quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Sobre a polémica do cão da senhora contagiada com o vírus do Ébola em Madrid...

Gente reunida junto ao prédio onde mora o Excalibur 

Eu não peço tratamento especial para os animais. Peço apenas para que tratem os animais com a mesma dignidade com que tratam as pessoas.

Eu não digo que o cão, se estiver doente, não deva ser abatido - por precaução. Não gosto, mas consigo aceitar. Mas digo, e continuarei a dizer, que é cruel abaterem um animal sem sequer saberem se está doente. Não o analisaram, não o estudaram. Limitaram-se a abatê-lo porque pode eventualmente estar doente. Não há garantias. Mas pode estar doente. E se pode, mata-se. Assim, simples, sem pensar nos direitos do animal. Sem pensar nos direitos dos donos do animal.

Não sou fundamentalista. Mas sou defensora dos animais. Eles não são fardos de palha que nós podemos deitar fora só porque nos apetece. 

Quando me dizem que se iria gastar dinheiro e recursos a averiguar se o animal está doente, só me dá para rir. Gasta-se dinheiro em tanta porcaria. Uma vida é uma vida. Não é lixo.

Quando me dizem que se colocaria a vida de médicos/investigadores em risco... bom, esses mesmos médicos também têm de lidar com a dona do cão, que está infectada, não têm? Também têm de analisar o marido da senhora infectada, não têm? Também vão ter de analisar 50 pessoas (acho que ouvi 50...) que lidaram com a senhora infectada, não vão? Então analisar o cão não é um risco maior do que tudo isso.

Quem não percebe que os animais não são menos que as pessoas, não perceberá este texto. É pena. Entretanto, o pobre Excalibur já foi abatido. 

Mais aqui.

Excalibur na varanda de casa, esta manhã

179 comentários:

  1. A srª n regressou a Espanha...tratou foi de um doente.
    Eu também concordo que o cão deveria ser abatido se estivesse doente...mas deviam ter feito análises como fizeram aos outros.
    Bombocaa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bombocaa, análises, acho que isso seria o mínimo.

      Eliminar
    2. S*, não estou certa que este tipo de análises (felizmente não é uma doença comum) esteja automatizada para animais, cães especificamente. Isto não é só dizer: "Faziam-se as análises!"... Se calhar nem é possível... A investigação médica (veterinária, incluída) avança ao sabor das necessidades. Como compreenderás haverá doenças mais comuns que têm que merecer mais atenção e ter prioridade nas investigações. Nenhum país civilizado toma esta decisão de matar um animal "famoso" de ânimo leve (ainda por cima sabendo que ia ter o impacto nos media que teve...).

      Eliminar
  2. A problemática maior é que não há registo que efectivamente o animal possa contaminar seres humanos. Médicos veterinários já vieram emitir pareceres sobre esta questão e a opinião é comum.
    Partirem para o abate sem antes recorrer a qualquer quarentena é desumano e representa mais uma perda enorme para aquela família já de si muito frágil e é uma clara opção pelo facilitismo por parte das entiddades competentes espanholas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é o que me revolta. É o nem quererem saber! O animal pode estar perfeitamente saudável mas será abatido...

      Eliminar
    2. Sem recorrer à quarentena???? um cão vai ficar sozinho fechado numa sala ? por favor sejam razoáveis. Um cão não pode ficar de quarentena.

      Eliminar
    3. Anónimo, tem noção de que muitos cães ficam de quarentena quando chegam a um novo país? Não percebo muito disso, nunca viajei com animais, mas é comum acontecer.

      Eliminar
    4. É comum acontecer, sim. Além disso, teria sido muito interessante, do ponto de vista científico, acompanhar este caso. A ciência encontra caminhos onde outros só encontram muros. Faltou alguém (o cientista) interessado neste estudo. Mas que vai ser difícil, vai...

      Eliminar
    5. "Faltou alguém (o cientista) interessado neste estudo." Sandra, que idade tem? É que se nunca ouviu falar em protocolos e pensa que isto tudo se resolve quando alguém coloca a mão no ar e diz que sabe a resposta, então é altura de sair da concha.

      Eliminar
    6. Trabalho em aviação e OS CÃES ficam SIM de quarentena!!! Se não sabem do que falam, CALEM-SE!

      Eliminar
  3. É lamentável ver uma noticia dessas :( beijinhos!

    ResponderEliminar
  4. tenho pena do cão... mas tenho mais medo do ébola...
    se garantirem uma quarentena digna ao cão é claramente preferível ao abate....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filipe, acho que é apenas isso que se pede... quarentena e análises.

      Eliminar
  5. "(...) iria gastar dinheiro e recursos a averiguar se o animal está doente"
    "(...) que se colocaria a vida de médicos/investigadores em risco"

    Mas isto não é válido para todas as situações que surgirem (em humanos ou em animais) ? Por essa lógica vamos mandar abater o marido, a mãe, o pai, a tia, a vizinha e todas as 50 pessoas que estiveram com ela sem sequer se saber se estão doentes. Não se podem gastar recursos nem pôr a vida de médicos em risco. O que é válido para uma situação também tem de ser para outra.
    Enfim, que tristeza. Se isso acontecesse com os meus animais de estimação nem quero pensar no que faria.

    http://miscelaneathesecond.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos a falar de provavelmente milhares de euros, se os familiares forem medicos e enfermeiros e os quiser colocar em risco de morte. Isso é problema seu.
      Se fossem meus familiares eu preferia que não corressem esse risco nem por uma cão , uma aranha. ou um piriquito

      Eliminar
    2. É claro que os médicos e enfermeiros correm riscos, mas a questão é, eles vão deixar de analisar as 50 pessoas por causa dos riscos? Claro que não. Então porque é que nem sequer se deram ao trabalho de ter certeza absoluta que o animal era contagioso? Eu sei que é a solução mais fácil, mas também é a menos humana.

      Eliminar
    3. Temos ideias diferentes

      Eu sou aquela pessoa que se tivesse a Miscelanea doente a frente fazia tudo para a salvar e abdicaria do rato. A Miscelanea é aquela pessoa que se me tivesse á frente deixava-me morrer cuspia-me em cima e salvava o rato.

      Nunca poderiamos concordar. Temos valores diferentes.

      Eliminar
    4. Anónimo das 17:10. não posso aceitar que sejam mentirosos e que coloquem palavras na boca (ou nos dedos) das pessoas. NINGUÉM disse que salvaria um cão em vez de um humano (essa discussão recuso ter, apesar de ter a minha opinião bem vincada). Apenas dissemos que se devia GARANTIR que o animal estava doente antes de o abater.

      Eliminar
    5. As palavras da Miscelanea são de que é igual correr um risco de morte (no caso dos medicos e enfermeiros)para analisar um animail e correr um risco de morte para analisar um humano.
      Eu não acho.
      Eu correria o risco de morte para salvar um humano e não pelo cão.

      Eu não coloquei palavras na boca da Miscelanea e não fui mentirosa.

      Eliminar
    6. "A Miscelanea é aquela pessoa que se me tivesse á frente deixava-me morrer cuspia-me em cima e salvava o rato."
      Pura mentira. Até porque, como estudante de medicina, salvo primeiro um humano a um animal. Mas não porque a vida de um humano tenha mais valor que a de um animal (e é aqui que eu fundamentalmente quero chegar), mas sim porque seria mais útil a praticar medicina do que a praticar medicina veterinária. E garanto-lhe que faria de tudo para salvar a vida do paciente, qualquer que fosse a circunstância.

      "As palavras da Miscelanea são de que é igual correr um risco de morte (no caso dos medicos e enfermeiros)para analisar um animail e correr um risco de morte para analisar um humano."
      O que eu disse foi que para mim o risco que um médico corre ao analisar um paciente é o mesmo que um médico veterinário corre ao analisar um cão (nunca me passou pela cabeça que um cão fosse analisado por um médico. Atenção, não por ser um trabalho indigno ou algo do género, mas sim porque um médico veterinário tem muito mais capacidade para o fazer). E tenho certeza absoluta que existem médico veterinários em Espanha que não se importariam de o fazer, tal como existem médicos voluntários que neste momento estão em África. Simplesmente, na minha opinião, a desculpa do dinheiro e do risco não é suficiente, nem de perto nem de longe. Há tanta dedicação em analisar e salvar as pessoas que estiveram em contacto com a enfermeira (o que eu concordo) e não se deram sequer ao trabalho de saber se o cão estava realmente infectado? Claro que não. É mais fácil mandar abater. É esta falta de sensibilidade que me aflige.

