Avançar para o conteúdo principal

Armário meu, armário meu...

Chega aquela altura do ano (acontece duas vezes, lá para Março e novamente em Setembro) em que muda a estação e, de repente, dás por ti "nua e crua" - como diria a minha avó Laura.

Mudas a roupa do armário e percebes que:

a) Parte da roupa não te serve (ou porque está justa ou porque está larga...);

b) Outra parte serve, mas já não tem bom aspecto;

c) Da parte que te fica bem, retiras o que já não gostas.

E o que sobra? Bem menos do que gostarias. Realço: gostarias, não precisarias.

Deitei fora imensas coisas - umas para dar, outras mesmo para o lixo. E de que é que eu preciso, perguntam vocês?

Acima de tudo, camisolas, camisas, blusas, partes de cima assim no geral. Ter mais duas calças também não me faria mal algum. Casacos tenho com fartura, que no ano passado investi neles. Na loucura, gostaria de ter um casaco comprido preto, com cinto. Ou uma parka. Não tenho casacos compridos e o único que tenho já tem uns anos e umas mangas já não tão bonitas.


(La Redoute)

(Zara)

Se formos ver aquilo de que o meu pequeno precisa, então é o descalabro. O pequeno não tem um único pijama para a mudança de tempo. Nem robe. Precisa de calçado quente. De mais cuecas. De mais camisolas quentes. É uma lista que nunca mais acaba, senhores!




Comentários

  1. "Outra parte serve, mas já não tem bom aspecto"

    uma pergunta: trocas de roupa quando chegas a casa?
    digo isto porque pelo que vejo em conversas com outras pessoas isto faz mesmo bastante diferença na manutenção da qualidade da roupa. eu tenho roupa para ir para o trabalho, para sair ao fim de semana, de mais qualidade, mais formal, em bom estado. depois quando chego a casa troco logo para a "roupa de andar por casa", mais fraca, mais simples, mais confortavel. portanto a roupa de ir para o trabalho nao se desgasta, se estou sentada todo o dia à secretária, não há como estragar. agora em casa se estou com o aspirador, a cozinhar, a lavar o chao, a estender roupa, a brincar com os animais, ou pior a tratar do jardim, obvio que a roupa se estraga muito. E pelo que percebi há muitas pessoas que chegam a casa e continuam com a mesma roupa a fazer as tarefas domesticas o que claro as vais estragar bem mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Troco logo. Na meia hora a seguir, no máximo. Eu tenho quatro animais, tinha mesmo de trocar de roupa ou estava tramada. Ahahah.

      Mas, por exemplo, ando quase sempre de bolsa a tiracolo. Estraga muito as malhas de lado. E as blusas na frente, claro. Quando me refiro a roupa em menos bom estado, são malhas, camisolas ou casacos, que vão ficando roçados por causa das malas. Calças é raro ter problemas, só se forem tecidos mais sensíveis.

      Eliminar
    2. pois, tambem depende muito do percurso que se faz. eu entro no carro na minha garagem, conduzo 20 min para o trabalho, estaciono à porta, pego na mala e subo para o escritorio. depois almoço na cantina, e so volto a pegar na mala no fim do dia para voltar para o carro, nem 10 min ando com ela por dia. suponho que quem ande de transportes publicos, va almoçar fora a restaurante e tal, anda com a mala muito mais tempo a roçar na roupa.

      Eliminar
    3. Sem dúvida. Para mim, trocar quando chego a casa e lavar a maior parte da roupa à mão são os melhores truques para que se mantenha com bom aspeto por mais tempo.

      Eliminar
    4. Sei que não tem nada a ver e não digo com o intuito de ofender, mas faz-me mesmo confusão haver pessoas (suponho que sejam muitas) que andem tão pouco num dia. É o carro que estacionam à porta do trabalho, o elevador em vez das escadas, a voltinha que não dão na hora de almoço. O sedentarismo é mesmo muito em Portugal. :/

      Eliminar
    5. Sei que é tudo uma questão de hábito, mas não gostaria de andar sempre de carro. Estaciono dez minutos do trabalho. Depois, ao almoço, geralmente vou até à loja da minha irmã almoçar, mais dez minutos... Outros dez para voltar e mais dez ao final do dia. Por isso vou sempre andando. Só mesmo quando está mau tempo é que como no trabalho. Gosto de sair e espairecer. Hoje aproveitei a hora de almoço e fui comprar robe para ele, para mim e mantinhas felpudas.

