Avançar para o conteúdo principal

Coisas de futura jornalista (hope!)



“Os Cínicos não Servem para Este Ofício” é um livro do escritor e jornalista polaco Ryszard Kapuscinski. Tive de ler esta obra para a realização de um trabalho universitário mas o que encontrei, ao longo de cada página, de cada história, foi muito mais do que um livro: é um guia indispensável para quem gosta de jornalismo.

Este é um daqueles livros que faz os estudantes universitários suspirar pela profissão, que faz os mais cépticos tornarem-se apaixonados pelo ofício do jornalismo. É um livro que nos inspira, que nos dá alento numa época em que o jornalismo é tantas vezes desconsiderado.

Kapuscinski consegue captar a nossa atenção com cada história, com cada palavra e pormenor. Com o passar das páginas vamo-nos entusiasmando, querendo saber mais sobre a vida deste mestre do jornalismo.

No livro, Kapuscinski enuncia três requisitos para o exercício do jornalismo. O primeiro é o sacrifício e a dedicação que esta profissão exige dos seus trabalhadores. Este é um trabalho sem tempo nem espaço. Exige dedicação em lugares absurdos e a horas impensáveis. É por isso que o amor e a dedicação a este ofício são tão importantes. O outro requisito é ter paciência pois é preciso um jornalista dar o tempo necessário para mostrar (ao público) o valor do seu trabalho. O terceiro é a formação contínua.

Durante a sua longa carreira, Kapuscinski este presente um 27 revoluções e viveu em 12 frentes de guerra. Foi o único jornalista a cobrir a tomada da capital angolana pelo MPLA. Esta vasta experiência de vida (e de jornalista) está bem explícita neste livro. Cada entrevista revela um poço sem fundo de sabedoria e a maneira como se expressa mostra uma enorme cultura.

“Os Cínicos Não Servem para Este Ofício” é um livro em jeito de conversa sobre o trabalho dos jornalistas, as suas dificuldades e exigências, as regras e as responsabilidades da profissão. Ryszard Kapuscinski põe a tónica na responsabilidade de quem se dedica à informação nos dias que correm. A informação pode mudar o mundo e por isso é necessária que esta seja envolta em cautela.

Além de uma entrevista com Maria Nadotti, o livro inclui uma conversa com Andrea Semplici sobre os acontecimentos que levaram à emancipação africana do domínio colonial e um diálogo com o crítico de arte John Berger. As três conversas juntas revelam-nos um admirável mundo do jornalismo, com vários encantos mas muitas mais maçãs podres. Sem dúvida um livro recomendável a todos aqueles que se interessam por jornalismo.

Comentários

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.