      Eliminar
    7. Na realidade S* prefere matar uma pessoa do que um cão. Aliás refere-o no texto: não se importa de colocar a vida de uma pessoa em risco para o salvar a ele. Porque não se vai lá voluntariar?

      Eliminar
  6. e parece q afinal a enfermeira n tem o ébola.
    http://zap.aeiou.pt/marido-da-enfermeira-com-ebola-luta-para-salvar-o-cao-excalibur-44806

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não interessa, o cão já foi abatido. :(

      Eliminar
    2. A mim interessa! Fico contente pela senhora!

      Eliminar
  7. Concordo contigo. É um crime abater o cão sem saber se está contaminado ou não. O problema é que o problema "ébola" é um problema novo, ninguém sabe muito bem como agir. Só se sabe que é extremamente mortal... a ver vamos!

    ResponderEliminar
  8. A Espanha não se preparou minimamente para o Ébola, a situação fugiu-lhe do controlo - até porque nunca o esteve - e o pobre do animal é que leva com as culpas disso! Deve ser uma coisa de outro mundo fazerem uma análise a um cão e meterem-no de quarentena, de certeza que - caso se recusassem a fazê-lo - haveria algum veterinário/clinica que se disponibiliza-se a fazê-lo.
    Vergonha, uma grande vergonha... e parece que já o abateram, segundo as noticias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso são sao uns milharezitos, mas isso não custa nada pois não ? é o dinheiro dos outros

      Eliminar
    2. Isto porque claro que existe forma de analisar os cães... as pessoas que comentam têm que idade mesmo? E que conhecimento cientificos? Da última parte nem precisam de responder porque são nulos... isso ja se percebeu

      Eliminar
  9. Até arrepia pensar a frieza com que se despreza os animais


    Sónia
    www.tarasemanias.pt

    ResponderEliminar
  10. Fiquei a saber dessa noticia agora! Isto aconteceu mesmo?? É que nem dá para acreditar! Desculpas atrás de desculpas para abatarem um animal sem terem a certeza que está doente? É uma vida como qualquer outra e o que é a exposição de um médico perante um cão doente, comparada com a exposição de um médico a 50 pessoas doentes??? Esta sociedade está cada vez pior...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não me queria expor á morte para analisar qualquer animal, seja ele um rato, uma lebre uma aranha, um camelo ou um cão.
      No entanto se fosse medica arriscaria a minha vida para salvar um humano.
      Assim como sou a favor de se gastarem milhares ou bilioes de euros para tratar os actuais doentes de Ebola, e não daria esse dinheiro (que é limitado) para tratar de um pombo. Por mais esperto e amoroso que o pombo fosse.

      Eliminar
    2. Desculpe, mas o mesmo médico/investigador que TEM de analisar as pessoas possivelmente contaminadas, "apenas" teria de sofrer o mesmo risco para examinar o animal!

      Eliminar
    3. S* existem os médicos de pessoas, são os médicos, e existem os médicos de animais, são os veterinários. São coisas diferentes...

      Eliminar
    4. Concordo com os anónimos, e este assunto deixa-me com uma data de questões,até porque ao mesmo tempo que concordo com que ele ficasse vivo, entendo que as autoridades tenham tomado a medida por não saberem como actuar.
      Mas, por exemplo: suponhamos que o cão fica vivo e era usado a bem da ciência para sabermos mais sobre o ébola, e como se propaga. Basicamente seria uma cobaia. Seria aceitável?

      Eliminar
    5. O principio tem e deverá ser sempre o mesmo - estudar, analisar, tentar tudo para salvar uma VIDA. Independentemente da VIDA ser humana ou animal !! Analises, seria o mínimo! Em custos e em recursos. Facilitismo -não encontro outro nome.

      Eliminar
    6. A mim preocupa-me muito mais o facto de termos esta doença na Europa e à porta de casa. Preocupa-me o avião de emergência com uma médica norueguesa infectada com o ébola que pediu para fazer uma escala técnica no Funchal e não pode, por o aeroporto não estar preparado para essa situação, por não existir protocolo de segurança, e isso assusta-me e preocupa-me muito. Preocupam-me os doentes, os que estão em contacto com os doentes, as falhas de segurança e de saúde pública.

      Eliminar
    7. S isso é a sua opiniao.
      Eu acho que um medico não tem que arriscar a sua vida e arriscar contaminar a sua familia em casa para analisar um cão ou um peixe espada, uma sardinha ou qualquer outro animal.

      Eliminar
    8. Anónimo, lá está, para mim os animais não são coisas.

      Eliminar
    9. E onde é que o anónimo disse que para ti os animais são coisas para tu lhe dares essa resposta? E alguma vez alguém acha que os animais são coisas para dares essa resposta?

      Eliminar
    10. Eu não disse que eram coisas, eu disse que eram animais e como tal os medicos não devem arriscar a sua vida e a dos seus entes queridos .
      Eu não arriscaria a minha vida para salvar um peixe ou um cão mas arriscaria para a salvar a si.

      Eliminar
    11. Isto de falar nos médicos e dizer que TÊM de analisar pessoas é maravilhoso. Aguarrás no cu dos outros é refresco. Gostava de ver estás gargantas todas se vos calhasse a vocês correr o risco. Gostava mesmo de vos ver decidir entre correr o risco de morte e de nunca mais verem os vossos entes queridos para analisar um cão. 50 amostras humanas são uma coisa, uma amostra suplementar humana, merece o risco. Uma amostra a mais de um cão quando nem meios existem não é um risco razoável. É fanatismo. Parece que se esquecem que os médicos e enfermeiros têm, por exemplo, filhos. E não são os cães salvos que os podem criar. Têm maridos, amigos, família, acho que já perceberam. Ou agora vai dizer que a morte do cão causa o mesmo sofrimento do que a morte de um filho, pai, nae, irmão, neto, etc? Não há paciência.

      Eliminar
  11. Ainda não tinha tido conhecimento disto, é mesmo vergonhoso!

    ResponderEliminar
  12. Primeiro defendes que se devem tratar os animais com a mesma dignidade com que se tratam as pessoas e depois dizes que se o cão estiver doente deve-se abater. Eu juro que não estou a perceber que raio de lógica é essa! Ou também és da opinião de que todos os doentes (humanos) infectados deveriam ser abatidos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Eu não digo que o cão, se estiver doente, não deva ser abatido - por precaução. Não gosto, mas consigo aceitar."

      Um cão não pode viver a vida inteira fechado num apartamento, sem ir à rua. Por isso tentaria entender, para não contaminar outros animais e pessoas.

      Eliminar
  13. Os homens é que precisam de tratamento...

    ResponderEliminar
  14. Bullshit para os testes... que tirem um carro a menos a um gajo da assembleia que já lhe sobra muito dinheiro para comprarem kits de PCR para fazerem um diagonostico como deve ser, ao cão e a muita gente que poderá estar suspeita de... Por acaso não sei se os cães podem transmitir a doença, mas mesmo sendo um vector ou possivel vector e nem se sabendo se os cães/gatos podem ser portadores, deveriam fazer testes para assim averiguarem, se tal é possivel e saberem mais da doença. Falta de curiosidade e de planeamento, e de competência na minha opinião...

