Avançar para o conteúdo principal

Odiozinho de estimação

Gente moralista.

"Ai eu nunca faria isto, eu nunca diria aquilo... era incapaz disto e daquilo".

Ora bem, a partir do momento em que, nas circunstâncias correctas (ou melhor, erradas) todos somos capazes de matar, mais vale não atirar pedras para o ar. Podem cair-nos em cima.

Comentários

  1. Onde estavam os paizinhos e as mãezinhas que se esqueceram de educar desses adultos que já foram criancinhas...

    ResponderEliminar
  2. Completamente...é que caem quase sempre...

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Palavras sabias. Vou partilhar.

    ResponderEliminar
  4. Isso é verdade, não devemos atirar pedras, todos temos telhados de vidro!!

    ResponderEliminar
  5. Acho que toda a gente diz isso... até ter uma situação na vida em que repara que "uma vez disse que isto nunca acontecia a mim..." e depois acontece. Só ai é que percebemos que "nunca faria isto..." é uma frase sem sentido na vida. Mas até aprender essa lição, toda a gente diz!!

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Chico, exactamente. Não se deve tomar nada por garantido. :)

    ResponderEliminar
  8. ainda hoje falava isso com uma amiga.pessoas moralistas que depois mandam ''recados'' pelo Fb.adoram dar palpites sobre a vida alheia,qual miss perfeição,mas são incapazes de olhar para elas próprias e ver que cometem exactamente os mesmos erros,ou piores...infelizmente tenho pessoas assim no meu circulo de trabalho,o que por vezes leva a situações chatas.

    ResponderEliminar
  9. criticar é sempre o caminho mais fácil. muita gente que fala, e não se põe na situação dos outros, ou simplesmente não quer por.

    ResponderEliminar
  10. Concordo contigo:)Não devemos mandar papos para o ar:)

    ResponderEliminar
  11. Concordo contigo:)Não devemos mandar papos para o ar:)

    ResponderEliminar
  12. "Nunca digas nunca" é cliché mas é verdade. Nunca sabemos o que nos reserva o futuro muito menos como a nossa mentalidade poderá mudar, levando-nos a fazer coisas de noutras circunstâncias julgaríamos impossíveis.

    ResponderEliminar
  13. Desculpa mas há excepções: p.e., "Ai eu nunca compraria um CD da Luciana Abreu!" LOL

    ResponderEliminar
  14. S*, mas já viste que o mundo sem gente moralista não tinha piada? Porque depois não lhes podiamos mandar a fantástica boca do "pela boca morre o peixe" :)

    ResponderEliminar
  15. Sem ouvir dizer que "nunca se diz nunca!"
    A vida muda muito e as suas circunstâncias fazem-nos dar voltas que antes nunca imaginávamos dar.

    ResponderEliminar
  16. S*, agradecia que lesses este meu texto e desses a tua opinião. http://euamodesporto.blogspot.pt/2012/06/sobre-as-criticas-ao-ronaldo-que-me.html

    ResponderEliminar
  17. Eu acho que seria perfeitamente capaz de matar, mas apenas numa situação: se alguém fizesse mal ao meu irmão. Mas não cuspo para o ar, até porque o mais provável é acertar em mim ;)

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  18. eu não gosto de julgar nem de cuspir para o ar, mas o certo é que há certas coisas que, à partida, sei que não faria. mas la está, as circunstancias da vida podem (ou não) mudar tudo...

    ResponderEliminar
  19. As pessoas gostam muito de comentar a vida alheia, mas esquecem-se de olhar para elas próprias...

    ResponderEliminar
  20. Totalmente de acordo. Todos somos capazes de tudo, simples.

    Esses falsos moralismos são do piorio!

    ResponderEliminar
  21. Atirar por atirar atirem-se pedras para o lado, para cima nem pensar:)

    Eu costumo dizer que somos capazes de tudo porque as notícias mais escabrosas que aparecem nos jornais são d pessoas iguais a nós...

    ResponderEliminar
  22. é o tão famoso «nunca digas nunca...»

    ResponderEliminar
  23. É mesmo S*! Parecem que também não fazem cocó... rás-os-parta...

    ResponderEliminar
  24. São os primeiros apontar o dedo mas também são os primeiros a dizer e a fazer! Na calada... ;)

    Enfim....odiozinho de estimação!!!

    ResponderEliminar
  25. Exactamente, eu hoje digo que não seria capaz de matar, mas se visse a fazerem mal a um dos meus...não sei não!É tudo muito bonito quando não somos postos à prova!

    ResponderEliminar
  26. haja alguém que me compreenda. A sério tenho tudo menos paciencia para pessoas moralistas.

    ResponderEliminar
  27. O meu pai costuma dizer que quando se cospe para o ar, depois o cuspe cai-nos em cima.

    ResponderEliminar
  28. Além disso, as pessoas que normalmente se defendem muito, às vezes são as que pior fazem.

    ResponderEliminar
  29. "Gente moralista nunca ajuda só despista" já diz o B Fachada ;)
    Subscrevo!!!

    ResponderEliminar
  30. não podia concordar mais e veio mesmo a calhar lol. já aprendi há muito que nunca devemos dizer nunca.

    ResponderEliminar
  31. Não S* lamento, mas essa coisa de que todos somos capazes de matar, não será bem assim. Em situações de "vida ou morte" minha ou de alguém que para mim é importante, talvez. E digo talvez porque pensaria sempre em atirar para as pernas primeiro. Imobilizar.
    Mas a situação é demasiado delicada para um simples sim ou não.
    E não sou de forma alguma moralista. Defendo tudo aquilo em que acredito e argumento como se não houvesse amanhã. E acredita que existem situações que consigo dizer "nunca" porque me conheço muito bem.

    ResponderEliminar
  32. maria madeira, não sou eu que digo que todos somos capazes de matar. São uns psicólogos, os psiquiatras, os que estudam a mente. No limite, se fosse eu-ou-outra pessoa, todos somos capazes de matar. Se fosse entre quem tu amas e outra pessoa, supostamente todos éramos capazes de matar, por amor. Eu acredito que sim. Tentem fazer mal à minha família, a ver se eu não meto as garras de fora...

    ResponderEliminar
  33. Realmente dizem que todos nós podemos cometer um acto de loucura!
    Ninguém está livre, por isso o melhor é não atirarmos pedras!
    :-))

    http://viradadoavesso-katie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  34. Jamais devemos dizer nunca, pois não sabemos como vamos pensar no futuro ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Um ano a dois

Como o tempo voa, hoje celebro um ano de um relação calma, que me foi conquistando aos poucos e que, hoje em dia, me dá todas as certezas. Quando nos conhecemos, em Abril do ano passado, viramos amigos. Na verdade, tornou-se meu confidente e aturou-me durante semanas e semanas a "chorar-me" por outra pessoa. Já eu percebi que ele gostou de mim no primeiro café que tomamos, mas como é tão ou mais discreto que eu, nada feito. Ficamos assim, entre avanços e recuos, entre conversas diárias e afastamentos semanais. Ao meu lado quando fui operada e nos dias que se seguiram. Eu ainda sem rumo, à procura de algo que não sabia ainda o que era. Foi no dia 6 de setembro de 2021 que a amizade evoluiu para algo mais.  Desde o primeiro dia que não me deixou dúvidas de que queria estar ao meu lado. Acho que foi exactamente isso que (de forma um pouquinho "umbiguista") me fez apaixonar por ele. Sempre percebi que gostava de mim. Sempre me senti acarinhada, querida e desejada.  Dura