Avançar para o conteúdo principal

O valor da fidelidade

"A actriz Angelina Jolie, casada com o actor Brad Pitt, questiona-se, em entrevista a uma revista alemã, sobre a importância da fidelidade num casamento.

Em entrevista à revista alemã “Das Neue”, Jolie diz que “duvida que a fidelidade seja algo imprescindível”. Para ela, é muito pior alguém deixar o companheiro e dizer mal dele.

Uma relação, para a protagonista do filme "Tomb Raider", não significa que o casal esteja “preso” um ao outro.

Na mesma entrevista, a actriz revela que tem muitas discussões com o marido, com quem tem três filhos biológicos e três adoptivos, e que chega mesmo a perder o controlo e a rasgar a camisa a Brad Pitt.

“Ele às vezes não vê que não tem razão”, justifica, ressalvando que nunca chegaram a actos de violência física."

JN.

Para vocês?

É a fidelidade condição obrigatória numa relação?

Seriam capazes de ter uma daquelas relações abertas em que cada um faz o que quer, desde que venha dormir a casa? Já pensei nisso. Rapidamente conclui que nada tinha a ver com aquilo que eu considero ser uma relação.

Comentários

  1. Para mim a fidelidade é a base de uma relação. A par da confiança. Uma relação aberta não é certamente pra mim.

    ResponderEliminar
  2. Para mim a fidelidade é imprescindível, sou estupidamente monogâmica mas em contradição não sou ciumenta. Creio na lealdade e na confiança...Quando me mentem, e não estou a falar apenas em companheiro de vida, cai um manto de desconfiança sobre mim, que é muito difícil de retirar.
    Rasgar a camisa é um acto de violência física
    Abracinhos

    ResponderEliminar
  3. Acho que a fidelidade é das coisas mais importantes na relação. Nós confiamos que essa pessoa nos vai ser fiel, logo se ela for infiel traiu a confiança do parceiro, e sem confiança é impossível construir-se uma relação estável. Pelo menos é assim que eu vejo as coisas.

    Beijos*

    ResponderEliminar
  4. Para mim a fidelidade é a base de tudo... sem ela não existe confiança! Não acredito em relações abertas!!! Uma relação a dois e não a três ou mais!!! EU não conseguia encarar assim as situações! Beijinho :=)

    ResponderEliminar
  5. isso é um tipo de relação que eu nunca na minha vida iria aceitar. e, honestamente, faz-me muita confusão. homem meu tem de ter a vocação para a monogamia e nem ousar ter esse tipo de 'fantasia', senão... babye darling =p pra não dizer que eu sou assim a modos que muito ciumenta.

    ResponderEliminar
  6. A fidelidade é daquelas questões que se levantam em que já fui mais preto e branco.

    Pessoalmente não consigo estar numa relação em que não exista fidelidade e de mim podem esperá-la sempre. Mais não seja a mim mesma. Se eu for fiel a mim não vou estar com duas pessoas - ou é uma, ou é outra.

    ResponderEliminar
  7. Desculpa só agora vir aqui dar as Boas Festas que tanto mereces.
    "Mais vale tarde, do que nunca", não é aquilo que o povão diz?.

    Bom Natal, que o Menino Jesus te traga todo de bom, sobretudo saúde para estares aqui ao pé de nós.

    Beijão natalícios.

    ResponderEliminar
  8. Olha tens uns selinhos na minha xafarica, faz o favor de te servir.

    Volto a repetir: tu mereces.

    :):)

    ResponderEliminar
  9. Uma relação não deixa de ser um "contrato". Cada um deve colocar as suas "cláusulas" no inicío para que o "outro" possa decidir se quer ou não celebrar esse contrato.

    Uma "relação aberta" é uma "não relação a dois". E isso é o que já existe à partida, pois cada um fará o que lhe der gozo. Numa relação a dois mudam os termos do contrato; ser-se monogâmico/a deixa de ser um sacrifício e passa a ser um prazer. Como o é para nós o sorriso de quem amamos, um beijo seu! Enquanto houver RESPEITO haverá SINCERIDADE e enquanto houver SINCERIDADE haverá CONFIANÇA.

    Alguém questiona se um beijo, numa relação, um abraço, o dizer: "amo-te", um mimo que se oferece fora de data, são condições obrigatórias numa relação? - Penso que não, ninguém questiona, então porque fazê-lo com a fidelidade?!