      Eliminar
    6. Bem, se for 20 min a conduzir em auto estrada como eu, iriam a pé para o trabalho? É que simulando aqui no gps, os quase 30km de trajecto dão umas 4h a pé, um só trajecto. Sedentarismo só para quem quer, há sempre espaço para corridas/caminhadas ao final do dia ou ginásio 🙄 nem toda a gente vive numa aldeia/cidade pequena ou trabalha ao lado de casa.

      Eliminar
    7. Não sei até que ponto é só uma questão de hábito. Moro a menos de 10 minutos de carro da escola da minha filha mas cuja estrada não é transitável em segurança para pessoas a pé. Depois de a deixar, vou para o trabalho onde chego uns poucos minutos antes da hora. Estacionar mais longe e fazer nem que fosse 10 minutos a pé não seria exequível a não ser que quisesse chegar atrasada. Almoço na empresa (não é de todo viável economicamente almoçar fora todos os dias e mesmo os restaurantes não estão a distâncias que se possam fazer a pé, almoçar e regressar a pé) mas concordo que aqui posso sempre aproveitar para um pequeno passeio, coisa que às vezes fazemos. Saída do trabalho, é hora de ir buscar a Mini-Tété e regressar a casa. Nesta logística do dia-a-dia não é fácil acrescentar os tais 10 minutos a pé aqui e ali, daí sentir que não é apenas uma questão de hábito.
      Claro que depois posso fazer caminhadas, aproveitar que vivo no campo para isso mesmo, mas isso já é fora do tal rame-rame do dia-a-dia. :) Ah, e no trabalho é escadas acima e escadas abaixo todo o dia que não há cá elevador para ninguém. :)

      Eliminar
    8. Anónimo21 de setembro de 2020 às 20:14,

      Eu não vivo numa aldeia, vivo nos subúrbios de Lisboa e desloco-me de comboio. Mas, para além da curta caminhada até ao instituto onde estudo, faço por andar bastante a pé, dar uma volta depois de almoço, etc. Obviamente que não me estava a referir a pessoas que fazem caminhadas ou frequentam o ginásio, apenas às que não se mexem mesmo.

      Eliminar
    9. "É o carro que estacionam à porta do trabalho, o elevador em vez das escadas, a voltinha que não dão na hora de almoço. O sedentarismo é mesmo muito em Portugal. "

      resposta tipica de malta de cidade grande. sim, aí em Lisboa, em que no fim do dia voltam para um apartamento pequeno e que se calhar até têm empregada domestica para limpezas 1x por semana de facto têm de arranjar estrategias para mexer o corpo e têm tempo para pensar em passear durante a semana.

      eu conduzo 20min para o trabalho pois são 30km a maior parte dos quais em autoestrada. não dá para ir a pé certo? estaciono à porta do trabalho pois é uma empresa numa zona industrial em que cada empresa tem o seu parque de estacionamento em frente e os lugares são marcados. vou fazer o quê, armar confusão e estacionar noutra empresa no lugar doutra pessoa só para andar mais?
      o almoço são 30min, precisamente para podermos apenas comer na cantina, nem sequer é dada outra hipotese aos trabalhadores, so paramos o tempo efectivo que precisamos para comer e começamos logo a trabalhar. trabalhamos na mesma as 40h semanais e assim na 6ªF saimos mais cedo com o tempo que poupamos na hora de almoço. a ideia aqui é perder o menos tempo possivel durante o dia de trabalho na empresa (chegar rapido, trabalhar e voltar rapido a casa) para depois usar o tempo na casa e na vida domestica/agricola.

      isto porque eu chego a casa, tenho roupa para lavar e por a estender, aspirar, limpar, lavar, tenho um terraço grande para limpar. tenho um jardim e terreno com 3000m2. há relva para cortar, mato para limpar, erva para apanhar, herbicida para espalhar, arvores para regar e cavar à volta, etc. Saio às 17h, às 17;30 já estou em casa e até às 20h de verão faz-se muito trabalho la fora. Nas ultimas semanas chegava todos os dias para a casa e ia para o pinhal com a familia cortar lenha, apanhar pinhas e trazer parte para minha casa, parte para casa da minha mae, depois cortar tudo em pedaços pequenos com a serra electrica para caber na lareira e arrumar.
      Quando chegava à hora de jantar já estava a suar com o esforço e no fim do sabado depois de 6 dias disto já sentia bem o cansaço nas pernas.
      Como diz o meu sogro: quem paga ginasios bem podia pegar numa enxada e cavar que é de graça.

