Avançar para o conteúdo principal

Da gratidão

Estive cinco dias no Hospital de São João para uma cirurgia que era simples mas que incluiu abertura do esterno, entre Cirurgia Cardio-torácica e cuidados intermédios, e vim de lá absolutamente encantada com a forma como fui tratada. Por todos, sem excepção. Por enfermeiros, que foram aqueles que mais me ampararam. Pelos auxiliares. Pelos médicos. Pelos médicos anestesistas. Lidei com mais de cinquenta pessoas, certamente, e fui tratada com carinho por todos. Não como mera doente, mas como pessoa que se sente nervosa, ansiosa, isolada e medrosa. E eu sou das que tem ataques de ansiedade e sufoca com o choro nos momentos de maior nervosismo. Precisei de muitas mãos e festas na cabeça.

O enfermeiro António, que me acolheu no piso 7, é um encanto. Divertido, falador, um profissional imenso que teve pachorra para a minha lengalenga de ter veias difíceis de apanhar. E tenho. Haviam de ver o meu pescoço, parece que fui atacada pelo Drácula, de tanto que me picaram até encontrarem a veia certa para a cirurgia. Foi ele que esteve dez minutos a avaliar os meus braços, para escolher o local ideal e me convenceu a aceitar catéter no braço esquerdo, apesar de ser canhota. Nem senti. Já o que me meteram no braço direito... Bom, pareço um coador. 🙁

A enfermeira Noémia, tão meiga, que me acompanhou até ao bloco no primeiro dia e que me fez festinhas quando soube que a minha cirurgia tinha sido adiada por causa de uma urgência. Não me deu a notícia, mas foi quem me amparou. Teve de me dar a mesma notícia na manhã seguinte. Sim, só fui operada ao terceiro agendamento, imaginem a carga de nervos que eu e a família vivemos... Ser adiada duas vezes, depois de estar "equipada", é desesperante - embora perceba perfeitamente que há prioridades que têm de ir na frente, como é óbvio.

A anestesista Inês, da minha operação, tão alegre e com um espírito tão positivo. Até a doente Manuela, que ficou no meu quarto antes de ser operada, que era uma alma positiva, uma pessoa cheia de fé, boavisteira e cheia de garra. Esteve dez minutos a falar comigo, a desejar-me sorte, a apoiar-me na fé. Claro que me fartei de chorar.

A enfermeira que esteve comigo nos cuidados intermédios, na primeira noite de operação, não sei o nome, mas só me dizia "você comigo não tem dores". E não tive! E a enfermeira Raquel, outro doce, que me tratou com uma meiguice notável.

E o auxiliar Paulo? Ai que miúdo fantástico. Teria uns 25 anos, falava com todos os doentes com uma ternura imensa, sem reclamar. Foi quem me deu banho ontem e conseguiu que não me sentisse minimamente constrangida de estar ali toda exposta à frente de quem não conhecia de lado nenhum. Já sei que para ele é trabalho, mas para um doente a coisa é diferente... Gostei mesmo muito dele. Que jovem soberbo.

Tenho pena que as máscaras nos impeçam de partilhar sorrisos. Gostava mesmo de mostrar a todos a minha profunda gratidão. São os melhores.

Comentários

  1. S*, ainda bem que correu tudo bem.
    Eu sou das que acredita e luta pelo SNS. Apesar de toda a falta de investimento a todos os níveis (recursos humanos, materiais e equipamentos) continua a ser um dos melhores sistemas nacionais de saúde do mundo. E também sinto um reconforto saber que TODOS podemos usufruí-lo.
    Até nem me importava de pagar mais impostos desde que estes fossem diretamente aplicados na saúde (e também na educação. Já a justiça, pelos últimos acontecimentos, precisa de uma grande reforma porque acho que o sistema está completamente viciado e corrompido).
    Beijinhos e rápidas melhoras!

    ResponderEliminar
  2. Espero que tenha tudo corrido pelo melhor :)

    ResponderEliminar
  3. Até me sinto comovida a ler o teu relato. É este tipo de coisas que me faz ter orgulho no nosso país, o SNS é das melhores coisas que temos! Felizmente nunca tive nenhum problema de saúde que implicasse estadias em hospitais... apenas quando fui mãe tive o parto no público e fiquei lá os 2 dias seguintes e partilho de tudo o que relataste. Pessoal super simpático, atencioso, educado, empenhado. Senti-me super bem. Parabéns a todos que fazem esta diferença!

    ResponderEliminar
  4. Espero que esteja tudo bem, eu felizmente além dos partos nunca estive em hospitais, mas a minha filha aos 16 anos teve de fazer uma operação e apesar de ser seguida num hospital pediátrico, o médico decidiu que a operação seria num hospital geral, que tinha um departamento dedicado a cardio-torácicas, estava com medo ela habituada a um tratamento mais infantil fosse estranhar um tratamento mais adulto.
    Fiquei agradavelmente surpreendida, pois além do departamento funcionar como um relógio, pessoas super queridas e empenhadas, trataram-na como adulta, mas carinhosos na mesma.