    ResponderEliminar
  15. Deviam-se ter lembrado disso antes de trazer o virus para a Espanha! Antes disso, o ébola NÃO existia na Europa. Quem decidiu trazer o senhor devia ter pensado melhor nisso, não vêm filmes? o virus escapa sempre... Agora a sério, tudo bem que era espanhol e estava a ajudar os mais necessitados, etc... mas se tivessem mandado ajuda, servia para ele e para outros. Não passou de uma decisão politica e teve consequências, e agora quem paga é o cão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah espera! O missionário é que não devia ter regressado à sua pátria! Era fazer-lhe o mesmo que aos leprosos na Idade Média: largá-lo fora de portas, moribundo e deixá-lo morrer lá longe onde não incomodasse!
      Mas caso se desconfie que um cãozinho possa ser infectado/infeccioso: disponibilizem laboratórios e equipas médicas! Já agora deixem de procurar a cura para os seres humanos e procurem só para os animais que, coitadinhos, merecem tudo!
      Caramba, quando vocês querem são mesmo ridículos.

      Eliminar
  16. Ai por favor parem de falar na quarentena. Pôr um cão de quarentena é mais cruel que o abaterem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quer dizer !!!!! há este momento centenas de pessoas em quarentena em Africa para conter a doença e voce vem dizer que não deve exitir quarentena porque é melhor propagarem-se as doenças?

      Mas está tudo louco?

      Eliminar
    2. O anónimo está a falar em cães. Ou essas pessoas são seres irracionais, sem capacidade para compreender e digerir as necessidades?

      Eliminar
    3. Quarentena para o cão. Uma pessoa consegue lidar relativamente bem com a quarentena porque percebe. Um cão nao !!!!!

      Eliminar
    4. Acho que voces não sabem o significado da palavra quarentena, se não, saberiam que todas as especies (se estiverem a ser tratadas) podem e devem ficar de quarentena para não prejudicar os outros elementos.

      Eliminar
  17. O pobre Excalibur já foi abatido. Nojo.

    ResponderEliminar
  18. Olha, medida radical por medida radical, se tivessem abatido o missionário em vez de o trazerem para a Espanha, nada disto tinha acontecido. eheheheheheheh

    ResponderEliminar
  19. S* o meu maior medo quando oiço/leio gente a dizer/escrever/tratar animais como nossos inferiores (eles são diferentes, não inferiores) é que se esteja a repetir aquilo que um dia foi dito dos escravos… "eles são inferiores, não sentem dor, não têm o conceito de familia por isso podemos vender-lhes os filhos...", etc, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Sexo e a Idade, gosto de si. Obrigada. Obrigada a todas as pessoas que compreendem, que sentem, que respeitam o animal. Obrigada por querem habitar, construir o mesmo mundo que eu.
      Não sei quem convenceu o Homem de que podemos e devemos dominar tudo e todos. Hoje foi um dia revelador...
      Imaginar um cão meigo, amado, submisso, confiante nos Homens a passar pelo que passou hoje, arranca-me o coração. Infelizmente, muita gente acha que compaixão e empatia por animais é inferiorizar o Homem. Não é. É o contrário, é elevá-lo. Quando melhor tratarmos os animais, melhor trataremos os humanos.

      Eliminar
    2. Eu juro que não ia comentar. A sério que não ia. Mas mal está o mundo quando me dizem que a vida de um cão vale tanto quanto a vida de um homem, que não faz mal expor humanos aos riscos do ébola porque quem analisa 50 amostras, analisa mais uma, sendo que cada análise é um risco e que essa uma é de um animal.
      Lamento informar que os escravos eram seres humanos e que os cães são cães, que lhes tiram os filhos sem qualquer problema e que sim, eles andam dois dias a farejar até se esquecerem da ninhada que entretanto arranjou outro lar. Na natureza, os animais afastam os filhos a partir de uma certa idade. Os homens não, mantêm ligações à família alargada durante toda a vida.
      Sinceramente, Sexinho, como é que é possível comparar a escravidão humana ao sacrifício de um animal, que pode ser um perigo para a saúde pública? Como?

      Eliminar
    3. Eu cada vez fico mais parva com o que leio acerca deste assunto. Infelizmente estou longe, muito longe de me poder enervar, maneiras que fico só pasma, de boca aberta até, com o que vou lendo...

      Eliminar
    4. Picante, dou-lhe toda a razão. Comparar escravos (homens, portanto) a cães? Juro que me arrepiei.

      Eliminar
    5. Eu gostava de saber o que acontecia se numa situação hipotetica o seu rico filho fica-se em risco de ser contaminado com uma doença mortal por causa de um caõ , um passaro ou uma girafa.
      Voce era capaz de matar o animal á dentada só de saber essa hipotese, pontanto pare de dizer disparates !!! Tenha Juizo e não seja demagoga, já não tem idade para isso.

      Eliminar
    6. Só uma coisa: os que criticam os amantes de animais por serem "fundamentalistas", deviam ser menos fundamentalistas naquilo que escrevem. É uma faca de dois legumes, como diria o outro.

      Eliminar
    7. O que a sexo e a idade disse foi muito grave e fundamentalista, até é de espantar que hajam tão poucas reaçoes.

      Eliminar
    8. S, eu vou repetir o que já lhe disse, eu gosto de si, a sério que gosto, acho mesmo que tem bom fundo.
      Agora, faça-me um favor e não me acuse de fundamentalismo por ter reagido a um discurso que me causou náuseas. Comparar a escravidão himana, que para mal de nós ainda existe, apesar de ilegal, a uma hipotética relação entre o homem e QUALQUER animal é doentio.
      E olhe que toda a minha vida tive animais, olhe que sempre foram muito bem tratados, sempre foram felizes e viveram em excelentes condições, muito melhor que muitos seres humanos. Independentemente de os considerar parte da casa, não hesitaria em sacrificá-los se a vida de qualquer homem estivesse em causa. Porque os amimais não são iguais a nós. Escravidão? A sério... Não me gozem, isto é ofensivo para os milhares de escravos que infelizmente ainda existem, mundo fora.

      Eliminar
    9. Picante, não acho que seja fundamentalista, nada disso. Apenas acho que deveria tentar compreender que, para algumas pessoas, os animais não são inferiores dos humanos. No fundo, somos todos animais, uns racionais e outros nem por isso. Se conseguir aceitar isso, vai ver que é mais fácil perceber toda esta indignação "só" por causa de um cão.

      Eliminar
    10. Olhe, S. Dê um salto ao blog da Luna e veja o que ela escreveu sobre isto. Ela chama-lhe post para dummies, mais claro é impossível.
      Em lado nenhum se diz que os amimais não devem ser tratados com respeito e nas melhores condições possíveis. Claro que devem. Mas entre o homem é o cão a escolha é simples. E tanto que é, que a S não acha mal haver medicamentos e vacinas. Coisas essas que seriam impossíveis haver sem se fazerem testes em animais, à custa de um enorme sofrimento. Se isso né incomoda? Claro que sim. Se preferia poupá-los e que não houvesse medicamentos? Claro que não!
      E eu compreendo que haja gente que pense diferente. Só não concordo. Se achasse que os animais são iguais a nós, não usaria cremes ou medicamentos. E eu usu-os, sem problemas.
      (Estou a dar exemplos radicais, só para me fazer entender)

      Eliminar
    11. s*, peço-lhe apenas que reflicta numa coisa, por favor. Há alguns posts atrás a S* dizia "Sabem muito bem que há diferença entre animais ditos domésticos e outros animais. Da mesma forma que consegue não dar a mesma importância a todos os animais, há quem não dê a mesma importância aos animais que dá às pessoas. Esta segunda vertente, a mim, parece-me mais coerente. Pode nem publicar o meu comentário, mas pense nisto e vai ver que há lugar para todos e a troca de ideias é fundamental para evoluirmos. Mais nobre do que defendermos os nossos ideais, é saber que não é uma fraqueza admitir que talvez estejamos a exagerar. É sempre superior àquele que sabe quando mudar de opinião ou limar a sua, aceitando a diversidade que vem dos outros. Senão seríamos todos demasiado estanques e formatados para poder evoluir.

      Eliminar
    12. Picante, em certos assuntos, discutir com a Luna não vale a pena. Gosto dela, mas neste caso, concordo em discordar com ela. E por falar em cremes, eu recuso usar marcas que sei que fazem testes em animais. Algumas certamente escapam-me, mas a minha favorita, The Body Shop, é famosa porque não o fazer.

      Consigo compreender testes em animais e pessoas (que também são testadas, mas noutros moldes) para um bem maior. Isso compreendo. Para vaidades, mais uma vez, não.

