Avançar para o conteúdo principal

Cesta rota

Tirei a hora de almoço para recuar aos primeiros anos deste blogue. Antes, tinha aproveitado esta pausa (a minutos de terminar) para falar com uma colega-amiga. No meio da conversa, antes de ter vindo reler os meus textos iniciais, comentava com ela que, há mais de uma década, alguém me tinha dito que eu era "uma cesta rota". Que é como quem diz, "um livro aberto". 

Ao reler os meus primeiros textos comprovo isso mesmo. Efectivamente, escrevia coisas que, hoje em dia, me fazem corar. Partilhava demasiado. Mas depois lembro-me... Há uma década isto era um blogue anónimo. Não havia fotografias, não existiam nomes, não havia uma realidade exposta. Agora é diferente. 

Tenho pena. Nota-se que escrevia com outra verdade e, por isso mesmo, com outro entusiasmo.

Um bom fim-de-semana.

Comentários

  1. Sou desse tempo, em que no máximo as fotos que apareciam eram dos teus pés com sandálias 😄 Podes sempre recomeçar outro em modo totalmente anónimo.
    Um aparte/curiosidade: agregado a este, não tinhas outro blog de culinária? Com um nome do estilo S* e os amigos à volta da mesa? Tenho essa ideia, mas posso estar a confundir blogues!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tive, sim. S* e os amigos à volta dos tachos! :) Mas não tenho assim tanto talento culinário e acabei por desistir. ahahah

      Eliminar
  2. É normal isso acontecer. Não deves ter vergonha porque naquela altura foi o que te fez sentido.
    É como hoje quando vemos fotografias (às vezes figurinhas lol) antigas ou quando pensámos em certas coisas que fizemos e dissemos lá atrás em adolescentes, por exemplo.
    Tudo são momentos e aprendizagem.
    Chama-se evoluir.
    Antigamente ainda conseguíamos manter o anonimato mas hoje em dia com redes sociais e afins é mais complicado.

    ResponderEliminar
  3. Eu, pessoalmente, acho que apesar de ser uma escrita mais "ingénua" ou imatura, era porém, mais interessante e densa. Acho que ao longo dos anos as tuas pequenas coisas se têm tornado, cada vez mais... pequenas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quer dizer, até a entendo, porque antes escrevia mais livremente e com maior variedade. Mas não acho que sejam coisas mais pequenas. São diferentes. Não tão entusiasmantes, se calhar... Mas mais relevantes.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã.

Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte?

Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria.

Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

O que é nacional é bom

Anda Portugal a usar cestas desde sempre e esta vossa S* a usá-las há sete ou oito anos... e vem agora a Carolina Herrera descobrir a pólvora (imagens acima).
Por favor, acho isto verdadeiramente errado. A desfaçatez que é pegar em algo tradicional de um país e de o apresentar como uma "criação"... Ainda por cima chamar-lhe "Aveiro"... E em nenhum sítio dizer que tem inspiração portuguesa.
E a pechincha que está? Quase 500 euros por uma cesta. Não tinha nada contra o preço... se efectivamente fosse um produto de original.
É só googlar "cesta portuguesa" e encontram-se imensos exemplares realmente nossos... E sem custarem quase um salário mínimo.
Querem cestas de classe? Então comprem das nossas. Das verdadeiras. Cópias descaradas? Não, obrigada.
Sugiro a Victoria Handmade. Não são caras, são dispendiosas e têm o preço do que é realmente bom. São feitas à mão, são portuguesas e assentam na nossa tradição. 

Voltar ao início

Depois de quase 9 anos e meio de relação, não vamos fingir que são tudo rosas. Ultimamente, temos até de admitir que têm sido mais os dias maus do que os dias bons. As chatices do dia-a-dia, os remorsos, os ressentimentos, os problemas a que somos alheios mas que nos afectam... Não é fácil de gerir e mentiria se não admitisse que já pensamos "será que vale a pena?".
Da minha parte, apesar dos momentos menos bons, continuo com a nítida percepção de que é um bom homem, com bons princípios, e que dificilmente encontraria companheiro que encaixasse tão bem em mim (que eu sou osso duro de roer, no que toca ao convívio caseiro).
Vale sempre a pena, porque não perdemos esta capacidade de nos reencontrar e voltar ao início. Enquanto soubermos olhar um para o outro e reconhecer o valor um do outro, vale mesmo muito a pena.