Avançar para o conteúdo principal

Da (talvez) insensibilidade

Não sei lidar com os problemas dos outros.

Não tenho jeito para lidar com a dor dos outros. Nem com a minha. Mas com a dos outros ainda menos.

Não consigo - e odeio não conseguir - dar uma ou duas palavras de conforto. Não consigo abraçar as pessoas. Não consigo pôr um ar sofrido.

Incomoda-me.

Não sou de gestos falsos de afeição. Se não me sinto confortável com a pessoa, não a abraço. Mesmo que saiba que o devia fazer, para confortar a pessoa. Por isso me incomoda que pessoas que pouco me dizem me abracem. Não sei lidar com isso. Não consigo lidar com as confidências.

Não tenho perfil para ficar sentada a ver a pessoa sofrer à minha frente. Talvez seja egoísta, mas não consigo. Assim como não consigo dizer as frases feitas "vai correr tudo bem" e "a vida continua". Soa forçado. Porque é forçado.

Dá-me para o nervosismo. O sofrimento dos outros deixa-me nervosa.


Comentários

  1. É curioso que eu sou exactamente o inverso. Sei lidar muito bem com a dor dos outros, dizer as palavras certas e, acima de tudo, ouvir. Mas sou uma inepta a lidar com as minhas dores e com os meus afectos.

    O mundo dos afectos é complicado. Bem vejo pelo meu blogue. raramente há duas opiniões iguais. Mas aí reside a riqueza do ser humano.

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Eu consigo dizer coisas do tipo "Vai tudo correr bem", simplesmente porque acredito mesmo nisso! Mas acredito que às vezes possam achar que digo por ser frase feita:/

    ResponderEliminar
  3. Regra geral não posso ver ninguém mal à minha frente,mas pq tenho logo que ajudar...

    o problema é que às vezes acontece-me o mesmo que a ti...

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que isso é até inerente à natureza humana. Do que me tenho apercebido é que a maioria das pessoas " foge" de alguém que está deprimido, em sofrimento. Foge porque não sabe lidar com isso e não sabe porque não se quer ver reflectido não se quer reconhecer nos seus dias maus. Só és honesta por expores aqui o teu desconforto com o sofrimento dos outros.

    ResponderEliminar
  5. Pode ser que isso mude com a idade... o que importa é que sejas amiga. E cada um tem a sua maneira de ser :) **

    ResponderEliminar
  6. é uma questão de confiança com a pessoa com quem estiveres a falar.
    Até porque para consolar alguem nao necessitas abraçar-te a ela...
    As vezes um sorriso basta ;)

    "e quando menos esperas...acontece" :P ehehe

    ResponderEliminar
  7. Até porque muitas vezes sabemos que não vai correr bem.
    Como eu te compreendo...
    O problema é que as pessoas não percebem. Muita gente diz isso do mesmo modo que pede um chá e uma torrada. Não é uma questão de sentimentos. Eu até me arrisco a dizer que, em muitos casos, é uma questão de hipocrisia.
    Quantas vezes sentimos o peito a rebentar e não temos aquela válvula de escape para libertar tensões, acabando tomados por insensíveis.

    Fui.

    P.S. Espeta-me um crenco, seja lá isso o que for, mas espeta-me lol.

    ResponderEliminar
  8. Engraçado esse lance do abraço..porque sempre tive isso e nunca soube colocar em palavras o que era...você colocou bem...obrigada! agora consigo expressar o que me acontece!!
    Quanto as frases prontas tambem concordo contigo, não as uso...quando tenho alguem que quero bem sofrendo, tento ajudar me expressar da melhor forma, mas nunca uso frases prontas porque tambem me soaam falso

    ResponderEliminar
  9. Mas olha que essas pessoas, por vezes, não são de fiar.
    Quando é mesmo preciso, quando precisamos de apoio de verdade, dão-nos um valente pontapé no cu.
    Nem sempre muito "palavreado" transmite melhor o que precisamos de ouvir, do que um sentido silêncio.

    ResponderEliminar
  10. Eu sei lidar com a dor dos outros dar a mão ajudar como posso, às vezes nao da melhor forma ...

    Não sei é lidar com a minha dor...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Sinto exactamente o mesmo, fico triste porque por vezes gostava de conseguir dar o tal abraço, mas não consigo, nunca consegui expressar realmente esta sensação como tu conseguiste.
    Adorei, aliás adoro ler-te, continua
    Marina

    ResponderEliminar
  12. Confesso que não sei proferir as palavras certas num momento de dor, mas sei dar atenção, carinho e muitos abraços.
    Força S*

    ResponderEliminar
  13. Podemos não saber dizer as palavras certas mas o silêncio de um olhar ou um abraço pode valer mil palavras quando alguém está a sofrer e precisa de nós.

    Recordo-me que o meu pai tinha muitos amigos (tinha daqueles feitios que cativava). Aos 41 anos foi-lhe diagnosticado cancro cerenbral. Morreu aos 42 anos apenas acompanhado pela família porque os amigos tinham o tal "medo" que a maioria refere, e bem. Porque o medo é humano. O medo de lidar com a dor. O medo de ligar com a consciência da nossa própria mortalidade. É que ao vermos alguém a morrer pensamos logo: "podíamos ser nós". O Fresco e Fofo aborda muito bem esta questão.