      Eliminar
    13. Uso-os, claro. Peço desculpa mas estou a escrever do tm.
      S, se aceita testes em animais para um bem maior, então também aceita o seu sacrifício. E, aceitando isso tudo, está a admitir que os amimais estão num patamar inferior (a menos que também aceitasse os mesmos testes em humanos)
      Ninguém está a falar em vaidades, a não ser a S, para provar o seu ponto.

      Eliminar
    14. S* todos, todos os produtos cosméticos partiram do princípio da experimentação animal. TODOS. Mesmo as marcas que não testam, usam ingredientes e princípios activos que alguma vez foram testados em animais. Nem que tenha sido no tempo do arroz de quinze, foi testado em animais e para quem se manifesta tão contra, de uma forma tão pouco informada, fica esta informação. É incontornável. Ponto. E se lhe escapam algumas marcas é porque o assunto não é assim tão importante para si, ou informava-se melhor. Já publicou fotos de alguns produtos que usa e não eram todos da body shop.

      Eliminar
    15. S* para acabar de vez com isto, só tens de ver o seguinte: gostas de animais, assumes publicamente (via blog) muitas causas relacionadas com a defesa dos animais (nomeadamente cães abandonados, maltratados, o caso do Zico, as touradas), fazes a tua parte na defesa deles, adoptando vários gatos e um cão e dando-lhes as melhores condições de vida possíveis. No entanto, não abdicas de uma série de outros produtos que são também resultado de atentados à vida/dignidade dos animais nomeadamente porque 1) comes carne, 2) usas pele, 3) usas cosméticos e medicamentos. Tudo ok, ninguém tem nada que se meter na vida dos outros, és livre e isto são opções pessoais, dentro do que é razoável fazes o que podes e se te sentes bem com a tua contribuição para o bem estar dos animais é o mais importante.

      O que não podes (ou não deves, senão perdes a razão toda) fazer é agarrar-te a chavões como "peço apenas que tratem os animais com a mesma dignidade com que se tratam as pessoas" porque dás azo a que as pessoas questionem uma série de outras coisas como aconteceu neste post. Porque é uma contradição: como é que podes querer que se tratem os animais com a mesma dignidade que se tratam as pessoas e comer animais? Comes pessoas? Se o anónimo diz (não fui ler) que tu achas que existem os animais de companhia e os outros, então é só isso que tens de assumir e dizer: o cão do espanhol era um elemento da família, logo o que pedes é que tratem o cão da enfermeira com a mesma dignidade com que se trata a enfermeira, fazendo testes antes de o matar. Dizer que na defesa dos animais há coisas que estás disposta a fazer mas outras não, porque interferem com o teu bem estar e hábitos, ou porque são coisas demasiado extremas q para ti não fazem sentido (e.g deixar de comer carne e peixe, por exemplo)! Há gente que não adopta animais porque por exemplo não está para os ir passear ao frio e à chuva, se calhar dão dinheiro ou comida p associações de defesa ou contribuem de outra forma, ou não! Condene-se quem maltrata os bichos, mas andar a medir quem ama mais do que os outros é ridículo. É possível simplesmente defender o teu ponto de vista, sem ter de ir por "o que vale mais, o homem ou o cão", mas para isso é preciso fazeres o que pediste à Mais Picante: aceitar que na defesa dos animais há outros caminhos diferentes do teu, que manifestar mais preocupação com a vida da enfermeira do que com a do cão não é sinal de um atraso ou de se ser um ser humano desprezível ou "escória humana", aceitar que tu não és a maior defensora do mundo e arredores, tu própria podias fazer outras coisas que não fazes. E este comentário é dirigido a ti e se calhar é exagerado porque tu não foste desagradável como vi muito anónimo a ser neste post, por isso desculpa se há um ou outro pormenor injusto para ti, mas olha, o recado está dado.

      Eliminar
    16. Anónimo das 16:39, só tenho de agradecer o comentário educado e bem estruturado.

      Tem razão, há pessoas muito mais defensoras dos animais que eu. Há pessoas que abraçam a causa, que a agarram com unhas e dentes. Existem pessoas absolutamente abnegadas e que rejeitam qualquer sofrimento animal. Sei bem que poderia fazer mais do que faço por eles, mas penso que faço uma boa parte, que tento ser boa pessoa para com os bichos. Poderia ser mais, é certo.

      No entanto, cá para mim, há um argumento seu que não faz qualquer sentido. É evidente que como carne animal e é evidente que isso não faz qualquer confusão na minha cabeça. Comer humanos era absolutamente impensável. Nenhum animal come animais da mesma espécie - ou quase nenhum, não posso falar de "todos". Para mim, comer vaca ou porco é parte da minha cadeia alimentar. Tão natural como um gato comer um rato ou um leão comer uma gazela. Não é errado, não me choca. É a lei da vida. Já comer cão ou gato, para mim, é cruel. E é cruel apenas por uma perspectiva - porque esses animais fazem parte da minha vida, do meu lar. São os animais domésticos, na nossa sociedade. Animais que a nossa sociedade vê como parte da família. E a família não se come. Por isso me choca imensamente saber que na China, e noutros país, comem cão. É uma frieza imensa... porque na China os cães também são animais domésticos. Quem é que consegue comer um animal com o qual partilha a vida? Que horror. Que frieza.

      Tem razão sobre os medicamentos. Se pensar nisso, custa-me horrores saber que os animais sofrem atrocidades para o nosso bem-estar. Por isso, de uma forma hipócrita, até evito pensar no assunto. Os animais não merecem. Mas o Homem usa os animais para garantir o seu bem-estar. Não concordo, de base, com tal coisa. Mas tento entender. Pelo bem da humanidade. E reconheço a hipocrisia. Mais nenhum animal usa outros animais para "salvar a sua pele".

      Eliminar
    17. News flash: todos os animais usam outros animais para "salvar a sua pele"! Alimentam-se deles e, mesmo os que são vegetarianos, comem outros seres vivos e ingerem microorganismos. Ou para si, animais são só aqueles a que podemos fazer festinhas?

      Eliminar
    18. Anónimo das 21:17, confesse. Você não leu o meu comentário, pois não? !?

      Eliminar
    19. Li mas talvez a própria S* não o tenha lido.

      Eliminar
  20. S*, mais revoltante ainda é ir dar com notícias de há um dia, onde já se dizia que a enfermeira podia não ter ébola, mas sim malária. Testes negativos desde que teve o sintoma de diarreia. Até quando as mulheres têm o período podem ter diarreia. Pode ser uma infinidade de coisas. Claro que é importante fazer a prevenção. Mas a prevenção não passava por matar o cão. Em especial quando só o histerismo apontava para o vírus da ébola.

    Notícia de ontem, 7 de Outubro: http://zacamen.info/ebola-ultimos-testes-da-enfermeira-espanhola-deram-negativo/#_

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abateram o animal em meia dúzia de horas... querem mostrar trabalho que acabam por fazer porcaria.

      Eliminar
  21. ainda isto poderá ser a pontinha de um iceberg bem escondido. o que estarão as autoridades a fazer? afinal há ou não contágio entre humanos e cães? não se percebe.

    ResponderEliminar
  22. Os animais têm espírito como as pessoas, basta olhar no fundo dos seus olhos para se ver isso.
    Só as pessoas que são «meras postas de carne» é que não se apercebem desta verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que são pessoas "meras postas de carne"? lolll

      Eliminar
    2. Concordo tanto anónimo. Têm emoções, sentimentos, sofrem e têm alegrias. E merecem o melhor de nós.

      Eliminar
    3. O que é que o cu tem a ver com as calças ?
      As vacas tem espirito, sentimentos e emoçoes e eu como-as na mesma.
      O facto de eu saber isso não me torna vegetariana por opção.

      Ou acha que descobrio a polvora ? todos os seres do planeta têm espirito.

      Eliminar
    4. Descobri: pum, pum, pum, já eras! Bye, bye, Maria Ivone.

      Eliminar
    5. Pessoas «meras postas de carne», são aquelas cujos bifes da rabadilha podiam estar expostos no talho que não se notaria qualquer diferença.

