O que é nacional é bom

Aveiro | Medium handbag


Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).

Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.

E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.

É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.

Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.

Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

A imagem pode conter: mesa e interiores
A imagem pode conter: texto
A imagem pode conter: texto
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e ar livre

Comentários

  1. Adoro a última!
    Quanto à CH é começarem a cair-lhe em cima, a ver se abre a pestana.

    IDS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi recortes que saíram na imprensa... Em Espanha, apresentam como uma criação da designer, que alia tradição a um twist de modernidade ou algo do género. Sem qualquer referência à inspiração... O que, para mim, é o grave. Inspirar-se é perfeitamente normal, desde que o assuma. :)

      Eliminar
  2. Vi no Instagram da Mónica Lice que são made in Portugal. Já não se perde tudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. Mas também acho que há limites... Queria pôr quem a fazer uma tradição portuguesa? :D

      Eliminar
  3. e a treta da apropriação cultural ou porque somos brancos podem apropriar-se de tudo o que é nosso?

    ResponderEliminar
  4. Nao gosto nem das originais portuguesas nem das da CH.

    So queria salientar que eles referem sim que 'e de inspiraçao portuguesa. Na descriçao da mala diz "Aveiro bag is handcrafted in woven raffia with a colourful pattern typical of northern Portugal" (padrao tipico do norte de Portugal). Quanto a isso, acho normal marcas inspirarem-se em culturas, pessoas, etc, acontece com todo o tipo de modas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu GARANTO que na passada semana, quando descobrimos isto, NÃO tinha qualquer referência a Portugal. Se entretanto puseram descrição, menos mal. Depois do rol que críticas que receberam nas redes sociais, não admira...

      Eliminar
    2. Mas como é que não estava se a frase referida pelo anónimo está no print deste post?

      Eliminar
    3. É preciso saber ler inglês....

      Eliminar
    4. O print fiz no dia do post. Mas já descobrimos isto há umas duas semanas. Não, não tinha esta descrição. Já sei que o resto do país pode não ligar nada, mas como no Minho estas cestas são mesmo típicas, já se fala deste assunto há uns bons dias. Não tinham qualquer referência a Portugal.

      Eliminar
    5. O que significa que quando fizeste o post já fazia referência a Portugal.

      Eliminar
    6. Não faltam por aí prints de publicações espanholas onde consta a cesta sem qualquer referência à inspiração. Já referi algumas vezes que não, não indicava no site anteriormente. Quando fiz o post, já indicava. Isso não apaga o erro inicial e as referências em revistas sem qualquer sinal da inspiração portuguesa.

      Eliminar
    7. e tens provas disso?

      Eliminar
  5. O preço é relativo e só compra quem quer e pode. Agora andarem a criticar o que é realmente português com qualidade é que não está correcto. E o pior é que quem fez as cestas recebeu míseros cêntimos por ela e depois apropriam-se do trabalho dos outros, isso é que tem de ser denunciado. Valorizemos o artesão e permitam que consiga sustentar-se com o seu trabalho.

    ResponderEliminar
  6. Por acaso diz lá que é tipico do norte de portugal

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares