Avançar para o conteúdo principal

Emprenhar pelos ouvidos


Umas das coisas que a idade me foi ensinando (e já são quase 30 anos, senhores!) é a não dar ouvidos a tudo o que me dizem.

Gosto sempre de confiar no meu juízo. Na minha avaliação. No meu testemunho.

Claro que, se sei (de certeza absoluta), que alguém fez algo de muito errado, não consigo evitar ficar de pé atrás com essa pessoa. Por vezes, corto logo contacto, nem dou hipótese. 

No entanto, custa ir percebendo como seria tão fácil "emprenhar pelos ouvidos" e perder a oportunidade de criar boas relações com pessoas que, afinal, nem eram tão más assim. Aliás, até se revelam bastante boas. Boas para mim, para os outros, boas no geral.

Gosto tanto destas surpresas positivas. Independentemente daquilo que a vida me reserve e de eventuais surpresas negativas que possa ter, há pessoas às quais terei de ser sempre grata. Porque, em determinado momento, me ajudaram, me deram a mão, me deram uma oportunidade. Podem não ser pessoas sempre boas, podem não ser sempre correctas, mas foram boas comigo e isso eu não posso esquecer.

Até ver, estou feliz com as minhas escolhas. Até ver, o meu sexto sentido nunca me falhou.

Comentários

  1. A verdade é que cada vez me surpreendo mais pela negativa... As pessoas cada vez desiludem mais.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderEliminar
  2. Podem não ser sempre boas porque, na verdade, não somos sempre bons. Há sempre qualquer coisa que pode falhar. E o que é bom para uns, poderá não ser para outros.

    Eu sempre tive um sentido muito apurado na hora de "classificar" as pessoas. Acho que ainda não houve uma vez em que eu fiquei de pé atrás e afinal estava errada. Aos poucos, as pessoas vão-me dando razão. "Afinal fulana era assim e assado, como tu disseste", "Afinal tinhas razão para não achares piada à cicrana". Quando não são as pessoas a dizê-lo, é a própria vida, que só partilho estas desconfianças com terceiros se achar necessário ou alguém me perguntar. Raramente me engano, oxalá seja sempre assim.

    ResponderEliminar
  3. Muito verdade, ir pelo julgamento dos outros está muito incorrecto!!!

    ResponderEliminar
  4. Normalmente as surpresas vêm de onde menos esperamos e de onde esperamos só nos desiludem. Negar à partida uma aportunidade a alguém de se aproximar, já conclui, não é bom....

    ResponderEliminar
  5. O meu sexto sentido também não costuma falhar, mas mesmo assim por vezes dou por mim a pensar " se fosse hoje não teria dado confiança a fulano" ou " se soubesse o que sei hoje não teria sido amiga de beltrano".

    ResponderEliminar
  6. A mim habitualmente o discurso de falar mal de alguém tem apenas o efeito de ficar com muito má impressão da pessoa que o faz.
    Mas costas dos outros vejo as minhas.

    Raramente me engano e raramente a pessoa de quem se fala mal é realmente aquilo que "esse alguém" diz.

    ResponderEliminar
  7. Acontece-me imenso, de início não ir com a cara de uma pessoa, e mais tarde ou mais cedo vem-se a ver que tinha razão .

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.