Avançar para o conteúdo principal

Somos pelos filhos

"Em regra, um bom pai e uma boa mãe tratam bem dos seus filhos. Fazem tudo por eles, trabalham, trabalham, trabalham, chegam a casa, cozinham para eles, lavam-lhes a roupa, estendem-lhes a roupa, recolhem-na, passam-na a ferro, fazem-lhes chá quando lhes dói a barriga, fazem-lhes o pequeno almoço se estão doentes (e alguns mesmo quando não estão), abdicam de si por eles. Deixam de ir ao ginásio porque o dinheiro não sobra, mas não tiram os filhos do karaté, natação, música, violino, dança. Deixam de ir ao cabeleireiro com a frequência devida, descuram as madeixas, andam com as brancas à mostra, mas não deixam que o cabelo dos filhos ande espigado.

Passam a comprar roupa barata e só em dias de festa, mas não deixam de comprar Carhart, Nike, Adidas, Levis, Replay, para os meninos. Os mesmos meninos que, apesar de saberem das dificuldades dos pais
(e se não as sabem, é falha dos pais, pois deve aprender-se cedo que o mundo é imperfeito e o dinheiro não chove), não se inibem de exigir um par de calças de 100 euros, uns ténis de 150, ou uma mochila de 50, porque é o que os colegas têm. Os pais deixam de sair ao fim-de-semana para algum lado especial, deixam de ir ao restaurante, deixam de viajar, mas os filhos continuam a receber dinheiro para ir para a noite, para se embebedarem, para deitarem tudo num vómito ou dois a seguir, para fumar, para a ganza.

Os pais aturam desaforos, filhos mal-educados, acusações, exigências, dedos apontadods. Os filhos não aturam nada, não têm consciência do difícil que está a ser aguentar o barco que é a casa onde vivem.

A recompensa vem uns anos mais tarde. Quando os pais já estão mais velhos e os filhos estão formados pela Católica onde se fartaram de repetir anos e cadeiras - porque nem a decência de umas notas de jeito conseguiram e também não se preocuparam com o facto de sobrecarregarem os pais com mais esse estouro nas finanças da casa -, casam, saem de casa, os pais ainda lhes pagam o casamento, devido a mais um empréstimo que tiveram de fazer para o efeito. Mas os filhos querem quinta alugada, fogo de artifício, centenas de convidados, morangos e champanhe pelos corredores a fora. E os pais dão, porque esse é o dia do menino ou da menina.

Primeiro, visitam-nos todos os domingos, depois já nem por isso, só nas festas ou de mês a mês. Alguns todos os dias, porque comer na casa dos pais dá jeito e menos trabalho.

Os pais continuam a viver na casa já velha onde sempre viveram, mas os filhos constroem logo uma casa com jacuzzi, coluna de hidromassagem e piscina, que puderam comprar com o empréstimo que pediram ao banco e tendo os pais como fiadores.

A recompensa vem em palavras como as que ouvi de um rapaz num programa da tv outro dia, que devia ter uns 18 anos, a propósito de a mãe se ir sujeitar a uma operação à barriga porque tinha muitos complexos pois a mesma barriga tinha ficado muito estragada depois de ter os filhos: "O que é que eu acho? Eu não acho nada... Tudo bem, só acho que ela podia gastar antes o dinheiro em coisas para o nosso barco ou para nós". Ora toma e embrulha...

Uns anos mais tarde, quando os pais já estão ainda mais velhos, débeis, doentes, alguns acamados, a precisar deles, das duas uma: ou os põem num lar, ou simplesmente abandonam-nos.

Ter trabalho? Para quê? O que é que os meus pais fizeram por mim? Não fizeram mais que a sua obrigação."


Caixa Poeirenta
. AKA, minha gémea. Vê-se logo que a inteligência é de família. :P

Comentários

  1. Eu qdo tiver idade para isso e uma vida estável quero ter um filho meu e um adoptado :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. E este é o mundo que temos...resta-nos esperar que os nossos sejam melhores do que os outros e não nos abandonem :S

    Beijo*

    ResponderEliminar
  3. Já tinha lido este texto.
    É da tua gémea?

    Triste realidade, fruto desta sociedade desumanizada e egoísta.

    ResponderEliminar
  4. os meus pais não são nada assim , e sinceramente, ainda bem!

    ResponderEliminar
  5. Pois, mas os pais sujeitam-se a isso. Vai na educação de cada um!

    ResponderEliminar
  6. Quanta realidade! Infelizmente é assim que acontece!!
    Gostei do texto!
    Kisses

    ResponderEliminar
  7. costumo pensar que sou um rejeitado da sociedade... quando era puto nunca tive nenhuma actividade extra-curricular. é que nem à catequese me obrigaram a ir como todos os meus amigos (hoje penso que foi a decisão mais acertada).

    enfim, sempre andei de cabelo grande (e espigado em maior parte das vezes), nunca usei roupa de marca (a não uns ténis ou outras peças quaisquer de vez em quando).

    Agora também penso que até fui um bom filho porque nunca pedinchei nada... talvez porque nunca liguei a isso ou talvez porque sabia que não dava para ter o que queria.

    ah... é exactamente sobre isto que a minha avó diz "vale mesmo a pena criar corvos para depois nos picarem nos olhos"... =D

    ResponderEliminar
  8. É a recompensa pelo esforço de uma vida...