    Desengane-se, por favor, quem pensar que uma "relação aberta" é uma relação a dois e que, numa relação a dois, a fidelidade é uma grande avaria e não um prazer...

    beijocas S*

    ResponderEliminar
  10. não concordo nada! fidelidade é muito importante numa relação na minha opnião!

    ResponderEliminar
  11. "fidelidade num casamento."

    Faz parte so contrato do casamento. O não cumprimento do contrato implica, querendo uma ou as partes, por termo ao referido contrato.

    A maior "dor" é não cumprir e, ainda assim, faltar a coragem para por fim ao sofrimento.

    Beijo

    BOM 2010.
    Paulo

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  13. Não se trata só de fidelidade. A lealdade tbm é posta em casa e axo que a sua prática implica valores muito mais fortes que os da fidelidade. Um coisa é ser infiel, outra é não ser capaz de admiti-lo perante a pessoa traída. Enfim, isto é a mha opinião. Mas não gosto cá disso de relações abertas e mariquices. Ou se está com uma pessoa e respeita-se a mesma ao não andar por aí a "comer" meio mundo, ou não se está. Tão simples quanto isto. E tenho dito.

    Um beijinho ^^

    ResponderEliminar
  14. Olá,
    estou a começar o meu blogue de vendas, e já a algum tempo que sigo o teu. Vinha pedir-te para me ajudares a crescer e divulgar-me pelos teus contactos. Pff

    Vou continuar a acompanhar-te e a divulgar-te ;)

    Desde já obrigado e visita-me.

    ResponderEliminar
  15. Acho que a fidelidade é necessária. Pelo menos numa relação minha. Sem compreender, aceito que haja quem pense o contrário, porque todos somos diferentes e queremos relações diferentes. MAs para mim, a fidelidade faz todo o sentido.

    ResponderEliminar
  16. Excelente 2010 para ti e para todos aqueles que amas!

    Beijo

    ResponderEliminar
  17. Não querias mais nada?
    Eheheh
    Beijinhos (destes virtuais) é o mais próximo que eu aceito como "relação aberta", que "eu num sou corno"! eheheh

    Beijo.

    ResponderEliminar
  18. O conceito de fidelidade está muito para além de uma aventura circunstancial!
    Eu considero que o pilar fundamental de quelquer relação é a cumplicidade!!!
    Quem ama tem que ser necessariamente cúmplice!
    Sem cumplicidade, não há relação que resista!!!


    Beijos meus!
    AL

    ResponderEliminar
  19. confiança e fidelidade não são a mesma coisa. E se as relações abertas são impossiveis, eu pergunto o que foi que tiveram Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir. Uma "curtes"?

    Se as pessoas forem capazes de distinguir entre pulsão sexual e amor, é até do mais saudavel que pode haver. O problema é que isso exige um nível de confiança tão alto que é dificil encontrar um casal pronto para separar "monogamia" de "relação".

    Bom 2010!

    ResponderEliminar
  20. São necessários dois para o tango, não 3... fidelidade é a pedra base.

    ResponderEliminar
  21. Bom, eu não vejo as coisas bem assim. Acho que a fidelidade é importante na perspectiva do amor. Na perspectiva física, sexo é sexo!
    Não o permitindo abertamente, acho que toleraria com facilidade qualquer escorregadela da minha mais que tudo.

    Mas eu sou suspeito a falar deste tema, e tu tinhas de vir aqui abordá-lo senão não eras a mesma pessoa para o resto da tua vida.

    Grrrrrrr

    beijos com charme
    ;)

    ResponderEliminar
  22. Eu acho piada àqueles casais que estão juntos, são casados e se amam e tal, mas vão "mandando umas" por fora, chegam a casa e contam um ao outro como foi.

    Admiro a separação que conseguem fazer entre o lado emocional e o lado físico da coisa. Parece que não há o conceito de ciúme para essas pessoas. Assim fogem da rotina, lol!

    Gostava de ser assim, mas não consigo. Quando estou com uma pessoa é pq gosto mesmo dela.. e se gosto mesmo dela não me imagino com outra.. nem a mim nem a ela, claro. Pronto.***

    ResponderEliminar
  23. Para mim uma relação aberta não é uma relação...e sim a fidelidade é obrigatório numa relação...mas isto sou só eu.

    ResponderEliminar
  24. A fidelidade é uma conquista, um estado de espírito, não uma obrigação. Quem o encara como uma obrigação tem algo de errado na sua vida e deve seriamente enfrentá-lo e ponderá-lo.