    Sei que das coisas que mais magoou o meu pai foi não ter-se despedido dos amigos. Desde essa altura que prometi a mim própria nunca abandonar os meus amigos quando eles mais precisam de mim. E estou sempre presente. Nem que seja só pegar na mão e olhar para ele. Às vezes as palavras são desnecessárias.

    Mas, como já alguém aqui referiu, é algo que com a idade vamos adquirindo.

    :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  14. Eu sou o contrário. As pessoas sentem-se bem a desabafar cmg. Eu consigo ouvir, faço gosto em ouvir quem precisa de falar, consigo normalmente ver as coisas do lado de quem está de fora, dizem que sou boa conselheira. Já me disseram que devia ter ido para psicologia em vez de finanças, LOL... bem, o que eu sei é que de financeira eu não tenho nada, só mesmo a minha profissão... LOL

    Eu gosto de ouvir os outros...

    Beijos

    Rita

    ResponderEliminar
  15. eu por experiencia propria, acho que não é preciso dizer nada.... o silêncio é o melhor amigo.
    Um abraço , um sorriso é suficiente para ajudar uma pessoa a superar nem que seja por segundos , um pouco da sua dor.
    Quanto mais se fala é pior....
    é estar ao lado da pessoa quando ela precisar.... mais nada :)

    ResponderEliminar
  16. nao gosto de ver ninguem triste. alegro logo :D
    beijoca*

    ResponderEliminar
  17. Como disse e muito bem a corsete, com tempo e o amadurecimento aprenderás.
    Eu sou psicóloga e como é lógico lido e trabalho com a dor, tenho todos os dias na minha frente pessoas que passam por abusos de várias índoles, que estão deprimidas, que falam em acabar com a sua vida chegando a descrever como o vao fazer ao pormenor.
    Eu devo, tenho mesmo que saber lidar com isso, saber dizer a palavra certa na hora certa.
    Fui preparada para dar este apoio e é assim que me sinto bem e ao ver a evolução positiva dos pacientes mais feliz me sinto.
    Isto não é difícil apenas custa a começar como tudo!
    Quanto aos meus problemas.... tendo em conta as variadas coisas pelas quais já passei acho que já estou vacinada para poder encarar diversas coisas de forma a impedir que eu própria sofra menos.
    Gosto de ter a capacidade de chorar tudo que houver para chorar quando assim o necessitar, isso ajuda a atirar para trás das costas.
    Um verdadeiro purgativo da dor são as lágrimas e o segredo é saber choralas na hora certa.

    ResponderEliminar
  18. O que interessa é saberes acompanhar quem amas na dor. Não é expectável que o vás fazer com quem te é indiferente! Para mais, aos 21 ainda é muito cedo para andar a arcar com as dores dos outros! És muito normal!!! Bjnhs

    ResponderEliminar
  19. Na verdade tenho muita sensibilidade face aos problemas dos outros, tanto que quando me são pessoas próxima até mexe com o meu bem-estar, é o cúmulo!

    E ser assim não é bom, devemos sempre criar uma certa distância.
    Com isto quero dizer que não és insensível, casoc ontrário, não ficarias nervosa linda ;)

    ResponderEliminar
  20. Também sou como tudo. Custa-me ver os outros a sofrer e ainda me custa mais não saber o que dizer ou fazer nessas situações... é complicado.
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  21. Eu sou igualzinha, à excepção das frases feitas, eu se acreditar digo-as sem problemas. Tenho pena de ser assim, tambem.. Mas ja fui pior, disso tenho a certeza.

    ResponderEliminar
  22. Também eu. nunca sei o que dizer/ fazer. Não sou pessoa de grandes demonstrações de afecto e nessas situações fico tipo... "e agora?"

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

I wish

 Faço anos daqui a um mês e, este ano, vou querer prendas muito práticas e objectivas. Algumas coisas preciso comprar, outras substituir, mas acho que vou deixar um pouco as vaidades de lado e optar por poupança real - porque são coisas que teria de comprar. Alisador de Cabelo a vapor BELLISSIMA My Pro (Titânio - 170 °C - 230 °C ) Este ou outro qualquer, desde que seja bom e não me estrague (demasiado) o cabelo. Uns auscultadores. Preferencialmente giros. Preferencialmente sem fios. Estes ainda por cima dobram-se, o que é muito prático para colocar na mala. Um candeeiro de tecto novo para o meu quarto, que o que tenho é antigo e tapa imenso a luz. A minha irmã comprou este candeeiro de mesa para o quarto do meu pequeno (em preto) e amei de paixão. Queria assim em tom cobre para o meu quarto. :) Todos os candeeiros da Leroy Merlin / AKI.

Work in progress

Aprender a lidar com a solidão não é um processo mesmo nada fácil. Ando a diversificar as minhas formas de entretenimento, mas, convenhamos... A COVID não é muito minha amiga. A chuva rouba-me as caminhadas. Valham-me as amigas que me telefonam para ir apanhar pinhas ao monte e as colegas sempre presentes.  Comecei a dançar às segundas-feiras à noite - com a vantagem de achar a professora uma simpatia. A amiga Netflix tem-me feito muita companhia. Estou a ver a primeira temporada de Outlander e sei que tenho série para umas semanas. Os livros também prometem ser grandes amigos, mas sinto-me sempre com tanto sono e com tanto cansaço que tenho evitado a palavra escrita. Estou bem, mas estou a adaptar-me. Com dias melhores e dias menos bons. Obrigada a todos os que, de uma forma ou de outra, demonstraram caminho.