Avançar para o conteúdo principal

Do Porto (e das saudades que tenho)

Um dos grandes remorsos que tenho foi a forma como encarei a licenciatura.

Sempre fui boa aluna, por isso estudar nunca foi problema. Tirava excelentes apontamentos, tudo organizado, com cores, sublinhados, apenas tinha de estudar uns três ou quatro dias antes dos exames. Não é a isso que me refiro.

Quando fui para o Porto tinha 17 anos (faria 18 passados três meses) e fui viver num apartamento mesmo porreiro com a minha irmã. A quinze minutos a pé dos nossos dois cursos (coincidências, Direito e Ciências da Comunicação eram mesmo ao lado um do outro, apesar de serem de faculdades diferentes dentro da mesma Universidade). 

Mas eu tinha namorado e esse namorado não era português. Ele também arranjou casa no Porto, mas eu acabava por estar sempre muito com ele, para ele não se sentir perdido numa cidade nova. A relação, já sabia na altura, não teria futuro, mas era uma relação de grande amizade e companheirismo. Ainda hoje, passados uns doze anos depois da separação, trocamos um ou dois e-mails por ano, só para saber como corre a vida.

Bom, resumidamente, tenho mesmo pena de não ter desfrutado da cidade como devia. De não ter investido mais seriamente na minha turma e nos colegas que se tornaram amigos. Esse investimento fiz mais tarde, no mestrado, com um grupo de amigas (e amigo!) que amo de paixão. Foi sol de pouca dura, porque o segundo ano de mestrado já o fiz na minha cidade, já a trabalhar. Fui a primeira de nós a entregar a tese de mestrado e a defendê-la. Claro que contei com os meus amigos lá e essa é uma memória que levarei comigo sempre.

Hoje estava a ler sobre o cancelamento do São João, no Porto, e a sentir novamente um enorme arrependimento de não ter aproveitado melhor aqueles quatro anos na cidade invicta. Não passeei o que devia. Não saí o que devia. Não aproveitei o que devia. Encarei tudo com muita seriedade, arranjei um part-time para aliviar as finanças da minha mãe e dividia os dias entre aulas e trabalho. A minha irmã fez igual - com a diferença de que ela trabalhava mais horas e tinha um curso muito mais exigente.

Hoje bateu-me uma saudade imensa. Não tenho propriamente arrependimentos na vida, mas este tenho. Deveria ter vivido mais o Porto.


Comentários

  1. As pessoas mudam e na altura tinhas outras prioridades.
    São fases na vida das pessoas.
    Este ano é estranho aqui no Porto sem os festejos de S. João, mas é assim.

    ResponderEliminar
  2. Ainda vais a tempo. :) Viveste como teve de ser, na altura. A cidade não vai a lado nenhum e podes voltar sempre que quiseres.

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho o sentimento contrário: se sabia o que sei hoje, teria feito mais workshops, ido a mais conferências, aproveitado mais a parte de estudo. Estudei sempre muito, mas fiquei sempre muito limitada ao que tinha que saber para os exames e pouco mais. Também trabalhava e tinha um relacionamento, por isso, não havia tempo para tudo. Vivi tudo muito equilibrado mas, se calhar, devia ter focado mais na parte curricular de vez em quando.

    Na altura levei o curso muito a sério, fui sempre boa aluna, passei nos exames sempre com boas notas. Mas fazia o mínimo possível. Porque queria aproveitar muito os meus amigos, a praxe, as saídas, o meu namorado... Nisso não me arrependo nada. Penso só que, se calhar, poderia ter tido mais oportunidades profissionais se tivesse feito mais coisas "optativas", mais estágios, voluntariado...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.