      Obviamente que cada um tem a sua vida, a sua realidade. E a minha realidade da aldeia é completamente diferente da vossa realidade numa cidade. O que me faz confusão, e não é de facto a primeira vez que há diferenças sobre assuntos diversos, é que a malta da aldeia conhece a realidade da malta das cidades e percebe a diferença, mas a malta da cidade parece que acha que em Portugal é só Lisboa e Porto e que não faz a mais pequena ideia do que são as rotinas de vida de meios pequenos o que me choca verdadeiramente.

      Eliminar
    10. Anónimo22 de setembro de 2020 às 08:58,

      Está enganada, só vivo na zona de Lisboa há um ano. Sempre vivi numa aldeia e não era por isso que não andava a pé diariamente. Depende muito dos hábitos que estabelecemos e alguns são fruto de escolha, não de condicionantes externos.

      Eliminar
    11. Vive nos subúrbios de Lisboa como eu, a diferença é que nem sempre é viável andar de transportes públicos, seja porque há crianças para deixar em escolas sem ligação por transportes, seja porque há quem não tenha transportes como alternativa, ou até mesmo quem não goste dos mesmos. Ainda para mais em tempos de covid, deixo os transportes públicos para quem não tem outra opção. A vida não é preto e branco, nem a vida dos outros pode ter como exemplo a sua realidade. Não pode concluir que quem faz o trajecto casa/trabalho e pouco se mexe neste circuito, não faz outro tipo de exercício, ou não se mexe de todo.

      Eliminar
    12. Anónima das 8h58, então para que tem um jardim e terreno com 3000m2? O que aproveita disso para além de tarefas? Pelo que relata, o seu dia-a-dia é todo passado entre viagens casa/trabalho, trabalho e tarefas domésticas (onde faz o tal "exercício físico").

      Pois eu moro no tal centro de Lisboa, tenho a tal empregada 1x por semana (espante-se que muitos colegas meus até têm todos os dias), vou a pé para o trabalho e levar a minha filha à creche (ando 1h a pé por dia, somando esses trajectos) e no final do dia, quando a vou buscar às 17h30, ainda vamos 1h para um jardim passear e correr.

      Neste momento, estando em teletrabalho desde março e com a nossa filha em casa connosco, como poupamos esse tempo das deslocações, os dias estão longos e ela acorda cedo, até fazemos um passeio de 1h30 de manhã e outro de 2h ao final da tarde. Temos inúmeros jardins/parques perto de casa e passamos imenso tempo ao ar livre.

      Ah e o nosso pequeno apartamento não nos dá assim tanto trabalho, evitamos ao máximo perder tempo com tarefas domésticas, repetitivas e que só dão cabo das costas.

      Eliminar
    13. Anónimo22 de setembro de 2020 às 12:27,

      Tenha calma, que não estou a acusar ninguém de um crime. Foi um comentário sobre a tendência dos portugueses para o sedentarismo, que está mais que registada. Claro que as realidades são diferentes, mas há muitas pessoas que até para ir ao supermercado que fica a 500m buscar meia dúzia de coisas vão buscar o carro.

      Eliminar
    14. "22 de setembro de 2020 às 13:21"

      não percebi honestamente o objectivo/tom do seu comentário.

      tentando explicar o meu ponto de vista de novo:

      cada pessoa tem o seu estilo de vida, o que gosta de fazer. eu gosto de morar na aldeia e de ter esta rotina. gosto de apanhar a minha propria fruta no meu quintal em vez de ir comprar ao supermercado. gosto de passar as tarde de domingo no meu relvado, a apanhar sol, a jogar à bola, sentada no meu terraço a jogar às cartas, sei la. gosto de ter o meu espaço, a minha privacidade. gosto de ter uma casa grande, o meu sotao, os quartos todos, a sala grande, o terraço, mesmo que isso significa mais tempo a limpar obviamente.
      não estou a querer comparar, nem dizer o que é melhor ou pior. estive 1 ano a morar em Lisboa após acabar o curso foi para aí trabalhar, odiei a experiencia, não me vejo em cidades grandes, muito menos a estar num apartamento. são opiniões, não há certo nem errado. se todos gostassemos do mesmo é que seria um problema pois não iamos caber todos no mesmo sitio :-)

      o que o meu comentário de ontem queria apontar era apenas o seguinte: quem tem esse estilo de vida de Lisboa, tem obviamente de se preocupar em caminhar, ir a ginasios, andar em jardins como refere e arranjar outras estrategias no dia a dia para esticar as pernas e nao ser sedentario. quem como eu vive numa aldeia e já tem tarefas domesticas/agricolas que a ocupam varias horas por semana, nem precisa de se preocupar com isso do ser sedentario pois é impossivel ser sedentario com todo o esforço fisico incluído nessas tarefas.
      Isto foi apenas para responder ao primeiro anonimo que achou que alguem que vai de carro para o trabalho e nao caminha na hora de almoço tem de ser sedentario, como se a vida fosse apenas o que fazemos no trabalho.

