Avançar para o conteúdo principal

Mamã orgulhosa


É um gosto do caraças ter um filho que adora comer. Come saudável, que os pais podem ser roliços, mas querem um bebé a ser alimentado como deve ser... Mas é incrível como ele adora tudo. 

Adora brócolos e couve-flor gratinada - nisto, sai à mãe, que ainda ontem encheu um prato de couve flor. Adora fruta. Adora sopa, de todos os sabores. Até hoje, com quase 14 meses e quase 10 meses a comer 'comida' (fez amamentação materna exclusiva até aos 4 meses e meio) não houve nada que ele não comesse. Só torceu o nariz à acidez dos morangos.

Também acho que dei o meu contributo para que tal acontecesse, pois sempre incentivei a que provasse tudo e mais alguma coisa. Nunca cedi. Nunca o deixei saltar uma refeição, a não ser que estivesse cansado. Nunca troquei a sopa por papa. Dou o meu melhor e ele é o melhor no que toca à paparoca.

É um menino santo, com uma boca muiiiito santa, que me enche de orgulho. Deus queira que assim continue, que já ouvi dizer que ali pelos dois anos há alguns que retrocedem nessa aprendizagem...


PS: Escusam de dizer que há pais que fazem muito esforço e têm o azar de ter filhos que não aceitam comida. Eu sei! Eu sei! Posso gabar-me, ao menos? Não é, de todo, crítica a ninguém, é apenas um auto elogio. 

Comentários

  1. Confirma-se: a minha retrocedeu. Quer dizer, nunca foi grande comilona, mas gostava de experimentar de tudo e comia praticamente de tudo. Agora, aos 4, são mais as coisas que recusa do que as que aceita...
    Mas nem todos são assim! Pode ser que o Rafael seja sempre um bom garfo! :)

    ResponderEliminar
  2. Gratinados não são exactamente saudáveis. Que tal apenas cozidos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendo muito bem. Gratinar, acho eu, significa levar ao forno a dourar. Eu cozi os brócolos e a couve flor. Às vezes como apenas com azeite, outras vezes faço um molho branco caseiro, rego a couve flor e levo ao forno a Gratinar... Não meto queijos ou afins. Claro que é melhor com queijo. Ahahah

      Eliminar
    2. Isso não é gratinar, é simplesmente assar. Podes verificar o que é um gratinado com uma rápida consulta ao Chef Google.

      Eliminar
    3. Eu por acaso tenho ideia que gratinar é colocar queijo (ou pão, já vi quem utilizasse) e ir ao forno. :)
      O que tu fazes, eu chamo “dourar”. :D

      Eliminar
    4. Ahah

      gra·ti·nar - Conjugar
      (francês gratiner)
      verbo intransitivo
      [Culinária] Preparar certas comidas ou alimentos, cobrindo-os com uma capa de pão ou queijo ralados, levando-os ao forno de maneira a obter, na superfície, uma leve crosta

      Eu uso pão ralado. Ou nada. Ou queijo, quando me apetece gordices.

      Eliminar
    5. Terá que criar uma "crosta", seja ela de queijo, béchamel ou pão ralado. Se não adicionares nada aos vegetais, não é um gratinado... E sim, não é saudável para um bebé, quando a única fonte de gordura deve ser azeite cru ou oleaginosas como o abacate.

      Eliminar
  3. Por acaso o meu filho também come literalmente tudo e eu não me sinto assim tão orgulhosa disso, o que é muito engraçado porque toda a gente gaba isso, desde os avós aos desconhecidos. Não sei, para mim é normal, nós também comemos bem, o miúdo come bem :) Não me dá gosto particular vê-lo a comer porque para mim comer é normal :) Houve de facto uma fase em que ele deixou de comer quase tudo (teria uns 18 meses), mas nós simplesmente não insistimos: se não quer comer não come, há-de comer eventualmente. Na altura interpretámos aquilo como um comportamento mais da linha da oposição, porque efectivamente passou num instante - mal ele percebeu que para nós era igual e que se não comesse quem se lixava era ele, voltou a comer. E come tudo, tal como nós. Caril, pimentos, limonada, coisas picantes, pipocas, pão, broa, alheira, todos os legumes, todas as frutas, tudo.