      Eliminar
  23. Pois vi a noticia no tele jornal. Não gostei.... Ahhh era só um cão não se pode estar a gastar dinheiro assim á toa. Não não era SÒ um cão e não seria dinheiro gasto á toa....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pinta, para quem ama animais, um cão não é só um cão.

      Eliminar
    2. O tratamento para a Ebola custa meio milhao por unidade (deu ontem nas noticis por causa do individuo americano)

      Os tratamentos e as analises não vao dar para todos, abdique voce de futuros tratamentos de saude para si e para a sua familia (qq que seja a doença) e dê o dinheiro aos animais.
      é dinheiro bem gasto, não é?

      Eliminar
    3. "Os tratamentos e as analises não vao dar para todos, abdique voce de futuros tratamentos de saude para si e para a sua familia (qq que seja a doença) e dê o dinheiro aos animais.
      é dinheiro bem gasto, não é?"

      NA MOUCHE

      Eliminar
  24. Coitadinho do bichinho! Só porque os donos estão infectados, o cão tem de ser logo abatido sem saber ao certo se ele também está infectado! Uma coisa: De todas as pessoas que morreram com a ébola, pelo menos uma parte delas têm animais (penso eu!) e que eu saiba nenhum foi abatido!

    Resposta ao comentário: Falar de mim como? O quê ao certo? Aceito sugestões :)

    beijinhoss

    ResponderEliminar
  25. Pois se eu morasse na porta do lado não estaria sossegada com o cão ali sem saber se estava infectado ou não. Portanto, a meu ver o cão devia ser objecto de estudo para a ciência. Como não estão preparados para isso, jamais colocar em risco a saúde pública. É compreensível. Muito cauteloso, até. Seja cão, gato, rato, pato,...

    ResponderEliminar
  26. Exato! Para os mais insensiveis, pense-se então nos direitos dos donos, que viram o seu apartamento invadido, a sua privacidade nas tv's para matarem o seu filhote!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é filho deles. O cao tem mae e pai, pode não viver com eles , mas tem pais.
      A dona está as portas da morte e o dono preocupa-se mil vezes mais com o cao do que com a morte da mulher, ou a propagação da doença , isso diz muito sobre ele, e não sao coisas boas.

      Eliminar
    2. Está cientificamente comprovado que os cães vêm os donos como pais e os donos tratam os animais como filhos. Os verdadeiros amigos dos animais pensam e agem assim.

      Eliminar
    3. verdadeiros fanáticos. Isto existe?!

      Eliminar
    4. Sou uma verdadeira fanática pelos animais, mais facilmente defendo os animais que certos abortos da natureza, perdão pessoas.

      Eliminar
    5. Caro Anónimo das 22:17:
      http://horas-perdidas.blogspot.pt/2014/10/repost-o-conceito-pessoa-mais-asquerosa.html
      Leia e tente aprender alguma coisa. Se tal não acontecer, então é um "aborto da natureza" (sic) e, ainda assim, respeitá-la-ei mais que a qualquer cão.

      Eliminar
  27. S*, adorei o post :) e o que me ri dos comentários, achei uma delícia.

    ResponderEliminar
  28. Vejamos: eu gosto mto de animais, sempre os tive e sempre fui educado a tratá-los como "parte da familia". Todavia parece-me que por vezes se perde um pouco a perspectiva, como sempre quando se opina de forma que raia o fundamentalismo...

    Acham que é assim tão simples colocar um cão de quarentena, neste caso especifico? Como fariam para gerir as fezes e urina (um dos principais vectores de contagio) durante os 21 dias de incubação? A que risco?

    Por outro lado, fazer análises... Descartando a questão do custo, e uma vez que toda a gente é tão entendida em animais, parece-vos fácil recolher uma amostra a um animal que seguramente até estará nervoso e poderá como tal comportar-se de forma imprevisivel? Qual o risco associado? Vão anestesiá-lo consecutivamente? E imaginemos que está efectivamente doente, como tratá-lo sem um risco enorme para quem o trata?

    Reitero, adoro animais, mas emitir opiniões desta forma tão assertiva e indignada parece-me um pouco extemporaneo e demagogo.

    cumpts

    NA

    ResponderEliminar
  29. Vi esta noticia e revoltou me o facto de nem sequer averiguarem mesmo se o animal estaria ou não doente. Fiquei com o coração apertado ao saber que infelizmente o Escalibur já foi abatido sem sequer se ter conseguido defender. Animais sem coração que lhe fizeram isso. É inconcebível...

    ResponderEliminar
  30. És fundamentalista ou não dirias "peço apenas para que tratem os animais com a mesma dignidade com que tratam as pessoas". Irra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Além disso é incoerente. Se quer que se tratem os animais com a mesma dignidade que se tratam as pessoas e depois come carne? Que nem sequer se rala de saber de onde vem? Oh pá...é tão bonito ser defensor dos animais e tal...mas uns são mais merecedores de defesa que outros.

      Eliminar
    2. Isso não faz qualquer sentido. Matar animais para comer faz parte da cadeia alimentar. Todos os animais o fazem. Matar animais por gozo, prazer, desporto ou diversão é que é digno de crítica.

      Eliminar
    3. Mas isso toda a gente concorda! A grande maioria das pessoas é, e bem a meu ver, contra as touradas, contra a caça recreativa e desportiva, contra os maus tratos gratuitos aos animais! Eu até vou mais longe e não gosto de ir ao circo por exemplo, porque acho um espectaculo degradante para os animais. Mas aqui ninguém matou ou sugeriu matar o cão por gozo ou prazer, desporto ou diversão! É assim tão difícil de entender?

      Eliminar
    4. Anónimo, mas está a fazer-se de desentendido? O comentário era para a frase "Se quer que se tratem os animais com a mesma dignidade que se tratam as pessoas e depois come carne?".

      Eliminar
    5. Se é essa a tua bitola de valores e vives bem com ela tudo ok, nem bato mais no ceguinho. Eu nem sou vegetariana, só acho que defender uns com unhas e dentes e enfiar o dente noutros sem hesitar é parvo.

      Eliminar
    6. Desculpa S*, mas tu é que te fazes sempre de desentendida...

      Eliminar
    7. Se "Matar animais por gozo, prazer, desporto ou diversão é que é digno de crítica" para que é que criticas se a morte se dá fora de qualquer destas situações? (mais um tiro ao lado).

      Eliminar
    8. Anónimo das 18:48, você é burro que nem uma porta. E precisa de óculos. :D

      Eliminar
    9. Os fundamentalistas defensores da vida humana acima de tudo, então porque é que não levam uns quantos psicopatas, assassinos e sem abrigo para casa para serem reabilitados?

      Eliminar
    10. Anónimo 22:12 oferecia me para o trazer a si para casa e reabilita-lo mas já vi que é un caso perdido...

      Eliminar
    11. Agradeço, mas a minha mãezinha disse-me para eu não ir na companhia de estranhos e além disso a sua casa em Rilhafoles não me calha em caminho. Sorry, mas olhe tente levar para casa um da milícia hútu, com sorte ele fá-lo-á em picadinho!

      Eliminar
    12. Realmente com animais não dá para conversar.

      Eliminar
    13. So true, realmente com animais racionais pouco evoluídos não dá para trocar comentários.

      Eliminar
  31. Abater por abater não faz sentido. Faria sentido avaliar primeiro o estado do animal e depois tomar decisões. Parece-me que no descontrolo a que as autoridades espanholas chegaram, aquela tomada de decisão foi efetuada apenas na base de que o virus morreria por ali...coitado do animal e pobres de nós que nos sujeitamos a decisões imponderadas!
    Sabes S* o ser humano muitas vezes decide(mal)e executa...e se num abrir e fechar de olhos alguém desse sentido e executasse o que vai na cabeça do Todd Kincannon ( http://expresso.sapo.pt/antigo-diretor-do-partido-republicano-as-pessoas-com-ebola-deviam-ser-executadas=f892524 ) ?????