      Eliminar
    15. Anónimo, mas para mim é muito diferente andar num ginásio, passear ou andar em jardins, com fazer tarefas agrícolas. As primeiras são atividades de lazer/exercício, em que não há nenhuma tarefa, apenas algum esforço físico associado mas a uma atividade que é calma e descontraída.

      O que refere de tarefas de cavar, partir lenha, etc são coisas que envolvem bastante esforço físico e alguma obrigatoriedade (fazer na altura de plantar X ou de colher Y) e repetição, eu associo isso a verdadeiras tarefas que dão imenso trabalho no dia-a-dia (até porque hoje em dia são feitas por pessoas como, no seu caso, trabalham um trabalho de escritório durante o dia, não estão totalmente dedicadas à agricultura).

      Eu também gosto muito de ir a casa dos meus sogros e ver a minha filha a comer tomates cherry diretamente da planta. Mas jamais arcaria para o meu dia-a-dia o trabalho que eles têm com a casa/horta/animais. Até porque, no caso deles, são pessoas cujos interesses se subsumiram a isso a vida toda (não têm tempo - nem nunca se dedicaram - a ler um livro, ver um filme, ver uma série no final do dia de trabalho, ir ao cinema, teatro, exposições, viajar, apenas dão uns passeios perto ao fds e nem se podem ausentar mais do que 2 dias por causa dos animais). Isso para mim é inconcebível como ideário de vida, porque é ter o dia consumido por tarefas (trabalho + casa + campo) para usufruir um pouco ao domingo ou umas horas em que se possa descansar.

      Eliminar
    16. A capacidade de eternizar, até à exaustão, um "não assunto"...

      Eliminar
  2. "Mudas a roupa do armário "

    não sei se é a algo semelhante a que te referes, mas eu até ter a minha casa não conseguia ter toda a roupa no meu armario.
    em casa da minha mae tinha um armario que dava para a roupa da estação (inverno/verão) e da meia estação. a outra estava em arcas de arrumação de roupa. depois cada vez que trocava a estação lá tinha eu de andar a trocar. detestava isso, se o tempo ficava mais quente ou mais frio de repente tinha de ir la à arca tirar tudo e procurar o que queria, e obvio, a peça que queremos está sempre no fundo da arca.
    quando fui para o primeiro apartamento arrendado com o meu marido, era um T3 e nao tinhamos filhos portanto entre o armario do nosso quarto e os armarios dos outros quartos conseguia ter a roupa toda organizada e à vista. mas mesmo assim era chato querer escolher por exemplo um conjunto para sair e ter as camisolas num armario e as calças no outro e andar de quarto em quarto a ver e a escolher.
    quando construimos a nossa casa uma dos meus requisitos imprescindiveis era ter no quarto um roupeiro grande onde coubesse toda a roupa de todas as estações ao mesmo tempo. lembro-me do arquitecto insistir se nao era melhor ter um closet com espaço de vestir e nao sei o quê mas eu expliquei que não me interessava coisas dessas e ocupar mais m2 (cada m2 numa casa a construir custa x€ e portanto quanto mais m2 mais custa a casa), eu so queria era as paredes do quarto ocupadas ao maximo com armarios para caber la toda a roupa.
    e pronto, isto so para dizer que quando li o teu comentario foi a primeira coisa que me lembrei: ainda bem que já nao preciso de andar a mudar a roupa de armario :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, no roupeiro do meu quarto não caberia toda a roupa ao mesmo tempo. É um facto. Mas o terceiro quarto, que não usamos para nada em particular, tem o maior armário. No entanto, não me parece útil ocupar esse armário com roupa, prefiro usar para mantas, tapetes, lençóis, coisas mais do dia-a-dia. Assim, tenho optado por arrumar a roupa que é claramente de uma estação na garagem, em caixas de plástico gigantes. Só sinto necessidade de trocar 2 vezes por ano, como referi. A chamada roupa de meia estação deixo sempre no meu roupeiro (mesmo que nas prateleiras de cima, onde só chego com uma cadeira). Arrumo as camisolas grossas, os casacos quentes, ou então as sandálias, as blusas mesmo de Verão... aquilo que dá para usar tanto na Primavera, como no Verão ou Outono (blusas finas, meia manga, sabrinas, sapatilhas, casacos finos) fica sempre no meu armário. :)

