Avançar para o conteúdo principal

3 anos de Pedrógão Grande

Estamos a assinalar os três anos e ainda me custa ver as imagens.

O Rafael tinha pouco mais de duas semanas de vida. Sei que tínhamos ir dar um passeio nocturno. Chegamos a casa e a televisão indicava 19 mortos. Ficamos ambos estupefactos. Como? Começaram por focar os carros e as vidas que ficaram presas naquela estrada. Nem consigo imaginar o terror.

Naquela altura passávamos a noite praticamente acordados, entre dar de mamar, soluços, mudar fralda, adormecer. Por força dessas circunstâncias e de um choque imenso, passávamos as horas a ver o que se passava, a acompanhar os desenvolvimentos e, por Deus, a ver o número de mortos a subir a toda a hora.

Parece que continuamos sem culpados. Sem condenados. Sem nada. A injustiça de não ver a Justiça a ser feita deve doer de forma inimaginável. 

Comentários

  1. Muito triste o que aconteceu em Pedrógão.
    Nem quero imaginar o sofrimento daquelas pessoas.
    Ainda hoje custa a acreditar que aquele cenário ocorreu aqui tão perto, no nosso país.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.