Avançar para o conteúdo principal

Da falta de noção

Agorinha, no telejornal da TVI, uma reportagem sobre família endividadas.

O homem recebia 1259 euros do subsídio de desemprego (irra!!), a mulher recebia cerca de 700 euros por mês... E queixavam-se de falta de dinheiro para pagar as dívidas. Diziam que os 700 da mulher eram todos para pagar dívidas.

Claro que tenho pena de qualquer pessoa que se veja em aflição. Uma pessoa planifica a sua vida, faz créditos de acordo com as suas possibilidades e depois o desemprego corta-lhes as bases. Mas TVI, quando quiserem mostrar pobrezinhos, mostrem pobrezinhos. Isto até é gozar com quem não tem dinheiro para as coisas básicas.

Comentários

  1. Podes crer, mas os exemplos de pobrezinhos que dá sempre é dos que recebem só 1000€ por mês (cada um, claro), porque em Portugal ninguém ganha só 400 ou 500 por mês. Haja paciência.

    ResponderEliminar
  2. Só podia ser na TVI.
    Esse casal sabe lá o que é ser pobre, pfuuuuuuuuuuu.

    ResponderEliminar
  3. O problema e que essas pessoas tinham casas caras para pagar, 2 carros, telemoveis, etc... e agora com o dinheiro mensal reduzido correm o risco de perder coisas pelas quais trabalharam... :(

    ResponderEliminar
  4. Concordo, já não é a primeira vez que fazem reportagens do género. Aliás ainda há dias tive para fazer um post sobre isso, estava a dar na tvi uma família que agora só sobrevivia com grande ajuda da assistência social e depois a reportagem eram eles num vivendão e a mostrarem as fotografias e os vídeos das viagens ao estrangeiro. Oh meus amigos e pouparem enquanto tinham dinheiro, não?

    ResponderEliminar
  5. Também vi esta reportagem e indignou-me. Há casais a ganharem o ordenado minimo(cada um) e têm que pagar dívidas, sustentar uma casa e filhos na universidade. E vêm praqi estes cromos dizerem q com quase dois mil euros mensais e a sustentar APENAS UMA criança de dez anos na escola o dinheiro não chega; devem ser muito bons gestores.
    A vida é muito madrasta, mas só pr'a alguns.

    ResponderEliminar
  6. Realmente, até é triste ver reportagens assim!

    ResponderEliminar
  7. Também vi a reportagem e pensei o mesmo. Que critérios têm estas equipas jornalísticas para escolher as pessoas que escolhem para fazer estas reportagens??

    ResponderEliminar
  8. Que não se metessem em dívidas que não podiam pagar, não tenho pena nenhuma

    ResponderEliminar
  9. Eu também vi e fiquei de boca aberta...

    ResponderEliminar
  10. Não via reportagem ,mas cada vez mais me convenço que as pessoas só sabem viver á grande, apesar de acharem que não! Para que que se endividam???? Eu tenho pouco, chego a negativo ao fim do mês muitas vezes em 30 euros, mas as contas estão todas pagas, infantário da Cria, condominio, prestação da casa...o que será dessa gente com a entrada do FMI? cá em casa nem aos 1500 euros chegamos de ordenados e somos 3... cá nos safamos abdicando do supérfulo!
    http://comoaguaparaochocolate.blogs.sapo.pt

    ResponderEliminar
  11. Olha não vi a reportagem e ainda bem pelos vistos. Revoltam-me essas coisas quando há tantas pessoas a passarem efectivamente por dificuldades!

    ResponderEliminar
  12. É verdade, às vezes escolhem tão mal os casos... Depois levam muita gente a convencer-se que essa realidade não existe, e que nos queixamos sem motivos.
    kiss

    ResponderEliminar
  13. Não vi, mas acho uma estupidez certas notícias da TVI!

    ResponderEliminar
  14. ui, a tvi e a sic são peritas em entrevistar familias em crise que já não conseguem pagar o colégio inglês da constança, do martim e do lourenço, a casa do algarve, as férias no estrangeiro duas vezes por ano e o crédito da vivenda de cascais, agora só podem ter uma casa, os filhos tem que ir para um privado mais em conta e só podem ir de férias uma vez ao ano...
    Se eles fossem entrevistar um casal que até trabalha mais de 40h semanais, tem dois filhos na escola pública e renda de casa para pagar e ganham ao todo 1000€ eu até entendia, assim... acho só ridículo!

    ResponderEliminar
  15. ahaha realmente,é a gozar com quem é pobre!

    ResponderEliminar
  16. Eu vi um bocadinho e pensei: o mesmo erro segunda vez. Porque aqueles pobres, porque o dinheiro realmente não chega para as necessidades deles, são-o porque a dada altura não o souberam gerir. Acho que não há justificação para se fazerem créditos que impossibilitem uma família de dispor de quase metade do seu rendimento familiar. As pessoas perdem o pé, depois tentam cobrir um crédito com outro crédito e entram numa espiral de dívidas. Temos que ser previdentes, muito mais quando se tem um filho. Correr menos riscos. É que depois já só recorrem à ajuda técnica para a gestão e negociação dos créditos quando estão atolados!