      Eliminar
    2. No meu caso, e como sou baixinha a ideia foi: a roupa que uso está toda no armario em cabides e prateleiras até onde eu chego. depois acima disso há prateleiras até ao tecto e é onde tenho as outras coisas que referes: lencois, toalhas, cobertores, ... que então quando as quero ir buscar tenho de usar um banco para la chegar. Tudo acessivel e tudo à vista.

      O que ainda nao tenho organizado, e isso é um projecto futuro é as malas e o calçado. queria tudo junto porque geralmente escolho a mala a combinar com o calçado, e pessoalmente faz-me confusao calçado de rua dentro de um quarto por isso queria isto organizado na garagem. a ideia é ter um armario grande onde caiba todo o calçado de todas as estações e todas as malas.. ja tinha escolhido online o que comprar no Ikea em Março mas preciso de ir ver ao vivo para confirmar que funciona como quero e com isto do Covid ficou adiado. não me apetece ir ao Porto de proposito meter-me em confusões com muita gente.... Actualmente tenho o calçado e as malas num dos quartos, e o calçado é como referes: o de meia estação está sempre exposto e depois só tenho de trocar o de verao pelo de inverno e vice versa. Mas pronto, gostava mesmo de ter tudo à vista, organizadinho e não ter de andar a trocar duas vezes por ano.

      Eliminar
    3. O meu armário é metade com cabides e duas gavetas... E a outra metade só prateleiras altas. Por isso tenho roupa num lado, roupa mais interior ou de desporto (que não faço) nas gavetas... E no lado das prateleiras tenho duas para calçado, mais duas com malas. Nas prateleiras de cima tenho a tal roupa que já arrumei, mas que convém estar perto para eventualidades. :)

      Eliminar
  3. Pq o teu filho não tem um pijama quente? Anda menos nas redes sociais e toma conta do teu filho como uma mãe em condições!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque estamos no Verão? Ou você não sabe que as crianças crescem e é preciso comprar roupa quando muda o tempo?

      Eliminar
    2. ja te leio quase desde o inicio do blog
      discordo de ti em muita coisa, principalmente na questão financeira
      mas continuo a surpreender-me com a quantidade de comentários ofensivos e completamente descabidos que recebes.
      ate eu que nao sou mae percebi perfeitamente que tinha a ver com o crescimento.
      irra que não sei como tens paciencia para aturar esta gente
      será que não percebem que podem simplesmente discordar sem ser mal criados?

      Eliminar
    3. Isto há malucos para tudo.

      Eliminar
  4. Volto a frisar: faz mais sentido economicamente fazer esse balanço antes da estação chegar e aproveitar os saldos, do que só agora e ter de comprar tudo ao preço inteiro, ou com descontos irrisórios.

    Hoje em dia as marcas mais conhecidas (Zara e afins) têm todas roupas adaptáveis às diversas estações durante o ano inteiro. Só compro duas vezes por ano: saldos de inverno e saldos de verão, sempre pensando na estação seguinte.

    Comprei imensas coisas durante o mês de agosto, na Zara então fiz achados óptimos. Uma gabardine comprida que custava 65€, por 13€. Duas camisolas de gola alta por 3,99€ cada. Para a minha filha (1 ano e meio) já comprei tudo para o inverno e até algumas t-shirts/calções para o verão do próximo ano (ficam guardadas e depois já tenho). O que é "fora de estação" até costuma ficar mais barato, porque as pessoas só se focam no que é desse tempo e sobra.

    Se posso comprar com desconto, com grande oferta na mesma, faço esse planeamento e só compro fora disso algo que seja mesmo imprevisto e urgente. Poupo imenso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mas tem de compreender que há pessoas que gostam de seguir as modas e as tendencias e comprar no inicio da estação certa.
      eu faço como menciona: compro sempre nos saldos para a estação seguinte. mas a minha irmã que é super vaidosa e anda sempre a seguir os blogs de moda e quais as tendencias compra como a S*, durante a estação.
      são ideias, nao temos sempre de seguir o criterio economico.