    Em relação às birras, é muito bom sinal que ele as faça - é sinal que já percebeu que consegue expressar o que quer e que tem autonomia para isso! Há um monte de formas de lidar com isso, nós cá em casa optámos por respeitar a autonomia do Matias. Na prática, temos regras absolutamente rígidas e o resto é como ele quer. Ou seja, há coisas claras que ele é obrigado a cumprir: arrumar os brinquedos quando acaba de brincar, tirar os sapatos quando chega a casa, arrumar a louça quando acaba de comer, pôr a roupa suja no cesto e o lixo no balde, lavar os dentes duas vezes por dia, tomar banho todos os dias. O resto ele faz como entender. Se ele queria trocar a fralda em pé nós trocávamos, se ele não queria comer não comia, se ele queria ir ao colo ia, se ele queria ir ao chão ia, se ele queria ir pelo caminho A B ou C íamos (sempre respeitei os tempos dele nesse aspecto), se ele queria os calções azuis era esses que vestia. A nós ajudou-nos muito apoiá-lo ao máximo nesta conquista de autonomia. É óbvio que ainda há gritos e birras dele, e ainda bem: é sinal que ele consegue expressar a agressividade e a frustração :D

    Depois temos posturas opostas para lidar com isso: eu sou super tranquila, nunca me passo, sou altamente psiquiatra em tudo (tipo 'a mamã entende que estejas frustrado, mas temos mesmo de fazer isto pela razão x y ou z') e o meu marido manda um olhar assassino e um 'MATIAS!' e resulta na mesma :P Conforme eles vão crescendo também vão conseguindo autocontrolar-se melhor :) Hoje o Matias estava a choramingar porque não queria lavar os dentes, eu comecei a fazer-lhe festinhas no cabelo e ele disse logo 'mamã miminhos não'. Ele próprio teve a noção de que precisava de se acalmar sozinho, foi muito giro :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O teu Matias é o máximo. Cá em casa eu é que sou a autoritária e o pai é o mega paciente e que lhe explica tudo.

      Ainda bem que para vocês é normal ele comer. Para mim também o é... Mas aquilo que leio e ouço não é assim tão bonito e cor de rosa.

      Para mim, a comida é um cavalo de batalha. Não cedo, mesmo. Nunca o deixo trocar o saudável pelo apetitoso. Pelo menos enquanto for muito bebé, come apenas o indicado. Já provou bolo, adora pães de leite... Mas são excepções.

      Eliminar
  4. E se há coisa que mãe pode e deve fazer é auto elogiar-se! :D
    Espero que se mantenha assim!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. O meu era assim! boquinha santa! Comia tudo mesmo! Era um gosto vê lo comer peixe cozido!!!
    Agora, a aprtir dos 11 anos começou a ficar seletivo.....vá se lá entender!!!!
    Beijinhos!

    Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu adorava legumes agora diz que não gosta de ervilhas, tomate cozido, cogumelos, cenoura cozida, bróculos, pimentos.... E a lista continua.

      Eliminar
    2. Tomate cozido ninguém merece. Isso é mesmo comestível? eheh

      Eliminar
  6. O meu também comia de tudo de bom grado. Agora, come de tudo, mas com muito menos agrado.
    Quando a comida é ao seu gosto é uma maravilha, quando não é, é uma maravilha também, refila mas come porque o que está no prato é para comer.
    (Claro que não o obrigo a comer alimentos que não gosta mesmo, mas o resto sim porque é uma questão de não permitir que se desabitue do sabor dos alimentos naturais e diversos, que ele gosta mas que facilmente troca por uma massa com queijo, pizza, hamburguer...).