    ResponderEliminar
  32. Eu adoro animais e tenho muita pena do cão e dos donos. Agora quando oiço uma noticia que diz qualquer coisa como: "Não está provado que os animais, mesmo sendo portadores de Ébola, apresentem os sintomas", deixam-me seriamente preocupada. Imaginem que a dona tem mesmo Ébola, imaginem que o cão também apanhou, mas não apresenta qualquer sintoma.... É um grande risco, neste caso, infelizmente, acho que a melhor opção tenha sido mesmo a de abater o animal...
    Cláudia F.

    ResponderEliminar
  33. Não tenho por norma comentar qualquer tipo de blogues, sobretudo quando as questões são tão polémicas quanto esta. Adoro animais, e não me considero fundamentalista, desde miúda que estou habituada a ter cães e sempre os respeitei enquanto seres e para mim são parte da minha família, e como qualquer membro da mesma defendidos com "unhas e dentes". Nesta situação penso que não houve bom senso, abater um animal a sangue frio que é membro de uma família sem terem certezas de nada é o mesmo que enviar um inocente para a cadeira da morte sem provas que é culpado de um crime. Como li aqui num comentário acima "Pois se eu morasse na porta do lado não estaria sossegada com o cão ali sem saber se estava infectado ou não.", pergunto e se soubesse que os seus vizinhos tinham Ebola já conseguia estar descansada, e como é que consegue viver e sair a rua nos dias de hoje sabendo que o vírus da Ebola mais mortal de sempre anda por aí a espreita. O que aconteceu para mim é devastador, e sim acho que deviam despistar o animal, tentar perceber se o mesmo tem o vírus, mais que não seja para situações como esta não voltarem a acontecer, alias o melhor especialista desta doença confirmou que devia ter sido feito um estudo ( ver Telejornal da Sic ontem). E sim iam gastar dinheiro, mas há tanto dinheiro gasto em estudos tão estúpidos, estudos parvos que só servem para alguém ganhar dinheiro a custa deles. Para mim este desfecho é simplesmente triste e desumano.

    ResponderEliminar
  34. Sabes uma coisa? Quando li que o cão seria abatido, tentei ao máximo não pensar muito sobre isso e sobre essa notícia, pq sinceramente ia-me deixar completamente chateada e frustrada por não conseguir fazer nada para mudar isso. E se os direitos dos animais não conseguiram eu e o resto das pessoas que andaram na manifestação conseguirão. Juro-te que fiquei realmente triste e nem queria acreditar quando deram autorização para que ele fosse abatido, tinha esperança que alguém evitasse. :(

    ResponderEliminar
  35. Eu adoro animais e entendo o que dizes... no entanto, acho que por vezes as pessoas se mobilizam mais por um animal do que por uma criança ou um idoso maltratado, e isso sim, deixa-me doente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! Isso também me faz uma confusão desgraçada!

      Eliminar
    2. É verdade.
      Eu acho que tem a ver com o facto de muitas dessas pessoas são fanaticas e usam o amor pelos animais como meio de estravaçar uma patologia. As piores pessoas que eu já conheci na vida, auto intinulavam-se de amantes de animais. Os fanaticos de qualquer idiologia mobilizam-se muito, os não fanaticos são mais passivos.

      Eliminar
    3. E a patologia, especialmente de quem é fanático por cães, é o grande valor que essas pessoas dão à fidelidade, à obediência cega ao dono, estando um cão sempre à mão de semear para tudo, para o bem e para o mal, coisas que não encontram em absoluto nos humanos. Por isto tudo, os cães nunca poderão estar associados a pessoas boas, aliás, como o anónimo referiu atrás, as piores pessoas que eu já conheci na vida eram donos de cães.

      Eliminar
    4. Anónimo das 17:47, ahahahahahahahahah!

      Eliminar
    5. Anónimo das 17:47, a estupidez afinal tem hora marcada, é às 17h47m. Ó coisinho, vai dar banho ao gato!

      Eliminar
    6. Anónimo9 de Outubro de 2014 às 17:47

      Pode acreditar ou não no que eu disse, pode gozar como esta a fazer, mas é verdade.
      As piores pessoas que conheci até agora por acaso eram todas "amantes de animais" extremas.

      Isso não inclui as pessoas boas, saudaveis e honestas que por acaso podem ter ou não animais.


      E desconfio que por achar que não existem humanos que amam o outro, que estejam presentes nos bons e maus momentos e que sejam fieis, leva-me a crer que se calhar é uma dessas pessoas. Normalmente não se reconhece no outro aquilo que não se têm.

      Eliminar
    7. Comecem por vocês próprios, vão aos hospitais buscar os velhinhos abandonados e adoptem-nos.
      Hipócritas.

      Eliminar
    8. O que as pessoas muitas vezes se esquecem é da quantidade de instituições que existem para ajudar os velhinhos e as crianças e que estas já se encontram protegidas pela lei e que ninguém os vai abater por uma suspeita de Ébola. Já os animais tem que ter alguém que fale por eles. Em relação ao facto de "As piores pessoas que conheci até agora por acaso eram todas "amantes de animais" extremas", acho que isso é como tudo na vida, existem em todas as categorias pessoas boas e pessoas más.

      Eliminar
    9. Respostas como as que são dadas ao anónimo das 17:47, que incluem "coisinho", "estupidez", "vai dar banho ao gato", etc., mostram bem o calibre dos fanáticos por cães. E anónimo das 22:04, parece-me que entendeu mal o meu comentário, eu não gozei consigo, pelo contrário, eu concordei, simplesmente emiti a minha opinião sobre o que eu acho ser a "patologia" que você referiu. Mas, na minha opinião, não se pode comparar a fidelidade de um ser humano com a de um cão (eu não estou a referir-me aos outros animais). Um cão, pode-se bater muito nele e continua fiel, pode-se prender a uma corrente e ele continua fiel, pode-se deixá-lo sozinho em casa durante dias e ele continua fiel, pode-se privá-lo de comida durante dias e ele continua fiel, etc. Um ser humano já não é bem assim!

      Eliminar
    10. Hitler adorava cães. Tratava-os mesmo bem.

      Eliminar
    11. E ratos de esgoto como alguns que vêm aqui comentar a defender escória humana acima de tudo?

      Eliminar
    12. O anónimo faz parte dessa escória humana, certo? Ou é um cãozinho sobredotado, ou um chimpanzé que aprendeu a usar a internet para dizer disparates...? ai ai ai

      Eliminar
    13. Wrong, não faço parte desse clube e ainda bem, assim não lhe tiro o lugar de sócio. É que o clube «Escória Humana» já está lotado. Não sei é como aceitaram lá um macacóide como você:? Ai, ai, ai ,ai, a seleção natural das espécies, uns evoluem, outros não!

      Eliminar
  36. Comes carne, não comes? E não te causa estranheza que se mate um animal saudável, pois não?
    Pois, para ti um animal não é menos que um ser humano, mas está visto há animais que não menos que outros animais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para ela é diferente matar um porco ou matar um cão... o sofrimento em que vivem as vacas para que os humanos bebam o seu leite é um mal menor... matar bebés (vitelos/leitões/etc) é normal, afinal fazem parte da cadeia alimentar pela qual ela se guia...

      Aja incoerência!

      Eliminar
    2. oh dear lord digo eu.

      "Quem não percebe que os animais não são menos que as pessoas" esta frase não é tua? Então como consegues defender a opção de comer animais? Se os animais não são menos que pessoas como é que os consegues comer? Estás a comer algo que não é menos que tu.

      Eliminar
    3. Para além de que são abatidos e mantidos em condições miseráveis...

      Eliminar
  37. Seria até uma oportunidade para estudarem os possíveis efeitos do vírus nos animais (na Serra Leoa e Libéria também há cães) e se eles propagam o vírus ao ser humano ou são imunes ao mesmo, mas como não deve dar dinheiro a ganhar a ninguém mata-se o cão!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Leila, acho que desvalorizaram a vida do bicho ao abaterem-no sem saberem que estava doente. Para mim, esse é o cerne da questão.

      Eliminar
  38. Não és fundamentalista? ahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que o primeiro passo para a cura é a aceitação, certo?