      Eliminar
    2. Eu concordo com a lógica e também aproveito muito os saldos sobretudo para comprar peças mais básicas e de qualidade (depois gosto de comprar algumas peças tendência), mas não é necessário comprar só em época de saldos. Há os outlets físicos e algumas lojas, como a Mango, têm já os seus outlets online. Ainda esta semana a Mango Outlet estava com descontos de 40% sobre o valor já com desconto.

      Eliminar
    3. Concordo que as marcas de fast fashion fazem descontos com alguma regularidade. De qualquer forma, eu compro quando me faz falta ou quando vejo algo que realmente gosto. Não sou de esperar por saldos, embora goste de espreitar as boas oportunidades...

      Eliminar
    4. S. neste caso não seria "esperar" pelos saldos, seria antecipar o que se precisa e comprar antes do tempo. Não teria de ficar à espera para comprar algo que precisa, se é uma necessidade e podemos poupar, acho que mais vale antecipar.

      Eu não sigo modas ou tendências, compro o que preciso e o que gosto e há tanta oferta em promoção que encontro sempre o que quero assim.

      É verdade que há os outlets e o da mango é porreiro, embora já me tenham calhado peças de má qualidade. Eu sou fã de Zara (para mim e minha filha) e calçado opto por marcas melhores (para ela biomechanics, geox). Por exemplo, comprei-lhe umas sandálias logo em abril por 27€, quando custavam 45€. Comprei uns crocs e umas paez por 10€ cada. Mas isso porque sei o que ela vai precisar, tenho uma lista e vou estando atenta aos saldos e promoções ao longo do ano. também gosto de bimba y lola para mim e os saldos deles são espectaculares! Comprei um lenço em cetim por 15€ quando custava 60€.

      Eliminar
    5. Antecipar é Muito difícil quando se tem um miúdo grande em tamanho e em estrutura. O meu filho tem três anos e três meses e do veste roupa de cinco ou seis anos. Cuecas de seis anos. Calçado entre o 28 e o 29. Pus - lhe nos pés, em Março, umas Vans novas, tamanho 27. Estavam folgadas. Agora já não servem. Até fiquei chocada com o salto que deu. A minha irmã deu-me roupa do meu sobrinho, que o menino usou no ano passado, com quatro anos e meio... E eu olho para o meu filho e acho que já não lhe vão servir algumas coisas, quando estivermos no Inverno. Não é mesmo nada fácil...

      Eliminar
    6. Anónimo21 de setembro de 2020 às 20:11,

      Fui eu quem mencionou o outlet da Mango e tenho de concordar consigo, a Mango parece ter uma qualidade menos uniforme que a Zara. Com a Zara sabemos quase sempre com o que contar, com a Mango é diferente. Mas quando percebi isso passei a estar mais atenta aos materiais e agora já é raro apanhar coisas deles com má qualidade.

      Eliminar
    7. Costumo comprar em saldos por antecipação para o ano seguinte mas pode correr mal. Este ano não comprei calçado antecipadamente, felizmente. Em janeiro a minha pequena calçava 22. Agora calça 24/ 25. Imaginem que tinha feito stock de calçado 23 nos saldos de Inverno...

      Eliminar
    8. Eu também só compro nessas ocasiões de saldos de inverno e de verão, já a pensar na estação ou ano seguinte . Quando tiver filhos, penso fazer o mesmo. Contudo, percebo que nem sempre é fácil fazer isso com crianças, principalmente se crescem muito, se são maiores do que o normal para a idade... Nunca se sabe o que vai servir e quando, podendo perder alguns "achados" que seria suposto vestir numa certa altura e depois já não serve. Deve ser mais complicado. Para adultos, no entanto, funciona muito bem! A não ser que a pessoa também mude muito de peso...

      Eliminar
    9. O meu filho mais velho tem o mesmo problema. Tem 7 anos mas veste roupa de 10 (é magro mas muito alto).
      Agora está quase sem calças para vestir (ficam corsários).
      Eu até comprei dois pares nos saldos, mas umas delas ficam mesmo largas.
      Devia ter previsto que ele iria crescer não sei qtos centímetros mas manter a mesma cintura. Para que as calças lhe sirvam em comprimento não servem em largura (mesmo com os ajustes na cintura).
      Fazer o quê?
      Para as peças de meia estação e camisolas já arrisco mais (mas compro sempre grandote). Cuecas, meias, .... quando vejo um bom preço aproveito.
      Se não servir o irmão veste. Esse é mais previsível para a idade, apesar de também ter o mesmo problema com as calças. Com 3 anos e meio veste a roupa que o irmão vestia aos 2 (roupa de 3-4 anos). Mas as calças... valha-me Deus... curtas e largas. :(
      Sapatos arrisco pouco, nem compro muita quantidade. 1-2 peças por estação costuma chegar.
      SM

