Depois temos o Homem da família

O meu tio. E lembro-me perfeitamente que, quando era pequenita, com 6 ou 7 anos, já pensava que, quando casasse, queria um homem como o meu tio. Uma pessoa que me fizesse sentir segura, protegida. Um homem íntegro.


Comentários

  1. Desde que o tenhas encontrado... mais nada importa!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. :) Ah, e de certeza que o teu homem te vai fazer sentir segura e protegida e dar tudo para te ver bem, como, com certeza, já faz ;)

    ResponderEliminar
  3. Pra já, enquanto não te casas, não precisas de mais ninguém. Tens aí o "emplastro" AHAHAHAHAHAH.

    ResponderEliminar
  4. Eu não digo que tens pessoas na família que valem a pena?! :))

    ResponderEliminar
  5. No fundo queremos sempre alguém que nos proteja e nos faça sentir seguras :)

    ResponderEliminar
  6. Quando os próprios pais não são as figuras de referência é bom quando existe alguém que seja a figura de substituição, que seja o referencial, e como bem dizes, com letra maíscula, dada a importância, ¨O Homem da família¨.

    ResponderEliminar
  7. oh como compreendo isto!
    ter desilusões familiares é um doutoramento que eu já tenho no meu curriculum há vários anos.
    é verdade que não de forma tão directa, feizmente, mas uma familia enorme que tinha tudo para ser uma alegria é, na verdade, um bando de palermas!

    na maioria das vezes chego até a ter vergonha de que me relacionem com essas pessoas!

    ResponderEliminar
  8. não digas mais nada: o meu tio luís...

    ResponderEliminar
  9. Espero que o teu também seja assim ;)
    Bjs

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares