sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Mau mau...

Eu nem sou de ligar a politiquices. Por defeito de profissão, tenho de estar minimamente a par das questões políticas nacionais e regionais, mas não é coisa que me interesse particularmente. Desde que fiz 18 anos votei em todas as eleições que existiram. Votei quando se escolheu a despenalização do aborto. Votei em tudo o que foram autárquicas, legislativas, presidenciais e europeias. Votei porque sinto que é um direito mas, acima de tudo, um dever meu, enquanto cidadã que não gosta de ficar a ver navios.

Não gosto de política e não ligo absolutamente nada a partidos políticos. No fundo, creio que todos mentem. Todos dizem o que lhes convém. Portanto, quando voto, voto numa pessoa, numa medida, numa proposta, numa maneira de estar e de pensar. Às vezes arrependo-me, outras vezes arrependo-me profundamente, outras vezes continuo satisfeita com a escolha que fiz.

Tudo isto para dizer que, apesar de não ligar a partidos políticos, hoje senti muito vergonha pelo Bloco de Esquerda.

Apesar de eu ser totalmente a favor do casamento homossexual e da adopção por pessoas do mesmo sexo, não posso concordar com esta maneira de estar na política. É pateta. É despropositada. É simplória e simplista.

Assim não vão lá... Por melhor que seja a mensagem, assim não vão lá. O cartaz não faz sentido e obviamente é ofensivo para muita gente. Não podemos forçar os outros a pensar como nós e usar a religião, Cristo, para passar esta mensagem, é banalizar a fé. A fé não é isto - por mais que eu acredite que Deus quer toda a gente feliz, gays ou heteros.

34 comentários:

  1. Tinha de te vir dar um beijo...

    (espero que estejas bem minha linda)

    ResponderEliminar
  2. A nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros.
    Eu sou totalmente a favor da felicidade, portanto tanto se me dá que uma criança seja adotada por um casal hetero ou homo. O importante é a estabilidade e o amor que vão dar a essa criança.
    Recorrer à religião de forma jocosa é simplesmente estupido. Até porque acabam por fazer aquilo contra o que lutam: preconceito.
    Até porque vemos uma igreja cada vez mais aberta.

    O Bloco perdeu o meu voto. E acho que está na altura de saírem do seu pseudo orgulho e virem fazer um pedido de desculpas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa liberdade não termina onde começa a dos outros. Por esse argumento não se poderia existir com liberdade caso contrário afectaria sempre alguém e automaticamente não existiria qualquer liberdade. A minha liberdade é externa à dos outros. Eu faço aquilo que acho que devo fazer de acordo com os meus valores. Se estiver num país onde a liberdade dos outros é ofender e matar, a minha liberdade não na liberdade deles de ofender e matar. É suposto que a minha liberdade teste à liberdade dos outros e vice-versa.

      Eliminar
  3. É ofensivo porque se ofendem... lol. Agora vamos deixar de fazer coisas porque ofende algumas pessoas???? Isso é uma estupidez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estupidez é este comentário.

      Eliminar
    2. Pode concretizar? Ou dá muito trabalho?

      Eliminar
    3. Eles estavam perfeitamente cientes de que o cartaz ofenderia algumas pessoas. A ofensa geralmente gera discussão e por vezes mudança. Não me sinto ofendida e acho de facto uma estupidez tanto ultraje com um cartaz quando estamos num inverno rigoroso, há mendigos a morrer de frio nas nossas ruas, passamos por eles, viramos a cara, já não nos ofende tanto. Não temos mendigos em cartazes, senão o caso era diferente.

      Eliminar
    4. Deixem-se de conversa de caca, porque o blog da S* não tem escrito "WC" à entrada. ahahahahahahah

      Eliminar
    5. Anónimo das 16:42, sem querer ofender ninguém, AHAHAHAH!

      Eliminar
  4. Mas muitos opôem-se devido a essas mesmas crenças religiosas...

    ResponderEliminar
  5. Concordo. Sou toda a favor disso também, mas acho que estão a misturar tudo aí. Não é o caminho certo, na minha opinião.

    ResponderEliminar
  6. Como é que os tipos do BE sabem que Jesus foi adotado? eheheheh

    ResponderEliminar
  7. Isto a mim passa-me ao lado, totalmente, mas acho que é uma bela maneira de chegar ás mentes pequenininhas dos velhotes... eu entendo.

    ResponderEliminar
  8. Será que ninguém consegue mandar a Catarina Martins e as Mortágua para a China ou para a Coreia?
    Ficavam lá tão bem!!