      Eliminar
    10. S. e outros: como estamos a falar de comprar com 6 meses de antecedência (e não muito mais tempo), para já, pelo menos com a minha filha, tem sido perfeitamente possível antecipar os tamanhos. E prefiro comprar pelo grande, se ficar demais calças e camisolas dá sempre para dobrar nas pernas/mangas e rentabilizar mais um pouco. Se chegarem a casa (compro a maioria pela net) e vir que é mesmo grande demais (ou pequeno), devolvo. Ainda não me aconteceu chegar à data em questão e não servir o que guardei. Por exemplo, a minha filha usou calçado 20 durante o verão e para o outono/inverno comprei umas sapatilhas e umas botas 21. Já percebi que foi boa escolha, porque o 20 começa agora a ficar apertado, daqui a 1 mês já vai passar para as outras e é quando começa a ficar mais frio. Diria que dá para usar este método no que for antecipável e se houver um crescimento maior aí então terá de se comprar no momento.

      Mas repara, S., estás a dizer agora que tens de comprar roupa de outono/inverno para o teu filho. Os saldos acabaram nem há 1 mês. Se tivesses feito essa verificação 1 mês mais cedo, fazia assim tanta diferença nos tamanhos a escolher? Como já disse, esse antecipar não me parece que seja decisivo em termos de escolhas/tamanhos, mas é-o em termos de poupança.

      Eliminar
  5. A roupa de meia estação dá-me sempre problemas, percebo-te! E com o mini meu já vi que o problema é igual...

    Felizmente (?) aqui na Noruega a mudança de estação é mais hardcore e por isso decidi este ano atacar logo com a roupa de Inverno e usar só casacos mais leves, antes da neve chegar. Tem resultado. Adeus, roupa de meia estação!

    ResponderEliminar
  6. Também faço sempre compras nos saldos! Tenho 2 filhos e antecipo sempre as estações. Fica mais económico e é um descando. Por exemplo: chega o inverno e é só abrir as gavetas e a roupa já está lá toda pronta! Chega o verão e o cenário é idêntico... não ando stressada a correr de loja em loja! Acabo por comprar muito em conta nas lojas acima referidas: Zara, Benetton, Mango... às vezes t-shirts a 2,99€, vestidos de menina a 5,99€, enfim... um pouco de tudo e a precos óptimos. É necessária alguma organização pois é preciso saber o que vai ficar pequeno e deixar de servir e antecipar essa compra... nada que uma tarde passada frente aos armários das crianças não resolva!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! Estou bem contente com a caixa de roupa de outono/inverno que tenho em cima do roupeiro da minha filha, já pronta a entrar em breve :D tão boa a sensação de já ter tudo tratado. Ah e lavado e seco quando estava bom tempo e sol ahah.

      Eliminar
  7. O recheio do meu guarda-roupa ficou na casa com meu ex (separei por violência doméstica), comprei 3 calças e meia duzia de camisolas. Tudo de verão pq de outono e inverno ainda nada e ao mesmo tempo, faço um enchoval pro meu bebe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Toda a sorte do mundo para si.

      Eliminar
    2. Olá Daniela.
      Tenho alguma roupa em bom estado que não uso que lhe posso oferecer, se quiser. Visto o S. Basta responder ao comentário que depois deixo o meu email.

      Eliminar
    3. Olá Daniela, também tenho algumas coisas S/M, incluíndo casacos de Inverno.

      Eliminar
  8. Eu faço como já disseram. No final do verão/inverno ( quando iniciam os saldos) faço a avaliação daquilo que tenho e o que precisa de ser retirado do armário na próxima estação.
    Fico com uma lista de compras bastante delineada e aproveito os saldos para tentar obter a melhor qualidade vs preço possível.

    Foi assim que comprei sobretudos clássicos que custariam +100€ e nenhum me custou +30€... Alguns já contam com uns 7 anos de utilização em perfeitas condições e a minha parka tem mais de 10 anos. Há anos em que nem gasto dinheiro nenhum em roupa para mim.

    A moda/tendência não são importantes para mim e as tendências são cíclicas. Compro apenas o que gosto e o que não deixarei de gostar no ano seguinte.
    Depois como a roupa se vai desgastando e ocasionalmente tenho que renovar acabo por ter sempre uma peça ou outra que é tendência ( naquele ano). A diferença é que não a deixo de utilizar quando deixa de ser tendência porque eu compro aquilo que gosto .

