capaz. É isto que os próprios professores ensinam aos putos? Agredir não é vergonhoso, admitir que se é vítima é? Temos pena, correu-lhes mal.

    AnaC

    ResponderEliminar
  15. Eu não percebo.
    A primeira podemos apanhar todos.
    As restantes só apanhamos se quisermos.
    Esta gente vive como se não houvesse mais homens à face da terra e, pior, como se fosse preciso homem para se viver.
    E mais: não só acreditam no Pai Natal como acreditam que ele vai mudar, que não vai voltar a acontecer... Really???

    ResponderEliminar
  16. Essa da gata sinceramente acho que foi mais um golpe que outra coisa, que a historia foi muito mal contada e a reconciliação ainda pior... mas infelizmente é a realidade de muita gente. Faz-me impressao a dependência que as pessoas acabam por ter do agressor :x

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.