    Mas não quero com isto dizer que a fidelidade, aliás a monogamia seja uma condição sinequanon para todos os casais. Casais que aceitam e acreditam, mutua e abertamente, que essa não é uma condição do amor têm o direito a viver a relação à sua maneira, talvez, se o conseguem, mais feliz que muitos casais standard. É que nesse caso já não existe fidelidade/infidelidade, vocábulo que só faz sentido quando o que está em causa é a traição de um princípio estabelecido com o outro.

    ResponderEliminar
  25. fidelidade é peça chave numa relação. e acontece naturalmente quando duas pessoas querem estar juntas e construir um futuro a dois.

    ResponderEliminar
  26. Para mim a fidelidade é das coisas mais importentes numa relação, sem ela uma relação deixa de fazer sentido

    ResponderEliminar
  27. Concordo com o Capitão, a fidelidade é um querer nosso, uma vontade própria nem sequer reflectida.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Fidelidade é algo que vem de dentro..em cada momento; não importa o lugar nem a distancia!

    Procuremos desenvolver entre nós o amor fraternal e estimulemo-nos a fazer o bem...animemo-nos uns aos outros...”

    Feliz Ano Novo!

    Beijinhos

    Pj

    ResponderEliminar
  29. relação não é sinónimo de ralação... concordo contigo !
    Uma relação é algo que deve de ser minimamente respeitado...com todos os "pontos" e reticências"...

    Bjs

    ResponderEliminar
  30. Para mim sim, mas não acho que tenha de ser regra. Cada casal sabe de si. Entre adultos, desde que haja sinceridade e respeito, acho que tudo é permitido e não têm de ser julgados por isso.

    ResponderEliminar
  31. Eu acho que a Angelina é uma parva1 a Fidelidade pode nao ser uma coisa facil, acredito que não, mas é essencial a um bom relacionamento!

    Gostei do blog vou seguir!

    ResponderEliminar
  32. Acho que é preciso atracção física e amor numa relação. Se ambas existirem, acho que a questão da fidelidade acaba por nem ser uma condição, mas sim um desejo de ambos. Se agora decidisse que ia ter uma relação aberta com o meu namorado, não ia conseguir estar com mais ninguém. Gosto dele, sinto-me atraída por ele, é com ele que quero estar. Obviamente que reparo em homens giros que passem e ele em mulheres (e geralmente até comentamos os dois) mas mais que isso, só um com o outro:)

    ResponderEliminar
  33. olá, eu sou a favor da fidelidade 100%!!! e não entendo como pode ser de outra forma...
    kiss

    ResponderEliminar
  34. Claro que sim, acho que isso é unânime. O que já não é unânime é o conceito de fidelidade. Para mim, implica ter uma relação com alguém que não me esconde nada e que respeita os meus valores. Como os valores diferem de pessoa para pessoa, acho que é aqui que reside o cerne da discordância.

    Pessoalmente, não concebo a ideia de partilhar fisicamente alguém com quem tenha uma relação. Mas se essa é a vontade de duas pessoas e se ambos concordam com isso não vejo onde está a infidelidade...

    ResponderEliminar
  35. Para mim nem pensar. Uma relação a dois só faz sentido se for mesmo a dois. Ser fiél para mim significa que ele me completa, me preenche e é tudo para mim.

    ResponderEliminar
  36. A fidelidade, a confiança e o respeito. Se falta alguma dessas coisas, há um elo que se rompe e acho que as coisas a dois deixam de fazer sentido.

    ResponderEliminar
  37. Minha resposta é não, não sou...
    Amor pra mim é muito mágico, perfeito, incondicional...Como dividir esta sintonia perfeita com mais gente?
    Mas se o lanse é sexo, curtição, dai sim é muito bom a experiencia e loucura de viver novas experiências.
    Adorei seu espaço e sou sua mais nova seguidora.
    Desejo um 2010 cheio de coisas boas!
    Beijos
    T I N I N

    ResponderEliminar
  38. a confiança é o muro de uma relação.
    Se não ha fidelidade não ha confiança.
    Agora os casais que optam por ter relaçoes abertas e ambos concordam em fazer o que querem é la com eles.
    desde que se seja feliz e não se prejudique ninguém não vejo porque não-.
    beijo

    ResponderEliminar
  39. Fidelidade para mim é imprescindível.
    Não julgo quem consegue ter uma relação assim aberta, cada um vive a vida como bem entende, apenas não é algo que consiga ter/querer para mim.
    Big Kisses

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.