      Eliminar
  39. Os fulanos(as) que comentam furibundos contra as pessoas que defendem os animais devem ser os mesmos energúmenos que os abandonam. Para essa «sujeitagem», deixo-vos o mesmo desejo que o Manuel Marques: oxalá tropecem e aterrem com as ventas num monte de bosta, mas humana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso prova que voce não percebe a diferença entre pessoas que defendem SEMPRE outras pessoas , incluindo as pessoas que defendem animais.
      E as que desejam mal ás outras e que preferem arriscar a vida dos outros.

      Em nada disso esta-se a falar sobre o abandono de animais.

      Eliminar
    2. A estupidez e a cegueira abundam por aqui.
      Acho que neste tema definitivamente o bom senso desapareceu, a mobilização pelo cão é muito maior que o medo que a chegada do ébola à Europa devia causar. Estamos de facto perante uma crise de valores inacreditável! E afirmar que quem não fica chocado com a decisão de eutanasiar o cão é quem abandona animais é uma constatação do mais idiota que li nesta longa lista de comentários.

      Eliminar
    3. Idiota, estúpida e cegueta é a sua constatação que não traz nada de novo à discussão do tema. Estamos de facto perante uma crise de valores inacreditáveis quando já ninguém se choca com nada, nem com a eutanásia de um animal inocente,nem com o abandono de animais!
      Medo do Ébola? Olhe é caso para dizer, «Quem tem medo compra um cão»!

      Eliminar
  40. Entretanto as fronteiras e aeroportos da Europa, continuam vulneráveis à entrada de qualquer humano portador da doença... e um destes dias alguém decreta que a única solução para acabar com o Ebola, é mandar abater todos os humanos contaminados.
    Admirados?
    Quando as elites se virem ameaçadas, vamos perceber tardiamente, que quem manda abater um cão, manda abater um homem.

    ResponderEliminar
  41. Assino por baixo. Uma vida é uma vida, seja humana seja animal. As pessoas têm que parar com essa ideia de que os animais foram feitos para nos servir e que podemos fazer com eles o que queremos. Não é assim. O Mundo é de todos, e todos têm o mesmo valor. Não se trata de tratamento especial, trata-se de igualdade e respeito. Era suposto sermos animais inteligentes e dotados de empatia e essas coisas todas, mas parece que há muitos (talvez a maior parte) que não são...

    ResponderEliminar
  42. O português «anda pelas ruas da amargura». A frase correta é: em nada disso se está a falar sobre o abandono de animais.
    Mantenho a minha posição, não defendo sempre outras pessoas, não defendo assassinos, não defendo psicopatas, não defendo pedófilos, mas defendo sempre animais indefesos.

    ResponderEliminar
  43. Juro que não consigo compreender como é que aqueles que chamam fundamentalistas àqueles que tanto defendem os animais (como é o meu caso), conseguem misturar uma data de noções: primeiro, lá por eu defender os animais, não quer dizer que não fique sensibilizada com os mil e um problemas dos seres humanos. Uma pessoa pode defender mais que uma causa; Eu sou vegetariana, não uso produtos que sejam testados em animais, não visto peles, mas sei ver que há uma diferença entre comer carne (principalmente de animais que viveram uma vida no campo, ao ar livre, e bem tratados) e maltratar e abandonar um animal; Morrer, todos morremos. Ter uma vida digna, já o caso é diferente. Por fim, para um dono (que se importe), um cão nunca é só um cão. Faz parte da família, é um amigo, é um companheiro. Até compreendo que as pessoas não saibam o que fazer perante uma ameaça destas, mas o mínimo que deviam ter feito era analisar o cão.

    ResponderEliminar
  44. Concordo que se há risco de saúde pública se deva tomar atitudes destas, assim como um humano vai para quarentena também os animais deverão ter um procedimento. Procedimento esse que contempla o que realmente é importante, saber se havia ou não contágio entre a senhora e o animal. Se tomam essa decisão "para não se gastar dinheiro" nunca saberão a verdade dessa doença e farão o mesmo com todos os animais de estimação onde surja este grave problema? Enfim...

    ResponderEliminar
  45. E que tal defenderem a vida dos médicos e enfermeiras que ficariam expostos para fazer uma quarentena ao animal com a mesma garra com que defendem a vida do bicho? Assim só naquela, fica a ideia.

    ResponderEliminar
  46. Ora bem S*, eu moro em Madrid e começo a ficar um pouco apreensiva. A melhor amiga da minha filha tem um pai, pai esse que trabalha cotovelo com cotovelo com a enfermeira que está agora a morrer. Quando digo que o pobre Excalibur podia sim ter sido picado, analisado, encerrado, "acobaiado" durante meses até morrer de tanto teste e análise, digo-o sinceramente. Podia ter sido analisado e talvez se descobrissem montes de coisas fixes para travar este vírus. Mas o Excalibur analisado requeria uma área de isolamente especial, rios de dinheiro, investigadores, atenção 24 horas e tudo o mais, coisa que acho que está muito bem quando há tempo. Agora não há tempo, todos os dias aparece malta com síntomas. E honestamente eu prefiro que se use o espaço de isolamento especial e os rios de dinheiro e os investigadores e a atenção para um ser humano que amanhã até pode ser a melhor amiga da minha filha ou a minha filha. Pobre Excalibur sim, mas por ora dou prioridade aos seres humanos. Aliás, na essência dou sempre prioridade aos seres humanos. Como diz a Luna, numa casa a arder, entre salvar uma pessoa ou um cão, um bombeiro deverá sempre salvar a pessoa, sem antes lhe ir verificar o cadastro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há uma tremenda fantasia sobre o que a ciência faz, como o faz e em quanto tempo o faz... São muitas temporadas de CSI no pêlo é o que é...

      Eliminar
    2. São muitas temporadas de The Family Guy na sua vida?

      Eliminar
    3. Por acaso até não! O family guy não faz muito o meu género.

      (Mas eu estava a dar-lhe razão Juanna, carradas e carradas de razão... :) Obviamente que não estava a falar de si.)

      Eliminar
    4. Oh caneco, peço desculpa, interpretei muito mal o que disse e fiquei um bocado aborrecida, lamento.

      Eliminar
    5. No worries! Eu percebi. Também já me aconteceu.

      Eliminar
  47. Eu acho maravilhoso é que se considere mais humano manter o animal, sabe-se lá a que custo para o seu bem estar - porque um animal habituado a determinado tipo de vida que contempla a sua liberdade, não vai reagir bem a estar confinado, com amostras a serem recolhidas, a sentir ausência e abandono dos donos e a ser 'manipulado' por estranhos com as credenciais para o efeito - do que eutanasiá-lo (a preceito, com métodos éticamente estudados e aprovados, que são os que se praticam na Europa. Eu chego mesmo a pensar que ensandeceu tudo quando me apercebo que as pessoas confundem amor pelos animais com o seu próprio egoísmo. Pensam nas questões aos olhos das suas emoções, esquecendo por completo que um animal não é humano, nunca será, nunca sentirá as coisas da mesma maneira e não se deterá a pensar sobre elas. O erro não é gostar dos animais, é querer humanizá-los.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo anónimo das 8:50, e temos o exemplo do cão, que hoje, mais do que nunca, isso acontecesse. A maioria das pessoas desconhece que o cão foi uma invenção do homem, não do Criador, não do processo evolutivo normal, mas de um darwinismo forçado pelo homem...portanto não poderá trazer-nos boas coisas (é um presente envenenado), e o homem terá que ter o retorno do que fez e continua a fazer.

      "os cachorros não existiam na natureza até o homem pegar para criar alguns lobos mais simpáticos. Pode-se dizer que o Canis lupus
      familiaris – aí inclusas todas as raças – é uma espécie desenhada pelo homem, bem antes do surgimento dos laboratórios ou mesmo de qualquer noção científica."
      ...
      Tendo um animal dócil nas mãos, o homem colocou-o para trabalhar, privilegiando o cruzamento entre cães mais úteis, um darwinismo forçado. “As raças antigas foram criadas porque o homem precisava de alguma função específica. Para isso ele foi cruzando animais com as características desejadas”
      ...
      Em todo o processo, a mão do homem esteve presente. Ou você acha que do lobo chegaríamos ao pequeno chihuahua sem interferência?"