    ResponderEliminar
  9. Belo texto, e é por isto e outras coisas que quando penso em ter filhos pondero tanto, se vale mesmo a pena ...
    Bjs*

    ResponderEliminar
  10. Meninos e meninas mais novinhos: Vale a pena ter filhos! Não é fácil educá-los mas podemos ajudá-los a manter os valores que achamos fundamentais e fazer deles homens e mulheres como muitos e muitas que aqui escrevem, a S* e a mana, por exemplo! :))

    ResponderEliminar
  11. Ainda há pessoas assim? Brrr... só de pensar nisso.
    Eu já ando a pensar na forma de pagar o erasmus aos meus pais. E até já sei como o vou fazer. Claro que eles nunca aceitariam dinheiro, mas eu já tenho um plano x)

    Isso é que são verdadeiros parasitas da sociedade. Odeio pessoas assim. Apetece-me leva-las debaixo do braço durante um dia e dizer-lhes "é assim que tens de ser com os teus pais". É uma falta de respeito.

    Mas também uma falta de educação. A verdade é que se eles estão nessa posição grande parte da culpa é dos pais que querem dar tudo aos filhos. Não há nada como um não.

    ResponderEliminar
  12. Espectaculo este post... adorei... se bem que obviamente exagerado, acho que há de facto muito menino e menina que pensa assim... Deus me livre e guarde dos meus filhos serem assim... se bem que eu acho que tudo isto é culpa dos proprios pais que deixaram chegar a este ponto.. agora vou só comentar uma coisa... os meus filhos ainda nem têm 3 anos mas revejo-me completamente em metade do post... as coisas que deixamos de fazer por eles não tem explicação....

    Beijos

    Rita

    ResponderEliminar
  13. com um :) para o texto. eu como mamã tento dar quase tudo mas insisto para que falte a parte que estraga. em 7 anos tenho conseguido um bocadinho e todos os dias faço por isso.

    ResponderEliminar
  14. Adorei o que disseste, realmente dá que pensar e pôr a mão na consciência, pois todos já fomos filhos e já passamos por um vez ou outra, ser maus com os nossos pais que abdicam de tudo por nós.

    bj

    ResponderEliminar
  15. eu gosto especialmente da parte cíclica deste problema. É que depois os netos fazem o mesmo aos filhos, and so on.

    ResponderEliminar
  16. Muito acerto este post e não acho nada q seja exagerado. uma vez, a mãe de uma amiga minha disse-me que ela vestia-se de roupa da feira para comprar à filha roupa das melhores lojas aqui da terra. Verdade. Essa minha amiga tinha de tudo, se alguém tivesse ela tinha de ter. Como ela há montes de crianças que são assim e se o são é pq os pais os educaram a sê-lo. E permitem que tal aconteça.

    ResponderEliminar
  17. Andarem na Católica, diz logo muito sobre eles e as suas famílias.. --'

    ResponderEliminar
  18. Felizmente, não tive essa educação (já postei sobre isso), se calhar pertenço a "outra" geração. Não tenho filhos por opção(biológicos, só tenho de 4 patas), portanto, não costumo pronunciar-me sobre a EDUCAÇÃO dos que têm...Enfim, só para dizer que "as manas" são, apenas, brilhantes :) Beijo

    ResponderEliminar
  19. não percebi bem se o texto critica mais os filhos por serem uns mimados ou os pais por mimarem-nos demais. mas estou mais pelos pais mimarem-nos demais.

    ResponderEliminar
  20. o segredo está na educação que lhes é dada.
    com os valores que lhes são transmitidos a quando do seu crescimento e desenvolvimento. H q nao esquecer q os pais os criaram assim....
    Fazendo deles monstrinhos fúteis......

    ResponderEliminar
  21. Isto das generalizações tem muito que se lhe diga....

    BEIJOOOOOO

    ResponderEliminar
  22. Fico a torcer para que haja bons filhos a quem os pais tenham pago os estudos na católica, assim como haverá bons filhos a quem os pais nunca pagaram quase coisa alguma. Gosto de achar que pertenço a um desses grupos. Na verdade, o último. E isto, apesar de ter nascido já nos tempos novos, os da liberdade! :P

    Não pagaram, mas aturaram-me em casa durante bem tarde, enquanto eu tratava de tentar estudar, com imensas dificuldades e já com um percurso mal orientado de raiz, que lá em casa todos se estavam nas tintas para a prossecução dos meus estudos, nem a mãe alguma vez pensou em arranjar trabalho para ajudar nisso, nem algum deles sabe o nome de alguma disciplina que eu tenha feito em algum dos meus cursos e nem um pouco de silêncio se fazia em casa em alturas de exames ou teses. Eu lá dormia, lá jantava de quando em quando (era trabalhadora estudante) ou ceava, e todos os artigos pessoais cedo fui eu a pagá-los também. Não a água, a luz ou o gás; mas o telefone, esse sempre esteve sob vigilância rigorosa. Lembro-me de precisar da internet como de pão para a boca, e saber que se acedesse (ao início era por ligação telefónica) teria sermão e missa cantada depois. Mas como sempre tive bons amigos de gerações um pouco mais maduras e que ainda chegaram a estudar sem ter luz eléctrica, fui relativizando um pouco as coisas. Ainda não o fiz bem, mas...

    Na verdade, tudo é relativo, mesmo. Sobretudo, subjectivo. Nós controlamos! :)

    Gostei do post!
    Deixo um abraço,
    APC

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.