    ResponderEliminar
  9. Tal e qual. Concordo contigo sem tirar nem por!

    ResponderEliminar
  10. O BE só se enterra, e aquelas mulheres têm mais garra q todos os outros juntos, q raiva pá!! Voto BE mas isto incomoda-me

    ResponderEliminar
  11. O cartaz tá giro... Mas não cumpre a sua função. Põe as pessoas a falar deste. Mas não pelo motivo que devia ser o principal: a adopção de crianças por casais homossexuais.

    Fala-se mais porque alguns se sentem ofendidos... Não sei, mas desconfio bem que J. Cristo himself não se iria sentir assim. Bom, mas afinal Ele também era um bacano...

    E já agora... Afinal quem são mesmo os dois pais de Jesus a que queriam aludir? Deus e São José?... E quererão presumir também que Eles eram... gays???...

    Como dizia o outro, aquele que está de saída e a quem chamam carinhosamente de "múmia": "Safa! Safa!...".

    Fiquem bem, pessoas.
    Giuseppe

    ResponderEliminar
  12. Je suis Charlie... desde que a brincadeira seja com a religião dos outros, óbvio!

    ResponderEliminar
  13. Discordo em absoluto. A mesma liberdade de expressão que permite comentar o cartaz (e, em muitos casos, ofender o Bloco e os seus apoiantes) é a que cabe ao Bloco para fazer os cartazes que bem entender.
    Se deixamos de poder usar e "brincar" elementos que podem ofender alguém, concluímos que o "quintal sagrado" de cada um é diferente do que está ao seu lado e, no fim, não se pode brincar com coisa nenhuma.
    Temos de nos deixar de levar tão a sério nestas questõezinhas.
    Queria ver todos os ofendidos pelo cartaz a manifestarem-se contra coisas realmente graves, como as manifestações do PNR, por exemplo, que são, praticamente todas, inconstitucionais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também concordo. Além de que o que eles andam a cantar e declaram nessas manifestações são verdadeiras afrontas aos direitos e dignidade humana e até à própria constituição. Já ouvi coisas absolutamente repugnantes e abomináveis.

      Considero que o cartaz não foi bem conseguido, mas há coisas tão mas tão piores. Dizer, ainda, porque muita gente nem sabe desse pormenor, que este cartaz só surgiu mas redes sociais (e fomos "nós" que o partilhámos), não foi colocado na rua, o que poderia ser mais chocante, principalmente para uma população mais envelhecida.

      Eliminar
    2. Fica um exemplo: https://www.youtube.com/watch?v=-hkoZFTyUPg&app=desktop

      Eliminar
  14. A parte de ser ofensa é relativa. A mim também me ofende a mentalidade de muitas pessoas crentes, o proibir da Igreja do uso do preservativo sendo considerado pecado, não aceitarem a homossexualidade, etc...e tenho de (tentar) respeitar.

    Agora, que é um cartaz totalmente despropositado isso é. Obviamente ia gerar polémica e como se diz por aí...não havia necessidade! Mas a mim não chocou, mas que perderam pontos ai isso é certinho!

    ResponderEliminar
  15. BANDALHEIRA: pessoal que não se preocupa com a construção duma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher)... critica a repressão dos Direitos das mulheres... todavia, em simultâneo, para cúmulo, defende que... se deve aproveitar a 'boa produção' demográfica proveniente de determinados países [nota: 'boa produção' essa... que foi proporcionada precisamente pela repressão dos Direitos das mulheres - ex: islâmicos]... para resolver o deficit demográfico na Europa!?!?!
    .
    .
    AUTARCAS EM GRAVE DESLEIXO
    Uma riqueza que as regiões/sociedades não podem deixar de aproveitar
    .
    -» Muitas mulheres heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos... querem 'gozar' a vida; etc;
    -» Muitos homens heterossexuais não querem ter o trabalho de criar filhos... querem 'gozar' a vida; etc;
    CONCLUINDO: é uma riqueza que as sociedades/regiões não podem deixar de aproveitar - a existência de pessoas (homossexuais ou heterossexuais) com disponibilidade para criar/educar crianças.
    .
    ---» Já há mais de dez anos (comecei nos fóruns clix e sapo) que venho divulgando algo que, embora seja politicamente incorrecto, é, no entanto, óbvio:
    - Promover a Monoparentalidade - sem 'beliscar' a Parentalidade Tradicional (e vice-versa) - é EVOLUÇÃO NATURAL DAS SOCIEDADES TRADICIONALMENTE MONOGÂMICAS...
    {ver blogs http://tabusexo.blogspot.com/ e http://existeestedireito.blogspot.pt/}
    .
    .
    .
    P.S.
    Tal como eu explico no blog «http://tabusexo.blogspot.com/» - o Tabu-Sexo não se tratou de um mero preconceito... foi, isso sim, uma estratégia que algumas sociedades adoptaram no sentido de conseguirem Sobreviver... leia-se: o Tabu-Sexo tinha como objectivo proporcionar uma melhor Rentabilização dos Recursos Humanos da Sociedade... leia-se, o verdadeiro objectivo do Tabu-Sexo era proceder à integração social dos machos mais fracos!!!
    .
    P.S.2.
    Uma sociedade/região, para sobreviver, precisa de (como é óbvio ) possuir a capacidade de renovação demográfica.
    .
    P.S.3.
    Existem autoridades de sociedades/regiões (que estão sem capacidade de renovação demográfica) em desleixo:
    - não monitorizam/motivam/apoiam uma riqueza que não podem deixar de aproveitar -> a existência de pessoas (homossexuais ou heterossexuais) com disponibilidade para criar/educar crianças.