    ResponderEliminar
  5. As melhoras, Sónia!
    Fui operada ao coração com 12 anos, altura em que ainda não tinha bem noção das coisas. Acredito que com esta idade fosse ter muito mais ansiedade.
    Espero que corra tudo bem e paciência para esse período de recuperação.

    ResponderEliminar
  6. Também já fui operada e fui muito bem tratada e agradeço pelo empenho dos profissionais e por tudo ter corrido lindamente.
    Ainda hoje recordo o anestesista super atencioso comigo.

    No entanto (não compreendam mal) mas os profissionais de saúde não fazem mais do que a obrigação deles, visto que para isso são pagos.
    Tal como a ti te pagam para seres a melhor jornalista possível.

    Há bons profissionais de saúde sim, e ao lidar com saúde devia ser sempre assim.
    Mas como em todas as profissões também há muitos a levar louvores e com zero aptidão ou empatia ao lidar com saúde, doentes, cirurgias.
    Com pena minha também sei o que digo e não é da boca para fora.
    No meu caso, felizmente, não tenho queixa no atendimento,
    Mas já assisti a tratamentos e cenas desagradáveis.

    Boa recuperação linda S*.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Esse é o lado bom que tento sempre partilhar dos meus internamentos, as várias pessoas fantásticas que trabalham no hospital, seja em que área seja, nesta três semanas fui entregue a uma equipa de dermatologistas muito jovens do centro hospitalar de gaia, mas que todos os santos dias me dizem, vamos descobrir Mary, vamos conseguir depois ajudar outros doentes graças as esquisitices que lhe aparecem. Sabes seja qual seja o serviço que frequento, fico sempre com amigos lá e com uma vontade enorme de os abraçar e mostrar como estou grata por tudo, já para não valar das amizades excelentes que ficam.
    Um beijinho enorme e uma boa recuperação ;)

    ResponderEliminar
  8. S*, queria recomendar o Kelo Cote (gel de silicone) para cicatrização. Previne cicatrizes hipertróficas e quelóides. É caro, sim, mas é o tipo de produto que uma ou duas gotas rendem muitooo. E por cima protector solar SPF 50 SEMPRE, no período diruno :) Tudo a correr bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela dica. Hoje já fui tirar o penso e comprei uns pensos transparentes de silicone exactamente para facilitar a cicatrização e alisar a cicatriz. Mas também usei Cicalfate na primeira operação, há meia dúzia de anos, e correu bem. Vou investigar esse. Neste momento, na primeira semana, vou mesmo pôr apenas o penso de silicone, que é para usar 24 horas. A enfermeira até disse que não precisava de pôr nada... Deixar ao natural. Mas eu quero massajar... Apenas neste momento me faz muita impressão. Deixar passar uns dias. Obrigada.

      Eliminar
    2. Não sou a comentadora de cima, mas quando fui operada usei também esses pensos de silicone que ajudam a evitar cicatrizes hipertróficas e quelóides.
      Os pensos são caros mas muito bons e aderem muito bem à pele.
      Depois também usei Cicalfate.
      Correu tudo muito bem, mas segui sempre as recomendações do meu médico.

      Onde houver cicatriz e sobretudo recentes será sempre para usar protector solar, mas só depois de cicatrizar.

      Eliminar
    3. Os adesivos/pensos que eu usei eram da Tiritas Medical, mas há várias marcas.

      Eliminar
    4. Os meus são da mesma marca. 🙏 Obrigada pela dica. Vou hoje pôr os pensos, após o banho. Daqui a uns dias, quando me sentir confortável, Cicalfate. Neste momento, nem olhar consigo, quanto mais tocar... Leva o seu tempo... Obrigada.

      Eliminar
    5. S*, como é que te tens dado com os pensos?
      Que tal vai isso com a recuperação?
      Sou a anónima 3 de Junho às 07:08h/07:15h

      Eliminar
    6. Olá, olá. Estou a recuperar, aos poucos... Mas custa bastante, admito.

      Sobre os pensos, estou a gostar muito. Coloquei na quinta e vou usar umas semanas, como indica a caixa. Lavo todos os dias com água e sabão, deixo a secar, colo num saco plástico enquanto aplico creme e deixo a pele absorver... E daí a umas horas volto a colocar as tiras. Tenho usado umas 20 horas por dia, lavo bem e continuam impecáveis.

      Eliminar
    7. No início há sempre algum desconforto, é normal.

      Eu também fazia assim, na altura.
      São bons porque é um penso respirável e lavável. 😉

      Eliminar
    8. Cada tira é para 7 dias e, pelo que vejo, realmente mantém a aderência, se for bem lavada. Pelo preço, estou muito satisfeita.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.