    ResponderEliminar
  7. A minha vai passando por fases em que come mais e outras em que come menos, fases em que come basicamente a massa ou arroz do prato e outras em que está mais virada para a carne e para o peixe, numa semana pode adorar ervilhas e na semana seguinte não as comer, gosta de sopa a maior parte das vezes mas às vezes já lhe apetece menos.
    Por isso não consigo vê-la como uma daquelas bebés que come tudo o que lhe aparece à frente. Mas para nós come bem. :D Por aqui o truque é realmente não trocar a refeição por algo “mais apetecível” porque se não tem fome para comida também não pode ter para goludices. E não insistimos quando não quer comer. Ah, e pomos sempre um bocadinho de tudo no prato, mesmo de coisas que sabemos que ela não gosta, porque já vimos que mais cedo ou mais tarde ela volta a provar e nalgumas vezes até passa a gostar. :) No fundo como os pais não stressam com a comida, ela também não. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O truque é mesmo esse. Nunca o permiti. Não quer comer, não come. Mas também não come mais nada.

      Eliminar
  8. O meu era como o Rafael até aos 3/4 anos, até dormia super bem nos primeiros meses. Um bebé MARAVILHOSO!
    Continua a comer bem, na escola e em restaurantes é uma maravilha, em casa... Ui! Há coisas mais interessantes para fazer, não é falta de fome, tem outras prioridades (brincar, e a cadeira tem "picos"). Deixo os pratos na mesa e passado algum tempo desaparece tudo. Mas continua a adorar bróculos, espinafres e verdes em geral.
    O mais novo (18 meses) só come se tiver fome (sempre foi assim, sai aos tios), mas come bem a dose dele. Hoje deliciou-se com couve flor cozida.
    Mas sei perfeitamente que não durará para sempre.
    S*, aproveite! Qdo comem mal é um stress.

    ResponderEliminar
  9. Sim, dá gosto... e é bom que fiques contente, mas mentaliza-te que pode mesmo mudar :P o meu filho comia de tudo tão bem e agora é muito esquisitinho! É chato, porque não posso variar muito no que ele come!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Para dormir - solução, procura-se!

É uma pessoa desesperada que vos escreve, esta manhã. Conhecem soluções naturais para dormir bem de noite? Algo que me faça ferrar o galho e só acordar no dia seguinte? Estou farta de noites mal dormidas. Estou farta de ficar até às 5 ou 6 da manhã sem conseguir dormir. Chego ao desespero, com vontade de chorar. De dia, sinto-me cansada, porque o descanso é uma porcaria. Não sou grande adepta de medicamentos mas, se tem de ser, é. Alguém conhece um remédio, uma erva, o que seja?

Womanizer - O Feedback

Pois bem, minhas amigas... O Womanizer lá chegou através da Amazon de Espanha ao fim de uns dez dias.  E tenho a dizer-vos que custou 189 euros e vale cada cêntimo. Obviamente que não vou estar aqui a entrar em detalhes, mas é um estimulador muito bonito, com um toque agradável, que vem acompanhado por um gel lubrificante que diz "Orgasm is a human right" , o que me parece um excelente princípio. Admito que, por incrível que seja, ainda demorei uns bons minutos a perceber exactamente o encaixe. Parece óbvio, mas não é, porque vibra mal toca na pele e, com o estímulo, não é assim tão simples quando poderia parecer. Ou sou eu que sou aselha. Mas também garanto, minhas amigas, que a partir do momento em que há encaixe, é uma questão de segundos. Não é exagero, são segundos. E uma coisa que se prolonga até à infinitude... Ou até já não aguentarem mais e desligarem, como acontece comigo. Sim, sou uma descarada. Sim, vale todos os euros. Sim, é garantia total. Repetidamente. Infini

:)

Um mês e dez dias depois, tive oficialmente "alta" médica. Ainda não estou aí para as curvas, mas já obtive autorização para voltar a conduzir. Também posso fazer fisioterapia sem preocupações... Já tinha feito uma sessão - na passada semana - e é impressionante o bem que apenas 45 minutos de fisioterapia me fez! Este fim-de-semana volto para o meu apartamento e para as minhas rotinas. Estou feliz por voltar ao meu mundo, mas reconheço que quase mês e meio no ninho da mãe, nesta fase do campeonato, me fez muito bem. Precisava de curar-me física e emocionalmente. Não estou boa, mas estou quase boa.  O melhor ainda está por vir. A todos os níveis.