    ResponderEliminar
  16. Então mas nao éramos todos Charlie?

    ResponderEliminar
  17. Discordo. Não sou religiosa, por isso penso que consigo ver este cartaz com outros olhos que, como alguns familiares e amigos, não o conseguem fazer (com todo o direito, obviamente). Não penso que ofenderam alguém ao fazer este cartaz, afinal, disseram alguma mentira? Estudei num colégio católico durante 14 anos e sempre se disse que Jesus era filho de Deus e de José. O "Deus" (a "materialização", à falta de melhor palavra) dependerá de pessoa para pessoa, mas adiante, a ideia base está lá. Ora, se tivessem feito um cartaz a dizer "Alá também teve dois pais", a reação seria a mesma? Ou não será que, mesmo com todos os avanços que a Igreja tem feito grças ao Papa Francisco, muitos dos argumentos, para não dizer a maioria, contra o casamento homossexual ou adoção são referentes à religião? Usa-se o "na Bíblia não existem gays" (existem) ou "na Bíblia diz para ser pais e mães" (interpretações diferentes da Bíblia) ou "Deus criou o homem e a mulher", entre outros? Por isso, acho que sim, é um bom cartaz porque mete o dedo na ferida daqueles que são contra a homossexualidade porque sim, porque Deus criou o mundo e fez um homem e uma mulher, e porque a criança vai ser gozada e porque precisa de um pai e de uma mãe. Aliás, não é por isso que andamos em pleno século XXI a discutir estas coisas que nunca deveriam estar a ser discutidas? Raios para nós que achamos que temos o direito de decidir o que os homossexuais podem ou não podem fazer.

    Je suis Charlie. Não foi exatamente isso que aconteceu? Fomos todos Charlie... até alguém "brincar" com a religião católica. Aí, é só mau gosto e perdem apoiantes. Não sou do BE, mas de certo que ganharam uma apoiante. Isto, para mim, é campanha. Falar de tudo aquilo que "incomoda", fazer frente, mudar cabeças. Dos 14 anos que estudei no colégio católico (em regime de externato) vi isso na religião católica: intolerante, pequena, presa nas palavras da Bíblia. Poderão dizer-me que sim, que depende, que este Papa mudou muito. Mudou sim, concordo. Mas ainda falta muito. Para um exemplo: trabalho numa cidade do interior onde no meu trabalho sou a única ateia. Sabe que não o conseguem entender?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. se fosse o facebook levava like!!

      Eliminar
  18. No tempo de Cristo, uma mulher tinha que ser entregue virgem ao seu noivo. Se uma mulher aparecesse grávida antes do casamento era apedrejada até à morte. Se uma mulher fosse violada era à mulher que era aplicado o castigo capital e não ao violador. Maria surge grávida frente a José, e José aceitou-a e aceitou o seu filho. Eu que sou cristã, não vejo mal nem ofensa alguma no cartaz. Bem pelo contrário. Devemos amar e aceitar a todos, independentemente da sua cor, estado civil, ou orientação sexual. Qualquer criança tem o direito a ser adotada por alguém que a queira amar, educar e proteger. Jesus não escolheu José para o educar, José é que aceitou Jesus como seu filho.

    ResponderEliminar
  19. Não achei ofensivo (e até posso deixar claro que sou católica). Achei apenas completamente ao lado, sobretudo pelo timing...

    ResponderEliminar