Avançar para o conteúdo principal

Já pensaram...

Já pensaram em como seria apaixonarem-se por alguém que é o extremo oposto de vocês, dos vossos ideais, do vosso estilo de vida?

Eu já.

Mas depois ganhei juízo. :)

Comentários

  1. Infelizmente ja!
    Nem sempre nos apaixonamos por pessoas parecidas connosco!

    ResponderEliminar
  2. Sim, já aconteceu lol Acabou mal, como seria de esperar.

    **

    ResponderEliminar
  3. Eu já. E pensei que não. E depois era tarde de mais.

    ResponderEliminar
  4. Seria complicado. Mas acho que me desapaixonaria quando percebesse que os ideais dessa pessoa chocariam com os meus.

    ResponderEliminar
  5. Eu também já pensei nisso e meio que já experimentei mas não com um extremo tão oposto. Como o mundo é esférico não tem extremos, é o que vale.
    essa dos 'opostos atraem-se' foi infeliz para quem disse (:

    ResponderEliminar
  6. O meu namorado é o meu verdadeiro oposto e é por isso que nos dámos tão bem porque os nossos opostos completam-se. E falo porque o meu namoro já dura 4 anos :)

    ResponderEliminar
  7. Eu já.. mas como se esperava, não deu em nada. É complicado.

    ResponderEliminar
  8. Isso é uma aventura que por norma nunca acaba bem...mas os opostos atraem-se e quem sabe, até pode acabar bem...

    ResponderEliminar
  9. Mas supostamente os extremos não se deveriam atraír??

    ResponderEliminar
  10. estás a ver aquele momento em que, de carro, vendo um buraco mesmo à frente pensas "vou-me desviar por ali, não sou maluco", mas pelo meio há uma poça de óleo, vais direitinho contra o rail e partes o carro todo?

    Thats me.

    ResponderEliminar
  11. Não se sabe a hora em que se vai apaixonar-se, simpesmente acontece.

    Juizo não está relacionado ao apaixonamento, acho até que são diretamente opostos :))))

    ResponderEliminar
  12. Eu já também, depois passou. Mas volta e meia já me apeteceu perder o juízo só para ver se realmente a coisa não dava mesmo :p

    http://so_risoincognito.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  13. Bem, já aprendi a nunca entrar nisso! : p

    ResponderEliminar
  14. Eu já pensei como seria e depois em vez de ganhar juízo como tu concretizei o pensamento...! Os opostos atraem-se é um facto, depois pode ou não correr bem como em tudo na vida.
    :)

    ResponderEliminar
  15. Diferentes sim, aliás, complementares! ;)

    Opostos já acho muiiiiiito muito complicado, senão mesmo praticamente impossível...

    ResponderEliminar
  16. Podia ter sido pior mas efectivamente não foi... Tu és um espectáculo!

    ResponderEliminar
  17. Ora nem mais. Essa dos extremos só funciona em Hollywood, quando aplicada a vida real, não devem ser extrmeos assim tão opostos.

    ResponderEliminar
  18. Normalmente é uma dor de cabeça, mas mesmo que seja por alguém muito similar não é garantia que corra melhor. Been there, done that!

    ResponderEliminar
  19. A parte do ser diferente, desde que se entendam não é grave, agora a parte dos ideias e estilo de vida... é capaz de não dar muito certo, não! :p

    *

    ResponderEliminar
  20. Procuramos sempre no outro muito do que não temos em nós próprios. Mas, acredito, que têm uqe haver bases fortes em comum.
    :)*

    ResponderEliminar
  21. Pois, eu tambem ganhei juízo... ou não...

    ResponderEliminar
  22. oposto oposto, não dava. nunca daria. o meu oposto não se dá comigo:)

    diferente já aconteceu. oposto não.

    ResponderEliminar
  23. Oh Poseidon, como te foste to lembrar disso? ;) Não confirmo nem desminto.

    ResponderEliminar
  24. ora essa, achas que me ia esquecer de algo tu tenhas dito... nunca na vida! não é só tratar-te bem, é também ouvir efectivamente o que tu dizes... :P

    ResponderEliminar
  25. Poseidon, ainda estou à espera que me digas quem temos em comum. :)

    ResponderEliminar
  26. Eu penso que pode resultar. Equilibram-se. Pelo menos comigo funciona, somos tão diferentes mas somos muito equilibrados.

    ResponderEliminar
  27. that's a secret i'll never tell. xoxo gossip boy

    ResponderEliminar
  28. that's a secret i'll never tell. xoxo gossip boy

    ResponderEliminar
  29. Eu já e não me pareceu assim tão mau, pelo contrário, aprendemos a encontrarmo-nos a "meio do caminho" e durou muito tempo
    ( pode ser que não tenha interpretado bem a sua pergunta)

    ResponderEliminar
  30. Quando isso acontece é uma valente dor de cabeça...que por vezes vale a pena

    ResponderEliminar
  31. Isso nunca me irá acontecer...não me cheira.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.