    Mas na TVI realmente primam por escolhas erradas. Já um dia destes tinham dado uma reportagem com um caso parvo também.

    ResponderEliminar
  17. Agora gostava muito de ter memória de um documentario que me mostraram há uns bons tempos. Nem me lembro bem qual era o tema mas lembro-me de me abespinhar com o exemplo mostrado de uma senhora que trabalhava como uma besta, o marido estava desempregado e o dinheiro mal chegava para comer. Ela dormia tipo 3 horas por noite porque além de trabalhar muitas horas, passava imenso tempo em transportes e, repara no requinte, era ela que fazia tudo em casa. com o marido desempregado.

    Isso que tu sentiste quando viste essa reportagem foi o que senti quando vi este documentário.

    ResponderEliminar
  18. Epá nem estava tão mal quanto isso -.-
    Pessoas a ganhar 560€ por mês (conheco-as eu) e têm de pagar faculdade aos filhos, casa, luz, carro, comida e gerem bem o dinheiro...
    Se poupam?? Pouquinho mas poupam !

    ResponderEliminar
  19. Da TVI não se podia esperar outra coisa... =S Tomara muita gente ficar com 1000€ para gastar em alimentação...

    Há uns tempos atrás vi uma reportagem de uma família carenciada, uma mãe e uma filha, a mãe ganhava o ordenado mínimo (a trabalhar nas limpezas, não era por subsídios do estado) e a filha ainda andava na escola, isto sim é gente que sofre. Lembro-me que a senhora disse que a filha por vezes pedia um ovo kinder e que a mãe não tinha dinheiro para lho oferecer, que muitas vezes tinha que escolher entre comprar medicação ou os livros para a filha, prendas no Natal nem vê-las, o jantar muitas vezes era só massa e arroz... Isto sim são vidas que dão que pensar.

    De facto tadinha dessa família, tem muito com que se queixar…
    O mal desta gente é que não sabe dar valor aquilo que tem, sim, estamos em crise, é normal que não dê para manter o estilo de vida que se tinha há uns anos. Há gente que acha que comprar um pólo da Zara em vez da Ralph ou Lacoste já é considerado pobreza…

    ResponderEliminar
  20. Credo. Será que têm noção de a grande maioria nunca recebeu isso em salário?? E hoje recebem pouco ou nenhum subsídio e têm que recorrer ao RSI? Eu não recebo sequer 1259 de salário ao fim do mês...Agora se não souberam gerir o que ganharam e se assumiram gastos elevados, a contar com o dia de hoje e sem pensar no de amanhã, o erro é deles. Eu cá, quando comprei uma casa, foi sempre a pensar na hipótese de um de nós ficar desempregado e sempre fazendo as contas de forma a que apenas um salário fosse suficiente para o necessário.

    ResponderEliminar
  21. Enfim... Falta de noção mesmo ainda por cima tendo em conta o panorama que vivemos. Até podem merecer mais do dobro do que recebem, mas nao o dizem na tv...

    Olha passa no blog para participares no concurso ;) beijinho

    ResponderEliminar
  22. Eu não entendo é quem se endivida para ter um iphone ou uma tv xpto, qd as coisas que têm são quase novas :\

    ResponderEliminar
  23. Sem dúvida! Que raio de cambada! Há quem tenha de sobreviver com muito menos! Muito muito menos!

    ResponderEliminar
  24. O que me faz ainda mais confusão é: se o homem recebia do subsidio de desemprego 1259€, é porque recebia bem aquando empregado. As pessoas não sabem poupar para momentos de aperto?! Percebe-se quando o ordenado é pequeno e vai todo para as despesas de casa, alimentação, etc., mas assim, não percebo...

    ResponderEliminar
  25. No cenário actual, isso não são pobres. São ricos!

    ResponderEliminar
  26. sem duvida :s também vi. Queria ver pessoas que no total da casa nem 1000€ recebem a ver aquilo. mas pronto. é o que há

    ResponderEliminar
  27. Acho vergonhoso haver jornalistas a achar que isso é viver com dificuldades, quando muitos deles também são precários e ganham 500, 600 euros por mês --'
    Na verdade, para o senhor receber1259€ por mês é porque recebia bem mais do que isso quando trabalhava mas...e poupar, não? Pessoas que ganham o salário minimo não conseguem poupar muito (isto é, se conseguirem) e percebe-se que quando ficam desempregadas vivem em condições quase sub humanas. Agora pessoas que recebem tanto e nem um pé de meia conseguem arranjar?
    3 pessoas viverem com quase 2000 euros por mês não é viver "à grande e à francesa" quando comparamos com outros países. Agora viver com dificuldades? Duvido (a menos que queiram viver acima das posses que têm)

    ResponderEliminar
  28. a mim faz-me impressão ver essas coisas,é uma vergonha e um "fazer-pouco" da verdadeira pobreza....mudo logo de canal.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.