    Faço o mesmo com a roupa dos meus filhos- antecipo as necessidades. Com o mais velho consigo saber exatamente qual vai ser o tamanho na estação seguinte e já tenho comprado algumas coisas para + anos ( ex: casacão com estilo clássico da Tiffosi que só lhe vai servir para 2021 mas que passou de 60€ para 15€ e que comprei no ano passado).
    O mais novo salta muito os percentis, por isso tento utilizar as promoções de meia estação e comprar com uns 3 meses de antecedência. Ainda recentemente comprei as calças para este inverno em promoção na zara online.
    Por outro lado, como habitualmente compro roupa mais clássica, o mais novo está a herdar a maioria da roupa do mais velho, que está em perfeitas condições e que é intemporal.

    O calçado compro sempre de boa qualidade e esse não é herdado mas compro sempre em promoção também.
    Para mim faz uma enorme diferença a nível de despesa e eu odeio desperdiçar dinheiro desnecessário.

    ResponderEliminar
  9. Como gostas de atualizar o teu guarda roupa frequentemente já pensaste na possibilidade de utilizar o armário cápsula?
    Dá para fazer vários ( trabalho, desporto, social, etc) e mesmo reutilizando de uma cápsula para a outra.

    É que bastam muito poucas peças para se obter dezenas de conjuntos diferentes e pode ser uma forma de sentires que dás mais uso ao que tens, de dar destaque às peças tendência que queres comprar sem no entanto teres de ter tantas peças.
    O desperdício anual também se torna inferior dessa forma...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A S gosta de roupa hiper colorida e cheia de padrões. Nao estou a ver como fazer um armário cápsula assim.
      E nem sequer é uma critica à S, mas os armarios cápsula são feitos com roupas mais sóbrias e intemporais.

      Eliminar
    2. É verdade. Aprecio algumas peças sóbrias, mas não sempre. Gosto de cor.

      Eliminar
    3. Nem sempre. Existe uma youtuber que já fez um vídeo a explicar como fazer um armário cápsula com muito poucas peças básicas e tudo o resto colorido.
      Apenas teve em consideração de comprar peças que combinassem entre si dentro das cores escolhidas.
      Para quem gosta de estar atualizado na moda e já de si troca todos os anos pode ser uma alternativa.
      Se encontrar o vídeo entretanto coloco aqui o link.

      Obviamente que a S* faz como entender. Apenas pode ser útil para alguém que tenha ideia que apenas se fazem armários cápsula com cores neutras.

      Eliminar
    4. Sim, com roupa colorida até entendo que dê para fazer. Mas com padrões deste tipo? Flores, cornucópias, tigresses, bordados...?
      Por acaso este é um tema que me agrada, eu toda a vida fui adepta do armário capsula, muito antes mesmo deste boom do tema . Ainda este fim de semana contei as minhas peças de roupa para o outono/inverno e são 38. Mas eu gosto de tons escuros, sem grandes padrões (tenho só 4 camisas com padrões por exemplo e são muito mais discretos que os da S). Com padrões assim mais txanam não consigo mesmo ver como faria.

      Eliminar
  10. Na mudança de estação há sempre uma vontade de limpar armários e acabamos por perceber que precisamos de qualquer coisa. E ando de comboio, com mala e a mochila do portátil a roup acaba por se estragar com alguma facilidade, até os casacos de Inverno ficam marcados...

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.

I wish

Faço anos daqui a um mês e, este ano, vou querer prendas muito práticas e objectivas. Algumas coisas preciso comprar, outras substituir, mas acho que vou deixar um pouco as vaidades de lado e optar por poupança real - porque são coisas que teria de comprar.

Alisador de Cabelo a vapor BELLISSIMA My Pro (Titânio - 170 °C - 230 °C )
Este ou outro qualquer, desde que seja bom e não me estrague (demasiado) o cabelo.
Uns auscultadores. Preferencialmente giros. Preferencialmente sem fios. Estes ainda por cima dobram-se, o que é muito prático para colocar na mala.






Um candeeiro de tecto novo para o meu quarto, que o que tenho é antigo e tapa imenso a luz.


A minha irmã comprou este candeeiro de mesa para o quarto do meu pequeno (em preto) e amei de paixão. Queria assim em tom cobre para o meu quarto. :)
Todos os candeeiros da Leroy Merlin / AKI.