      Pedro Burgos

      "O Jack Russel terrier foi desenvolvido no século 18, com patas curtas, para caçar raposas (ele entrava na toca delas). Recentemente virou moda nos haras do Brasil, pois o cão persegue os ratos que atormentam os cavalos."

      "O Dobermann foi inventado por um coletor de impostos alemão que ficou 30 anos cruzando raças de cachorros bravos até conseguir o dobermann para intimidar os devedores. Foi usado pelos nazistas e virou sinônimo de cão assassino".

      Etc., etc.

      Eliminar
    2. Sendo verdade que a selecção artificial dos animais é, de facto, acção humana e prática comum para satisfazer propósitos humanos, e sabendo que isso permitiu o aparecimento de numerosos raças de cães, algumas das quais com sérias 'deficiências' ou fenótipos limitativos (como displasia da anca nos pastores alemães, por exemplo), a verdade é que não concordo com o que o anónimo das 11.24 disse e o meu comentário não era, de todo, nesse sentido. Nem sequer defendo o abate de cães ou me referi ao facto de gostar ou não deles. O meu comentário foi feito sem qualquer reserva ou desagrado relativamente à natureza dos cães, foi exclusivamente relativo ao caso em questão, do cão exposto ao Ébola. Não acho, de todo, que os animais não nos tragam coisas boas por não serem obra do criador, até porque sou agnóstica e há por aí coisa muito pior feita pelo senhor. Só acho que este assunto em questão é muito discutido, inflexivelmente, por quem até pode trazer em riste o estandarte do amor pelos animais mas não percebe peva do assunto.

      Anónima das 08:50.

      Eliminar
  48. Anónimo das 13:09, eu só concordei com isto que disse:"O erro não é gostar dos animais, é querer humanizá-los". Por acaso eu também sou agnóstico, por isso utilizo a palavra "Criador", seja lá o que for, porque creio que nenhum homem irá descobrir a verdade, a tendência é arranjar explicações à sua medida, humanamente entendíveis. Mas, conforme a minha experiência e observação da vida, e sentindo-me livre para dar a minha humana opinião, considero que a tudo o que desestabiliza o normal funcionamento da natureza se segue uma resposta da natureza a tentar equilibrar essa situação ou a dizer-nos que o resultado natural (seja ele qual for) é o ideal e não o que é manipulado/alterado pelo homem (esta é a minha opinião).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, vai-me desculpar mas aposto que esses seus ideiais de que tudo devia obedecer ao normal funcionamento da natureza acabam mal lhe seja diagnosticada uma doença. Aposto que não se vai deixar estar à mercê da selecção natural, vai procurar um médico e um hospital e recorrer a tudo o que estiver ao seu alcance para sobreviver. Há que ter cuidado no que defendemos, ou na maneira como o expressamos sob pena de não sermos depois capazes de ser coerentes. Muitos bebés morreriam se não fosse pela mão humana e a medicina moderna, se não fosse pela interferência do homem na natureza. Quem diz bebés diz homens, mulheres, animais. E, nesta caso em concreto, tanto é válido para homens como para animais a aceitação da alteração do curso das circunstâncias da natureza.

      A mesma anónima de há bocado.

      Eliminar
    2. Anónimo das 17:55, eu acredito que, se o criador (ou o processo evolutivo) nos deu um cérebro maior do que os outros animais foi para ser utilizado, e iria sim, recorrer a tudo o que estivesse ao meu alcance para me curar de uma doença; mas também acredito que o cérebro dos homens não deveria servir para encontrar soluções que impliquem alterar o normal funcionamento do ambiente, incluindo os animais, que fazem parte dele e não pertencem aos homens. Se os homens querem fazer experiências ou utlização de recursos naturais para seu proveito que o façam, mas utilizando esse cérebro grande que têm para encontrar soluções que impliquem o mínimo possível a interferência com o normal funcionamento do planeta.

      Eliminar
  49. Podes sempre voluntariar-te e tratar tu do cão. Não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tu, porque é que não te voluntarias e vais tratar de «ébolados» para a República Democrática do Congo?

      Eliminar
  50. Quero agradecer-te por teres um blogue como este e por teres escrito este post. Estas tuas palavras são as minhas palavras, mas como não tenho um blogue louvo estes blogues, como o teu, que escrevem sobre assuntos que já deviam estar mais enraizados dentro das mentalidades humanas. Infelizmente, isso não acontece. Mudar consciências é muito difícil mas, acredito, que pessoas como nós, que temos um respeito enorme por todos os seres vivos e que achamos que todos têm o direito à vida e à vida com dignidade, vamos consciencializando os que estão à nossa volta, e tu com o teu blogue, para mudar mentalidades.

    É triste pensarem que quem gosta de animais e os defende ou são fundamentalistas, maluquinhas dos gatos/cães, ou porque não têm mais nada com que se preocupar. É triste, muito triste!

    Obrigada, mais uma vez.

    Sónia Barreto

    ResponderEliminar
  51. Quero agradecer-te por teres um blogue como este e por teres escrito este post. Estas tuas palavras são as minhas palavras, mas como não tenho um blogue louvo estes blogues, como o teu, que escrevem sobre assuntos que já deviam estar mais enraizados dentro das mentalidades humanas. Infelizmente, isso não acontece. Mudar consciências é muito difícil mas, acredito, que pessoas como nós, que temos um respeito enorme por todos os seres vivos e que achamos que todos têm o direito à vida e à vida com dignidade, vamos consciencializando os que estão à nossa volta, e tu com o teu blogue, para mudar mentalidades.

    É triste pensarem que quem gosta de animais e os defende ou são fundamentalistas, maluquinhas dos gatos/cães, ou porque não têm mais nada com que se preocupar. É triste, muito triste!

    Obrigada, mais uma vez.

    Sónia Barreto

    ResponderEliminar
  52. Bem, curioso é q todos saibam o nome do cão mas não o da senhora (lá se foi a igualdade).
    Eu tb gosto de animais, mas honestamente (e não li os 170 e tal comentários anteriores por isso n sei o q já foi dito, peço desculpa) acho q o animal iria sofrer muito mais se fosse "investigado e sujeito a análises".
    Além de que a reacção num cão não será igual à de um humano, pelo que poderá n ser fácil averiguar o facto do bicho ter ou não a doença.
    Quero acreditar que se os profissionais de saúde assim o decidiram foi pq seria a melhor solução.
    Se calhar tb temos de ter alguma fé nas pessoas e não acharmos que são "assassinos"!

    ResponderEliminar
  53. Venho já muito tarde e com uma opinião irrelevante, mas gostava de ta dar na mesma.

    A única coisa que eu agradeço é o facto de não estar nas minhas mãos tomar este tipo de decisões. Emocionalmente, ser-me ia impossível!
    É injusto que alguém que arrisca a sua vida para salvar a de outrém padeça do virús. É injusto que essa mesma pessoa possa ter contaminado os seus entes queridos. É injusto que uma pobre alma doce e amada tenha que sofrer um destino cruel. Mas, no meio disto tudo, há muitas decisões em cima do joelho a tomar, há muito que se desconhece e as autoridades não podem nunca responsabilizar-se pelo contágio (desconhecido) que um animal, dócil e querido, possa causar. Não pode permitir que alguém se responsabilize pela quarentena de um cão, quando não sabe os efeitos que essa mesma possa ter sobre a saúde pública. Se o cão é portador da infecção ou não, se alguma vez manifestará sintomas e quais, se corre o risco de contaminar quem se dedique a estudá-lo, quando e como, e se deixará alastrar o virús para outras mais pessoas. Há muitos "Se" e, apesar de eu achar extremamente injusto que um animal seja abatido apenas por suspeitas de contaminação, como se fosse descartável, tento compreender que há alturas em que se têm que tomar decisões impossíveis e medidas preventivas numa fase inicial de grande alarmismo público.

    Mira

    ResponderEliminar
  54. Subscrevo tudo o que aqui disseste. É realmente uma situação muito triste :(

    ResponderEliminar